testeEntre galáxias distantes, Hogwarts e Geekerela

Por Talitha Perissé*

 

Eu nunca tive muitos amigos, mas no início da minha vida algo ficou penosamente claro: eu não gostava dos mesmos assuntos que o pessoal da minha turma. Não que eu fosse excluída no colégio, mas também não tinha muito interesse nas conversas. As pessoas eram legais, só não eram… minhas pessoas.

Aos nove anos, um coleguinha de turma chegou com um livro novo e me contou a história. Na capa, um menino de óculos montava em uma vassoura. Assim que cheguei em casa pedi para o meu pai comprar o livro para mim.

No dia das crianças minha avó me deu Harry Potter e a Pedra Filosofal. Foi amor à primeira página. Nunca vou esquecer de “O Sr. e a Sra. Dursley, da rua dos Alfeneiros, nº 4, se orgulhavam de dizer que eram perfeitamente normais, muito bem, obrigado. Eram as últimas pessoas no mundo que se esperaria que se metessem em alguma coisa estranha ou misteriosa, porque simplesmente não compactuavam com esse tipo de bobagem.”

Foi com Harry Potter que tudo mudou para mim: onde quer que eu abrisse o livro para ler um pouco, conhecia alguém que gostava. Quando entrei na internet, um novo mundo se descortinou: as pessoas gostavam das mesmas coisas que eu!

Eu passei a andar pelos corredores de Hogwarts não mais sozinha! Eles estavam repletos de pessoas interessantes. Conheci gente do Brasil inteiro, discutimos um monte de teorias e escrevíamos fanfics juntos.

Assim como morei em Hogwarts, passei um tempo em uma galáxia muito muito distante e viajei pelo tempo e espaço com um alienígena em uma cabine policial azul que é maior por dentro do que por fora (ele mudava de rosto e de personalidade, o que era esquisito, mas aprendi a gostar de todas elas); e no mundo real conheci uma banda britânica que falava sobre uma menina com cinco cores no cabelo (nunca fui muito fã de normalidade).

Identifiquei essa mesma paixão em Elle, protagonista de Geekerela, de Ashley Poston. Para mim, assim como para Elle, as melhores amizades foram forjadas por esses interesses em comum, pela intensidade da nossa paixão por algo intangível. Caminhamos para Hogsmeade juntos, testemunhamos a Batalha de Hogwarts, choramos por aqueles que perdemos, também escrevemos histórias com os membros das bandas com quem queríamos casar e aguardamos nas filas com cartazes enormes para shows que esperamos anos para acontecer.  

Ler Geekerela foi como fazer uma amiga nova. Elle, apaixonada por Starfield, uma série clássica pouco conhecida, tem medo de que um remake hollywoodiano estrague tudo. Quem de nós nunca sentiu isso? (Estou de olho em você e em seus reboots, Hollywood).

Starfield não é o centro da vida de Elle. Ela trabalha no Abóbora Mágica, o incrível food truck de comida vegana, estuda e faz planos para o futuro: sonha em ser roteirista. Mas a série importa. Porque nesse mundão de sete bilhões de pessoas, naquele microcosmos, Danielle Wittimer se sente parte de algo maior que ela.

Órfã de pai e mãe, Starfield está presente nas memórias mais preciosas que guarda deles. Mesmo sabendo que aqueles que se vão nunca nos abandonam de verdade, é fácil entender por que a série importa tanto para ela. É com Starfield e seus fãs que Elle encontra o conforto que não pode mais encontrar nos pais. E quantos de nós já não se sentiram assim?

Darien Freeman, o galã escalado para estrelar o remake, também conta sua história no livro. Ele é um aficionado pela série que, por não parecer o típico fã, é considerado uma farsa. Sua equipe também acha que é ruim para a imagem de galã demonstrar que gosta tanto de uma série de ficção científica. Ah, se eles soubessem como é bom…

Darien e Elle se conhecem da melhor/pior maneira possível: o ator quer fugir dos compromissos na ExcelsiCon, a convenção para fãs de Starfield criada pelo falecido pai de Elle. Para isso, liga para o número da organização do evento disponível no site (qual é a dificuldade de manter as informações atualizadas em um site?), mal sabendo que é um telefone antigo, que foi herdado pela nossa protagonista. Eles então começam a trocar mensagens. Ele nem desconfia de que a pessoa com quem está trocando mensagens é a maior crítica do filme, e ela nunca ia imaginar que ele representa seus maiores receios em relação ao remake. Mas às vezes é mais fácil expressar o que a gente está sentindo quando as pessoas não têm chance de nos julgar pela aparência. Elle e Darrien descobrem isso do jeito mais adorável, hilário e encantador.

Geekerela é uma grande ode à cultura pop, e também uma homenagem a todos os fandoms que abraçaram seus membros sem julgamentos, a todos nós que encontramos nossas famílias nos lugares mais inusitados.

Depois de ler Geekerela desejei muito que Starfield existisse de verdade. Parece uma série incrível. Mas, enquanto esse sonho não se realiza, aceito fazer amizades verdadeiras com quem mais se encantar com a história da Elle e que esteja disposto a fazer cosplay de tripulação da Prospero.

 

*Talitha Perissé é editora assistente de aquisição infantojuvenil e entusiasta de muitas coisas. Entre novelas, séries de televisão, filmes, bandas britânicas que já deveriam ter lançado seu sexto álbum, livros e HQs, ela gostaria muito de ter o vira-tempo da Hermione. 

testeUma noite assustadora com Freddy

Por Talitha Perissé* e Bruno Machado**

Originalmente, o texto dessa semana sobre Five Nights at Freddy’s: Olhos prateados seria escrito pela Talitha. No dia 16 de maio, ela me mandou uma mensagem falando que ia ler um pouco do livro antes de dormir e desde então não apareceu mais na editora.

Toda informação que temos é a série de mensagens que ela me enviou naquela noite. Segue abaixo o registro da nossa editora de aquisições:

20h – QUE PORCARIA É ESSA QUE ESTOU LENDO?

20h45 – Caraca, essas criaturas são bizarras. Gezuis, vão matar essa menina

21h02 – Não entre no quarto, os animatrônicos vão te matar. Você nunca viu Chucky, o boneco assassino, miga?

As criaturas que a Talitha menciona são os quatro robôs de quase dois metros que ‘habitam’ a pizzaria abandonada Freddy Fazbear – Freddy, Chica, Foxy e Bonnie (ex̵i̵st͜ę u̸m̷ ͡q͡ui̷ntǫ). O curioso é que dez anos após o desaparecimento de cinco crianças no restaurante, as criaturas ainda estão funcionando. Estranho, não?

22h – Migos maneiros. Parece a galera do Scooby-Doo só que com mortes. Pera, mortes?!

23h  –  Ok, estou confusa. O que está acontecendo?

00h01 – Ainda não entendi bem só sei que é uma péssima ideia o que eles estão fazendo.

E a turminha do barulho é o grupo de amigos de Charlie, filha do (ex) dono da pizzaria. Depois do sumiço de um de seus amigos, a patota se separou e alguns até saíram da cidade. Eles se reúnem uma década depois para homenagear o desaparecido, Michael. M̸al̷͓̲ ̸̣̗͇̭s̥̯͕ͅa̶b̢̪i҉͙a̺̺ḿ̜ ̞͠e͔͖ļ̻̠̼̗e̯̕s͖̥͕̪ o҉͉̗͉̗̪n̺̞̳̯̻d̶͇̳̙e̟͔͚̯̭̖̜ ͏͉͚̬ḙ̯̗̗͓͖ͅs̴͖̗t̵̮̯̭͔̩̦̻a̞̘v̵̗a̗̻̬͈͕͙ṃ̵̼̞̠͇͉̖ ̥̥̰̦ͅs̫̬e̼̕ ̹̻̪̙̱̫m̟͔̖̗͇̜͇e̴̠t̷̖̟͕͎̥̦̩e͚̫͚n̦͍̣̩̕d͘o̗̱̥̙..̝̰̯̟̳͓.̲͎̭

00h30 – Eu não consigo parar de ler esse livro e está tudo escuro. QUE SOMBRA É ESSA QUE EU VI

00h45 – Ufa, a sombra era só minha camisa pendurada no cabideiro. Tudo bem, estou segura. Meu cobertor vai me proteger. Lerei no escuro em paz e nada de mau vai me acontecer.

01h00 – Meu pé escapou da coberta. EU SENTI ALGO ENCOSTANDO EM MIM. FREDDY, É VOCÊ??? QUEM TEVE ESSA IDEIA ESTÚPIDA DE LER NO ESCURO?

01h30 – Já estou mais calma. Posso voltar para leitura

02h00 – Meu Deus, o que vai acontecer com essa turminha do barulho?

02h48 – Por que as pessoas sempre se separam? Não se separem!

03h – N͞ão.͡consi̸go.par͝àr.͜de.̕ler̴.mànd͢e̷m͠.̢aju̷da ̸

Bom, isso é tudo que sabemos sobre o paradeiro da jovem Talitha. Se você tiver notícias dela, pedimos que entre em contato nos comentários deste post. Qualquer ajuda é bem-vinda.

E, se você gosta de histórias assustadoras sobre uma galerinha da pesada se envolvendo em confusões sobrenaturais, ou se já conhece a série de jogos Five Nights at Freddy’s e quer entender melhor a história por trás dos sustos, leia um trecho de Olhos prateados.

 

*Talitha Perissé é editora assistente de aquisições, acredita que gifs deveriam ser uma maneira formal de comunicação e que cobertores são armaduras mais protetoras que adamantium.

Seu paradeiro no momento é desconhecido. Se alguém a vir, ela gosta de chocolate e sorvete de pistache. Cuidado ao se aproximar.

**Bruno Machado é assistente de redes sociais e certa vez chegou na editora com cicatrizes bizarras e estranhos olh̨͘o̡s ͏̢́ṕ̶͘r̵̛̕a̛͘t͘҉̶e̸̕͠a̷d͜͠o̴s̶͝.

testeKEEP YA WEIRD (ou a arte de fazer livros incríveis)

Por Talitha Perissé*

Austin Szerba cresceu em Ealing, no Meio-Oeste dos Estados Unidos. Como se já não fosse difícil ser adolescente numa cidade pequena, Austin tem que lidar com a confusão de seus hormônios: ele está apaixonado pela namorada, Shann, mas sente algo pelo melhor amigo, Robby Brees. Para piorar, Austin e Robby provocam o apocalipse, com o surgimento de um exército indestrutível de louva-a-deus canibais de um metro e oitenta de altura. Nesse cenário, somente o jovem Austin poderá salvar a humanidade de seu fim.

Memes_1

Pareceu estranho? Ficou confuso? Pois não se desespere. Essa é a trama do livro Selva de gafanhotos, de Andrew Smith.

Na verdade, pode ficar um pouquinho confuso, sim. Confusão é o primeiro estágio da nova relação de amor que você vai criar. São quatro etapas:

1) Ao ler a sinopse:

Memes_2

 

2) Ao começar o livro:

Memes_3

 

3) No meio do livro:

Memes_4

 

4) Ao terminar o livro:

Memes_5 (2)

Os livros de Andrew Smith são considerados “inclassificáveis”, por terem tramas atípicas e personagens muito realistas. Mas, por trás de histórias nada convencionais, existem protagonistas que vivem dramas extremamente reais. Tudo muito bem costurado por uma narrativa poderosa.

link-externoLeia um trecho de Selva de gafanhotos

E Andrew não é o único autor a deixar nossa vida mais esquisita. Na trilogia Comando Sul, iniciada com Aniquilação, Jeff VanderMeer conta a história de uma área misteriosa e isolada onde a natureza predomina. Todas as missões de reconhecimento da região falharam, resultando no desaparecimento dos pesquisadores e na morte de alguns deles logo após retornarem para suas famílias.

Com o objetivo de promover o experimentalismo na literatura YA e celebrar a imaginação nos livros que tanto amamos, Andrew Smith lançou uma campanha denominada KEEP YA WEIRD, convidando todos os leitores a participar!

KeepYAWeird_Logo_square

Funciona da seguinte maneira: cada um deve postar no Twitter os cinco livros mais estranhos e incríveis que já leu, com a hashtag #keepYAweird.

E você? Quais foram os livros mais estranhos que já leu?

Memes_6

 

Talitha Perissé é assistente de Aquisições na Editora Intrínseca e acredita que a comunicação via gifs foi uma das melhores invenções do mundo.