testeOs bastidores da rede de corrupção que quase derrubou um Presidente da República

 

Qual a receita para construir um império? Para os irmãos Batista, da JBS, os ingredientes foram a aptidão nata para os negócios, ousadia para correr riscos, bons relacionamentos com políticos e banqueiros, milhões de reais em propina e financiamentos bilionários do BNDES.

O livro Why Not, fruto de dois anos de pesquisas e mais de uma centena de entrevistas feitas pela jornalista Raquel Landim, chega às livrarias em maio contando os bastidores inéditos da teia de corrupção que ajudou a transformar um açougue em Goiás na maior empresa de carnes do mundo.

Narrando o caso como um thriller político, Landim reconstrói a história da JBS desde sua origem até o acordo de delação premiada de Joesley e Wesley Batista, que comprometeu centenas de políticos, entre eles o ex-presidente da República Michel Temer, ainda no poder à época dos fatos, e quase permitiu que eles saíssem impunes apesar de seus crimes.

O título do livro, Why Not, faz referência ao iate comprado por Joesley Batista no auge do sucesso da empresa. O termo em inglês, que significa Por que não?, parecia indicar os rumos que os irmãos estavam dispostos a percorrer. Por que não subornar políticos? Por que não crescer contando com atalhos e privilégios? Por que não fazer gravações clandestinas de políticos em situações comprometedoras? A trama retratada no livro mostra as consequências da combinação do talento para negócios dos irmãos e das inescrupulosas relações com o poder público.

testeHolocausto brasileiro, livro premiado de Daniela Arbex, ganha nova edição

 

Depois do emocionante Todo dia a mesma noite, o catálogo da Intrínseca ganha mais um sucesso da jornalista Daniela Arbex: Holocausto brasileiro.

Nesta premiada obra, Arbex faz uma denúncia sobre a situação de abandono a que eram submetidos os pacientes do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Barbacena. Conhecido como Colônia, o centro localizado em Minas Gerais funcionou de 1903 a 1996 e deixou o saldo de mais de 60 mil mortos e inúmeras vidas marcadas pelo descaso do Estado, dos médicos e da sociedade. Motivada pelas fotos chocantes das condições subumanas impostas aos pacientes, Arbex localizou sobreviventes e entrevistou ex-funcionários a fim de traçar o retrato de uma das maiores atrocidades perpetradas em nosso país, o que transformou o livro em um marco do jornalismo investigativo.

Aclamado pelo público e vencedor do segundo lugar na categoria livro-documentário do prêmio Jabuti e ganhador do APCA de melhor livro reportagem e do Lorenzo Natali (Bélgica), Holocausto brasileiro foi adaptado como documentário e lançado pela HBO em 40 países.

Forte, sensível e indispensável, a nova edição da obra, com posfácio da autora, chega às livrarias a partir de 11 de março.