teste7 livros para ler enquanto espera Always and forever, Lara Jean

Os apaixonados pela Lara Jean têm muitos motivos para comemorar: a sequência de Para todos os garotos que já amei e P.S. Ainda amo você, Always and forever, Lara Jean, já tem data de lançamento nos Estados Unidos e estará disponível no Brasil em maio.

Enquanto aguardamos a continuação da história escrita por Jenny Han, montamos uma lista com sugestões de leituras que ajudarão a entrar no clima:

 

Aconteceu naquele verão 

Para quem gosta muito de romances e se apaixonou pela Lara Jean, sugerimos Aconteceu naquele verão. Organizado por Stephanie Perkins (também responsável por O presente do meu grande amor), tem doze contos que vão do romance ensolarado aos mais surpreendentes toques de mistério. Uma leitura leve e agradável, com pequenas histórias que podem ser lidas enquanto você relembra as aventuras de Para todos os garotos que já amei e P.S. Ainda amo você. 

 

Isla e o final feliz

Falando na Stephanie Perkins, quem gosta dos livros de Jenny Han não pode deixar de conhecer Isla e o final feliz, a história de amor entre Isla e Josh, que vai das ruas iluminadas de Nova York aos telhados da bela Paris e nos ensina que o amor pode sobreviver às distâncias e provocações. Com esse romance delicado e sedutor, os suspiros estão liberados.

 

Simon vs. a agenda Homo Sapiens

Os românticos estilo Lara Jean que consideram justa toda forma de amor precisam conhecer e se apaixonar pelo Simon e pelo Blue, dois meninos do ensino médio que se correspondem virtualmente sem saber a verdadeira identidade um do outro. Simon vs. a agenda Homo Sapiens é uma história que trata com naturalidade e bom humor de questões delicadas, explorando a difícil tarefa que é amadurecer e as mudanças e dilemas que os adolescentes enfrentam.               

 

Antes que eu vá

Para os que estão com saudades das amizades da Lara Jean, vai ser bom trazer esse clima de volta com nossas próximas duas sugestões. Em Antes que eu vá, Samantha Kingston tem tudo: o namorado dos sonhos, três amigas fantásticas e todos os privilégios na escola. Ela vê tudo mudar quando sofre um acidente fatal e ganha sete “segundas chances” de reviver o dia de sua morte. Agora, Samantha vai tentar desvendar os mistérios que envolvem esse dia e descobrir o valor de tudo o que está prestes a perder. O livro foi adaptado para os cinemas e o filme chega às telonas do Brasil em maio.

 

Temporada de acidentes

A outra ótima história sobre amizade é Temporada de acidentes. Com uma pegada bem diferente de Antes que eu vá, esse livro fala sobre Cara e sua família, que todo mês de outubro se tornam inexplicavelmente vulneráveis a diversos tipos de acidentes. Cara é muito próxima dos amigos, eles são praticamente irmãos e estão sempre presentes um na vida do outro. Não há dúvidas de que Gevevieve adoraria fazer parte desse grupo divertido e insano.

 

Quem é você, Alasca

Quem curte personagens femininas fortes precisa conhecer Quem é você, Alasca, de John Green. Mas apesar da presença marcante de Alasca, com todos os seus conflitos e sua personalidade forte, é a idealização do amor o que mais o aproxima da série Para todos os garotos que já amei. Enquanto nos livros de Jenny Han, Lara Jean tem seus vislumbres e idealizações dos homens pelos quais já se apaixonou, na história de John Green, Miles se apaixona instantaneamente pela colega de turma Alasca mesmo que apenas a observando no dia a dia do colégio interno.

 

As mil noites

Para finalizar, a mesma lealdade fraterna que une Lara Jean e suas irmãs é o ponto de partida de As mil noites. Nessa releitura do clássico As mil e uma noites, a protagonista, ao perceber que sua irmã será escolhida para se casar com um rei famoso por assassinar suas esposas, faz de tudo para assumir seu lugar e descobre uma maneira de continuar viva quando suas palavras parecem ganhar vida própria.

testeLivros para cada signo

 Criamos uma lista com os livros que mais combinam com as características de cada signo e que serão ótimas leituras para começar o semestre com os astros a seu favor.

 

ÁRIES

Arianos são conhecidos por sua impulsividade, por entrarem em brigas com uma facilidade de dar inveja e por serem muito competitivos. Se existe uma personagem ariana no mundo, com certeza é a Claudia, de Os Irmãos Tapper. No livro, ela e o irmão Reese declaram guerra um contra o outro e estão determinados a sair vitoriosos, custe o que custar. Porém, apesar dos estereótipos, arianos também são muito determinados, corajosos e confiantes. Essas características são fundamentais em momentos como o vivido pelo comandante Chesley Sullenberger, autor de Sully, que precisou contar com toda a intensidade ariana para tomar a melhor decisão em uma situação desafiadora.  

 

TOURO

Taurinos esperam ansiosamente que a Lei da Inércia entre na Constituição. Fãs de estabilidade, preferem relacionamentos duradouros e gostam de planejar os próximos passos da vida. Nossos tourinhos com certeza se identificarão com Nós, livro em que Douglas, casado há muitos anos, planeja uma viagem com a família antes de o filho ir para a faculdade. Contudo, impossível falar de Touro sem pensar em um banquete, então, como ninguém – especialmente os taurinos – resiste a uma boa comida, Pequena cozinha em Paris traz receitas incríveis que vão encher os olhos e o estômago dos amantes de uma boa refeição.

 

GÊMEOS

Geminianos são muito curiosos, sempre tentados a clicar em todos os links com o nome “curiosidade” na frente. Uma leitura excelente para os geminianos é Uma história do mundo, que revisita fatos e personalidades históricas, mostrando que a história pode ser ao mesmo tempo grandiosa e popular. Com 616 páginas, certamente nossos geminianos do coração terão muito conteúdo para alimentar suas cabecinhas famintas por informações. Já para o lado comunicativo e falante, Madeline, de Pequenas grandes mentiras, é uma personagem divertida, forte e que tem opinião sobre tudo. Além, é claro, do mistério que existe na história, que os geminianos vão amar desvendar. 

 

CÂNCER

Impossível falar do signo de Câncer e resistir ao impulso de colocar um coraçãozinho do lado. O signo mais amorzinho do zodíaco tem fama de chorão, mas no fundo possui uma força enorme. Para os cancerianos, escolhemos O som do amor, que é um romance com personagens fortes e determinados, no qual a violonista Isabel Delancey precisa se mudar para uma nova casa com seus filhos após a morte do marido. E, como família nunca é demais, dedicamos aos cancerianos a nossa maior “mãe coruja”, Alma Peregrine, que comanda o lar para as crianças peculiares com o cuidado, a atenção e a gentileza típicos de uma mãe de Câncer. 

 

LEÃO

Chegou a hora do signo que deve estar até hoje se perguntando por que não é o primeiro das listas sobre signos. Nossos leoninos têm um amor-próprio de dar inveja, e, com a motivadora frase “Você é lindo e as pessoas te amam”, Apolo, de As provações de Apolo, representa bastante esse lado leonino que está muito bem consigo mesmo e que tem certeza de que possui habilidades suficientes para cumprir sua missão. Além disso, os leoninos são muito leais, tanto que poderiam assumir o lugar de uma pessoa querida para poupá-la de um sofrimento. Foi isso que a personagem de As mil noites fez por sua irmã ao se voluntariar a ir ao palácio de Lo-Melkhim, que já havia matado 300 noivas e procurava pela 301ª.     

 

VIRGEM

Virginianos estão em um relacionamento sério com o perfeccionismo e a organização. Eles farão de tudo para que as coisas sejam como devem ser. Ted Talks vai ajudá-los na difícil tarefa de falar em público. Com as dicas de Chris Anderson, presidente do TED, os discursos e as apresentações dos virginianos ficarão ainda mais impecáveis. E, para organizar os pensamentos e sentimentos diários, temos Uma pergunta por dia, que traz 365 perguntas que devem ser respondidas diariamente durante cinco anos. Os virginianos vão amar registrar seus momentos e objetivos ao longo do tempo em um só lugar.

 

LIBRA

Estamos na dúvida sobre qual signo falar agora. É melhor ser de Libra ou de Peixes? Decisão difícil. Não seria mais fácil se existisse alguma coisa que te ajudasse a escolher a melhor opção? Fiquem calmos, librianos, nós ainda não podemos resolver todos os problemas da vida, mas a indecisão sobre qual vinho comprar está com os dias contados! O guia essencial do vinho: Wine Folly tem informações claras e acessíveis sobre o mundo dos vinhos e as combinações ideais para cada momento. Feito para não errar mais, né? Já para quem está atrás de novos crushes para saborear os vinhos – ou para qualquer outra coisa – indicamos um manual da conquista com selo de qualidade Barney Stinson. Playbook: O manual da conquista é baseado na série de TV How I Met Your Mother e sugere mais de 70 técnicas de sedução que transformarão qualquer um em um perfeito conquistador. 

 

ESCORPIÃO

Dizem por aí que escorpianos vieram ao mundo como mestres na arte da sedução. Nós não podemos dizer se é verdade ou não, mas, se sedução é a sua palavra, então Cinquenta tons de cinza é o seu livro ideal. Romântica, libertadora e viciante, essa história vai dominar sua atenção até a última linha. Já para o lado instintivo, cauteloso e intenso, a protagonista de A química representa os escorpianos pelas técnicas apuradas para enfrentar as ameaças, pela engenhosidade na construção dos métodos para cumprir sua missão e pela intensidade do romance que vive e que traz ainda mais adrenalina e aventura para sua vida.

 

SAGITÁRIO

Sagitarianos topam tudo, mesmo que “tudo” envolva aceitar fazer uma roadtrip com um homem misterioso que você conheceu no trem. Ok, talvez seja melhor não fazer isso na vida real, mas foi o que Shadow, de Deuses americanos, fez ao aceitar o convite de Wednesday para sair por aí em uma expedição por cidades inusitadas dos Estados Unidos. Como também não dá para pensar em Sagitário sem se lembrar das festas, Temporada de acidentes conta os preparativos para uma festa de Halloween que acontecerá durante o período conhecido como “temporada de acidentes”, em que, inexplicavelmente, Cara e sua família se tornam vulneráveis a diversos tipos de acidentes.

 

CAPRICÓRNIO

Capricornianos em geral são associados ao dinheiro, porém, no fundo, eles estão em busca de conquistas pessoais que muitos de nós, meros mortais, não entenderíamos. Como o sucesso é consequência de muito esforço, escolhemos Elon Musk e Garra para esse signo. Elon Musk é um cara ambicioso que construiu um império e tem objetivos ainda maiores, como colonizar Marte. Já Garra é um livro pessoal e inspirador no qual a psicóloga Angela Duckworth demonstra que o segredo para incríveis realizações não é o talento, mas uma mistura de paixão e perseverança que ela chama de “garra”. Se o sucesso é seu objetivo, o caminho passa por esses livros, com certeza.

 

AQUÁRIO

Aquarianos são pessoas criativas que têm a liberdade como palavra de ordem. Por isso, Destrua este diário é a cara desse signo. Sabemos que frases no imperativo não combinam muito com o estilo de vida aquariano, mas, quando essas “ordens” podem ser seguidas do seu jeitinho, aí é outra história. Esse livro dará liberdade para criar e inventar a cada página: é uma quebra de padrões e, no fim, nenhum diário fica igual ao outro. Criatividade e exclusividade, a única coisa mais aquariana que isso é aquela típica mania de ser do contra. E falando nisso… tem uma menina com poderes fantásticos que decidiu que ser heroína não é legal, ela quer mesmo é ser vilã. Em um quadrinho inovador, Nimona traz a alma aquariana dos “diferentões” com humor e lições fantásticas.

 

PEIXES

Como não amar nossos peixinhos do zodíaco?  Mesmo que nem sempre o pensamento deles esteja neste planeta, sua presença é sempre muito agradável. Os livros escolhidos para os piscianos são repletos de devaneios e fofura para representar bem esse signo que encerra a lista. Para os pensamentos que vão longe e as reflexões que nunca acabam, indicamos Pó de lua nas noites em claro, livro de poesias de Clarice Freire no qual ela vira a madrugada ao avesso em palavras e imagens, dedicando cada capítulo a uma hora. E toda a meiguice pisciana fica com Extraordinário, a história de Auggie, que nasceu com uma severa deformidade facial e que precisa ir à escola pela primeira vez. As primeiras páginas do livro são suficientes para entender o porquê dessa escolha.

testeLivros que não conseguimos parar de ler

IMG_5502

Existem alguns livros que nos fascinam tanto que é impossível parar de ler até chegarmos à última página. Seja pelo suspense que despertam, pela vontade de saber o que vai acontecer com os personagens ou por querer desvendar mistérios, algumas obras nos encantam e nos deixam vidrados de uma maneira única.

Selecionamos alguns títulos publicados pela Intrínseca que podem ser lidos de uma vez só:

Para quem curte terror psicológico:

Caixa de pássaros — Romance de estreia de Josh Malerman, Caixa de Pássaros é um thriller tenso e aterrorizante que explora a essência do medo. Cinco anos depois de um surto sem explicação ter começado, restaram poucos sobreviventes, entre eles Malorie e dois filhos pequenos. Ninguém sabe o que causa, mas basta uma olhadinha para fora para desencadear um impulso violento e incontrolável que acabará em suicídio. Malorie sonha em fugir para um local onde a família possa ficar em segurança, mas terá que enfrentar o medo de encarar o mundo fora da casa em que está trancada.

Para quem curte suspense:

Garota exemplarGillian Flynn cria um retrato cruel sobre como as mentiras podem construir um casamento. E também destruí-lo. O livro se alterna entre duas perspectivas opostas e conflitantes, estabelecendo uma atmosfera capaz de fazer o leitor mudar de opinião a cada capítulo. Na manhã do quinto aniversário de casamento, Amy desaparece da nova casa, às margens do rio Mississippi. Tudo indica se tratar de um sequestro, e Nick imediatamente chama a polícia, mas logo as suspeitas recaem sobre ele. Exibindo uma estranha calma e contando uma história bem diferente da relatada por Amy em seu diário, ele parece cada dia mais culpado, embora continue a alegar inocência. À medida que as revelações sobre o caso se desenrolam, porém, fica claro que a verdade não é o forte do casal.

Para quem curte ficção científica:

Aniquilação — No primeiro livro da trilogia Comando Sul, somos apresentados a um grupo de quatro mulheres enviado para a Área X, um lugar incompreensível e isolado do restante do mundo há décadas, onde a natureza tomou para si os últimos vestígios da presença humana. Elas fazem parte da décima segunda expedição, cujos objetivos são explorar o terreno desconhecido, tomar nota de todas as mudanças ambientais, monitorar as relações entre elas próprias e, acima de tudo, não serem contaminadas pela Área X.

Para quem gosta de histórias de amor e de desvendar a identidade dos personagens:

Simon vs. a agenda Homo Sapiens — Simon troca e-mails anônimos com Blue. Eles são dois garotos gays que só confiam um no outro para se abrir e discutir sobre suas identidades, desejos e medos mais íntimos. Durante a troca de mensagens os dois acabam se apaixonando. O livro discute também o que deve ser o padrão. Por que a heterossexualidade é o padrão?  Por que ser branco é o padrão? Simon discute todos esses estereótipos de um jeito muito fofo.

Para quem ama mistério:

S. — Projeto de J.J. Abrams, criador de Lost, S. está longe de ser um livro convencional. Com ao menos quatro histórias que se desdobram ao mesmo tempo, S. é um livro-jogo com várias possibilidades de leitura, que instiga o leitor a decifrar os mistérios, códigos e pistas contidos em toda a obra. Seja nas notas, nas margens ou nos outros itens da caixa, há sempre algo além do que se vê aguardando para ser descoberto.

Para quem gosta de livros com reviravoltas:

A verdade sobre o caso Harry Quebert — Marcus Goldman, um jovem escritor americano que está sofrendo com bloqueio criativo, procura o renomado romancista e seu ex-professor de faculdade Harry Quebert. Surpreendido por um mistério que envolve seu mentor na morte de uma jovem de quinze anos, Marcus precisa correr contra o tempo para tentar inocentar o amigo, descobrir quem matou Nola Kellergan e escrever um livro bem-sucedido.

Para quem gosta de histórias que envolvam crimes:

Todos envolvidos — A obra é inspirada na semana de protestos, assaltos e saques ocorrida em 1992, em Los Angeles, depois do julgamento que absolveu três policiais acusados de agir com violência contra um taxista negro. O livro narra como gangues latinas, imigrantes e traficantes se aproveitaram da situação para acertarem as contas com seus rivais.

Para quem curte thriller com espionagem e conspiração:

O nadador — Livro de estreia de Joakim Zander, O nadador é um thriller de suspense que percorre diversos pontos do planeta. O autor, que já viveu em diversos lugares do mundo como representante do Parlamento Europeu, utiliza sua experiência pessoal para tornar ainda mais rica a ambientação dos diversos países retratados no livro.

Para quem gosta de histórias com segredos:

Temporada de acidentes — Todo mês de outubro, inexplicavelmente, Cara e sua família se tornam vulneráveis a acidentes. Algumas vezes, são apenas cortes e arranhões — em outras, acontecem coisas horríveis. A temporada de acidentes faz parte da vida de Cara desde que ela se entende por gente. E esta promete ser uma das piores. No meio de tudo, ainda há segredos de família e verdades dolorosas, que Cara está prestes a descobrir. Neste outubro, ela vai se apaixonar perdidamente e mergulhar fundo na origem sombria da temporada de acidentes.

Para quem tem interesse em histórias com conflitos entre culturas:

O árabe do futuro Riad Sattouf, um consagrado quadrinista filho de mãe francesa e de pai sírio, conta o choque cultural que viveu quando, ainda criança, foi para a Síria e a Líbia. E também do retorno da família à França. Depois de viver em lugares tão diferentes, Riad se tornou um completo estrangeiro, com uma visão crítica, afiada e muito bem-humorada sobre o mundo. Um livro de memórias contado em quadrinhos.

testeTemporada de acidentes

Por Moïra Fowley-Doyle*

TemporadaDeAcidentes

Comecei a escrever Temporada de acidentes em novembro, no mês seguinte àquele em que a história se passa. Terminei o esboço inicial em um mês e meio, numa torrente de palavras, e durante esse tempo fiquei estranhamente cautelosa, talvez por escrever uma história na mesma época do ano em que ela ocorre. Começar foi fácil. Escrevi tanto sobre acidentes que peguei medo de facas afiadas e passei a tomar mais cuidado ao atravessar a rua ou descer escadas. Eu me imaginava torcendo o tornozelo e quebrando ossos.

Sou meio propensa a sofrer acidentes, em parte porque não presto atenção aonde vou e em parte porque gosto de aventuras. Já quebrei cinco ossos desde os dezessete anos, mas não foi por isso que escrevi este livro.

Eu sempre escrevi — diários, poesias, novelas, partes de romances e romances que não deram certo —, mas, exceto a poesia, escrevia basicamente para mim mesma. Um desses romances que não deram certo foi um que escrevi aos dezesseis anos sobre uma garota misteriosa que aparecia de vez em quando na vida da protagonista e armava ratoeiras, pendurava papel mata-moscas e perambulava pela floresta com uma rede de caçar borboleta. No começo de novembro, eu me sentei para contar essa história, mas as primeiras palavras que saíram foram: “É a temporada de acidentes: acontece todos os anos na mesma época.” Então decidi ir em frente com isso, e, conforme avançava, ia usando trechos e elementos do livro que tinha escrito aos dezesseis. Ficou claro que meus ossos quebrados estavam se debatendo no meu inconsciente; isso e meu amor persistente pela ideia da existência de um espírito de luz que cuida de garotas imprudentes. Isso e a vontade de traduzir em livro o surreal e o cênico, a magia e a mixórdia, além de todas as outras aliterações que marcam a adolescência; isso e a vontade de ambientá-lo na Irlanda.

Temporada de acidentes conta a história de Cara, uma adolescente de dezessete anos, e sua família desajustada, que, durante um mês do ano, de uma hora para outra e sem explicação plausível, ficam extremamente propensas a acidentes. Alguns meses de outubro são repletos de cortes, pancadas e machucados, outros têm infortúnios mais sérios, mas nos piores anos o avô, o tio e o pai de Cara morreram. Com o cabelo pintado de roxo, a mãe de Cara acha que a temporada de acidentes é uma maldição de família, mas a filha mais velha, Alice, tem certeza de que tudo não passa de coincidência. No momento, Cara está mais preocupada com o fato de Elsie — uma garota esquisita e sem amigos com quem ela estuda e de quem foi próxima quando criança — aparecer em todas as suas fotografias, mesmo quando não havia a menor possibilidade de ela estar por perto no momento em que foi tirada. Mas, quando Cara vai confrontá-la, não consegue encontrá-la: parece que a garota sumiu. Enquanto os acidentes pioram e o desaparecimento de Elsie se torna cada vez mais preocupante, Cara também tenta controlar sua amizade com a desvairada Bea — que tem ares de bruxa — e seus sentimentos pelo ex-irmão postiço, Sam. Além disso, ela está organizando com os amigos e a irmã uma festa de Halloween caótica bem no último dia da temporada de acidentes numa casa abandonada numa área da cidade mais afastada — e é esse evento que fará os segredos de todo mundo finalmente virem à tona e Cara encontrar as repostas que busca.

Foto autora_facebookA autora Moïra Fowley-Doyle

Eu cresci lendo a magia selvagem e glamorosa de Francesca Lia Block, a magia extraordinariamente comum de David Almond e a magia ocultista de Alice Hoffman, e queria escrever alguma coisa mágico-realista (magicamente realista? Mágico-realística?) que me parecesse tão onírica e selvagem quanto eu era na adolescência — quando às vezes você não consegue dizer o que é real e o que não é, quando tudo é imediato e dramático e quando o amor e a amizade são sentimentos que abraçam o mundo. Eu queria escrever uma história onírica e misteriosa, na qual fantasia e realidade muitas vezes se confundem, e queria que se ambientasse perto da minha casa, porque, se é possível encontrar a magia nas ruas de Los Angeles ou nas praias ventosas do estado do Maine, também dá para encontrá-la numa cidadezinha no condado de Mayo, na Irlanda.

Eu não moro no condado de Mayo — sou de Dublin —, mas passo muito tempo lá com a minha família, numa cidade perto da fronteira com Galway. Um rio atravessa essa cidade, que tem também uma floresta cheia de árvores antigas que estalam, além de um monte de casas abandonadas que servem de inspiração. Comecei com os detalhes na cabeça — ratoeiras e redes de caçar borboleta, um mês de desgraças, um rio atravessando uma cidadezinha, uma casa abandonada — e acrescentei mais elementos conforme avançava na história: uma cabine de segredos em que os segredos são datilografados numa máquina de escrever e pendurados num varal, um amor proibido, um baile de máscaras, cigarros manchados de batom vermelho e muito uísque.

Liguei os detalhes, escrevi a história e tomei cuidado quando atravessava a rua. Um dia, durante os vários meses que passei editando o livro para enviá-lo à minha editora, eu escorreguei (veja você: no palco, no meio de uma performance do The Rocky Horror Picture Show) e quebrei o pulso. Com o braço esquerdo imobilizado, tive que terminar o livro com uma só mão. Escrevi o título no gesso, com uma caneta permanente (para a enorme diversão das enfermeiras da emergência), e me dei conta de uma profunda empatia pelos meus personagens, além de ter descoberto tudo o que é possível carregar numa tipoia.

Atualmente estou escrevendo um livro sobre coisas perdidas, ambientado numa floresta semelhante à de Temporada de acidentes. Estou quase ficando preocupada com o que em breve pode começar a sumir.

Leia um trecho de Temporada de acidentes

Moïra Fowley-Doyle é metade francesa, metade irlandesa e mora Dublin com o marido, duas filhas pequenas e um gato já velhinho. Sua metade francesa gosta de vinho tinto e livros sombrios, daqueles em que todos morrem. Já a metade irlandesa gosta de chá e finais felizes. Temporada de acidentes é seu romance de estreia. Esse artigo foi originalmente publicado aqui.