A miscelânea original de Schott

Ben Schott
  • Formato(s) de venda: livro, e-book
  • Tradução: Cláudio Figueiredo
  • Páginas: 160
  • Gênero: Crônicas, Humor e Entretenimento
  • Formato: 12 x 19,3 cm
  • Lançamento: 08/12/2005

Do significado dos pangramas - frases que contêm todas as letras do alfabeto - às regras estabelecidas na Irlanda do século XVIII para a prática de duelos, o livro de Ben Schott reúne um "banquete de banalidades até então despercebidas", como define o autor. São, paradoxalmente, inutilidades úteis. Enumeram-se, por exemplo, alguns dos lugares-comuns do latim (a priori, a posteriori), bem como máximas de Oscar Wilde: "Só o que é moderno acaba saindo de moda."

O autor dá a receita de um bom Bloody Mary, cita Hamlet na língua do pê e relaciona as pessoas que surgem na famosa capa do disco Sgt. Pepper, dos Beatles, de 1967: Mae West, Jung e Lewis Carroll, entre tantos. Uma revelação interessante remonta aos séculos XVIII e XIX, quando o governo britânico criou impostos sobre o uso de chapéus, luvas e perfumes, chegando a taxar proprietários de imóveis pelo número de janelas! Outra história curiosa: como Louis Braille, cego desde os 4 anos, inventou seu famoso código de comunicação com base num tipo de escrita noturna feita por um soldado. Ben Schott, que aconselha a leitura aleatória do livro, é capaz de numa página esboçar as abreviaturas da arte do tricô e, em outra, mostrar que o cardápio do Titanic incluía ostras e salmão.

A edição brasileira da miscelânea foi traduzida e adaptada por Cláudio Figueiredo, que acrescentou histórias nacionais à obra originalmente inglesa. Por isso, ao lado de frases famosas do escritor inglês Samuel Johnson, estão as do brasileiro Machado de Assis. Há ainda menção ao livro O linguajar da malandragem, publicado no Rio de 1940, em que Edmyson Perdigão apresenta gírias utilizadas pela bandidagem carioca: autopsiar significava "roubar alguém que está dormindo" e Jeremias a "criança que desperta quando o gatuno está agindo". Em tom descontraído, o livro é um bem selecionado compêndio de temas que informam e divertem.

Ben Schott

Ben Schott

Ben Schott nasceu em Londres, Inglaterra. Estudou Ciência Política na Universidade de Cambridge e teve uma breve carreira como publicitário antes de se tornar fotógrafo independente.

Resenhas

Ben Schott, escritor inglês, foi mais esperto ainda. (...) Abriu seu caderninho doméstico de curiosidades. Fez um livrinho delicioso, A miscelânea original, em que junta a relação dos nomes dos diretores do FBI com a letra da Internacional comunista, termos militares úteis em somali, a fórmula do dry-martíni e milhares de outras informações sem nexo entre si.

O Globo,

Trata-se de um conjunto de curiosidades, uma ‘justaposição de informações’, como o autor gosta de dizer, uma coletânea de conhecimentos aparentemente inúteis - mas irresistíveis e divertidos.

Época

É, no jargão popular, a cultura inútil. Mas descobre-se, ao longo de suas 160 páginas, que há sim utilidade, mesmo para quem se habituou a lidar apenas com números e cifras. Não há uma organização clara, não há uma seqüência organizada de temas, e talvez aí resida o sucesso da miscelânea. É para ler e levar no bolso - pode ser utilizada numa reunião séria de negócios ou na mesa de um bar diante de uma cerveja de verão.

Isto É Dinheiro

Ele ocupa o segundo lugar na lista de mais vendidos da editora inglesa Bloomsbury, atrás somente de ninguém menos que Harry Potter. O nome: Ben Schott. O feito: A miscelânea original de Schott, que já vendeu 2 milhões de exemplares só no Reino Unido e que acaba de chegar às prateleiras brasileiras pela Intrínseca (...).

Folha de S. Paulo,

(...) comecei a ler e não parei mais. Nunca pensei que diria isto de um livro que se inicia com o título Nomenclatura das Tacadas de Golfe. Mas é irresistível. (...) À primeira vista, parece improvável que, em plena era da Internet - com tantos dados a respeito de tudo à disposição -, um livro destes, uma coletânea de curiosidades pesquisadas em bibliotecas, faria tamanho sucesso. Mas talvez seja este, precisamente, um dos motivos do seu êxito. Mais do que nunca precisamos de bons editores, de quem sabe escolher as informações que, por um motivo ou outro, nos interessam.

O Estado de São Paulo,

Outro s título s de Ben Schott pela Intrínseca