testeTop 10 de Pedro Gabriel

GooglePlay_PedroGabriel_blog

Procurando por uma nova leitura? Confira as dez indicações de Pedro Gabriel, autor de Eu me chamo Antônio e Segundo: Eu me chamo Antônio. Os e-books de alguns títulos dessa seleção estão com preços promocionais na Google Play até a próxima quinta-feira, dia 3 de março. Confira aqui.

 

capas_1

Toda luz que não podemos ver, de Anthony Doerr — Nesse romance vencedor do Prêmio Pulitzer de Ficção de 2015, você vai conhecer Marie-Laure, uma garota que ficou cega aos seis anos e que vive em Paris com o pai, chaveiro responsável pelas fechaduras do Museu de História Natural, e Werner, um menino alemão, órfão, que se encanta por um rádio encontrado em uma pilha de lixo e cuja trajetória o leva a uma escola nazista.

Combinando lirismo e uma observação atenta dos horrores da guerra, Toda luz que não podemos ver é um tocante romance sobre o que há além do mundo visível. [+]

O árabe do futuro: uma juventude no Oriente Médio (1978 – 1984), de Riad Sattouf — Filho de mãe francesa e de pai sírio, o quadrinista Riad Sattouf conta o choque cultural que viveu quando foi, ainda bem criança, para a Síria e a Líbia, e fala também do retorno da família à França. Depois de viver em lugares tão diferentes, Riad se tornou um completo estrangeiro, com uma visão crítica, afiada e muito bem-humorada sobre o mundo.

Um relato literário pleno em forma de graphic novel, com traço simples e narrativa fluida e descontraída. Riad fornece ao mesmo tempo uma análise antropológica do embate entre o Ocidente e o mundo árabe e um autorretrato de sua própria infância plural. [+]

A verdade sobre o caso Harry Quebert, de Joël Dicker — Em 1975, na pequena cidade de Aurora, em New Hampshire, Nola Kellergan, de quinze anos, é vista pela última vez sendo perseguida na floresta e nunca mais é encontrada. Trinta e três anos depois, Marcus Goldman, jovem escritor de sucesso, vai a Aurora encontrar seu amigo e professor, o respeitado romancista Harry Quebert, na esperança de conseguir superar um bloqueio criativo. Durante esse tempo, ele descobre que seu mentor teve um caso com a adolescente.

Depois de encontrarem o cadáver da garota em seu jardim, Harry é preso, acusado de ter cometido assassinato. Marcus precisa correr contra o tempo para inocentar o amigo, descobrir quem matou Nola Kellergan e escrever um romance bem-sucedido. [+]

 

capas_2

Queria ver você feliz, de Adriana Falcão — O Amor, essa entidade mítica, obstinada e perfeccionista, desempenha o papel de narrador na história real do casal Caio e Maria Augusta, pais da autora Adriana Falcão. Com linguagem poética e ao mesmo tempo bem-humorada, Adriana revela para seus leitores aquilo que poderia ser descrito como uma história trágica protagonizada por dois personagens atormentados por seus demônios.

Apaixonados, Caio e Maria Augusta se casam no Rio de Janeiro da década de 1950 e têm três filhas. Todo o sentimento que eles compartilham não impede que a personalidade exuberante de Maria Augusta se torne mais obsessiva e asfixiante com o passar do tempo, apesar dos medicamentos e dos tratamentos psiquiátricos a que é submetida. Caio, por sua vez, aprofunda uma melancolia que existia nele desde a adolescência, e que culmina nos anos 1970 em tentativas de suicídio. Mais do que uma história com final dramático, trata-se de memórias afetivas que alternam momentos de intensa felicidade e outros tantos de dor. [+]

Pó de lua, de Clarice Freire — Filha de Wilson Freire, parceiro do compositor Antônio Nóbrega, Clarice cresceu rodeada por artistas. Ela própria compõem letras de músicas e toca violão. Não é à toa que conseguiu encantar o público com a delicadeza de seus pensamentos, seu humor sutil e o traço despretensioso, que combina desenhos e fragmentos de palavras.

A obra segue o formato dos cadernos moleskine em que Clarice acostumou-se a exercitar sua criatividade. Inspirada pelas quatro fases da lua — minguante, nova, crescente e cheia —, ela trata em frases concisas e certeiras de sentimentos como a saudade, o medo, a paixão e a alegria, sempre em sua caligrafia característica, enfeitada com ilustrações singelas. [+]

O livro sem figuras, de B. J. Novak — Um livro sem figuras? O que tem de divertido nisso? Combinando simplicidade e criatividade de uma forma surpreendentemente engenhosa, O livro sem figuras inspira risadas toda vez que é aberto, criando uma experiência de diversão e interação entre adultos e crianças e apresentando aos pequenos leitores a poderosa ideia de que a palavra escrita pode ser uma fonte infinita de alegria e travessuras.

Um livro original e divertido capaz de transformar qualquer leitor em um verdadeiro comediante, que vai fazer as crianças implorarem para ouvir a história repetidas vezes. [+]

 

capas_3

Paris versus New York, de Vahram Muratyan — Vahram Muratyan é um jovem artista gráfico de origem armênia criado em Paris. Em 2010, depois de uma longa temporada em Nova York, ele criou o blog Paris versus New York como uma espécie de registro visual de suas experiências, um bem-humorado confronto entre duas das mais míticas cidades do mundo. O sucesso foi surpreendente e o blog teve mais de cinco milhões de visitas em um ano. A sofisticada batalha visual, travada por um amante de Paris vagando por Nova York, se transformou em livro e firmou o artista como um designer renomado, com uma carteira de clientes que inclui grandes nomes da moda, entre eles Prada e Chanel.

Este amistoso confronto artístico é dedicado aos amantes de Paris, de Nova York e àqueles que estão divididos entre as duas cidades. [+]

A lebre com olhos de âmbar, de Edmund de Waal — Um dos mais importantes ceramistas da atualidade, Edmund de Waal era fascinado pela coleção de 264 miniaturas japonesas entalhadas em madeira e marfim guardadas no apartamento do tio-avô, que vivia em Tóquio. Nenhuma daquelas peças era maior do que uma caixa de fósforos e, no entanto, seu valor revelou-se grandioso.

Mais tarde, quando herdou estes netsuquês, Edmund descobriu que, além da riqueza artística, eles carregavam uma história muito maior: revelavam o passado de sua família e eventos cruciais do século XX. A partir dessa delicada coleção, A lebre com olhos de âmbar, obra vencedora do Costa Book Award na categoria Biografia e finalista do South Bank Sky Arts Award na categoria Literatura, transporta o leitor desde um império em Odessa — passando pela Paris do fin-de-siècle e pela Viena ocupada pelos nazistas — até o Japão e a Inglaterra contemporâneos. [+]

Precisamos falar sobre o Kevin, de Lionel Shriver — Lionel Shriver realiza uma espécie de genealogia do assassínio ao criar na ficção uma chacina similar a tantas provocadas por jovens em escolas americanas. Aos 15 anos, o personagem Kevin mata 11 pessoas, entre colegas no colégio e familiares. Enquanto ele cumpre pena, a mãe Eva amarga a monstruosidade do filho. Entre culpa e solidão, ela apenas sobrevive.

Por meio de Eva, Lionel Shriver quebra o silêncio que costuma se impor após esse tipo de drama e expõe o indizível sobre as frágeis nuances das relações entre pais e filhos num romance irretocável. [+]

Eu me chamo Antônio, de Pedro Gabriel — Em seu primeiro livro, Pedro Gabriel apresenta uma narrativa que transita por todas as fases de um relacionamento amoroso: com um estilo simples e acessível, mas nem sempre óbvio, o leitor acompanha os encontros e desencontros de Antônio. Percebe-se uma irreverência no tom de versos e trocadilhos como: “Invista nos amores à primeira vista”. Outras emoções são apresentadas de forma singela, quando há uma separação, por exemplo: “Você, distante, diz tanto sobre mim”. Enquanto a angústia, sentimento que faz parte da instabilidade de qualquer casal, também é citada no livro: “Na dança do amor: dor pra cá, dor pra lá”.

Antônio é um personagem sensível e verossímil, talvez seja por isso que os leitores cultivem a dúvida sobre até onde vai a linha tênue que separa a realidade da ficção. [+]

testeLivros da Intrínseca já estão à venda na Amazon e no Google Play

Nesta madrugada, a Amazon e o Google Play iniciaram a comercialização de livros eletrônicos no Brasil, e os 105 e-books da Intrínseca já estão à venda. Com o lançamento simultâneo das versões impressa e digital, a editora possuí 50% de seu catálogo convertido, também disponível na iBookstore e em outras 27 lojas nacionais.

Às vésperas de completar um ano da comercialização de e-books, iniciada em 15 de dezembro de 2011, a Intrínseca alcança a marca de 75 mil títulos baixados, impulsionada pelo sucesso da trilogia Cinquenta tons de cinza — que já figura entre os mais vendidos da Amazon e do Google Play.

Para garantir a qualidade, todo o processo de produção dos livros digitais foi internalizado. Depois de convertidos, os títulos recebem da equipe editorial o mesmo tratamento destinado a um novo livro: passam por mais uma revisão e pela aprovação do editor responsável pelo título. Além de assegurar a fidelidade do conteúdo, a qualificação da equipe permite a publicação de e-books sofisticados como Guerra e Spray, de Banksy, e Paris versus New York, de Vahram Muratyan, duas obras de arte cujas versões digitais serão lançadas pela primeira vez no mundo pela Intrínseca.

Preços promocionais

Durante este mês, as versões digitais de sete títulos da editora estarão com preços promocionais em todas as lojas. São eles: Argo, de Antonio Mendez e Matt Baglio, livro que inspirou o filme homônimo dirigido por Ben Affleck; A culpa é das estrelas, romance de John Green que acaba de ser eleito o melhor do ano pela revista Time; Inferno, obra monumental do premiado historiador Max Hastings sobre a Segunda Guerra Mundial; os novos clássicos A menina que roubava livros, de Markus Zusak, e Um dia, de David Nicholls; O segundo suspiro, de Phellipe Pozo di Borgo, que inspirou o sucesso de bilheteria francês Intocáveis; e o romance A última carta de amor, de Jojo Moyes.

Ranking dos 15 e-books mais vendidos da Intrínseca:

1 – Cinquenta tons de cinza, de E L James
2 – Cinquenta tons mais escuros, de E L James
3 – Cinquenta tons de liberdade, de E L James
4 – Um dia, de David Nicholls
5 – Os arquivos perdidos: os Legados da Número Seis, de Pittacus Lore
6 – A visita cruel do tempo, de Jennifer Egan
7 – A arte de viajar, de Alain de Botton
8 – Amanhecer, de Stephenie Meyer
9 – Os arquivos perdidos: os Legados do Número Nove, de Pittacus Lore
10 – A menina que roubava livros, de Markus Zusak
11 – Fuga do campo 14, de Blaine Harden
12 – A última carta de amor, de Jojo Moyes
13 – Precisamos falar sobre o Kevin, de Lionel Shriver
14 – Crepúsculo, de Stephenie Meyer
15 – A culpa é das estrelas, de John Green

testeESTANTE INTRÍNSECA – LANÇAMENTOS DE NOVEMBRO

7/11 – Paris versus New York, de Vahram Muratyan

Com traços simples e perspicazes, as ilustrações bem-humoradas de Vahram Muratyan revelam detalhes, clichês e contradições de duas das cidades mais míticas do mundo. Nascido em Paris, de origem armênia, Muratyan sempre se surpreendeu com o humor imprevisível da cidade e sua capacidade de refletir a essência de seus habitantes. Em 2010, uma estadia prolongada em Nova York suscitou a inevitável comparação entre sua charmosa cidade natal e a agitada metrópole que o encantou. Do desejo de compartilhar seus insights diários com os amigos e com a família surgiu o blog Paris versus New York, que recebeu mais de cinco milhões de visitas em um ano. Em 2012, sua sofisticada batalha visual foi reunida em livro.
Leia um trecho

Assista à animação de Tony Miotto inspirada em Paris versus New York 

8/11 – Cinquenta tons de liberdade, de E L James

No desfecho de Cinquenta tons de cinza, trilogia adulta que se tornou um sucesso editorial sem precedentes, a paixão avassaladora entre Anastasia Steele e Christian Grey evoluiu, em um curto espaço de tempo, para um sentimento mais profundo que transformou a vida do casal. Os dois estão se acertando: Ana torna-se mais segura a cada dia, e Christian lentamente permite-se relaxar e confiar nela. Tudo leva a crer que eles estejam caminhando para um desfecho digno de conto de fadas. Mas ainda há contas a acertar com o passado.
Leia um trecho

Leia também:
Cinquenta tons de liberdade em e-book

Box da Trilogia Cinquenta tons de cinza entra em pré-venda

10/11 – Estado de graça, de Ann Patchett

Vencedora do Prêmio Orange, do PEN/Faulkner Award e finalista do National Book Critics Circle Award, a norte-americana Ann Patchett é autora de cinco romances, foi eleita uma das 100 pessoas mais influentes pela revista Time em 2012 e é proprietária de uma livraria independente em sua cidade natal, Nashville, Tennessee. Em Estado de graça, seu romance mais recente, a farmacêutica Marina Singh trabalha para uma grande empresa norte-americana e precisa viajar para a Amazônia com o objetivo de investigar a misteriosa morte de seu colega de trabalho, Anders Eckman. O gentil pesquisador foi enviado para o coração da selva atrás da Dra. Annick Swenson, uma brilhante e controversa cientista que vive em uma tribo isolada na floresta. Mas assim como os métodos empregados pela Dr. Swenson, o progresso da pesquisa é totalmente obscuro até para o alto escalão da empresa que a financia.
Leia um trecho

10/11 – O colapso de tudo, de John Casti

Renomado matemático especializado em teorias dos sistemas, John Casti avisa: o mundo moderno está cada vez mais frágil. O alto grau de complexidade dos sistemas essenciais torna a sociedade progressivamente mais vulnerável a eventos extremos (os eventos X) — acontecimentos raros e inesperados capazes de pôr o modo de vida contemporâneo em xeque. Em O colapso de tudo, Casti examina a probabilidade de ocorrência de eventos extremos provocados pelo próprio homem, indo de um prolongado apagão na internet ao esgotamento dos combustíveis, ou de uma pandemia global à desativação de todos os aparelhos eletrônicos por um pulso eletromagnético.
Leia um trecho

24/12 – Noite infeliz, de Seth Grahame-Smith

Em uma manjedoura, um jovem casal dá as boas-vindas ao filho recém-nascido. Três desconhecidos surgem de repente, oferecendo proteção e preciosos presentes ao futuro Rei dos Reis. Ao recontar uma das mais famosas passagens da história da humanidade, Seth Grahame-Smith utiliza sua poderosa imaginação para criar uma emocionante fábula sobre fé e caridade, sem deixar de fora as batalhas sangrentas e criaturas míticas que conquistaram o mundo em Orgulho e preconceito e zumbis e Abraham Lincoln: caçador de vampiros.
Leia um trecho

01/12 – Inferno, Max Hastings

Um dos maiores historiadores militares do mundo, com mais de vinte livros publicados, o jornalista Max Hastings participou da cobertura de onze conflitos em lugares como o Vietnã e as ilhas Falklands e foi editor dos jornais Daily Telegraph e Evening Standard. Pelo conjunto de sua obra, ele foi agraciado em 2002 com o título de Cavaleiro da Ordem do Império Britânico. Resultado de 35 anos de pesquisa, Inferno traça um vasto painel da Segunda Guerra Mundial em todas as linhas de frente, com enfoque na experiência humana. O testemunho de pessoas comuns, documentado em cartas, diários e memórias, ajuda Hastings a ir além da mera narrativa de uma sequência de eventos e a revelar ao leitor do século XXI como foi viver, lutar e morrer em um mundo em guerra.
Leia um trecho

01/12 – O pesadelo, de Lars Kepler

Após conquistar os leitores em O hipnotista, Lars Kepler os deixa sem fôlego com um novo quebra-cabeça, cujas peças o detetive mais carismático, intuitivo e obstinado da Suécia precisa encaixar. Ao descrever o curso vertiginoso de eventos para os quais a lógica é um mero prelúdio, o mais assustador em O pesadelo não são seus crimes horripilantes, mas a psicologia obscura de seus personagens, que mostram como somos todos cegos a nossas próprias motivações.
Leia um trecho

Leia também:
A sombria fábrica de Seth Grahame-Smith e Tim Burton

Conheça os lançamentos de ficção para jovens no Blog das Séries.

testeParis x Nova York


As famosas imagens do designer francês Vahram Muratyan, publicadas no blog “
Paris versus New York, foram reunidas em um livro que será lançado em novembro pela Intrínseca. Nascido em Paris, Muratyan sempre se surpreendeu pelo humor imprevisível da cidade, capaz de retratar a essência de seus habitantes. Em 2010, uma estadia prolongada em Nova York suscitou a inevitável comparação entre sua charmosa cidade natal e a agitada metrópole que sempre o encantou. Do desejo de compartilhar seus insights diários com os amigos e a família surgiu o blog. E de seus ícones, a inspiração para outros paralelos, como a entre Sampa versus  Buenos Aires”.