testeGuerra dos consoles vira série de TV produzida por Seth Rogen

Escolha o seu lado na grande batalha! Para dar vida ao duelo que marcou gerações, a Legendary, produtora de filmes como Jurassic World e Interestelar está produzindo uma série de TV inspirada no livro A guerra dos consoles, que relata as disputas entre Nintendo e Sega.

Nas décadas de 1980 e 1990, a Sega e a Nintendo se enfrentavam intensamente. Travando batalhas memoráveis e cheias de criatividade, as duas empresas de videogame faziam o impossível para chamar a atenção dos consumidores e conquistar o mercado dos games. No livro, Blake J. Harris revela as estratégias utilizadas e os bastidores da épica guerra entre os nossos amigos de infância, Mario e Sonic.

O projeto ainda não tem data de lançamento, mas já há grandes nomes como Seth Rogen e Evan Goldberg, de SuperBad – É hoje, e James Weaver (Vizinhos 2) na produção executiva. Além deles, a direção e o roteiro da série ficam por conta de Jordan Vogt-Roberts (Kong: A Ilha da Caveira), Mike Rosolio (American Vandal).

teste10 dos “melhores” anúncios sobre video games de todos os tempos

Antes de participarem dos mesmos jogos, Mario e Sonic brigavam entre si através de propagandas constrangedoras.

Antes de participarem dos mesmos jogos, Mario e Sonic brigavam em propagandas constrangedoras.

Além de alguns dos jogos mais divertidos das décadas de 1980 e 1990, a guerra entre Nintendo e Sega criou alguns dos comerciais mais estranhos já vistos na história da publicidade. De carros de Fórmula 1 com televisões a pessoas vestidas de robôs espaciais, as duas empresas fizeram de tudo para chamar a atenção de novos consumidores. Separamos uma lista com dez anúncios que são incríveis de uma forma nada convencional:

1- Um dos primeiros anúncios do tipo foi o de lançamento do slogan da Nintendo “Now you’re playing with power” (Agora você está jogando com poder). Listando todas as novidades do Nintendo Entertainment System (NES) ao som de trovões e música dos anos 1980, é uma das propagandas mais “comportadas” da lista:

2- Antes mesmo da chegada de Tom Kalinske, personagem central de A guerra dos consoles, à presidência da Sega dos Estados Unidos, a empresa já estava focada em combater tudo o que a concorrência fazia. Isso criou um dos mais constrangedores slogans de todos os tempos, “Genesis does what Nintendon’t” (O Genesis faz o que a Nintendo não):

3- Como anunciar um video game portátil? Que tal usar um robô alienígena, que faz um jovem aparecer em um planeta em chamas para jogar Tetris? Aparentemente, foi essa a resposta que deu origem ao anúncio do Game boy:

4- Novamente buscando responder à concorrência diretamente, a Sega anunciou a tela colorida de seu portátil Game Gear comparando os donos do Game Boy a um cachorro e dizendo que o outro portátil tinha “cor de espinafre”:

5- Seguindo o lançamento do Super Nintendo, a empresa apostou em uma dinâmica mais jovem, e acabou sendo uma das primeiras aparições do ator Paul Rudd (de Homem-Formiga):

6- Como mostrar que seu personagem é legal para adolescentes? Colocando uma mãe preocupada reclamando de sua atitude em oposição à do bom moço Mario. Foi assim que o Sonic foi anunciado para o público:

7- Um dos acessórios mais concorridos do NES foi a Power Glove, o primeiro controle de movimento da história, que apareceu no filme O rei do video game, de 1989. Ainda que prometesse uma revolução, o produto só acabou sendo lembrado por anúncios como esse:

8- Para tentar batalhar pelo primeiro lugar no mercado de video games, a Sega decidiu que ia apostar no público jovem, se distanciando das crianças. De alguma forma inexplicável, isso se traduziu em imagens desconexas e um constante grito do nome da empresa:

9- Tentando vender mais jogos, as empresas acabavam abordando características que muitas vezes não tinham a menor relação com o produto em questão. É o caso desse anúncio que mostra Super Mario World, um jogo no qual se lutava contra tartarugas gigantes como um jogo “mais realista”:

10- Na mesma linha do anúncio anterior, a Sega anunciava orgulhosa que seu console possuía Blast Processing. A resposta para “o que seria isso?” envolve um carro em alta velocidade:

Em A guerra dos consoles, Blake J. Harris revela os oponentes, as estratégias e os diversos fronts de batalha da grande guerra entre esses colossos do entretenimento eletrônico. Um verdadeiro thriller que mostra os bastidores de uma batalha épica pelo coração e pelo dinheiro de gamers do mundo inteiro e como tudo isso mudou e marcou definitivamente a cultura pop.

Leia também: Sobre quando éramos jovens, por Pablo Miyazawa