testeOs verões inesquecíveis de Veronica Roth e Cassandra Clare

Em Aconteceu naquele verão, Stephanie Perkins convidou vários escritores para abordar os diferentes lados do verão (#sdds). Conheça os participantes desta adorável e surpreendente coletânea!

Stephanie Perkins é autora de Isla e o final feliz, publicado pela Intrínseca. Mora com o marido em uma casa centenária, com cômodos pintados nas cores do arco-íris. “Em noventa minutos, vá em direção a North” conta os próximos capítulos da história de North e Marigold, que teve início na coletânea O presente do meu grande amor, também organizada por Perkins.

Veronica Roth ama chuva, livros, animais fofos, chá e lugares frios, entre muitas outras coisas. Em “Inércia”, um acidente põe frente a frente dois melhores amigos que não se falavam havia meses. É hora de eles colocarem na mesa tudo que nunca foi dito, antes que seja tarde demais.

Cassandra Clare passou a infância viajando pelo mundo com a família e várias pilhas de livros. Em “Nova atração”, Lulu é uma garota que cresceu em um parque de diversões. Depois que o pai vai embora, ela tem que lidar com o tio enigmático, demônios, poções do amor e uma nova companhia terrivelmente charmosa.

Leigh Bardugo nasceu em Los Angeles, Estados Unidos, e se formou na Universidade de Yale. Mora em Hollywood, onde às vezes é vista cantando com sua banda. No conto “Cabeça, escamas, língua, cauda”, uma adolescente acredita ter visto um monstro no lago da cidade. Para resolver o mistério, ela conta com a ajuda de um garoto misterioso e apaixonante.

Francesca Lia Block mora na Califórnia e tem mais de vinte livros publicados. Em “Prazer doentio”, I e A se conhecem em uma festa e se apaixonam. Pressionada pelas amigas, I dispensa A, e os dois nunca mais se veem. Até I escrever esse conto.

Libba Bray é uma fã de histórias de terror cuja vida amorosa durante o ensino médio não foi lá muito agitada (cadê o amor, garotos de Denton, Texas?). No conto “O último suspiro do Cinemorte”, Kevin e Dani vivem uma história regada a cinema, zumbis e muito romance.

Brandy Colbert gosta de livros que a façam chorar, gritar e ficar obcecada. Em “Boa sorte e adeus”, Rashida tem que lidar com a partida de Audrey, sua melhor amiga, que vai se mudar para outra cidade. Ela só não contava que na festa de despedida encontraria uma nova companhia, que, como ela, adora pizza e tem um passado doloroso.

Tim Federle saiu de Pittsburgh ainda adolescente para dançar na Broadway. Em “Lembranças”, o verão chega ao fim, bem como o relacionamento de Keith e Matthew. Mas será que precisa ser desse jeito?

Lev Grossman se descobriu autor de romances de fantasia aos dezessete anos. Ele mora com a esposa e os filhos em uma casa antiga com rangidos estranhos. Em “O mapa das pequenas coisas perfeitas”, acompanhamos a história de Mark, um garoto solitário fadado a viver para sempre no dia 4 de agosto. Até que ele conhece Margaret.

Nina LaCour ama escrever, ama falar sobre livros e ama ler tanto autores consagrados quanto iniciantes. Mora na Califórnia com a esposa e a filha. Em “O fim do amor”, Flora, abalada pelo divórcio dos pais, se inscreve em um curso de verão para se distrair e lá reencontra Mimi, sua primeira paixão.

Jon Skovron trabalhava como ator, mas percebeu que seu verdadeiro talento eram os livros. Desde então se dedica a escrever romances juvenis e adultos. Em “Amor é o último recurso”, Lena e Zeke não acreditam no amor, não mesmo. Mas quem disse que o amor liga para isso?

Jennifer E. Smith acha que todo livro, seja romântico ou não, fala de amor. Em “Mil maneiras de tudo isso dar errado”, Annie e Griffin vão fazer o possível e o impossível para ficarem juntos, embora essa decisão envolva cálculos matemáticos, crianças bagunceiras e calças cáqui.

 

testeOs melhores verões da vida

 

Os verões são repletos de histórias inesquecíveis. E Aconteceu naquele verão é o livro ideal para mostrar como a estação mais quente do ano pode ser única. Seja em um cinema em vias de fechar, em um loop temporal, ou em um acampamento com os amigos, o livro mostra, em doze histórias apaixonantes de escritores queridos pelo público jovem, como Stephanie Perkins, Cassandra Clare e Veronica Roth, que o amor não escolhe hora nem lugar para acontecer.

Para listar algumas das histórias incríveis do livro, pedimos a ajuda de nossos blogueiros parceiros. Confira:

 

Amor é o último recurso – Jon Skovron

Jon Skovron criou um narrador que engana o leitor de tal maneira que, ao terminar o conto, é impossível não ficar com um sorriso no rosto.

A grande lição de “Amor é o último recurso” é destinada às pessoas que acham que o amor é baboseira, inútil, fútil, quando, na realidade, é ele o responsável por ligar tantas culturas diferentes e tornar nosso mundo e nossa existência mais fáceis de suportar. E se estar apaixonado é tolice, que sejamos tolos, “porque se formos todos tolos, talvez haja alguma sabedoria nisso que chamamos de amor”.

(Fonte: De cara nas letras)

 

Em noventa minutos, vá em direção a North – Stephanie Perkins

Marigold e North, protagonistas do conto, também aparecem em O presente do meu grande amor, e eu fiquei supercuriosa para saber o início da história desses dois. A intensidade dos sentimentos deles é cativante, e o modo como a autora consegue mostrar, pelos olhares e gestos de cada um, o quanto eles se gostam me tocou profundamente. Eu compreendi toda a insegurança de Marigold e fiquei com o coração apertado durante toda a leitura. Depois de sentir tudo o que senti ao ler esse texto, fui obrigada a colocá-lo na lista.

(Fonte: Conjunto da obra)

 

Inércia – Veronica Roth

“Inércia” se passa em um mundo distópico onde as pessoas que estão prestas a morrer têm a chance de reviver suas memórias com algum ente querido escolhido por ele. Mais especificamente, quando alguém vai passar por um procedimento cirúrgico e tem grandes chances de morrer, o paciente escolhe uma pessoa e, momentos antes da cirurgia, se conecta à ela através das memórias. Essa tecnologia é chamada de Última Visita.

Esse conto me encantou principalmente por dois motivos: o primeiro deles é a questão do pano de fundo distópico, mesmo que sendo apenas um detalhe no romance principal. Faz muito tempo que não leio distopias, mesmo sendo um dos meus gêneros favoritos. O segundo ponto é o fato de falar sobre doenças psicológicas.

Não é segredo pra ninguém que qualquer livro que traga visibilidade aos neuroatípicos entra fácil na minha lista de indicações, e esse conto é um deles. Mais uma vez me vi muito na personagem da Claire e nos conflitos que ela passou quando se descobriu depressiva, e também na aceitação que foi rolando aos poucos.

(Fonte: Poesia destilada)

 

Nova atração – Cassandra Clare

Meu conto preferido foi “Nova atração”, escrito por Cassandra Clare. Podem me julgar, mas eu nunca tinha lido nadinha dela nessa vida. E, meu Deus, que experiência maravilhosa!

A história desse conto se passa em um parque de terror itinerante, com atrações bem peculiares e uma pequena variedade de brinquedos. Nesse parque vive Lulu, filha do dono do parque. Porém, o pai dela some misteriosamente, e como o lugar estava passando por problemas financeiros, Walter, tio da jovem, passa a administrar o negócio da família. Lulu acaba se aproximando de Lucas, enteado de Walter, e juntos eles vivem as mais diversas aventuras.

O que mais gostei nessa história foi o fato de se passar em um parque de terror. Sou extremamente medrosa, mas mesmo assim eu tenho vontade de conhecer um parque desses. Além disso, Cassandra escreveu seu conto com maestria, nos mostrando que às vezes os monstros são mais reais do que a gente imagina.

 (Fonte: Procurei em sonhos)

 

O mapa das pequenas coisas perfeitas – Lev Grossman

Fechando o livro com chave de ouro, temos “O mapa das pequenas coisas perfeitas”, de Lev Grossman. Começando de maneira clichê, fazendo inclusive alusão a um dos meus filmes favoritos, Feitiço do Tempo, nesta história conhecemos Mark, um adolescente que está preso em um loop temporal em que todo dia é 4 de agosto.

Não tenho palavras para descrever esse conto, que me deu um soco no estômago. Foi golpe baixo mencionar um filme que tanto amo, e ainda por cima inserir no enredo essa busca por momentos perfeitos, que foi incrível demais. Adorei os questionamentos levantados pelos personagens sobre o que acontece no resto do mundo todo santo dia, a cada minuto, enquanto levamos a nossa vida. Além disso, eles também refletem sobre o que é possível fazer quando se tem tempo de sobra e quando as nossas ações não geram consequências. Certamente uma trama para nos fazer pensar e que irá conquistar todos vocês.

(Fonte: Recanto da Mi)

 

E você? Qual o seu conto favorito de Aconteceu naquele verão?