testeAs melhores modificações de Orgulho e Preconceito e Zumbis

giphy

Seth Grahame-Smith é um dos maiores nomes entre os autores que misturam clássicos da literatura mundial com criaturas modernas. Em Orgulho e Preconceito e Zumbis, ele não apenas introduz os monstros no romance de costumes, mas faz uma releitura de costumes e práticas na Inglaterra do começo do século XIX.

Listamos cinco das melhores adaptações que Seth Grahame-Smith fez em relação à obra original de Jane Austen:

 

1 – O primeiro encontro entre Elizabeth Bennet e o arrogante Sr. Darcy é um pouco diferente em Orgulho e Preconceito e Zumbis. Além de ficar ofendida por ser esnobada, Lizzie considera seguir o Código dos Guerreiros e cortar a garganta de Darcy do lado de fora do baile:

“Enquanto o Sr. Darcy se afastava, Elizabeth sentiu o sangue ferver. Nunca em sua vida fora tão insultada. O Código dos Guerreiros exigia que ela vingasse sua honra prontamente.”

 

2 – O momento em que Darcy menciona os olhos de Elizabeth tem uma menção à tenacidade da Srta. Bennet para atravessar as hordas de mortos-vivos para visitar sua irmã doente, Jane:

“— Receio, Sr. Darcy — observou a Srta. Bingley quase num sussurro —, que essa aventura tenha afetado bastante sua admiração pelos belos olhos dela.

— De modo algum! — replicou ele. — Estavam ainda mais brilhantes, devido ao esforço realizado.”

 

3 – Um dos personagens mais modificados da obra original é o Sr. Wickham, que tem uma história de rivalidade com Sr. Darcy mais novo completamente diferente. Além disso, é mostrado o tipo de educação que o Sr. Darcy pai deu ao filho e a Wickham:

“Quando ele e Darcy tinham não mais do que 7 anos de idade, o Sr. Darcy empenhava-se em aprimorar o treinamento de ambos. Certo dia, ao amanhecer, durante um treino de luta corpo a corpo, o jovem Wickham desfechou um forte pontapé em Darcy, que o atirou no chão. O Sr. Darcy, pai, implorou a Wickham que ‘desse um fim’ em seu filho, com um chute direto na garganta.”

 

4 – O desgosto que o pai das irmãs Bennet sente pelo gorducho Sr. Collins continua igual, e sua reação à possibilidade de Elizabeth casar com um sujeito tão estranho é ainda melhor:

“Não toleraria ter minha melhor guerreira casada com um homem que é mais gordo que Buda e mais embotado que o fio cego de uma espada de treinamento.”

 

5 – A única parente de Darcy ainda viva, a rancorosa Lady Catherine, tem um passado ligeiramente mais épico.

“— Srta. Bennet, tem certeza de que sabe quem eu sou? Já não escutou as canções sobre minhas vitórias contra as legiões de escravos de Satã? Não leu sobre minhas inigualáveis habilidades para matar? Sou praticamente a única parenta viva do Sr. Darcy, de modo que tenho o direito de estar a par de tudo o que lhe diz respeito, até mesmo dos assuntos mais íntimos.”

testeA zumbificação de Jane Austen

Por Alexandre Sayd*

Inglaterra, início do século XIX. Na propriedade de Longbourn a única preocupação da Sra. Bennet é conseguir o melhor casamento possível para cada uma de suas cinco filhas. Mas há um detalhe importante: há pouco mais de 50 anos uma estranha praga se abateu sobre o país de Sua Majestade, fazendo zumbis se levantarem dos túmulos e causando profundas transformações sociais.

As cinco filhas da Sra. Bennet, por exemplo, são exímias matadoras de “não mencionáveis” (os famigerados zumbis), tendo passado anos na China aprendendo com monges Shao Lin o domínio das artes mortais — prática bastante comum entre as famílias que dispõem de recursos. A diferença é que as famílias realmente abastadas preferem enviar seus filhos para treinar com ninjas no Japão e torcem o nariz para o “treinamento inferior” dos chineses que as irmãs Bennet receberam.

1996480.jpg-r_x_600-f_jpg-q_x-xxyxxOrgulho e Preconceito e Zumbis, de Seth Grahame-Smith, é exatamente o que o título sugere: o mais conhecido romance de costumes de Jane Austen acrescido de mortos-vivos devoradores de cérebros. A ideia parece disparatada à primeira vista, mas o acréscimo não vem apenas para trazer humor à história. Leva a brincadeira mais longe, imaginando como a Inglaterra vitoriana realmente reagiria ao surgimento de zumbis e fazendo com que as cenas de ação exageradas, como as em que Lizzy Bennet decapita não mencionáveis com sua adaga, sirvam para destacar ainda mais os conflitos socioculturais da época. Pois se não é fácil combater sozinha uma dúzia de zumbis, imaginem a dificuldade de fazer isso sem nem mesmo sujar o vestido. Em contrapartida, nada como recusar um pedido de casamento dando um chute na cara do pretendente.

Entre as transformações trazidas com a praga, há um esforço de guerra contra os mortos-vivos, que insistem em se levantar com mais frequência numa região ou noutra da Inglaterra. Assim muralhas são erguidas novamente para a defesa de Londres — a cidade passa a ser separada em setores que refletem a divisão anterior entre as áreas mais ricas e mais pobres da capital, reforçando mais uma vez o caráter social da obra. A troca de correspondências é assídua e constante entre os personagens, mas as missivas frequentemente se atrasam devido a algum ataque zumbi aos veículos dos correios.

Fãs da obra original poderão revisitar Pemberley, a suntuosa mansão da família Darcy — agora com o estilo arquitetônico de um palácio de Kyoto — e observar os embates entre Lizzy e Lady Catherine de Bourgh não somente na mesa de chá, mas também em um dojo, armadas com katanas. Mesmo destacando os desafios de uma mulher na sociedade, o livro dá às personagens femininas “dotes” literalmente mortais que as tornam, no mínimo, menos indefesas. Nas palavras de Lydia Bennet “a virtude na mulher é removida com a mesma facilidade que uma peça de roupa. Basta um passo em falso para ocasionar ruína para sempre. E o único remédio para a honra ferida é o sangue de quem a profanou”. A existência dos zumbis ainda leva a finais diferentes para alguns personagens, garantindo saborosas surpresas para os leitores de Austen.

Não é necessário, no entanto, sequer conhecer o livro de Jane Austen para ler a obra de Grahame-Smith, e aqueles leitores mais interessados nos zumbis do que em Orgulho e Preconceito provavelmente vão se espantar ao se descobrirem prendendo a respiração com o suspense de diálogos cheios de sutilidades e insinuações durante um jantar. Pois, independentemente de todas as mudanças, o foco da história se mantém na complexidade e nas sutilezas dos relacionamentos entre os personagens.

Apesar de todas as alterações na trama ainda nos vemos, inevitavelmente, torcendo para que Lizzy, com seu gênio difícil, acabe se entendendo com o Sr. Darcy, e o fato de que na nova versão ambos são guerreiros orgulhosos, com noções de honra aprendidas com mestres orientais, dá ainda mais fôlego a esse conflito. Com nervos “testados no fragor de muitas batalhas”, Lizzy ainda vai se ver “desconcertada diante de seu próprio desequilíbrio emocional”. Esse contraste entre força e fragilidade, entre a realidade e o absurdo do cenário, é que dá novo sabor à história e a torna tão interessante.

RAZAO_E_SENSIBILIDADE_E_MONSTROS_MARINHO_1302821658BHerdeiros dos fanfics, os chamados mash-ups são livros compostos pela associação de obras clássicas de grande importância a elementos insólitos, normalmente relacionados à literatura de horror. Orgulho e Preconceito e Zumbis é um dos pioneiros nesse gênero e seu sucesso foi seguido por outras obras como Razão e Sensibilidade e Monstros Marinhos, Android Karenina e Queen Victória: Demon Hunter.

Orgulho e Preconceito e Zumbis esteve na lista dos livros mais vendidos do jornal The New York Times e recebeu boas avaliações da crítica especializada, se beneficiando tanto do interesse duradouro dos leitores no trabalho de Jane Austen quanto do fato de zumbis estarem na moda. Devido ao sucesso do livro, a obra ganhou uma versão cinematográfica, dirigida por Burr Steers (17 outra vez) e estrelada por Lily James (Cinderela), Elizabeth Bennet e Sam Riley (Malévola), com lançamento previsto para 4 de fevereiro.

Seth Grahame-Smith é um escritor, roteirista e produtor de cinema mais conhecido no Brasil pelo roteiro do filme Abraham Lincoln – Caçador de Vampiros, baseado no livro homônimo, também de sua autoria. Ele é cotado para escrever as sequências de Beetlejuice e Gremlins.

Conheça Razão e Sensibilidade e Monstros Marinhos

 

*Alexandre Sayd é jornalista e leitor voraz de fantasia e horror.

testeLançamentos de janeiro

Estante Intrinseca

O regresso, de Michael Punke – Inspirado na impressionante história real de Hugh Glass, caçador da Companhia de Peles Montanhas Rochosas atacado por um urso-cinzento e depois abandonado pelos companheiros, que levam suas armas e suprimentos. Entre delírios, Glass é tomado por um único desejo: vingança. O livro inspirou o filme homônimo, estrelado por Leonardo DiCaprio (O lobo de Wall Street) e dirigido por Alejandro González Iñárritu (Birdman)  [Leia +]

Leia também: O Regresso recebe 3 indicações ao Globo de Ouro

P.S.: Ainda amo você, de Jenny Han – Continuação de Para todos os garotos que já amei, o livro conta a história de Lara Jean. Em P.S.: Ainda amo você, ela vai aprender como é estar em um relacionamento que, pela primeira vez, não é de faz de conta. Uma história delicada e comovente que vai mostrar que se apaixonar é a parte fácil: emocionante mesmo é o que vem depois. [Leia +]

Leia também: A continuação de Para todos os garotos que já amei

A arte do descaso, de Cristina Tardáguila – Em pleno Carnaval, quatro homens invadiram o Museu da Chácara do Céu, no Rio de Janeiro, e roubaram cinco obras de arte cujo valor estimado, na época, ultrapassava 10 milhões de dólares. Até hoje é considerado o maior roubo de arte do Brasil e o oitavo do mundo. Decidida a desvendar o mistério, a jornalista Cristina Tardáguila chegou a se colocar em situações de risco a fim de encontrar respostas. [Leia +]

O nadador, de Joakim Zander – Damasco, Síria. Um agente secreto norte-americano abandona a filha recém-nascida em meio a um bombardeio, entregando-a a um destino incerto. Alternando habilmente entre passado e presente, entre Suécia, Síria e Estados Unidos, Joakim Zander tece uma rede de intrigas e suspense em um estilo sofisticado e descritivo que transformou O nadador em um estrondoso sucesso. [Leia +]

Trumbo, de Bruce Cook – Em 1947, o jornal The Hollywood Reporter divulgou uma série de nomes de cineastas suspeitos de instilar sutilmente propaganda comunista nos filmes de Hollywood. O principal nome era o de Dalton Trumbo, que se recusou a entregar qualquer informação. Ele foi julgado, declarado culpado e, em 1950, preso. Após sair da prisão, Trumbo driblou a lista negra anticomunista e, por quase uma década, viveu de produzir roteiros clandestinamente. O livro inspirou o filme Trumbo: Lista negra, estrelado por Bryan Cranston (Breaking Bad) e Helen Mirren (A Rainha). [Leia +]

Leia também: O homem que rasgou a lista negra de Hollywood

Vale-tudo da notícia, de Nick Davies – A notícia de que um editor do jornal britânico News of the World invadia caixas postais de telefones atrás de recados que lhe rendessem furos sobre a realeza não seria tão aterradora se parasse por aí. O problema surgiu quando o repórter Nick Davies decidiu investigar a história mais a fundo e descobriu um lamaçal de crimes e corrupção que afetava boa parte da imprensa britânica, com ramificações no gabinete do primeiro-ministro e no alto escalão da Scotland Yard. [Leia +]

Orgulho e preconceito e zumbis, de Seth Grahame-Smith e Jane Austen –  “É uma verdade universalmente aceita que um zumbi, uma vez de posse de um cérebro, necessita de mais cérebros.” Assim começa essa paródia da obra consagrada de Jane Austen, que se tornou um best-seller do The New York Times. Agora, porém, no tranquilo vilarejo de Meryton, nossa heroína, Elizabeth Bennet, treinada nos rigores das artes marciais, está determinada a eliminar a ameaça zumbi. Até que sua atenção seja desviada pela chegada do altivo e arrogante Sr. Darcy.       O filme inspirado na obra, estrelado por Lily James (Cinderela) e Sam Riley (Malévola), estreia em fevereiro.

Leia também: Orgulho e preconceito e zumbis nos cinemas

Sr. Tigre solto na selva, de Peter Brown – Para tudo tem hora e lugar… até para se soltar! Ninguém esperava isso do sr. Tigre. Sempre tão comportado, tão polido, tão educado. De terno e cartola, lá estava ele, totalmente acostumado à vida na cidade, aos cumprimentos distantes, ao refinado chá da tarde. Ele queria se soltar, queria ser selvagem. E um dia, foi isso o que ele fez. Só que, num mundo tão civilizado, a mudança não pegou muito bem. Mais um livro de Peter Brown, autor e ilustrador de Minha professora é um monstro! (Não sou, não.)

 

testeOrgulho e preconceito e zumbis nos cinemas

“É uma verdade universalmente aceita que um zumbi, uma vez de posse de um cérebro, necessita de mais cérebros.” 

12366077_748264408539135_5906951004338504553_o

“É uma verdade universalmente aceita que um zumbi, uma vez de posse de um cérebro, necessita de mais cérebros.” 

Seth Grahame-Smith é uma pessoa de muitos talentos: transformou um presidente americano em um caçador de vampiros, criou uma história para personagens icônicos da Bíblia e trabalhou como produtor e roteirista ao lado de Tim Burton e na série Flash.

Foi ele que, em 2009, ousou mexer em um dos maiores clássicos da literatura. O que, à época, pareceu algo absurdo se mostrou uma decisão acertada: bem-humorado e estranho na medida certa, Orgulho e preconceito e zumbis, sua reinvenção da obra-prima de Jane Austen, foi um sucesso.

Em 2016, o livro chega aos cinemas, dirigido por Burr Steers (17 outra vez). Estrelam a produção Lily James (Cinderela), como Elizabeth Bennet, e Sam Riley (Malévola), como o arrogante Sr. Darcy. Completam o elenco Lena Headey (Game of Thrones), Matt Smith (Doctor Who), Jack Huston (Trapaça), Hermione Corfield (Sr. Holmes), Bella Heathcote (Sombras da noite) e Charles Dance (Game of Thrones). O filme estreia dia 4 de fevereiro e a versão do livro com a capa do filme será lançada em janeiro.

teste13 histórias para um Dia das Bruxas mais assustador

unnamed

Para comemorar o Dia das Bruxas, preparamos uma lista de alguns livros da Intrínseca com monstros, zumbis, bruxas, criaturas inomináveis e terror em geral. Confira!

1- João e Maria, de Neil Gaiman e Lorenzo Mattotti: Familiar como um sonho e perturbador como um pesadelo, o conto narra a saga de dois irmãos que, em tempos de crise e falta de esperança, são abandonados pelos próprios pais e precisam enfrentar com coragem os perigos de uma floresta sombria.

2- O oceano no fim do caminho, de Neil Gaiman: Foi há quarenta anos, agora ele lembra muito bem. Quando os tempos ficaram difíceis. Um homem cometeu suicídio, despertando forças que jamais deveriam ter sido perturbadas. Forças que não são deste mundo. Um horror primordial, sem controle, que foi libertado e passou a tomar os sonhos e a realidade das pessoas.

3- Caixa de pássaros, de Josh Malerman: Há algo que não pode ser visto. Algo que enlouquece as pessoas e as leva a cometer atos violentos seguidos de suicídio. A população foi aconselhada a trancar as portas e as janelas e a andar vendada. Com uma narrativa cheia de suspense e que alterna passado e presente, o livro conta uma incrível história de terror psicológico em um mundo pós-apocalíptico.

4- Orgulho e Preconceito e Zumbis, de Jane Austen e Seth Grahame-Smith: Elizabeth Bennet, treinada nos rigores das artes marciais, está determinada a eliminar a ameaça zumbi. Até que sua atenção é desviada pela chegada do altivo e arrogante Sr. Darcy. Conseguirá ela subjugar as crias de Satã e superar os preconceitos sociais dos grandes aristocratas ingleses?

5- O Rei de Amarelo, de Robert W. Chambers: Uma peça teatral estrelada por uma figura sobrenatural cuja existência extrapola as páginas. Pouco se sabe a respeito do texto original, exceto que seus leitores são levados à loucura, condenando sua alma à perdição.

6- Caçadores de Trolls, de Guillermo del Toro e Daniel Kraus: Jim Sturges é um típico adolescente de San Bernardino, até que um mistério de décadas ressurge, ameaçando a vida de todos os moradores da aparente entediante cidadezinha. Um livro sobre medos e criaturas que se ocultam onde menos esperamos.

7- Titia Terrível, de David Walliams: Uma menininha não sabe que perdeu os pais em um acidente de carro, pois passou meses em coma. Ao despertar, ela precisará fazer de tudo para escapar das tramoias da tia, uma mulher malvada interessada na herança da sobrinha, e de sua coruja mal-humorada.

8- Half Bad, de Sally Green: Na Inglaterra, bruxos e humanos dividem o mesmo espaço, sem, no entanto, se misturarem. Mesmo entre os bruxos, há os que se autodenominam bons, puros e justos — os bruxos da Luz —, e há, é claro, seus inimigos, aqueles que devem ser combatidos e aniquilados, a origem de todo o mal — os bruxos das Sombras.

9- Abraham Lincoln: Caçador de vampiros, de Seth Grahame-Smith: Indiana, 1818. Sob o luar que se insinua por entre a densa floresta, uma pequena cabana se destaca. Dentro dela, o pequeno Abraham Lincoln, com apenas nove anos, está ajoelhado ao lado da cama em que a mãe agoniza. Anos mais tarde, o magoado Abe descobriria que o mal que vitimou sua mãe foi, na realidade, obra de um vampiro. Dotado de impressionantes altura, força e habilidade, ele traça um plano de vingança que acabará por levá-lo à Casa Branca.

10- Filme noturno,de Marisha PesslEm uma noite fria de outono, Ashley Cordova é encontrada morta em um armazém abandonado em Manhattan. Embora a polícia suspeite de suicídio, o jornalista Scott McGrath acredita que exista algo mais por trás dessa história. Seu interesse pelo caso não é gratuito: Ashley é filha do famoso e recluso diretor de filmes de terror Stanislas Cordova, um homem que não é visto em público há mais de 30 anos e que, no passado, teve um papel trágico na vida de McGrath.

11- Objetos cortantes, de Gillian Flynn: A repórter Camille Preaker precisa retornar à sua cidade natal para investigar o brutal assassinato de uma menina e o desaparecimento de outra. À medida que as investigações para elaborar sua matéria avançam, Camille começa a desvendar segredos familiares perturbadores, tão macabros quanto os problemas que ela própria enfrenta.

12- Lugares escuros, de Gillian Flynn: Libby Day tinha apenas sete anos quando testemunhou o brutal assassinato da família. O acusado do crime foi seu irmão mais velho, que acabou condenado à prisão perpétua. Vinte e quatro anos depois, ao ser procurada por um grupo de pessoas convencidas da inocência de seu irmão, Libby começa a se fazer as perguntas que até então nunca ousara formular. Será que a voz que ouviu naquela noite era mesmo a do irmão?

13- Até você ser minha, de Samantha Hayes: A assistente social Claudia parece ter uma vida perfeita. À espera do bebê que sempre desejou, ela vive em uma linda casa com seu marido que a ama incondicionalmente. Até que Zoe — a babá contratada para ajudá-la quando a criança nascer — entra na sua vida. Claudia passa a desconfiar de Zoe. E um dia as suspeitas se tornam um medo real.

 

link-externoLeia também: 13 thrillers