teste17 livros para conhecer na Bienal do Livro Rio

A Bienal do Livro Rio é o maior evento literário do país e começa nesta quinta-feira. São muitos autores, encontros, sessões de autógrafos, marcadores, momentos inesquecíveis e, claro, livros com desconto!

Para ajudar os leitores que estarão por lá, selecionamos alguns títulos muito legais para diferentes estilos:

Para quem gosta de livros com histórias românticas:

Amor & Gelato — Paixões, segredos e um verão inesquecível na Itália! Essa é a trama do romance de estreia de Jenna Evans Welch.

Depois da morte da mãe, Lina tem que realizar um último pedido: ir até a Itália para conhecer o seu pai. Do dia para a noite, ela se vê na encantadora paisagem da Toscana, passeando pelos famosos pontos turísticos que no passado marcaram a juventude da mãe. Guiada por um antigo diário, Lina agora vai construir a própria história, descobrir o amor e aprender a lidar com o luto.

 

Os 27 crushes de Molly — De Becky Albertalli, autora de Simon vs. a agenda Homo sapiens, que participou da Bienal do Livro de São Paulo no ano passado.

O livro conta a história de Molly, uma garota que já viveu muitas paixões, mas só dentro da própria cabeça. Aos 17 anos, ela acumulou vinte e seis crushes. Embora sua irmã gêmea, Cassie, viva dizendo que Molly precisa ser mais corajosa, a garota não consegue suportar a ideia de levar um fora. Então, age com muito cuidado. Para ela, garotas gordas sempre têm que ser cautelosas. 

Box de Para todos os garotos que já amei — Vamos lançar o box da trilogia completa de Jenny Han, autora que participa do evento em 2 de setembro.

O box inclui os três livros e um pôster exclusivo autografado para os fãs brasileiros.

Para todos os garotos que já amei conta a história de Lara Jean, uma garota romântica, descendente de coreanos, apaixonada por doces e que gosta de escrever cartas secretas para suas paixões. 

Lara Jean não tem coragem de se declarar e prefere manter essas cartas em segredo. Porém, um dia, elas são enviadas misteriosamente para os destinatários e agora todos vão saber o que ela sempre tentou esconder.

 

Em busca de abrigo — O romance de estreia de Jojo Moyes conta a história de três mulheres que precisam lidar com a quebra de laços familiares aparentemente indestrutíveis.

Joy mora numa mansão fria no sul da Irlanda com seu marido, cuja saúde está se deteriorando depressa. Kate e Sabine, respectivamente filha e neta de Joy, moram no subúrbio da Inglaterra e têm uma relação conturbada. Quando as três mulheres finalmente se reencontram há conflito entre amor e obrigação, mães e filhas e diferentes escolhas de vida.

 

Para quem gosta de bons livros com MUITO desconto:

Teremos muitos livros com preços especiais na Bienal, mas selecionamos alguns títulos que você não pode deixar de conhecer!

Mosquitolândia — Após o inesperado divórcio dos pais, Mim Malone é arrastada de sua casa em Ohio para morar com o pai e a madrasta no árido Mississippi. Para fugir dessa nova vida e buscar seu verdadeiro lugar, o lar de sua mãe, ela embarca em um ônibus e encontra companheiros de viagem muito interessantes pelo caminho, numa odisseia contemporânea tão hilária quanto emocionante.

 

Perdão, Leonard Peacock — O livro de Matthew Quick, autor que já participou da Bienal em 2013, narra o drama de um estudante que planeja assassinar seu ex-melhor amigo para depois se matar com a arma que pertenceu ao avô no dia do seu aniversário. Antes, no entanto, ele pretende entregar três presentes para três pessoas que lhe são importantes.

 

A visita cruel do tempoNa obra vencedora do Pulitzer, do National Book Critics Circle Award e do LA Times Book Prize no ano de 2011, Jennifer Egan combina diferentes pontos de vista sobre histórias que se entrelaçam de maneiras inesperadas. 

Bennie Salazar é um executivo da indústria fonográfica. Sasha é sua assistente cleptomaníaca. E é a partir da história desses dois personagens que a autora retrata, em uma narrativa caleidoscópica, a passagem do tempo e a transformação das relações. Da São Francisco dos anos 1970 até a Nova York de um futuro próximo, Jennifer Egan cria um romance de estilo ímpar sobre continuidade e rupturas, memória e expectativas.

 

Para quem gosta de romances jovens bem construídos e inesquecíveis:

Enquanto o novo livro de John Green, Tartarugas até lá embaixo, não chega às livrarias, indicamos A culpa é das estrelas e Quem é você, Alasca?, que também estarão com desconto especial no nosso estande! É uma oportunidade de conhecer duas das mais importantes obras do autor.

 

Para quem gosta de livros nerds e geeks:

Geekerela — O divertido romance de Ashley Poston  traz a clássica história da Cinderela para os dias atuais e aborda temas como internet, independência da mulher, indústria do cinema e cultura nerd.

Quando Elle, nerd de carteirinha, descobre que sua série favorita vai ganhar um remake hollywoodiano, ela fica dividida. Antes de morrer, o pai lhe transmitiu a paixão por aquele verdadeiro clássico da ficção científica, e agora ela não quer que suas lembranças sejam arruinadas por astros pop e fãs que nunca ouviram falar da série.

 

Deuses americanos — A obra de Neil Gaiman já foi adaptada para a TV e é um dos livros mais comentados desde então!

O livro acompanha Shadow Moon, que passou quase três anos na cadeia contando os dias para voltar para casa. Pouco antes do fim da pena, ele fica sem rumo na vida ao descobrir que a esposa faleceu em um acidente.

Após o velório, ele conhece o sr. Wednesday — um homem com olhar enigmático e sempre com um sorriso insolente no rosto  —, que  lhe oferece um emprego. É na nova função que Shadow começa a desvendar a real identidade do chefe e a se dar conta de que os Estados Unidos, ao receberem pessoas de todos os cantos do mundo, também se tornaram a morada de deuses dos mais variados panteões.

 

Para quem gosta de mistérios e de narrativas com muitas reviravoltas:

Por trás de seus olhos — Esse é o tipo de livro que não podemos falar muito porque existe um grande risco de soltar um spoiler, mas podemos garantir que você precisa conhecê-lo durante a Bienal.

Um suspense com personagens escorregadios e um desfecho imprevisível e perturbador.

 

Até que a culpa nos separe — Novo romance de Liane Moriarty, autora de Pequenas grandes mentiras e O segredo do meu marido.

A história começa com um convite inesperado para um churrasco de domingo em Sydney, na Austrália. Três famílias resolvem passar uma tarde tranquila em uma bela casa sem imaginar como suas vidas mudariam para sempre a partir daquele dia.

Sem conhecer direito os anfitriões, Clementine, uma mulher casada e com duas filhas, acompanha a amiga de infância, Erika, quando um episódio assustador acontece no evento.

 

Para quem gosta de livros com personagens cativantes e mensagens importantes:

Fantasma — Se você estiver procurando um livro rápido, que pareça com uma série na Netflix e ao mesmo tempo fale sobre temas como bullying, representatividade e preconceito de uma forma sensível, não pode deixar de conhecer a obra de Jason Reynolds!

Fantasma é um garoto que sempre soube que correr era o seu forte, mas nunca levou a atividade muito a sério. Até que, certo dia, ele disputa uma corrida contra um dos melhores atletas de uma equipe que está treinando na pista de atletismo do parque. E vence. O treinador quer que ele entre para a equipe de qualquer jeito. O problema é que Fantasma tem muita raiva dentro de si e também um passado que tenta desesperadamente deixar para trás.

 

Extraordinário — Não tem como fazer uma lista sobre a Bienal e não incluir Extraordinário. O filme inspirado no livro estreia em novembro, e tem muita gente que ainda não se encantou (e chorou) com Auggie.

Extraordinário conta a história de Auggie Pullman, um garoto que tem uma deformidade facial e enfrenta o grande desafio de frequentar a escola pela primeira vez. Com momentos comoventes e outros descontraídos, o livro consegue captar o impacto que um menino pode causar na vida e no comportamento de todos a seu redor: família, amigos e comunidade.

 

Apenas uma garota — Uma história sobre aceitação e as primeiras experiências de uma adolescente trans!

Prestes a entrar na vida adulta, Amanda Hardy acabou de mudar de cidade, mas a verdadeira mudança de sua vida vai ser encarar algo muito mais importante: a afirmação de sua identidade. Tudo que ela mais quer é viver como qualquer outra garota. E, embora acredite firmemente que toda mudança traz a promessa de um recomeço, ainda não se sente livre para criar laços afetivos.

 

Para quem gosta de thriller psicológico:

Piano vermelhoO novo livro de Josh Malerman, autor que foi destaque na Bienal em 2015 com Caixa de pássaros, nos deixa com medo e assustados o tempo todo!

Escute o áudio e conheça a história:

 

Para quem curte mitologia:

Hotel Valhala: Guia dos mundos nórdicos — Com dados importantes, entrevistas exclusivas e muitas reflexões, o guia foi pensado para ajudar o guerreiro viking recém-chegado ao Hotel Valhala a começar o treinamento para o Ragnarök com o pé direito, evitando qualquer constrangimento desnecessário na pós-vida viking. 

 

Estande da Intrínseca na Bienal
Endereço: Pavilhão Azul (3) entre a rua E e a rua F
Horário de funcionamento:
31 de agosto: 13h às 22h
7 de setembro (feriado): 10h às 22h
Durante a semana: 9h às 22h
Finais de semana: 10h às 22h
Confira o mapa

testeLEONARD PEACOCK NOS CINEMAS

2014 Vanity Fair Oscar Party Hosted By Graydon Carter

Após O lado bom da vida, mais um livro de Matthew Quick ganhará versão cinematográfica em breve. Perdão, Leonard Peacock está em pré-produção pela The Weinstein Co. O filme contará com a estreia de Channing Tatum (Anjos da Lei) na direção, e o ator possivelmente também estará no longa-metragem.

Perdão, Leonard Peacock narra o drama de um estudante que planeja assassinar seu ex-melhor amigo para depois se matar com a arma que foi do avô no dia do seu aniversário. Antes, no entanto, ele pretende entregar três presentes para três pessoas que lhe são importantes.

testeHUMPHREY BOGART, COADJUVANTE DE LUXO EM PERDÃO, LEONARD PEACOCK

Humphrey I

“(…) Você já viu o bom e velho Humphrey Bogart em ação?” “Não”, respondi. Ele arregalou os olhos e disse: “Meu Deus, você não tem ideia do que está perdendo! Sente essa bunda ignorante na minha sala e vamos começar com O Tesouro de Sierra Madre.” E foi assim que Linda me empurrou para o vizinho do lado quando eu precisava de uma figura paterna – quando comecei a ficar mal da cabeça.”

Leonard Peacock é um adolescente atormentado. No dia do seu aniversário, ele planeja matar seu ex-melhor amigo e em seguida se suicidar. Antes, no entanto, pretende entregar três presentes para pessoas que considera importantes. Walt, o vizinho idoso e fumante que lhe apresentou Bogart (Bogie para os íntimos), é uma delas; talvez seja seu único verdadeiro amigo.

Juntos, Leonard e Walt passavam tardes assistindo aos filmes em preto e branco do Bogie. Como bons fãs, conheciam muito bem a filmografia do ator e trocavam citações do famoso astro de Hollywood. Além disso, ao se encontrar em uma situação complicada ou diante de uma bela dama, Leonard se perguntava: “O que Bogie faria?” Essa referência talvez se perca para outros jovens da idade dele. Afinal, quem foi Humphrey Bogart?

As mulheres o amavam e os homens queriam ser como ele. Ao menos, é o que dizem os fãs de Humphrey Bogart, considerado um dos maiores astros da história de Hollywood. Nascido no Natal de 1899, iniciou sua carreira na Broadway após a Primeira Guerra Mundial e só depois dos 30 anos começou a fazer sucesso no cinema. Ele estrelou filmes como Casablanca, Relíquia Macabra e O Tesouro de Sierra Madre, além de ter ganhado o Oscar de melhor ator em 1951 por Uma aventura na África.

Bogie nunca foi um ator como os outros. Ele não era muito alto, nem necessariamente bonito, e tinha uma cicatriz no lábio superior que lhe dava um aspecto de cara durão. Contudo, possuía uma presença de tela incontestável. Muitos o consideram o primeiro anti-herói de Hollywood. Em uma época em que os mocinhos se vestiam de branco e os vilões, de preto, Bogie usava cinza.

Humphrey Bogart morreu em 1957, vítima de câncer. Veja aqui algumas curiosidades sobre o ator:

– Bogie brincava que houve um tempo em que não se podia pegar uma revista nos Estados Unidos sem dar de cara com ele. O motivo da brincadeira era as peças publicitárias que sua mãe desenhava tendo o ator, ainda bebê, como modelo.

– Velejar e jogar xadrez eram dois dos hobbies favoritos do ator, que se dedicou a eles até o fim da vida.

– Bogie se alistou na Marinha aos 17 anos para lutar na Primeira Guerra Mundial porque acreditava que conheceria garotas bonitas na França.

– Seu primeiro trabalho como ator foi no papel de um garçom japonês para a peça teatral Drifting (1921), onde tinha apenas uma fala: “Drinques para a dama e seus honoráveis convidados.”

– Quando ganhou o Oscar de melhor ator, Bogie declarou: “A melhor maneira de sobreviver a um Oscar é nunca mais correr atrás de outro. Vocês já viram o que acontece com ganhadores do Oscar. Eles passam o resto da vida recusando roteiros em busca do próximo grande papel que possa lhe render mais um prêmio. Diabos, espero não ser indicado novamente. Daqui para frente só faço papéis feijão com arroz.”

– Bogie participou de mais de 80 filmes ao longo de sua carreira e casou-se quatro vezes.

Casablanca

 

 

 

 

testeConheça nossos mais novos e-books

estante_agosto_blog

A nova era digital, de Eric Schmidt e Jared CohenCom clareza e conhecimento de causa, o presidente executivo do Google e o diretor do Google Ideas procuram responder algumas das mais instigantes perguntas sobre as mudanças no nosso cotidiano. Quem será mais poderoso, o Estado ou os cidadãos? Os avanços tecnológicos facilitam ou dificultam o combate ao terrorismo? A privacidade se tornará um luxo para poucos na nova era digital?

Aqueles tempos, de Edney Silvestre Neste e-book gratuito, Edney Silvestre abre os arquivos de suas pesquisas para apresentar ao leitor um pouco mais do universo criado em Vidas provisórias. É possível conhecer melhor quais foram as inspirações do autor para reconstruir as sensações de Paulo e Barbara, imigrantes brasileiros forçados a deixar o país em momentos históricos diferentes. [leia mais]

Cidades de papel, de John Green  No livro do autor de A culpa é das estrelas, Quentin Jacobsen tem uma paixão platônica pela vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman. Até que, certo dia, ela invade sua vida pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. [leia mais]

Gataca, de Franck Thilliez — No novo livro do autor de A síndrome E, os policiais Lucie Henebelle e Franck Sharko se lançam em uma investigação para descobrir o elo invisível que une uma série de crimes atrozes. Destroçados pelas terríveis experiências que compartilharam, eles seguem a trilha da Evolução das espécies, num suspense arrebatador que os conduzirá às origens do mal. [leia mais]

O substituto, de David Nicholls — Nova comédia do autor de Um dia. Para Josh Harper, ser ator significa ter dinheiro, fama, mulheres aos seus pés e o papel principal nos palcos de Londres. Para Stephen C. McQueen, trata-se de uma longa e desastrosa carreira como figurante e substituto de Josh Harper, o 12º Homem mais Sexy do Mundo. [leia mais]

Perdão, Leonard Peacock, de Matthew Quick  No novo livro do autor de O lado bom da vida, Leonard planeja comemorar seu 18º aniversário usando a pistola nazista que foi do avô para matar seu ex-melhor amigo e depois se suicidar. Antes, porém, ele quer se encontrar e se despedir das quatro pessoas mais importantes de sua vida.
[leia mais]

Por que o mundo existe?, de Jim Holt —  Uma tragédia pessoal levou o filósofo e jornalista Jim Holt a empreender uma investigação sobre o mistério da existência, procurando grandes nomes de diferentes áreas do conhecimento, como o escritor John Updike, o filósofo Adolf Grünbaum e o físico Andrei Linde. [leia mais]

Vidas provisórias, de Edney Silvestre —  Vencedor do prêmio Jabuti de melhor romance em 2010, o autor retoma a história de personagens de seus dois primeiros romances, Paulo e Barbara, para criar um vigoroso retrato das transformações que ocorreram no país e no mundo nos últimos quarenta anos. [leia mais]