testeRomantizamos o suicídio e estigmatizamos a depressão

Por João Carvalho*

A depressão é um inimigo soturno e silencioso; ela ceifa mais vidas entre jovens que a violência e as doenças puramente físicas combinadas e, ainda assim, quase não falamos dela. Já o suicídio, vertente mais explícita e desencadeamento último da depressão, se tornou um lugar comum na cultura pop.  Por quê?

As razões são as mais diversas, mas, infelizmente, uma das principais está na nossa relação com ambos. Enquanto romantizamos o suicídio, estigmatizamos a própria depressão. Ao ostracizar a causa e relativizar o efeito mantemos como tabu uma doença que atinge desde as celebridades de Hollywood ao quitandeiro da esquina.

Ninguém tem vergonha de admitir que está gripado, ninguém se desculpa por ter sinusite, ninguém tem medo de perder os amigos, a família ou prejudicar a vida amorosa por causa de uma perna quebrada. Da mesma forma, todos nós nos solidarizamos com aqueles que lutam contra um tumor ou uma doença grave. No entanto, quando se trata de uma doença mental, a coisa muda de figura.

Somos bombardeados constantemente com ideais e metas inatingíveis pela sociedade: o corpo perfeito, a vida perfeita, as redes sociais perfeitas, relacionamentos extraordinários, os produtos certos, as séries da moda… Tudo isso pressupõe que nós mesmos deveríamos ser como todos esses produtos: perfeitos.

Contudo, a depressão é a síntese da imperfeição humana; ela é o que há de mais primordial e imperfeito em nós mesmos. É a manifestação mental e física de nossos medos, inseguranças e frustrações.

O suicídio, exatamente por sua raridade, exatamente por sua excepcionalidade, acaba por representar a “forma perfeita” para abordar o inabordável. Ninguém quer saber que você às vezes chora ao escolher uma meia. Ninguém quer saber da amargura que sente ao pensar no próprio futuro. No fundo, no fundo, todos nós nos olhamos no espelho e vemos uma fraude. Porém, quando alguém abandona a única coisa que de fato se possui, a vida, em um ato desesperado, mas, erroneamente percebido como corajoso, o elefante branco na sala passa a enfim ser discutido.

O suicídio é visível e, por sê-lo, vende. Vende séries na Netflix hoje em dia como vendeu o romance juvenil de Shakespeare três séculos atrás. Já a depressão continua como uma sombra, pairando sobre nós sem que as luzes da mídia a iluminem. Talvez, se jogássemos luzes o bastante sobre ela, perceberíamos que este fantasma pode ser menor e menos assustador do que parece.

É exatamente jogar luz sobre o fantasma da depressão que Matt Haig faz em seu magistral Razões para continuar vivo. Ele nos conta toda a sua trajetória desde a crise suicida até as planuras da convivência com a depressão e a ansiedade. Mais do que bem escrito, mais do que divertido, o livro de Matt é necessário. Traz em cada uma das suas páginas a atitude mais corajosa que um ser humano pode ter: despir o próprio ego e expor as fraquezas para que outros possam triunfar — e para que suas lições alcancem o maior número de pessoas.

 

Ao ler o livro de Matt, senti como se conversasse com um amigo de longa data, como se cada percalço, cada dificuldade e cada vitória de Matt também fossem minhas. O livro é leve como precisa ser para alcançar quem grita por ajuda. E forte e profundo o suficiente para lidar com um assunto tão denso quanto é a depressão e a ansiedade.

Assim como Matt, já estive à beira de me matar. Assim como Matt, consegui sair do abismo e perceber que existe vida, beleza, amor e alegria aqui fora. Pode parecer pouco, pode parecer distante, mas saiba que se você, assim como nós, já sentiu as forças se esvaindo e a dor tornando o mundo cinza, a leitura de um relato tão sincero e tão bonito pode ser um dos passos capazes de ajudá-lo a vencer essa que é a mais silenciosa e perigosa das doenças. Talvez a força da depressão esteja em viver nas sombras e nos convencer de que ninguém mais passou por aquilo que estamos passando. Razões para continuar vivo é, sobretudo, um testemunho de que você não está sozinho.

 

* João Carvalho é podcaster pelo Decrépitos, Anticast e Revolushow. Formado em História e Letras Clássicas e mestre em História Social, trabalha no Ministério das Relações Exteriores desde 2009. João é pai de um lindo menino chamado Erik e diagnosticado com distimia e TOC desde 2007.

teste5 razões para continuar vivo

O mundo de Matt Haig ruiu quando ele tinha pouco mais de 20 anos. Ele não conseguia achar uma maneira de continuar vivo. Essa é a história real de como ele passou pela crise, triunfou sobre a depressão que quase o destruiu e aprendeu a viver novamente. Razões para continuar vivo é mais do que um livro de memórias: é uma análise comovente sobre como viver melhor, amar melhor e se sentir mais vivo.

Ao intercalar episódios dos três anos em que sofreu de depressão com diálogos internos entre o eu do passado e o eu do presente, listas breves das atividades que o ajudaram, tuítes de leitores, além de dados sobre a doença que afeta milhões de pessoas no mundo todo, Matt Haig constrói uma obra única e delicada.

 

Confira uma das listas do autor abaixo:

Razões para continuar vivo

  1. As coisas não vão piorar. É o ponto mais baixo. Daí só é possível subir.

 

  1. Praticamente qualquer ser humano seria capaz de encontrar um motivo para se odiar se pensasse tanto no assunto quanto você. Nós, seres humanos, somos todos uns canalhas completos, mas também perfeitamente maravilhosos.

 

  1. A mente tem um clima próprio. Você está num furacão. E os furacões acabam perdendo força. Aguente firme.

  1. Ignore o estigma. Toda doença um dia teve o seu estigma. A gente tem medo de ficar doente, e o medo leva ao preconceito antes de levar à informação. A culpa da pólio, por exemplo, costumava ser atribuída aos pobres. E a depressão muitas vezes é vista como “fraqueza” ou falha de caráter.

 

  1. Um dia você vai sentir uma alegria equivalente a essa dor. Vai derramar lágrimas de euforia ouvindo Beach Boys, observar o rosto de um bebê adormecido nos seus braços, fazer grandes amizades, saborear comidas deliciosas que nunca experimentou, contemplar a paisagem de um lugar bem alto sem pensar na possibilidade de morrer na queda. Existem livros que você ainda não leu que vão enriquecê-lo, filmes que verá enquanto come sacos gigantes de pipoca, e você vai dançar, rir, fazer sexo e sair para correr à beira do rio e conversar noite adentro e rir até chorar. A vida está esperando você. Você pode estar preso aqui por algum tempo, mas o mundo não vai a lugar nenhum. Aguente firme aí se puder. A vida sempre vale a pena.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, a depressão afeta 350 milhões de pessoas no mundo todo e estima-se que cerca de 800 mil acabem cometendo suicídio — atualmente a segunda principal causa de morte de pessoas entre 15 e 29 anos. Com delicadeza e inspiração, Matt Haig conta neste livro como fez para superar as estatísticas e encontrar novamente as razões para continuar vivo.

Leia um trecho.

testeO que significa se sentir vivo?

Quando Matt tinha 24 anos, seu corpo decidiu que era hora de parar de viver.

Foi algo súbito: um mal-estar que surgiu certo dia enquanto ele estava em sua casa em uma ilha paradisíaca na Espanha e não dava sinais de que iria embora. O sofrimento era tamanho que Matt decidiu que o penhasco ao lado de sua moradia seria palco para o fim. Vinte passos, e tudo estaria acabado. Só que o último passo nunca foi dado, e ali começou uma luta diária contra a depressão. Razões para continuar vivo é o resultado dessa batalha. Um livro sobre como viver melhor, amar melhor e se sentir confortável consigo mesmo. Mais do que um livro de memórias, é uma obra sobre como aproveitar seu tempo no planeta Terra.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, a depressão afeta 350 milhões de pessoas no mundo todo e estima-se que cerca de 800 mil acabem cometendo suicídio — atualmente a segunda principal causa de morte de pessoas entre 15 e 29 anos. Com delicadeza e inspiração, Matt Haig conta no livro como fez para superar as estatísticas e encontrar novamente as razões para continuar vivo.

Razões para continuar vivo chega às livrarias em 26 de maio. Leia um trecho abaixo:

 

“Quando eu tinha 24 anos, eu quase me matei. Na época, eu morava em Ibiza, Espanha, na parte tranquila da ilha. Minha casa era bem perto de um penhasco. Em meio à neblina da depressão, caminhei até a beirada do precipício e olhei para o mar, para a costa acidentada de pedra calcária, pontuada por praias desertas. Era a paisagem mais linda que eu já tinha visto, mas na hora aquilo não tinha importância. Eu estava muito ocupado tentando reunir a coragem que eu precisava para me jogar dali. Não me joguei. Em vez disso, recuei e vomitei tudo que estava sentindo.

Mais três anos de depressão se seguiram. Pânico, desespero, batalhas diárias.

Mas eu sobrevivi. Naquela época, eu tinha certeza de que não conseguiria passar dos 30. A morte ou a loucura total pareciam mais realistas. Já passei dos 40. Hoje vivo cercado por pessoas que amo, fazendo um trabalho que nunca imaginei que faria e passo meus dias escrevendo.

Fiquei muito feliz por não ter me matado, mas continuei me perguntando se havia alguma coisa para dizer às pessoas que estão passando por esses tempos sombrios.

Essa é minha tentativa.”

testeLançamentos de maio

Confira as sinopses dos lançamentos do mês: 

A profecia das sombras, de Rick Riordan Não bastava ter perdido os poderes divinos e ter sido enviado para a Terra na forma de um adolescente espinhento, rechonchudo e desajeitado. Não bastava ter sido humilhado e ter virado servo de uma semideusa maltrapilha e desbocada. Nããão. Para voltar ao Olimpo, Apolo terá que passar por algumas provações. A primeira já foi: livrar o oráculo do Bosque de Dodona das garras de Nero, um dos membros do triunvirato do mal que planeja destruir todos os oráculos existentes para controlar o futuro.

Em sua mais nova missão, o ex-deus do Sol, da música, da poesia e da paquera precisa localizar e libertar o próximo oráculo da lista: uma caverna assustadora que pode ajudar Apolo a recuperar sua divindade — isso se não matá-lo ou deixá-lo completamente louco.

Agora e para sempre, Lara Jean, de Jenny Han Em Para todos os garotos que já amei, as cartas mais secretas de Lara Jean — aquelas em que se declara às suas paixonites platônicas para conseguir superá-las — foram enviadas aos destinatários sem explicação, e, em P.S.: Ainda amo você, Lara Jean descobriu os altos e baixos de estar em um relacionamento que não é de faz de conta. Na aguardada conclusão da série, Agora e para sempre, Lara Jean, a jovem vai ter que tomar as decisões mais difíceis de sua vida.

Em nome dos pais, de Matheus Leitão — Resultado de suas incansáveis investigações, que começam pela busca do delator e seguem com a localização dos agentes que teriam participado das sessões de tortura de seus pais. Passado e presente se entrelaçam nessa obra, que reconstitui com rigor eventos do início dos anos 1970 e, ao mesmo tempo, apresenta a emocionante peregrinação do autor pelo Brasil atrás de respostas. Uma história sobre pais e filhos, sobre reconciliação e responsabilidade, sobre encontros impossíveis. É também uma história sobre um país que ainda reluta em acertar as contas com um passado obscuro. 

As coisas que perdemos no fogo, de Mariana Enriquez — Macabro, perturbador e emocionante, o livro reúne contos que usam o medo e o terror para explorar várias dimensões da vida contemporânea. Em um primeiro olhar, as doze narrativas do livro parecem surreais. No entanto, depois de poucas frases, mostram-se estranhamente familiares: é o cotidiano transformado em pesadelo. Uma das escritoras mais corajosas e surpreendentes do século XXI, Mariana Enriquez dá voz à geração nascida durante a ditadura militar na Argentina.

As garotas, de Emma Cline — Considerada pela Granta uma das melhores jovens autoras americanas da década, Emma Cline se inspirou no impacto causado pelos assassinatos cometidos pelo culto de Charles Manson, no fim da década de 1960, para escrever As garotas. O livro narra o processo de crescimento pessoal de um grupo de jovens — um retrato atemporal das turbulências, das vulnerabilidades e da força das mulheres em sua passagem à maturidade.

O caminho da porcelana, de Edmund de Waal — Do autor de A lebre com olhos de âmbar, uma jornada para entender a obsessão humana pela arte, pela riqueza, pelo talento e pelo poder. Através de um material tão precioso e inesperado quanto a porcelana, Edmund de Waal desenha um mapa do melhor e do pior da humanidade em diferentes séculos e continentes. Uma investigação que perpassa acontecimentos sombrios – como a produção de porcelana para os nazistas em um campo de concentração – e gloriosas – como a alquimia desastrada que reinventou a porcelana e deu origem à primeira fábrica do Ocidente.

O projeto desfazer, de Michael Lewis Em O projeto desfazer, o renomado autor de Moneyball e Flash boys conta a história da colaboração entre dois homens absolutamente diferentes, percorrendo a gênese da teoria que mais tarde, publicada em livro, se tornaria o best-seller Rápido e devagar: Duas formas de pensar. Daniel Kahneman e Amos Tversky escreveram uma série de estudos originais desfazendo todas as suposições da época sobre o processo humano de tomada de decisão. Os ensaios e artigos escritos por eles mostraram como nossa mente sistematicamente se engana quando obrigada a fazer escolhas em situações de incerteza.

Razões para continuar vivo, de Matt Haig  O mundo de Matt ruiu quando ele tinha pouco mais de 20 anos. Ele não conseguia achar uma maneira de continuar vivo. Essa é a história real de como Matt passou pela crise, triunfou sobre a doença que quase o destruiu e aprendeu a viver novamente. Uma análise comovente e delicada sobre como viver melhor, amar melhor e se sentir mais vivo, Razões para continuar vivo é mais do que um livro de memórias. É um livro sobre como aproveitar seu tempo no planeta Terra.

Deixei você ir, de Clare Mackintosh Partindo de vários pontos de vista, Clare Mackintosh faz em Deixei você ir um retrato preciso de uma grande investigação policial. Com habilidade singular, ela desenvolve personagens memoráveis e uma análise arrebatadora das excentricidades da vida no interior. Mas seu verdadeiro talento é a maneira como incorpora reviravoltas em uma trama cheia de mistérios. Mesclando suspense e thriller psicológico, Clare disseca a mente de seus personagens enquanto tece entre eles inesperadas conexões.