BAHIA DE TODOS OS NEGROS

As rebeliões escravas do século XIX

Fernando Granato

Pré-venda

  • Formato(s) de venda: livro, e-book
  • Páginas: 224
  • Gênero: História
  • Formato: 13 x 18 x 1,6 cm
  • Lançamento: 25/08/2021

O estado da Bahia abrigou uma das maiores confluências de negros escravizados do Brasil colonial, junto com Rio de Janeiro e Pernambuco. Nenhum outro, porém, tem a herança africana tão flagrante em sua cultura e população. O que teria acontecido, sobretudo na capital, Salvador, de diferente dos demais lugares brasileiros que também passaram pelo processo de colonização perverso calcado na escravidão?

Em Bahia de todos os negros, Fernando Granato correlaciona a preservação da ancestralidade africana na Bahia à altivez conquistada à força pelo povo negro. Salta aos olhos a grande quantidade de revoltas e rebeliões da população escravizada e dos afrodescendentes livres que marcou a história do estado — em comparação com outros territórios onde a população cativa também era numerosa, os registros baianos são surpreendentemente maiores.

Tomando como fio condutor dois personagens cuja história de vida se entrelaça à dos levantes — o notório abolicionista Luiz Gama e sua mãe, Luíza Mahin, pouquíssimo estudada devido à falta de documentos que atestem sua trajetória —, o autor monta uma narrativa cronológica que não se atém apenas aos fatos, mas também explora seus contextos, cenários e personagens, a fim de aproximar ao máximo o dado histórico da vivência real.

Fiel à historiografia oficial, acrescido de elementos de reportagem e calcado em atores cruciais para a construção social do país, Bahia de todos os negros joga luz sobre um passado indispensável à compreensão do presente — histórias reais que ajudam a pensar os dilemas de um Brasil que ainda precisa se conhecer.

Leia mais no BLOG

Fernando Granato

Fernando Granato

Fernando Granato é escritor e jornalista, vencedor do Prêmio Imprensa Embratel e indicado ao Jabuti de Reportagem por suas publicações sobre a vida e a obra de Guimarães Rosa. Escreve para os cadernos de cultura do Estadão e da Folha de S.Paulo.

Série