testeLivros para um carnaval literário

Seja você um folião recluso ou alguém que gosta de curtir o bloco na rua, separamos dicas de leituras incríveis para aqueles (poucos) momentos de descanso durante o Carnaval:

A sutil arte de ligar o f*da-se, de Mark Manson

Poucas épocas do ano pedem tanto o botão do f*da-se ligado quanto o Carnaval, não é mesmo? Em A sutil arte de ligar o f*da-se, Mark Manson usa toda a sua sagacidade e seu olhar crítico para propor um novo caminho rumo a uma vida melhor, mais coerente com a realidade e consciente dos nossos limites. Como um verdadeiro amigo, Mark se senta ao seu lado e conta umas piadas aqui, dá uns exemplos inusitados ali, joga umas verdades na sua cara e pronto, você já se sente muito mais alerta e capaz de enfrentar esse mundo cão.

Saiba seus limites, aproveite a festa, e, para o resto, ligue o f*da-se até a Quarta-Feira de Cinzas!

Leonardo da Vinci, de Walter Isaacson

Filho ilegítimo, à margem da educação formal, gay, distraído e, por vezes, herético, o Leonardo desenhado na biografia de Walter Isaacson é uma pessoa real, extraordinária pela pluralidade de interesses e pelo prazer que tinha em combiná-los.

Depois de conhecer a pessoa por trás das obras de arte, temos certeza que Da Vinci adoraria conhecer o Carnaval brasileiro.

Mais escuro, de E L James

E L James revisita Cinquenta tons mais escuros com um mergulho mais profundo e sombrio na história de amor que envolveu milhões de leitores em todo o mundo.

O relacionamento quente e sensual de Anastasia Steele e Christian Grey chega ao fim com muitas acusações e sofrimento, mas Grey não consegue tirar Ana da cabeça. Determinado a reconquistá-la, ele tenta suprimir seus desejos mais obscuros e sua necessidade de controle absoluto, aceitando a amar Ana nos termos estabelecidos por ela.

 

Me chame pelo seu nome, de André Aciman

A casa onde Elio passa os verões fica em um verdadeiro paraíso da costa italiana. Filho de um importante professor universitário, ele está bastante acostumado à rotina de, em todos os verões, hospedar na casa da família um novo escritor que, em troca da boa acolhida, ajuda seu pai com correspondências e outras tarefas. Quando chega Oliver, o novo hóspede, acontece uma revolução na vida de Elio. Me chame pelo seu nome explora a paixão com delicadeza inigualável, em uma narrativa magnética, inquieta e sensual.

 

Pequenas grandes mentiras, de Liane Moriarty, e Como eu era antes de você, de Jojo Moyes

Esse é o Carnaval do poder feminino! Para entrar no clima, indicamos duas leituras com mulheres incrivelmente fortes, cada uma a sua maneira: Pequenas grandes mentiras, de Liane Moriarty – que inspirou a premiadíssima série da HBO, Big Little Lies -, e Como eu era antes de você, de Jojo Moyes, que lançou o desfecho da trilogia no último dia 8, Ainda sou eu!

 

Mindhunter, de John Douglas e Mark Olshaker

Um fascinante relato da vida de um agente especial do FBI e da mente dos mais perturbados assassinos em série que ele perseguiu. A história de Douglas serviu de inspiração para a série homônima da Netflix, que conta com a direção de David Fincher (Garota Exemplar e Clube da Luta) e um elenco formado por Jonathan Groff, Holt McCallany e Anna Torv.

 

Ordem Vermelha: Filhos da Degradação, de Felipe Castilho

Que tal viajar para a última cidade do mundo durante o feriado?  Conheça Untherak, seus becos e histórias que farão qualquer bloco superlotado parecer tranquilo. Localizada aos pés do monte Ahtul, ao lado dos Grandes Pântanos, a cidade abriga humanos e kaorshs, gigantes e anões,  gnolls e sinfos que vivem para servir à deusa Una.

Cumprindo sua missão milenar, eles coexistem em relativa paz. Até que a kaorsh Yanisha descobre um segredo capaz de abalar as estruturas do Palácio. Junto com a esposa, Raazi, ela arquiteta um plano tão corajoso quanto arriscado, que terá como cenário o Festival da Morte.

 

Tartarugas até lá embaixo, de John Green

O mais pessoal de todos os livros do autor de A culpa é das estrelas, Tartarugas até lá embaixo é recheado de frases sublinháveis, amizades cativantes, fanfics de Star Wars e – por que não? – peculiares répteis neozelandeses. Um livro sobre as mais incríveis surpresas que surgem ao longo da vida de todos nós.

A história acompanha a jornada de Aza Holmes, uma menina de 16 anos que sai em busca de um bilionário misteriosamente desaparecido – quem encontrá-lo receberá uma polpuda recompensa em dinheiro – enquanto lida com o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).

Extraordinário, de R. J. Palacio

Auggie Pullman é um menino com uma severa deformidade facial que precisa enfrentar o estranhamento e o preconceito de crianças e adultos. O livro, que foi adaptado para os cinemas em 2017, se tornou uma ode à empatia, à tolerância e à gentileza. “Escolha ser gentil”: um mantra, uma atitude, uma mensagem valiosa para a atualidade.

 Simon vs. a agenda Homo sapiens, de Becky Albertalli

Simon tem dezesseis anos e é gay, mas ninguém sabe. Sair ou não do armário é um drama que ele prefere deixar para depois. Tudo muda quando Martin, o bobão da escola, descobre uma troca de e-mails entre Simon e um garoto misterioso que se identifica como Blue e que a cada dia faz o coração de Simon bater mais forte. Martin começa a chantageá-lo, e, se Simon não ceder, seu segredo cairá na boca de todos. Pior: sua relação com Blue poderá chegar ao fim, antes mesmo de começar.

testeLeonardo, o mais humano dos gênios

Por João Carvalho*

Quando pensamos em Leonardo Da Vinci a primeira palavra que nos vêm à cabeça é gênio. Da Vinci era genial, isso é um fato posto. Afinal, estamos falando do cara que pintou a Mona Lisa e A Última Ceia. Um homem que cinco séculos atrás desenhou projetos de helicópteros e escafandros. Um sujeito que era a um só tempo tão versado em pintura e geologia quanto em anatomia e engenharia. Mas o que significa ser um gênio?

A palavra gênio tem sua origem no latim genius, que era o espírito guia ou deidade pessoal que acompanhava cada um de nós, quase uma versão pagã do anjo da guarda. Como aqueles que conseguiam atingir grandes feitos eram considerados possuidores de um grande genius, a palavra passou a significar também inspiração. Em sua acepção moderna o termo bebe de duas fontes latinas. Genius, que já explicamos, e ingenium, que, por sua vez, significa talento, capacidade natural, dom.

Ou seja, genial seria aquele que tem um enorme talento ou dom que se manifesta quase que metafisicamente através de uma dádiva recebida de um espírito guia, ou, após o surgimento da cristandade, de Deus. Assim, o gênio se torna um inspirado, alguém fora do convívio humano, um predestinado que já nasceu preparado para surpreender a todos com seu talento sobrenatural. Se essas são as qualidades de um gênio, ironicamente, Da Vinci foi tudo, menos isso.

A Última Ceia (Fonte)

Da Vinci era acima de tudo um polímata, um homem do Renascimento. Seus interesses eram tão diversos quanto difusos: óptica, perspectiva, anatomia, engenharia hidráulica, arquitetura, engenharia militar, pintura, música, teatro, geologia, botânica, enfim, pense em um ramo da ciência que alguém pode buscar conhecer e você achará alguma página dos inúmeros cadernos de Da Vinci contendo notas a respeito. Mas a genialidade de Da Vinci não era algo inato. Seu maior dom era sua curiosidade infindável e seu desejo de conhecer o ser humano em absolutamente todas as suas facetas.

Estudos de Adoração dos Magos por Leonardo da Vinci (1452-1519), drawing 436E recto.

Da Vinci tinha a curiosidade de uma criança, a obstinação em angariar conhecimento de um Hércules e o foco de um Husky Siberiano, não à toa ele é o “gênio das obras inacabadas”. Muitas de suas descobertas fantásticas tiveram que ser redescobertas após a sua morte porque ele não chegou a divulgá-las, devido ao afã de aprimorá-las, fossem as artísticas, fossem as científicas. E é no fascinante mundo mental do mais humano de todos os gênios que a biografia de Walter Isaacson nos convida a mergulhar.

Isaacson é um dos biógrafos mais renomados de nossa geração. Dele também temos o apanhado da vida de Steve Jobs, de Benjamin Franklin e de Albert Einstein. Talvez o que torne Isaacson um biógrafo tão espetacular seja sua capacidade de a um só tempo apresentar uma pesquisa científica digna de um doutorado em uma linguagem aberta e atraente como se fosse um livro de ficção. Além disso, faz algo que é raro entre os biógrafos: ele se aproxima mais do estilo de um narrador, quase de um jornalista e não de um apologista, e podemos ver o melhor da sua escrita na biografia de Leonardo.

Isaacson nos traz em um livro luxuosamente bem editado um mergulho no universo mental de Leonardo Da Vinci, a partir de uma pesquisa de anos na quase totalidade do corpus de suas obras e, principalmente, de seus escritos que sobreviveram até os nossos dias. Ao final, Isaacson consegue pintar um Da Vinci tão fascinante e misterioso quanto o sorriso da Mona Lisa.

É com enorme prazer que eu te convido a fazer essa jornada fantástica e conhecer mais a fundo um dos homens mais fascinantes que caminhou sobre essa Terra. A biografia de Leonardo é sobretudo um convite ao aprendizado, à observação e à curiosidade. Leonardo desperta em nós perguntas que fazíamos quando éramos crianças e nos convida a olhar o mundo de uma forma mais profunda e ao mesmo tempo mais singela.

Obviamente a grande maioria de nós não pintará uma nova Mona Lisa ou descobrirá a quadratura do círculo ao fim da leitura, mas, certamente, aquele que ler sua biografia perceberá que o mundo a nossa volta se tornou mais colorido, mais encantado e cheio de novas perguntas e descobertas a cada dia.

Quinhentos anos após a sua morte Leonardo continua vivo a cada vez que nos perguntamos acerca da natureza que nos cerca bem como tentamos entender a nossa própria natureza humana. Sua genialidade, forjada no molde da observação e da experimentação, nos convida a nos maravilharmos com o mundo e torna Leonardo o mais humano de todos os gênios.

 

* João Carvalho é podcaster pelo DecrépitosAnticast Revolushow. Formado em História e Letras Clássicas e mestre em História Social, trabalha no Ministério das Relações Exteriores desde 2009.

testePodcast #3 – Leonardo da Vinci, Steve Jobs e lançamentos simultâneos

 

Em nosso terceiro episódio, falamos sobre Leonardo da Vinci, focando menos na imagem quase lendária do artista e mais em seu lado humano. Abordamos o trabalho de produção de lançamentos simultâneos, falamos sobre os colaboradores, como o tradutor André Czarnobai, e conversamos um pouco sobre a carreira do autor Walter Isaacson, que também biografou Steve Jobs e Albert Einstein.

Sumário: 
02:29 – O Leonardo da Vinci além dos quadros: errático, distraído e extremamente curioso

07:30 – Walter Isaacson, o biógrafo de gênios, e quais as lições Steve Jobs, Albert Einstein e Leonardo da Vinci podem nos ensinar?

20:35 – Como é o processo de produção de um lançamento simultâneo?

25:30 – A futura cinebiografia de Leonardo da Vinci com Leonardo… DiCaprio

 

Assine o podcast!


Participantes:
Bruno Machado
Roberto Jannarelli
Ana Slade
 

Edição:
Manoel Magalhães

testeSorteio Instagram – Leonardo Da Vinci [Encerrado]

Estamos sorteando 3 exemplares da biografia definitiva de Leonardo Da Vinci, escrita por Walter Isaacson!

Para participar, reposte essa imagem em seu Instagram PUBLICAMENTE e preencha o formulário abaixo!

Atenção:
– Caso a mesma pessoa se inscreva mais de uma vez ela será desclassificada. Atenção: ao terminar de preencher o formulário aparece a mensagem “agradecemos a inscrição”. Espere a página carregar até o final para confirmar a inscrição
– Se você já ganhou um sorteio nos últimos 7 dias no Instagram, você não poderá participar deste sorteio.
– O resultado será anunciado no dia 23 de outubro, Segunda-feira, em nosso perfil no Instagram. Boa sorte! 😉

VENCEDORES 

testeSorteio Facebook – Leonardo Da Vinci

Estamos sorteando 3 exemplares da biografia definitiva de Leonardo Da Vinci, escrita por Walter Isaacson!

Para participar, compartilhe essa imagem em seu Facebook PUBLICAMENTE e preencha o formulário abaixo!

Atenção:
– Caso a mesma pessoa se inscreva mais de uma vez ela será desclassificada. Atenção: ao terminar de preencher o formulário aparece a mensagem “agradecemos a inscrição”. Espere a página carregar até o final para confirmar a inscrição
– Se você já ganhou um sorteio nos últimos 7 dias no Facebook, você não poderá participar deste sorteio.
– O resultado será anunciado no dia 23 de outubro, Segunda-feira, em nosso perfil no Facebook 😉

Confira o resultado:

teste5 fatos sobre Leonardo da Vinci que você não sabia

Talentoso, gênio e mestre são algumas das palavras que costumamos utilizar para descrever Leonardo da Vinci. Mas o artista era muito mais do que isso. Separamos cinco fatos que você talvez não conheça sobre o pintor da Mona Lisa e de A Última Ceia:

1- Leonardo era filho ilegítimo, e por isso pôde explorar sua criatividade.

Ele foi fruto de um caso do tabelião Piero da Vinci com uma jovem de quem até pouco tempo se conhecia apenas o primeiro nome e cujo passado foi revelado com detalhes apenas neste ano. Ser filho bastardo, entretanto, acabou se provando algo positivo, já que ele não precisou seguir a carreira tradicional da família e pôde explorar e aprender mais sobre temas que lhe agradavam. 

2- Ele era bom em geometria, mas péssimo em aritmética.

Apesar de ter diversos talentos, Leonardo não era excelente em todas as ciências. Um exemplo eram os constantes deslizes na hora de fazer cálculos matemáticos. Não raro algum cálculo não era feito corretamente, inviabilizando o projeto no qual trabalhava. Apesar de não ser muito bom em álgebra nem em aritmética, tinha um talento natural para a geometria, que considerava uma forma de matemática mais aberta para a imaginação.

3- Mesmo após quase 500 anos da morte de Leonardo, seus registros se mantiveram preservados até hoje.

Walter Isaacson é um dos maiores biógrafos contemporâneos. Além de Leonardo da Vinci, o autor escreveu as premiadas biografias de Steve Jobs e Albert Einstein. Mesmo após cinco séculos, a quantidade inacreditável de registros, anotações e cadernos deixada por Leonardo foi preservada em coleções particulares, museus e bibliotecas. Isso mostra o poder do registro impresso, que se mantém por séculos, frente aos registros digitais, mais efêmeros.

Sketch a Flying Machine by Leonardo da Vinci, circa 1495. (Photo by: Universal History Archive/UIG via Getty Images)

4- Leonardo nunca cansava de aprimorar suas obras, mesmo isso gerando problemas com patronos.

Uma das obras de arte mais importantes do mundo, a Mona Lisa foi trabalhada por Leonardo por mais de dezesseis anos, entre 1503, quando a começou, até 1519, ano de sua morte. Incapaz de abandonar suas obras, Leonardo permaneceu aperfeiçoando-as até o dia de sua morte; razão para vários de seus quadros terem sido encontrados aos pés de sua cama e em seu ateliê, como é o caso da Mona Lisa, após seu falecimento.

5- Vai virar filme e será interpretado por Leonardo… DiCaprio.

Leonardo DiCaprio nasceu para interpretar Leonardo da Vinci. O nome do ator foi escolhido por sua mãe, que, quando grávida, em uma galeria de arte, viu uma pintura do gênio italiano e sentiu o primeiro chute do filho. Anos — e um Oscar — depois, o ator vai dar vida ao artista em uma cinebiografia inspirada no livro de Walter Isaacson, ainda sem previsão de estreia.

>> Leia um trecho de Leonardo da Vinci

testeLançamentos de outubro

 

Confira as sinopses dos lançamentos do mês:

Tartarugas até lá embaixo, de John Green —  Depois de seis anos, o autor de A culpa é das estrelas lança seu primeiro livro inédito.

A história acompanha a jornada de Aza Holmes, uma menina de 16 anos que sai em busca de um bilionário misteriosamente desaparecido — quem encontrá-lo receberá uma polpuda recompensa em dinheiro — enquanto tenta lidar com o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). [Leia +]

 

 

O navio dos mortos, de Rick Riordan — A aguardada conclusão da saga de mitologia nórdica de Rick Riordan chega finalmente às livrarias!

 

Jogo de espelhos, de Cara Delevingne e Rowan Coleman— Cara é modelo, atriz e uma das personalidades mais influentes de sua geração.

Em seu romance de estreia, criou uma história incrível e repleta de suspense sobre quatro adolescentes que são melhores amigos e têm uma banda, a Mirror, Mirror. Juntos eles precisam lidar com os seus próprios segredos e desvendar o desaparecimento misterioso de uma das integrantes do grupo. [Leia +]

 

Leonardo da Vinci, de Walter IsaacsonA biografia definitiva do mestre Leonardo da Vinci, assinada pelo autor dos best-sellers Steve Jobs: A biografia e Einstein: sua vida, seu universo, tece uma narrativa que conecta arte e ciência, revelando as facetas inéditas da história de um dos maiores gênios da história. [Leia +]

 

Destrua este diário: Agora em cores, de Keri SmithEm edição comemorativa dos dez anos da primeira publicação, o novo Destrua este diário combina atividades inéditas e outras já conhecidas dos leitores em páginas totalmente remodeladas. Uma segunda chance de mergulhar no mundo de rascunhos, anotações aleatórias e cores variadas. [Leia +]

A linha, de Keri Smith — Com formato de bloco e ótima opção de presente neste fim de ano, A linha tem uma proposta, a princípio, mais simples: pegue um lápis e comece com um traço. Mas, a partir daí, não espere obviedades. Conforme sua linha se move pelas páginas você vai encontrar um infinito de novas formas de explorar os espaços — por cima, por baixo, pelas bordas, parando, voltando e até mesmo cedendo seu traço a outra pessoa. [Leia +]

 

Rejuvelhecer, de dr. Sergio Abramoff — Você tem medo de ir ao médico? De fazer exames preventivos? Você sabia que um estilo de vida saudável evita mais mortes prematuras do que uma boa genética?

Em Rejuvelhecer, dr. Sergio Abramoff, especializado em medicina preventiva, explica os maiores riscos das transformações sutis e progressivas que a idade promove em nosso organismo, apontando cuidados e atitudes capazes de diminuir ou adiar significativamente o impacto de doenças comuns na velhice, como, por exemplo, o Alzheimer, o câncer e as doenças cardiovasculares e osteomusculares.

testeBiografia inédita de Leonardo Da Vinci chegará às livrarias em outubro

A biografia definitiva do mestre Leonardo da Vinci, assinada pelo autor dos best-sellers Steve Jobs: A biografia e Einstein: sua vida, seu universo será lançada em 17 de outubro.

Com base em milhares de páginas dos impressionantes cadernos que Leonardo Da Vinci manteve ao longo de boa parte da vida e nas mais recentes descobertas sobre sua obra e trajetória, Walter Isaacson, biógrafo de algumas das mentes mais inovadoras e influentes de nossa história, como Einstein e Steve Jobs, tece uma narrativa que conecta arte e ciência, revelando momentos inéditos da história de Leonardo. Desfazendo-se da aura de super-humano muitas vezes atribuída ao artista, Isaacson mostra que a genialidade de Leonardo estava fundamentada em características bastante palpáveis, como a curiosidade, uma enorme capacidade de observação e uma imaginação tão fértil que flertava com a fantasia.

Leonardo criou duas das mais famosas obras de arte de todos os tempos, A Última Ceia e Mona Lisa, mas se considerava apenas um homem da ciência e da tecnologia — curiosamente, uma de suas maiores ambições era ser reconhecido como engenheiro militar. Com uma paixão que às vezes se tornava obsessiva, ele elaborou estudos inovadores nas mais diversas áreas, como anatomia, fósseis, o voo dos pássaros, o coração, máquinas voadoras, botânica, geologia, hidráulica e armamentos e fortificações. A habilidade para entrelaçar humanidades e ciência, tornada icônica com o desenho do Homem vitruviano, fez dele o gênio mais criativo da história.

Filho ilegítimo, à margem da educação formal, gay, vegetariano, canhoto, distraído e, por vezes, herético, o Leonardo desenhado nesta biografia é uma pessoa real, extraordinária pela pluralidade de interesses e pelo prazer que tinha em combiná-los. Um livro indispensável não só pelo caráter único de representar integralmente o artista, mas como um retrato da capacidade humana de inovar, da importância de não apenas assimilar conhecimento, mas ter a disposição para questioná-lo, ser imaginativo e, como vários desajustados e rebeldes de todas as eras, pensar diferente.

A biografia chega às livrarias brasileiras com lançamento simultâneo ao dos Estados Unidos, em 17 de outubro. A obra será adaptada para o cinema, protagonizada por Leonardo DiCaprio. O ator também produzirá o longa (ainda sem data de estreia) ao lado de Jennifer Davisson, com quem trabalhou em O Regresso, filme que lhe rendeu o Oscar de melhor ator.