testeNovo livro do autor de Caixa de pássaros chega ao Brasil em 2019

Novos livros de Josh Malerman, autor de Caixa de pássaros, chegarão ao Brasil!

Inspection, novo livro do autor – que será publicado nos Estados Unidos em março – chegará às livrarias brasileiras pela Intrínseca no segundo semestre de 2019. A história se passa em uma floresta isolada em que há uma escola só para garotos. Os alunos nunca podem sair da instituição, e J, um deles, começa a se questionar sobre os segredos que existem por trás daquelas paredes.

Bem longe dali, na outra ponta da floresta, há uma outra escola, muito parecida com a de J, mas frequentada só por garotas. Uma das alunas é K, e ela está se fazendo as mesmas perguntas que J. K nunca viu um garoto. J nunca viu uma garota. Os dois vão investigar um mundo de horror e segredos até descobrirem um ao outro.

Outro livro muito aguardado de Josh Malerman é Unbury Carol, ainda sem previsão de lançamento. Carol Evers guarda um segredo: ela já morreu muitas vezes, mas não de forma definitiva. Ela tem longos episódios de coma, que perduram por dias.

Apenas duas pessoas sabem dessa condição de Carol: Dwight, o marido dela, que casou com Carol por interesse e quer aproveitar a oportunidade de um dos comas da mulher para enterrá-la viva e se apossar de sua fortuna. A outra pessoa é James, um amor do passado, que vai fazer de tudo para livrá-la de sua maldição. Enquanto isso, Carol estará acordada e consciente, usando seu feroz instinto de sobrevivência para lutar bravamente. 

Caixa de pássaros teve mais de 160 mil exemplares vendidos e inspirou o filme Bird Box na Netflix com Sandra Bullock. Josh Malerman também é autor de Piano vermelho e Uma casa no fundo de um lago, já publicados pela Intrínseca.

 

 

testeTudo o que já sabemos sobre o filme Caixa de pássaros

 

Está acabando a espera! A Netflix divulgou hoje o primeiro trailer e o pôster estrangeiro oficial da adaptação cinematográfica do livro Caixa de pássaros.

Confira abaixo tudo que já sabemos sobre esse filme que promete tirar o fôlego:

 

  1. O elenco é fantástico.

 

Além de ter Sandra Bullock como a protagonista Malorie, a adaptação de Caixa de pássaros conta com Sarah Paulson, de American Horror Story, Rosa Salazar, da série Divergente, Trevante Rhodes, de Moonlight: Sob a Luz do Luar, Danielle Macdonald, de Patti Cake$ e Jacki Weaver, de O Lado Bom da Vida e John Malkovich, que dispensa apresentações.

 

  1. A estreia será em dezembro

A primeira sessão do filme será exibida no AFI Fest, nos Estados Unidos, no dia 12 de novembro, mas a estreia mundial na Netflix está prevista para 21 de dezembro.

 

  1. O primeiro trailer legendado já está disponível

 

 

  1. Assim como o primeiro pôster, ainda com o título em inglês

 

  1. A direção é da dinamarquesa Susanne Bier

Bier é conhecida por dirigir a minissérie The Night Manager e Hævnen, filme sueco-dinamarques ganhador do Oscar.

 

  1. Josh Malerman acompanhou as gravações

Autor de Caixa de pássaros, Uma casa no fundo de um lago e Piano vermelho, o autor acompanhou de perto as gravações do filme e publicou diversas imagens dos bastidores em suas redes sociais.

 

  1. Sandra Bullock e Trevante Rhodes virão ao Brasil!

Bullock e Rhodes estarão na Comic Con Experience 2018, que acontece em São Paulo, no domingo, 9 de dezembro.Os atores participarão da ação especial para divulgação do filme Bird Box no estande da Netflix.

 

Fiquem de olho, pois atualizaremos o post toda vez que surgir uma novidade sobre a produção!

Quem mais está ansioso para 21 de dezembro?

testeLugares bizarros que poderiam estar num livro do Josh Malerman

Josh Malerman é o mestre em escrever histórias cheias de mistérios e com toques bizarros. Seus livros nos deixam olhando por cima do ombro e com medinho das sombras. Afinal, depois de ler Caixa de pássaros, quem não fez aquela manobra corajosa (só que não) de sair correndo pela casa no meio da madrugada só para pegar um copo d’água?

No seu mais recente lançamento pela Intrínseca – Uma casa no fundo de um lago –, Josh nos apresenta um local sombrio e inimaginável, que existe nas profundezas de um lago aparentemente tranquilo. Dessa vez, os protagonistas são James e Amelia, dois adolescentes de dezessete anos que decidem passear de canoa no seu primeiro encontro. O que eles não esperavam era encontrar uma casa embaixo d’água. Poderia ser só estranho, mas é pior que isso: apesar de submersa, nada da casa – móveis ou objetos de decoração – flutua e nela há até uma piscina! Será que existe alguém – ou algo – vivo na casa?

Uma ambientação incrível como essa nos fez pensar: quais lugares esquisitos poderiam servir de cenário para as histórias sinistras do Josh? Por isso, reunimos cinco lugares em que pensaríamos duas vezes antes de entrar. Confira:

 

Ilha das Bonecas – México

Em meio às paisagens lindas e paradisíacas do México, existe um lugar aterrorizante chamado Ilha das Bonecas. A lenda que envolve o local diz que Don Julián, o único morador da ilha, encontrou o cadáver de uma menina que havia se afogado. Depois disso, ele passou a ser assombrado por vozes e gritos, atribuídos à menina falecida. Por isso, ele começou a pendurar bonecas de vários tipos por toda a ilha, como forma de apaziguar o sofrimento do espírito. O resultado é um cenário assustador!

 

Floresta torta – Polônia

(KILIAN SCHÖNBERGER)

Cercado por uma floresta de pinheiros normais, perto da cidade de Gryfino, na Polônia, existe um lugar muito peculiar: uma área com cerca de 400 árvores que nascem com a base torta, rente ao chão. Os estudiosos acreditam que elas foram plantadas por volta da década de 1930 e existem diversas teorias para explicar essa anomalia. Uma das mais bizarras diz que ali existe um campo gravitacional único, capaz de entortar as árvores.

 

A cidade fantasma de Kolmanskop – Namíbia

No começo do século XX, a cidade de Kolmanskop era um local próspero onde viviam os funcionários de uma mina de diamantes. O país estava sob o controle da Alemanha e acredita-se que mais de uma tonelada de diamantes foi extraída de lá. Por volta de 1930, entretanto, as minas começaram a se esgotar e a cidade foi abandonada. Atualmente, Kolmanskop é uma cidade-fantasma, na qual as construções estão sendo tomadas pelas areias do deserto. Parece um cenário pós-apocalíptico!

 

Lago Hillier – Austrália

Parte de uma reserva natural em uma região isolada da Austrália, o lago Hillier é famoso por sua cor extremamente exótica: rosa. Por mais esquisito que pareça, não é edição ou parte do cenário de um filme de ficção científica. A cor é resultado da presença de micro-organismos, principalmente algas e bactérias. Esses organismos ficam agregados às crostas de sal do lago, o que permite uma coloração forte e uniforme. Você teria coragem de mergulhar?

 

Shoppings abandonados – Estados Unidos

Shoppings são sinônimos de lugares alegres e sempre muito movimentados. Mas não se engane. Existe um canal na internet famoso por produzir a série Dead Mall Series, na qual Dan Bell faz pequenas expedições por shoppings abandonados. O resultado são vídeos um pouco sinistros, que poderiam ser fonte de inspiração para muitas histórias assustadoras.

testeLançamentos de julho

 

Confira as sinopses dos nossos lançamentos do mês:

Mentes sombrias, de Alexandra Bracken

Do dia para a noite, crianças começam a morrer de um misterioso mal súbito. Os que sobrevivem desenvolvem habilidades psíquicas assustadoras. É o caso de Ruby. Na manhã do seu décimo aniversário, um acontecimento aterrador faz com que seus pais a tranquem na garagem e chamem a polícia.
Seis anos depois, ela se torna uma das jovens mais perigosas do mundo, embora tenha que esconder isso a todo custo para a própria segurança. Por mais que queira fazer amigos e ter uma vida normal, Ruby sabe que é impossível, porque nenhum lugar é seguro, e ela não pode confiar em ninguém — nem em si mesma. [Leia um trecho]

Variações enigma, de André Aciman

Os sentimentos de Paul, tão intensos na adolescência, continuam a atormentá-lo na vida adulta: no sul da Itália, ainda jovem, quando se apaixonou pelo marceneiro de seus pais, em Nova York, onde acredita estar sendo traído pela namorada e se interessa pelo parceiro de tênis nas quadras do Central Park. Não importa onde ou quando, suas relações são caóticas, transitórias e marcadas pela força do desejo.
Variações Enigma explora a impossibilidade de restringir uma pessoa a uma única linha melódica. Dessa forma, André Aciman mapeia os recônditos da paixão e revela a impiedosa e intricada psique humana. [Saiba mais]

Uma casa no fundo de um lago, de Josh Malerman

James e Amelia têm dezessete anos. Em comum, além da idade, há o fato de estarem um a fim do outro e de serem tomados pelo nervosismo quando James a chama para sair. Mas tudo parece perfeito para um primeiro encontro: um passeio de canoa pelos lagos com um cooler cheio de sanduíches e cervejas.
À medida que se aprofundam na exploração, os dois chegam a um lago escondido e encontram algo impressionante debaixo d’água. Um lugar perigosamente mágico: uma casa de dois andares com tudo que tem direito — móveis, um jardim, uma piscina e uma porta da frente, que está aberta.
Enquanto, fascinados, vasculham o imóvel e tentam passar uma boa impressão para o outro, cresce o medo. Será que um local misterioso como aquele esconde alguém — ou algo — vivo? Uma coisa é certa: depois de mergulhar nos mistérios da casa no fundo do lago, a vida deles jamais voltará a ser a mesma. [Leia um trecho]

Refúgio no sábado, de Míriam Leitão

Conhecida pelo público principalmente por sua cobertura jornalística de economia e dos bastidores do poder, Míriam Leitão reúne pela primeira vez suas crônicas, nas quais aborda conversas que a marcaram, memórias da infância e momentos do cotidiano.
Os textos, publicados inicialmente no blog de seu filho Matheus Leitão, são uma bela oportunidade de os leitores conhecerem melhor o dia a dia de Míriam, suas origens e o processo de formação de uma escritora.
Essa seleção de crônicas leves e afetivas é mais uma prova de que o olhar atento da premiada escritora e jornalista a fazem deslizar por diferentes gêneros literários com maestria. [Saiba mais]

testePrimeiras fotos do filme de Caixa de pássaros

 

As gravações do filme inspirado no thriller Caixa de pássaros já começaram em Los Angeles. No filme, Sandra Bullock será Malorie, uma mulher que descobre que está grávida quando precisa sobreviver a um surto inexplicável. Além de Bullock, o longa contará também com os atores Sarah Paulson, de Carol e American Crime Story: The People vs. O.J. Simpson, Rosa Salazar, da série Divergente, John Malkovich, Trevante Rhodes, de Moonlight: Sob a Luz do Luar, Danielle Macdonald, de Patti Cake$ e Jacki Weaver, de O lado bom da vida.

Com roteiro de Eric Heisserer, de A chegada, e direção da cineasta Susanne Bier, o filme teve os direitos adquiridos pela Netflix.

A data de estreia ainda não foi divulgada.

testeConheça o elenco completo de Caixa de pássaros

 

 

O elenco completo da adaptação de Caixa de pássaros, thriller de estreia de Josh Malerman, foi finalmente divulgado. Além de ser estrelado por Sandra Bullock, o filme terá entre os atores Sarah Paulson, de Carol e American Crime Story: The People vs. O.J. Simpson, Rosa Salazar, da série Divergente, John Malkovich, que dispensa apresentações, Trevante Rhodes, de Moonlight: Sob a Luz do Luar, Danielle Macdonald, de Patti Cake$ e Jacki Weaver, de O lado bom da vida.

Com roteiro de Eric Heisserer, de A chegada, e direção da cineasta Susanne Bier, o filme teve os direitos adquiridos pela Netflix.

Desesperador e envolvente, Caixa de pássaros conta a história de um surto inexplicável  que deixou poucos sobreviventes, entre eles Malorie e os dois filhos pequenos. Ninguém sabe o que exatamente causa o surto, mas basta uma olhadinha para fora para desencadear um impulso violento e incontrolável, que acabará em suicídio.

testePodcast #1 – Piano vermelho e Caixa de pássaros

Quem acompanha as redes sociais da Intrínseca já deve ter percebido como adoramos falar e trocar ideias com os nossos seguidores sobre a nossa grande paixão: LIVROS. Estamos presentes no Facebook, Twitter, Instagram, Snapchat e Youtube e agora resolvemos reunir a equipe para nos aventurarmos no mundo dos podcasts.

É uma conversa rápida e descontraída para quem quer saber detalhes sobre o que mais amamos! Para esse primeiro teste, escolhemos apresentar Piano vermelho, novo thriller de Josh Malerman, autor de Caixa de pássaros. Tem muita descontração, terror, risadas e curiosidades sobre o universo do autor.

Escute:

Participantes: Bruno, Josué e Pedro.

 

Assine o podcast!

testeEscute o áudio de Piano vermelho, novo livro de Josh Malerman

Um som misterioso que carrega em suas ondas um enorme poder de destruição. Alguém sabe a origem? O que isso pode causar? Quais são os riscos para quem escuta? O governo americano está preocupado e decide recrutar os Dane, uma renomada banda de rock de Detroit, para desvendar o mistério desse som.

Em Piano vermelho, Josh Malerman, autor de Caixa de pássaros, cria uma atmosfera de suspense e deixa os leitores curiosos e com medo mais uma vez.

Escute o áudio e conheça a história: 

testeAumente o volume, se tiver coragem!

Por Pablo Amaral Rebello*

1, 2, 3, 4…

A primeira nota invade o vazio, dissonante, repleta de energia e de uma eletricidade maligna. Ela traz as nuvens negras que se acumulam no céu, prenúncio da tempestade que está por vir. Uma mente sã buscaria abrigo, mas algo no estranho som nos leva a seguir os acordes, procurando descobrir aonde eles nos levarão, sem percebermos a armadilha em que estamos entrando até que seja tarde demais para nos salvarmos.

Do mesmo modo que uma boa música de rock te pega pelo ouvido, o novo livro de Josh Malerman, Piano vermelho, agarra a atenção do leitor desde as primeiras palavras e o deixa petrificado, eliminando qualquer possibilidade de fuga. Não há escapatória. Apenas um Caminho (assim mesmo, com C maiúsculo) a seguir. Pelas ruas sórdidas de Detroit ou pelos vastos desertos da África. Por alas sombrias de hospitais suspeitos ou por labirintos subterrâneos onde habitam as trevas e coisas que não deveriam existir.

Josh Malerman é um autor que gosta de mexer com as sensações dos leitores. Em Caixa de pássaros, ele nos trancou com seus personagens em um mundo repleto de sombras onde o menor vislumbre do que acontecia ao redor poderia provocar uma morte terrível. É um livro cheio de sutilezas e de sugestões sinistras, como a tensão de acompanhar uma mãe e seus dois filhos descendo um rio de olhos vendados, em que o suspense cresce a cada virar de página.

 Em Piano vermelho, o autor mantém sua pegada sensorial ao mesmo tempo que apresenta uma trama muito mais alucinada e carregada de adrenalina, como em um bom show de rock. A trama gira em torno de Philip Tonka, um músico que sobreviveu milagrosamente a uma experiência traumática e assombrosa, deixando médicos e especialistas atônitos, sem respostas para o que lhe aconteceu. E, mesmo se lembrando, o rapaz permanece no escuro sobre o que realmente ocorreu e o que se esconde embaixo das areias do deserto.

No passado, a história segue os passos da banda The Danes, que após uma curta temporada nos braços da fama está de volta ao ostracismo, encalhada em um estúdio de Detroit, sem criar nada de novo, apenas gravando os sons de novas bandas. Tudo muda quando os músicos recebem uma visita do Exército dos Estados Unidos. Ao que parece, existe um som bizarro, de alto poder destrutivo, escondido em algum lugar do sudoeste da África. Os militares acreditam se tratar de uma arma poderosa, capaz de vencer qualquer conflito armado, e querem recrutar os músicos como especialistas para localizá-la. Sem nada melhor para fazer, e sentindo o gosto de aventura no ar, os rapazes aceitam a missão. E, claro, alguma coisa dá muito errado e só o assombrado Philip Tonka pode descobrir a verdade.

 

 

A divisão do livro entre passado e presente segue a fórmula utilizada pelo autor em Caixa de pássaros e serve tanto para atiçar a curiosidade do leitor quanto para aprofundar os tormentos do protagonista, perseguido pelo que aconteceu na África e pelas perguntas que ficaram sem resposta depois da malfadada missão. Onde estão os outros Danes? Foi tudo real? Ou uma alucinação? No entanto, o ritmo da história é acelerado, com menos sutilezas e mais pirotecnias do que se poderia esperar em um primeiro momento. E não seria para menos, uma vez que o livro pode ser lido como uma carta de amor para o rock’n’roll e a vida desregrada de seus músicos.

Para quem não sabe, além de escritor, Josh Malerman é vocalista da banda The High Strung, o que demonstra que seu conhecimento a respeito do estilo de vida musical é muito mais prático do que teórico. Talvez por isso seja possível enxergar Philip Tonka, Duane Noles, Larry Walker e Ross Robinson como mais do que peças rodando nas engrenagens azeitadas do Exército americano. Eles são músicos, de espírito libertário, e ingênuos o bastante para caírem na armadilha do Tio Sam. Daí vem a importância que a banda adquire ao longo da trama, sempre presente na mente do protagonista e de personagens coadjuvantes, como a enfermeira Ellen.

 

 

Piano vermelho apresenta um autor mais solto, disposto a abraçar a anarquia da Criação (sim, com C maiúsculo também) e a se perder pelo Caminho, com o ouvido sempre atento aos menores ruídos e pistas capazes de levá-lo às respostas que procura. Pode ser que nada dê certo no final. Pode ser que tudo seja em vão. Mas existe a certeza de que, no meio de toda cacofonia e dos acordes estridentes, seja possível encontrar aquela poesia suja e fugidia que produz as melhores canções.  

Mas se você ainda não está convencido da capacidade de Josh Malerman em surpreender os leitores, aqui vai uma pequena história da passagem do autor pelo Brasil. E, não, não é algo que aconteceu com um amigo de um amigo meu. Foi um fato que presenciei em primeira mão, quando trabalhava na Intrínseca e dei a sorte de assessorá-lo durante a Bienal do Livro Rio, em 2015. “Terminei de escrever hoje a primeira versão do meu novo livro”, confidenciou Josh na porta da editora. Os olhos dele brilhavam como os de uma criança que acabou de aprontar e está louca para ver no que aquilo vai dar. “Acredito que esse vai fazer barulho!”

Achei bacana, conversamos um pouco sobre Piano vermelho (embora o livro ainda não tivesse um título definido na ocasião), mas não muito. Não estávamos ali para isso. O autor decidiu fazer uma visita de cortesia à editora e conhecer as pessoas que trabalharam em Caixa de pássaros. Todos o adoraram. Tiraram fotos, pegaram autógrafos, contaram piadas. Apenas outro dia de trabalho. Pelo menos, até a hora em que ele entrou no elevador e nos deixou. Passaram-se menos de cinco minutos e todas as luzes do prédio se apagaram, assim como a maioria dos computadores. Queda de energia total. Fomos deixados no escuro.

Alguém lembrou que Josh poderia ter ficado preso no elevador e me pediram para checar se estava tudo bem com ele. Mandei uma mensagem para o autor: “Cara, as luzes se apagaram assim que você saiu. Você não ficou preso no elevador, ficou?” Poucos minutos depois, veio a resposta, “Não”, seguida de “Caramba” e para concluir “Não imagino maneira melhor de sair de cena. ;)” Como disse antes, às vezes a realidade é mais estranha do que a ficção. E não tenho dúvidas de que, de vez em quando, as duas trabalham numa sintonia fina.

=> Leia um trecho de Piano vermelho

 

*Pablo Amaral Rebello escreve um pouco de tudo e de tudo um pouco. É autor de Os Lugares do Meio (https://youtu.be/UciL67mEJuQ), Deserto dos desejos (https://goo.gl/ssj4iJ) e diversos contos publicados em coletânea. Trabalhou nos jornais O Globo, Correio Braziliense e na Editora Intrínseca.

testeNetflix adquire direitos de Caixa de pássaros

Caixa de pássaros, thriller de Josh Malerman, vai sair do papel! A Netflix adquiriu os direitos cinematográficos do livro. Com Sandra Bullock confirmada no elenco, o filme terá roteiro adaptado por Eric Heisserer, de A chegada, e direção da cineasta dinamarquesa Susanne Bier.

Envolvente e desesperador, Caixa de pássaros conta a história de um surto inexplicável que deixou poucos sobreviventes, entre eles Malorie e os dois filhos pequenos. Ninguém sabe o que exatamente é a causa, mas basta uma olhadinha para fora para desencadear um impulso violento e incontrolável, que acabará em suicídio.

 Para sobreviver, Malorie sonha em fugir para um local onde a família possa ficar em segurança, mas para isso terá que enfrentar o medo de encarar o mundo fora da casa em que está trancada.

 As gravações estão previstas para começar em setembro, em Los Angeles.