A menina que roubava livros

Markus Zusak
  • Formato(s) de venda: livro, e-book
  • Tradução: Vera Ribeiro
  • Páginas: 480
  • Formato: 16 x 23 cm
  • Lançamento: 15/02/2007

A trajetória de Liesel Meminger é contada por uma narradora mórbida, surpreendentemente simpática. Ao perceber que a pequena ladra de livros lhe escapa, a Morte afeiçoa-se à menina e rastreia suas pegadas de 1939 a 1943. Traços de uma sobrevivente: a mãe comunista, perseguida pelo nazismo, envia Liesel e o irmão para o subúrbio pobre de uma cidade alemã, onde um casal se dispõe a adotá-los por dinheiro. O garoto morre no trajeto e é enterrado por um coveiro que deixa cair um livro na neve. É o primeiro de uma série que a menina vai surrupiar ao longo dos anos. O único vínculo com a família é esta obra, que ela ainda não sabe ler.

Assombrada por pesadelos, ela compensa o medo e a solidão das noites com a conivência do pai adotivo, um pintor de parede bonachão que lhe dá lições de leitura. Alfabetizada sob vistas grossas da madrasta, Liesel canaliza urgências para a literatura. Em tempos de livros incendiados, ela os furta, ou os lê na biblioteca do prefeito da cidade.

A vida ao redor é a pseudo-realidade criada em torno do culto a Hitler na Segunda Guerra. Ela assiste à eufórica celebração do aniversário do Führer pela vizinhança. Teme a dona da loja da esquina, colaboradora do Terceiro Reich. Faz amizade com um garoto obrigado a integrar a Juventude Hitlerista. E ajuda o pai a esconder no porão um judeu que escreve livros artesanais para contar a sua parte naquela História. A Morte, perplexa diante da violência humana, dá um tom leve e divertido à narrativa deste duro confronto entre a infância perdida e a crueldade do mundo adulto, um sucesso absoluto - e raro - de crítica e público.

Leia mais no BLOG

Markus Zusak

Markus Zusak

Markus Zusak nasceu em 1975, em Sydney, na Austrália. Seu best-seller A menina que roubava livros lhe rendeu sucesso mundial, tendo sido traduzido para mais de quarenta idiomas e conquistado diversos prêmios. Pela Intrínseca, também publicou Eu sou o mensageiro e A garota que eu quero. O construtor de pontes foi escrito ao longo de treze anos, uma grande jornada para Zusak, mais grandiosa ainda para quem o lê.

Resenhas

O que interessa é seu trabalho com a linguagem, em que Zusak cria um discurso próprio para a personagem Morte (...).

O Estado de São Paulo

A leveza com que crianças e adolescentes atravessam um dos períodos mais dramáticos da História é um dos trunfos desse belo livro.

Época

O amor pelos livros conduz e sustenta a engenhosa estrutura do romance.

O Globo,

Brilhante e altamente ambicioso... Há quem diga que um livro tão difícil e triste não seja adequado para adolescentes... Adultos provavelmente gostarão (este aqui gostou), mas é um grande romance jovem-adulto... É o tipo do livro que pode mudar a vida (...).

The New York Times

Eleito por O Globo um dos Melhores Livros de 2007: "Quase desconhecido no Brasil, o australiano boa-praça Zusak conquistou os leitores com esta história contada pela Morte, sobre uma menina que encontra nos livros que rouba um abrigo para sobreviver à Segunda Guerra. Mais do que um inusitado romance histórico, uma narrativa sobre o amor à literatura."

O Globo,

A menina que roubava livros é perturbador, nada sentimental e, ainda assim, essencialmente poético. A crueldade e a tragédia perpassam a mente do leitor como um filme preto-e-branco, destituído das cores da vida. Zusak pode não ter vivido sob a dominação nazista, mas A menina que roubava livros merece um lugar na mesma prateleira de Diário de Anne Frank e de A noite, de Elie Wiesel. Parece fadado a se tornar um clássico.

USA Today

Booktrailer

Outro s título s de Markus Zusak pela Intrínseca