Toda luz que não podemos ver

Anthony Doerr
  • Formato(s) de venda: livro, e-book
  • Tradução: Maria Carmelita Dias
  • Páginas: 528
  • Gênero: Ficção
  • Formato: 16 x 23
  • Lançamento: 13/04/2015

Marie-Laure vive em Paris, perto do Museu de História Natural, onde seu pai é o chaveiro responsável por cuidar de milhares de fechaduras. Quando a menina fica cega, aos seis anos, o pai constrói uma maquete em miniatura do bairro onde moram para que ela seja capaz de memorizar os caminhos. Na ocupação nazista em Paris, pai e filha fogem para a cidade de Saint-Malo e levam consigo o que talvez seja o mais valioso tesouro do museu.

Em uma região de minas na Alemanha, o órfão Werner cresce com a irmã mais nova, encantado pelo rádio que certo dia encontram em uma pilha de lixo. Com a prática, acaba se tornando especialista no aparelho, talento que lhe vale uma vaga em uma escola nazista e, logo depois, uma missão especial: descobrir a fonte das transmissões de rádio responsáveis pela chegada dos Aliados na Normandia. Cada vez mais consciente dos custos humanos de seu trabalho, o rapaz é enviado então para Saint-Malo, onde seu caminho cruza o de Marie-Laure, enquanto ambos tentam sobreviver à Segunda Guerra Mundial.

Uma história arrebatadora contada de forma fascinante. Com incrível habilidade para combinar lirismo e uma observação atenta dos horrores da guerra, o premiado autor Anthony Doerr constrói, em Toda luz que não podemos ver, um tocante romance sobre o que há além do mundo visível.

Anthony Doerr

Anthony Doerr

Anthony Doerr foi finalista do National Book Awards em 2014 com Toda luz que não podemos ver, seu segundo romance publicado, que também foi eleito um dos melhores do ano por veículos como The Guardian, Entertainment Weekly e Kirkus Reviews.

Resenhas

Totalmente arrebatador.

The New York Times

Uma linda história, permeada de reflexões sobre o sentido da vida.

Los Angeles Times

O leitor fica convencido de que ainda há novas histórias a se escrever sobre esse período e que nem a guerra - com toda a desesperança, a crueldade e as difíceis escolhas morais - pode impedir a beleza do mundo.

Publishers Weekly