Eu sou o mensageiro

Markus Zusak
  • Formato(s) de venda: livro, e-book
  • Tradução: Antônio E. de Moura Filho
  • Páginas: 320
  • Formato: 16 x 23 cm
  • Lançamento: 06/09/2007

Ed Kennedy leva uma vida medíocre, sem arroubos. Trabalha, joga cartas com cúmplices do tédio, apaixona-se por uma amiga que dorme com todos os vizinhos do subúrbio e divide apartamento com um cão velho. O pai alcoólatra morreu há pouco; a mãe parece desprezá-lo.

Certo dia, ele impede um assalto a banco e é celebrizado pela mídia. O ato heróico tem conseqüência. Logo depois, Ed recebe enigmáticas cartas de baralho pelo correio: uma seqüência de ases de ouros, paus, espadas, copas, cada qual contendo uma série de endereços ou charadas a serem decifradas. Após certa hesitação, rende-se ao desafio. Misteriosamente levado ao encontro de pessoas em dificuldades, devassa dramas íntimos que podem ser resolvidos por ele. Uma mulher é estuprada diariamente pelo marido, enquanto uma senhora de 82 anos afoga-se em solidão, à espera do companheiro, morto há mais de meio século.

A ele parece caber o papel do eleito, do salvador. Convencido disso, segue instruções e se perde entre ficções de estranhos e sua própria, embaçada, realidade. A certa altura pergunta-se: "Eu sou real?" Markus Zusak cria um personagem comovente capaz de confrontar o mistério e, por meio da solidariedade, empreender um épico que o levará ao centro de sua própria existência.

Leia mais no BLOG

Markus Zusak

Markus Zusak

Markus Zusak nasceu em 1975, em Sydney, na Austrália. Seu best-seller A menina que roubava livros lhe rendeu sucesso mundial, tendo sido traduzido para mais de quarenta idiomas e conquistado diversos prêmios. Pela Intrínseca, também publicou Eu sou o mensageiro e A garota que eu quero. O construtor de pontes foi escrito ao longo de treze anos, uma grande jornada para Zusak, mais grandiosa ainda para quem o lê.

Resenhas

Assim como em A menina que roubava livros, por trás do humor, do inusitado e de uma certa leveza há profundos questionamentos em Eu sou o mensageiro. Se lá era a Morte que contava a história, aqui o protagonista não apenas muda a vida das pessoas, mas ele próprio vai se transformando em algo melhor, mesmo que de uma forma confusa. Sem querer passar mensagens do tipo ‘moral da história’, Zusak nos faz enxergar o óbvio: o autoconhecimento é a primeira condição para darmos um passo à frente.

O Globo

Não comece essa leitura compulsiva se não estiver com tempo de ler até a última página.

Publishers Weekly

Zusak é brilhantemente bem-sucedido.

Booklist

Outro s título s de Markus Zusak pela Intrínseca