testeSobre minha escrita – Personagens

Histórias são sempre sobre alguém fazendo alguma coisa. Às vezes, a coisa pode até ser o tema central, mas o que proporcionará a emoção da leitura é o tanto que aquele alguém foi modificado por essa coisa. Um épico sobre uma guerra nunca será apenas acerca do conflito armado, mas de como a vida de determinada pessoa foi alterada por seus horrores. Um romance a respeito de um desencontro não terá impacto se não percebermos a sutileza de quanto aquele desencontro afetou quem se envolveu. Uma trama policial nunca vai somente relatar um crime, mas de que maneira o evento subverteu a forma de as pessoas implicadas passarem a enxergar o mundo.

Por isso, o elemento mais importante de uma história é o personagem. Nós, leitores, estamos sempre em busca de personagens fortes e inesquecíveis. Por eles vamos nos afeiçoar e torcer. Desejaremos viver suas aventuras e nos reconhecer em suas atitudes. Daremos risada, choraremos, odiaremos e xingaremos quando merecerem. E, quando fecharmos o livro, provavelmente ainda teremos bons sonhos, como se fossem reais.

Gosto, particularmente, daquele personagem que o escritor pouco descreveu fisicamente. Quero conhecê-lo por seus propósitos, suas ações, seus sentimentos e suas escolhas. A menos que seja fundamental saber que seus olhos são verdes, caso isso tenha importância no rumo da história, prefiro tirar minhas próprias conclusões sobre o quão marcante seu olhar pode ser. Também gosto de personagens que trazem conflitos aparentemente insolúveis. Quanto maior o “grau de dificuldade” em sair de uma situação, mais empolgante ele costuma ser.

Sempre entro na escrita de um romance com foco nisso. Quem será meu personagem? O que ele vai fazer? De onde vem e para onde vai? Qual é seu passado? Que problema tem de resolver? Qual evento exterior vai afetar seu interior, a ponto de transformá-lo e isso influenciar outras pessoas ao redor? Pedro, em Surpreendente!, e Vinícius Becker, em A máquina de contar histórias, trouxeram tais perguntas em sua composição.

Desde que me tenho por gente, personagens da literatura vêm ajudando a costurar a colcha de retalhos da minha vida de escritor e ser humano. Não escondo que invejo a enorme capacidade de muitos colegas autores para compor personagens memoráveis e atemporais. Imagino como seria perfeito se eu pudesse um dia pagar uma bebida a alguns desses personagens, para passar uma tarde inteira ouvindo-os discorrer sobre suas experiências. Em alguns casos, até descobrir o que aconteceu tempos depois do ponto final de suas histórias.

Finalizo o texto trazendo a seleção dos dez personagens para quem eu realmente gostaria de ter pagado uma bebida — chá, chope, refrigerante, hidromel ou uísque, dependendo do caso: Holden Caulfield (O apanhador no campo de centeio, de J.D. Salinger); Rob Fleming  (Alta fidelidade, Nick Hornby); Hercule Poirot (de vários livros de Agatha Christie); Capitu (Dom Casmurro, de Machado de Assis); James Bond (de vários livros de Ian Fleming); Hazel Grace (A culpa é das estrelas, de John Green); Frodo (O senhor dos anéis, de J.R.R. Tolkien); Auggie (Extraordinário, de R.J. Palacio); Alice (Alice no país das maravilhas, de Lewis Carroll); e, por fim, Dom Quixote (O engenhoso fidalgo Dom Quixote de la Mancha, de Miguel de Cervantes).

testeSALINGER NO FESTIVAL DO RIO 2013

JD-Salinger.

Já exibido nos Estados Unidos, o documentário Salinger está no Festival do Rio. O filme trata da vida do recluso escritor J.D. Salinger, autor do grande sucesso O apanhador no campo de centeio, e revela detalhes a respeito de obras inéditas. Salinger também apresenta depoimentos de grandes nomes da literatura, como Gore Vidal e Tom Wolfe, além de fãs famosos, como Edward Norton e Danny DeVito.

Shane Salerno, diretor do filme, é também autor da biografia de J.D. Salinger, feita em parceria com David Shields. A dupla dedicou quase uma década à busca de informações, entrevistando mais de 200 pessoas, entre amigos, familiares e estudiosos da obra do escritor.

Salinger será publicado pela Intrínseca em janeiro de 2014. ► http://goo.gl/yWTLVO

Sexta, 04/10 – 21h45 – Estação Rio 1

Terça, 08/10 – 16h30 – São Luiz 3

Terça, 08/10 – 21h30 – São Luiz 3

Quinta, 10/10 – 16h30 – Cinepolis Lagoon 5

Quinta, 10/10 – 21h30 – Cinepolis Lagoon 5

Acesse todas as sessões do filme Salinger: ► http://www.festivaldorio.com.br/br/filmes/salinger

testeBIOGRAFIA DE J.D. SALINGER SERÁ PUBLICADA PELA INTRÍNSECA

JD-Salinger. Enquanto muitos autores buscam os holofotes, J.D. Salinger fugiu deles após o estrondoso sucesso que seu livro O apanhador no campo de centeio fez a partir do lançamento em 1951. O diretor e roteirista Shane Salerno (Selvagens) passou os últimos nove anos coletando informações sobre a vida do autor recluso e acaba de lançar nos Estados Unidos o documentário Salinger, juntamente com o livro de mesmo título escrito em coautoria com David Shields.

Entre as revelações da biografia — negociada pela Agência Riff e que a Intrínseca publicará em janeiro de 2014 — está um cronograma de novos trabalhos do autor que trarão ao público personagens conhecidos como Holden Caulfield e a família Glass, além de materiais inéditos.

Abaixo, trailer do documentário (sem previsão de estreia no Brasil):