Diário de Isabela Freitas

Por Isabela Freitas

24 / abril / 2015

aposasreticencias

Certo dia, enquanto estava em um bar com uns amigos, vi uma garota apanhando do seu ”namoradinho”. Assim mesmo, dois tapas. Na cara. Todos que estavam ao redor se assustaram. Isso é crime, né? Mas as pessoas não se importam; pra falar a real, nem eu me importei. Pensei quietinha: “Eu ir lá pra apanhar também? Coisa de maluco.” – e me virei para o outro lado. Porque é isso que nós fazemos: viramos o rosto para os problemas achando que eles vão se revolver num toque de mágica. Para meu espanto e esperança, um garçom, vendo tamanha atrocidade, não conseguiu se conter e foi pedir ao rapaz que se retirasse do local. “Pouca vergonha aqui não, faz favor”, ele disse. Pasmem com o que aconteceu em seguida. A garota respondeu que estava ”tudo bem” e que isso era ”normal”. Claro, supernormal. Eu mesma tomo dois tapas na cara todos os dias dos meus amigos, a propósito, é assim que meu namorado me acorda pela manhã. Há tapas e, quem sabe depois, alguns beijos. Ao ouvir aquela resposta tive vontade de me levantar e entrar no meio da confusão.

Será que o mundo estava mesmo tomando esse rumo? A ponto de que uma agressão física e verbal se torne algo comum, rotineiro, que vemos todos os dias? Olha, temo dizer que sim. Essa garota do bar foi agredida fisicamente, o que assustou todos – ou quase todos – que estavam à volta. Mas e as garotas que sofrem agressão verbal todos os dias? Que são desrespeitadas, tratadas como fantoches nas mãos de pessoas que não se importam? Olhe à sua volta, tenho certeza de que você conhece alguém assim. Alguém que ache que amor significa superar tudo. Pera lá, amor não é superar tudo não, e se não sabem, a base do amor é o respeito e confiança. Se um falha, o outro desmorona.

Se tem uma coisa que eu acho altamente destrutiva em um relacionamento é a falta de respeito. E cá para nós, a mulher não pode permitir que o homem faça isso. Ao iniciar um relacionamento ela deve prezar por ter ao seu lado alguém que a respeite, admire e valorize. Afinal, com tantos homens no mundo, por que ficar logo ao lado daquele que não enxerga o seu potencial? Vai ficar com aquele que te chama de gorda e diz que o dedão do seu pé é feio? Só se você for louca, desculpe-me a sinceridade. Nós mulheres temos o mundo em nossas mãos, somos capazes de conquistar tudo aquilo que desejamos e de ter tudo aquilo que queremos, então por que ficar ao lado de alguém que só te repreende? Que não te deixa mostrar todo o seu potencial? Isso é suicídio.

A falta de respeito nos relacionamentos infelizmente está enraizada em uma sociedade altamente machista. Hoje em dia nós mulheres temos muito mais independência, mas do que adianta se o pensamento é preso a um passado de submissão e reverência? Ao contrário do que muitas pensam, nós mulheres não nascemos para servir aos homens. Nós mulheres não precisamos de homem para sermos felizes e completas; isso conseguimos muito bem sozinhas. A verdade é que por mais que não precisemos do amor, nós o queremos.  Então que saibamos esperar o amor gostoso, o amor devoto, o amor que inspira, que transpira, o amor puro, dado de graça sem pedir nada em troco, o amor que traz a leveza, tira o peso e nos faz sonhar a noite.

É desse amor que nós precisamos. Amor que faz o bem. Se faz mal, não é amor.

 

Tags , .

Isabela Freitas é autora de Não se iluda, não e de Não se apega, não, o primeiro livro jovem nacional da Intrínseca. Em 2011, começou seu blog, que já soma mais de 130 milhões de visualizações. Estudante de Direito, pretende cursar Jornalismo um dia. Mora com os pais em Juiz de Fora (MG), onde nasceu.

VER TODAS AS COLUNAS

Comentários

3 Respostas para “Diário de Isabela Freitas

  1. Exatamente isso… eu não tolero essas coisas nem de amigos e nem de namorados. Sempre me acham muito ‘linha dura’ ou sei lá mais o que. Simplesmente por eu exigir algo que mereço e não só eu como todos nós. E no final acabam sempre me ‘amaldiçoando’ e falando que ficarei sozinha… e pelo visto está funcionando.
    Nem ligo.. sim quero um amor, mas não qualquer um.

  2. Eu penso exatamente assim, quantas mulheres não sofrem com o machismo e ficam caladas? quantas mulheres não abaixam a cabeça para uma ordem do marido, ou namorado, ou até mesmo um colega que pelo simples fato de ser homem já acha que pode mandar?
    A sociedade evoluiu, os tempos evoluiram, as mulheres conquistaram seus direitos, e ainda assim, tem gente que vive com a cabeça no século passado… Já era sua fã, agora que vi essa postagem, sou mais ainda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *