Virada no jogo

John Heilemann e Mark Halperin
  • Formato(s) de venda: livro, e-book
  • Tradução: Clóvis Marques
  • Páginas: 464
  • Gênero: Não Ficção
  • Formato: 16 x 23
  • Lançamento: 14/11/2011

Como Barack Obama, senador iniciante com poucas realizações políticas tangíveis se convenceu de que deveria e poderia ser o primeiro presidente afro-americano dos Estados Unidos? Que papel Bill Clinton desempenhou efetivamente na campanha da esposa? Por que McCain escolheu a desconhecida governadora do Alasca, uma incógnita, como companheira de chapa? E quem é realmente Sarah Palin? Em Virada no jogo, John Heilemann e Mark Halperin se valem de um privilegiado acesso aos meios políticos para responder a essas e a outras perguntas, revelando o que de fato se passou nos bastidores da corrida presidencial norte-americana em 2008.

Mesmo com a exaustiva cobertura da imprensa diária, para Heilemann, colunista da revista New York, e Halperin, da Time, boa parte da história por trás das manchetes não fora contada. Por isso, Virada no jogo se empenha em traçar um retrato íntimo dos candidatos e cônjuges que possuíam chances razoáveis de ocupar a Casa Branca: Barack e Michelle Obama, Hillary e Bill Clinton, John e Elizabeth Edwards e John e Cindy McCain.

Com base em centenas de entrevistas, Virada no jogo é um tour de force jornalístico que pode ser lido como um romance de ritmo frenético. É a narrativa definitiva, às vezes chocante e não raro hilariante, de uma campanha presidencial que entrou para a história.

John Heilemann e Mark Halperin

John Heilemann e Mark Halperin

John Heilemann é correspondente de política nacional e colunista na revista New York e Mark Halperin, que foi por dez anos diretor político da ABC News e já cobriu seis eleições, é colaborador e comentarista da revista Time.

Resenhas

Leitura compulsiva. Não dá para largar.

Los Angeles Times

Abusado, insinuante, intrometido, chocante e compulsivo... resultado de uma pesquisa exaustiva. Um retrato da campanha presidencial feito sem pudor e com grande competência.

The Economist

Um banquete picante de observações, revelações e insinuações. Dá ao leitor uma sensação vívida e visceral da campanha e uma compreensão profunda dos paradoxos e das contingências da história.

Michiko Kakutani, The New York Times

Virada no jogo é uma reconstituição de momentos fundamentais da campanha presidencial. Não perde na comparação com os clássicos do gênero.

The Washington Post

Incendiário, intrigante, cheio de nuances, atraente e fantasticamente detalhado.

Gaby Wood, Observer

Chocante. O que há de mais delicioso neste livro... é que ele nos transporta a um universo paralelo onde tudo o que aparece nos tabloides é verdade. O leitor viaja em companhia de dois repórteres dedicados, obviamente viciados no drama humano por trás da eleição presidencial norte-americana.

Edward Luce, Financial Times