testeSeis livros para quem curte romances históricos

A humanidade já passou por duas guerras devastadoras, diversas revoluções, conflitos locais e uma disputa entre dois blocos socioeconômicos. Todos esses acontecimentos em escala global são passados de geração em geração e relatados em incontáveis livros, filmes e séries. Mas, tão impactantes quanto estas histórias, são as narrativas das pessoas comuns que as viveram.

Pensem no Titanic. Um dos maiores navios já construídos naufraga e resulta na morte de milhares de inocentes. Mas foi o romance fictício entre Jack e Rose que chamou atenção para esse terrível incidente e emocionou milhões de corações. O mesmo pode ser dito dos clássicos A lista de Schindler e O resgate do soldado Ryan. Tais experiências podem até ser menos conhecidas, mas são igualmente grandiosas em seus detalhes e nuances, justamente por transportar o leitor para determinada época e local.

Listamos alguns livros que têm como cenário esses períodos históricos para criar tramas inesquecíveis. Confira!

Mulheres sem nome

Cenário: Segunda Guerra Mundial
Local: Alemanha, Estados Unidos e Polônia

Recém-lançado, o romance de estreia de Martha Hall Kelly dá voz a três protagonistas femininas em diferentes lugares do mundo enquanto eclodia a Segunda Guerra. A socialite Caroline Ferraday está em Nova York quando Hitler invade a Polônia, em 1939, enquanto a jovem Kasia Kuzmerick se envolve cada vez mais com o movimento de resistência polonês. Levada ao campo de concentração feminino de Ravensbrück, Kasia conhece a médica alemã Herta Oberheuser, responsável por exercer uma medicina terrivelmente controversa nas prisioneiras.

Uma história que atravessa continentes enquanto Caroline e Kasia persistem no sonho de tornar o mundo um lugar melhor, Mulheres sem nome é um livro que aborda a visão das mulheres de uma guerra cujo protagonismo historicamente é masculino. Conheça mais!

 

Um cavalheiro em Moscou

Cenário: Pós-Revolução Russa
Local: Moscou/União Soviética

O autor Amor Towles se inspirou na Rússia dos anos 1920 (na época, União Soviética) para criar a história de Aleksandr Ilitch Rostov, nobre acusado de escrever uma poesia contra os ideais da Revolução Russa. Conhecido como “O Conde”, ele é condenado à prisão domiciliar no sótão do hotel Metropol, lugar de luxo e sofisticação frequentado por artistas, bons-vivants e pela antiga aristocracia de Moscou.

Com sua perspectiva única de prisioneiro de duas realidades distintas, o Conde apresenta ao leitor sua sabedoria e sensibilidade ao abandonar certos hábitos e se abrir para as incertezas de novos tempos que, mesmo com a capacidade de transformar a vida como era conhecida, nunca conseguirão acabar com a nobreza de um verdadeiro cavalheiro.

 

A garota que você deixou para trás

Cenário: Primeira Guerra Mundial
Local: França e Inglaterra

Duas mulheres separadas por um século e unidas pela arte. Na França, durante a Primeira Guerra Mundial, o jovem pintor Édouard Lefèvre é obrigado a se separar de sua esposa, Sophie, para lutar no front. Vivendo com os irmãos e os sobrinhos em sua pequena cidade natal, agora ocupada pelos soldados alemães, Sophie apega-se às lembranças do marido admirando um retrato seu pintado por ele. Quando o quadro chama a atenção do novo comandante alemão, Sophie arrisca tudo, inclusive sua vida, na esperança de rever Édouard, agora prisioneiro de guerra.

Na Londres dos anos 2000, a jovem viúva Liv Halston mora sozinha numa moderna casa, onde destaca-se um retrato de uma bela jovem – presente do seu marido pouco antes de sua morte prematura. Quando Liv finalmente parece disposta a voltar à vida, um encontro inesperado vai revelar o verdadeiro valor daquela pintura e sua tumultuada trajetória. Misturando ficção com realidade, romances de diferentes épocas e a busca por finais felizes, A garota que você deixou para trás é um dos primeiros sucessos de Jojo Moyes. Conheça mais!

 

Toda luz que não podemos ver

Cenário: Segunda Guerra Mundial
Local: França e Alemanha

Vencedor do Pulitzer, o autor Anthony Doerr constrói em Toda luz que não podemos ver um tocante romance sobre o que há além do mundo visível em meio aos horrores da guerra.

Aos seis anos de idade, a jovem Marie-Laure fica cega. Ela vive em Paris, perto do Museu de História Natural, onde seu pai é o chaveiro responsável. Para ajudá-la, ele constrói uma maquete em miniatura do bairro para que Marie seja capaz de memorizar os caminhos. Quando os nazistas ocupam Paris, pai e filha fogem para a cidade de Saint-Malo e levam consigo um dos mais valiosos tesouros do museu.

Em uma região de minas na Alemanha, o órfão Werner cresce com a irmã mais nova, encantado pelo rádio que certo dia encontram no lixo. Com a prática, ele acaba se tornando especialista no aparelho, talento que lhe vale uma vaga em uma escola nazista e, logo depois, em uma missão especial. Cada vez mais consciente das terríveis consequências de seu trabalho, o rapaz é enviado para Saint-Malo. Lá, seu caminho cruza o de Marie-Laure, enquanto ambos tentam sobreviver à Segunda Guerra Mundial. Conheça aqui!

 

A menina que roubava livros

Cenário: O nazismo na Segunda Guerra
Local: Alemanha

Esse livro que dispensa apresentações conta a história da pequena Liesel em meio a uma Alemanha assolada pelo nazismo durante a Segunda Guerra. A jovem é adotada por um casal que vive em um bairro alemão pobre: a mãe, dona de casa e o pai, um pintor de paredes bonachão. Para contornar o medo e a solidão, ela aprender a ler e escrever com o pai e canaliza urgências para a literatura. Em tempos de livros incendiados, ela os furta, ou os lê na biblioteca do prefeito da cidade.

Enquanto eles tentam sobreviver a um cenário nacional conturbado, Liesel assiste à eufórica celebração do aniversário do Führer pela vizinhança, faz amizade com um menino obrigado a integrar a Juventude Hitlerista e ajuda o pai a esconder no porão um judeu que escreve livros artesanais para contar o seu lado da História. Conheça aqui!

 

Breve história de sete assassinatos

Cenário: A Jamaica de 1970 a 1990
Local: Jamaica

Em 3 de dezembro de 1976, às vésperas das eleições na Jamaica e dois dias antes de Bob Marley realizar o show Smile Jamaica para aliviar as tensões políticas em Kingston, sete homens não identificados invadiram a casa do cantor com metralhadoras em punho. O ataque feriu Marley, a esposa e o empresário, entre várias outras pessoas. Poucas informações oficiais foram divulgadas sobre os atiradores. No entanto, muitos boatos circularam a respeito do destino deles.

Breve história de sete assassinatos é uma obra de ficção que explora esse período instável na história da Jamaica e vai muito além. Marlon James cria com magistralidade personagens que andaram pelas ruas de Kingston nos anos 1970, dominaram o submundo das drogas de Nova York na década de 1980 e ressurgiram em uma Jamaica radicalmente transformada nos anos 1990. Um romance épico, brilhante e arrebatador, vencedor do Man Booker Prize de 2015. Conheça aqui!

testeMulheres sem nome: a história por trás da História

Por Fabiane Pereira*

Mulheres sem nome é inspirado em (duas) histórias reais vividas no período da Segunda Guerra Mundial. Martha Hall Kelly passou vários anos pesquisando e viajando pela Alemanha, França e Estados Unidos para entender esse universo sombrio — e carregado de lembranças — da vida de mulheres que se encontraram no único campo de concentração feminino Ravensbrück, na Alemanha.

Antes de ler pensei que seria mais um livro sobre os (absurdos) atentados contra a humanidade comandados por Hitler, entre o final da década de 1930 e o início da década de 1940, mas Mulheres sem nome é um livro interessantíssimo, costurado por fatos históricos e personagens femininas empoderadas numa época em que empoderamento passava longe da teoria, mas era prática diária e garantia de sobrevivência.

Estamos acostumadas a ler a história das guerras sob a ótica masculina, mas, neste romance, a autora opta por uma narrativa carregada de detalhes nem um pouco piegas protagonizada por três mulheres num dos (recentes) momentos inexplicáveis da história — o cenário é o regime totalitário alemão, cujas atrocidades jamais encontraram justificativas —, e como a Segunda Guerra Mundial afetou diretamente a vida delas.  

A socialite nova-iorquina Caroline Ferriday está sobrecarregada de trabalho no Consulado da França, em função da iminência da guerra. O ano é 1939 e o Exército de Hitler acaba de invadir a Polônia, onde Kasia Kuzmerick vai deixando para trás a tranquilidade da infância conforme se envolve cada vez mais com o movimento de resistência de seu país. Distante das duas, a ambiciosa Herta Oberheuser tem a oportunidade de se libertar de uma vida desoladora e abraçar o sonho de se tornar médica-cirurgiã, a serviço da Alemanha. A história das três se cruzam no campo de concentração feminino de Ravensbrücke, de forma controversa em alguns casos, todas realizam seus desejos mais íntimos pela persistência.

Sabemos tão pouco sobre as mulheres que vieram antes de nós… A história é predominantemente masculina, por isso livros como Mulheres sem nome ajudam a preencher esta lacuna. Mas não pense que a leitura é fácil. Martha Hall Kelly não poupa detalhes nem ameniza algumas passagens estarrecedoras e isso acaba por nos remeter a imagens terríveis. Sabiamente, a autora estruturou o livro em capítulos narrados por cada uma das três protagonistas, o que permite que o leitor no auge do incômodo respire ao entrar em algum momento mais “leve” da vida de outra personagem.

Caroline Ferriday é o respiro a que me refiro acima. Suas angústias giram em torno do desejo de amar e ser correspondida — e isso a torna mais próxima dos leitores. “Desisti dos homens, Roger — declarei. Aos trinta e sete anos, havia me resignado a permanecer solteira“, diz Caroline logo no início do livro. Sua vida é marcada pela filantropia (ela ajuda franceses desalojados, refugiados europeus em busca de asilo e tem um Fundo para Famílias Francesas que auxilia órfãos que se perderam dos pais por qualquer razão) e pela paixão por Paul Rodierre, um ator judeu, francês e casado, que corresponde aos seus sentimentos, porém a guerra os separa por um longo período.

Mulheres sem nome

Inspirado em personagens reais da Segunda Guerra Mundial, "Mulheres sem nome" conta a história de três mulheres que foram esquecidas pelo tempo.Leia um trecho: http://bit.ly/2mnX1G9

Posted by Editora Intrínseca on Friday, November 24, 2017

 

Já Kasia Kuzmerick era uma adolescente apaixonada por Pietrik Baroski quando teve a juventude suspensa e os sonhos adiados por causa da guerra. Capturada como “espiã” pelos nazistas, viu sua vida e a vida de sua mãe e irmã mudarem completamente ao chegarem em Ravensbrück. As passagens de Kasia são as mais difíceis de serem digeridas pelo leitor. “Éramos como moscas presas no mel, vivas mas sem viver de fato“, diz em um dos momentos delicados do livro. Em outro, narra a forma como foi recebida no campo de concentração: “recolheram o que trazia comigo: um lenço, meu relógio, aspirina, os últimos vestígios de uma vida normal. E ainda raspou minha cabeça de modo indelicado.” E continua: “agiu sem nenhuma consideração com o fato de que eu era jovem e ela estava me violando de maneira irreversível. Tive pouco tempo para lamentar.” Talvez não tenham sido os sonhos o que a fez persistir, mas o ódio que passou a nutrir dentro de si. “Em certos dias, o ódio era a única coisa que me fazia seguir adiante“, conta.

Kasia foi transformada, contra sua vontade, numa “Coelha” devido aos experimentos da médica Herta Oberheuser, que servia ao Exército alemão. A Dra. Oberheuser chamava todas as mulheres de cobaias experimentais de Króliki, coelha em polonês. Essas mulheres — na verdade, jovens entre 15 e 20 anos que haviam sido presas por violarem regras de Hitler — eram vítimas de experiências com sulfonamida. Kasia e as muitas mulheres foram operadas como parte de uma complexa série de experiências médicas que replicava ferimentos traumáticos. A equipe comandada pela Dra. Oberheuser aplicava culturas de bactérias aos ferimentos para provocar gangrena gasosa, então administraram sulfa em algumas para provar uma teoria científica. O fato é várias se tornaram mancas e/ou aleijadas e pulavam pelo campo para poderem se locomover, daí serem chamadas de Coelhas.

Herta era uma mulher cujos princípios éticos tangenciavam a servidão inquestionável ao Estado alemão. “Era triste ver os bens de alguém serem levados daquela maneira, mas os judeus haviam sido alertados. Eles sabiam quais eram as exigências do Führer. Aquilo era lamentável, mas não era novidade, e era pelo bem da Alemanha“, comenta em um dos momentos que nos faz questionar como foi possível toda uma nação se enganar e concordar com o totalitarismo de Hitler. ” Hitler é a nossa esperança. Em pouco tempo, ele nos livrou das favelas. E precisa dominar. A Alemanha não pode prosperar sem ter para onde expandir. Ninguém devolverá as terras que perdemos“, acreditou Herta e outros milhares que embasaram as atrocidades cometidas pelo ditador alemão.

Há uma passagem de tempo, a guerra chega ao fim e a esperança volta a ter espaço na vida dessas mulheres que só sobreviveram graças a sororidade, conceito que naquela época nem sequer existia. Por terem umas às outras — sejam como amigas, irmãs ou na relação entre mãe e filha — como exemplos de coragem, as relações afetivas se fortaleceram a ponto de serem molas propulsoras de sobrevivência.

Mulheres sem nome é um livro feminista mesmo sem ter a pretensão de sê-lo. É uma história forte que nos faz agradecer o momento em que vivemos — por mais difícil que esteja sendo 2017 — e nos dá forças para lutar contra tudo aquilo que nos limita como ser humano. É um livraço! É a história por trás da História.

*Fabiane Pereira é jornalista, pós-graduada em Jornalismo Cultural pela ESPM e em Formação do Escritor pela PUC-Rio. É mestranda em Comunicação, Cultura e Tecnologia da Informação no Instituto Universitário de Lisboa. É curadora do projeto literário Som & Pausa e toca vários outros projetos pela sua empresa, a Valentina Comunicação. Foi apresentadora do programa Faro MPB, na MPB FM.

testeMussolini, da aliança com Pio XI aos braços de Hitler

Por Bernardo Barbosa*

A última parte da saga conjunta do papa Pio XI e do ditador fascista Benito Mussolini, ricamente contada no livro O papa e Mussolini: a conexão secreta entre Pio XI e a ascensão do fascismo na Europa, de David I. Kertzer, só pode ser entendida a partir da aparição de um terceiro elemento: Adolf Hitler.

O fascismo de Mussolini foi uma das grandes inspirações do líder nazista, mas a criatura engoliu o criador e foi ainda mais longe, com as nefastas consequências que a História não nos deixa esquecer. Para Pio XI, o regime de Hitler surgiu antes como uma ameaça ao poder garantido na sólida aliança com o Duce do que como um governo racista.

Com seus tons idólatras e pagãos, a gana do nazismo pelo poder foi vista com ressalvas por Pio XI quando da ascensão do regime na Alemanha, em 1933. Mas, movido por sua ojeriza ao comunismo, naquele momento o pontífice manifestou certa simpatia por Hitler quando este se posicionou contra o bolchevismo soviético.

Em julho daquele ano, a Igreja e a Alemanha assinaram uma concordata que, em teoria, deixaria o governo nazista fora dos assuntos eclesiásticos no país. Mas não tardou para que Hitler transformasse o acordo em letra morta; nenhum poder deveria competir com o do nazismo.

A resposta da Santa Sé foi a encíclica Mit Brenneder Sorge (“Com Ardente Preocupação”), publicada em março de 1937. Lido aos fiéis nas igrejas alemãs, o documento criticava a idolatria de uma raça e de uma nação, mas não citava explicitamente o nazismo, nem a perseguição aos judeus — que já era política de Estado na Alemanha da época.

Mesmo assim, foi o suficiente para irritar Hitler profundamente. O ditador quis cobrir a Igreja de “desgraças e vergonha”, indo atrás de arquivos eclesiásticos para expor a “imundície” da instituição. Pio XI recomendou aos bispos alemães que queimassem seus arquivos.

O papa, no entanto, ainda tinha no fascismo um fiel aliado. Mas foi justamente Mussolini que deixou a Santa Sé em situação delicada quando deu mais um passo rumo aos braços de Hitler e, em setembro de 1938, instituiu leis antissemitas na Itália.

Um mês antes, o regime de Mussolini conseguira pressionar a Santa Sé a firmar um acordo secreto segundo o qual a Igreja não criticaria publicamente as leis antissemitas do Duce, desde que elas não fossem além das restrições aos judeus existentes nos antigos Estados Papais — apagados do mapa quando a Itália se unificou, no século XIX.

Como se não bastasse o fascismo jogar com a própria História da Igreja para colocá-la contra a parede, Mussolini invadiu prerrogativas que, para Pio XI, eram exclusivas da Igreja, como proibir os casamentos entre judeus convertidos ao catolicismo.

No entanto, Pio XI se viu praticamente isolado na cúpula da Santa Sé na hora de confrontar o fascismo. O papa chegou a se manifestar contra o antissemitismo; mais que isso, encomendou uma encíclica que condenava abertamente a perseguição aos judeus.

Enquanto o nazismo avançava e atraía o fascismo para sua órbita, a saúde do papa se deteriorava. Ele morreu aos 81 anos, em 10 de fevereiro de 1939 — Mussolini não foi ao velório. A Segunda Guerra Mundial estourou em setembro, deixando para o mundo um genocídio e uma Europa arrasada. A denúncia de Pio XI ao antissemitismo só viria a público na íntegra mais de meio século depois de sua morte.

O fim da história de Pio XI e Mussolini pode ter sido soturno, mas isso não diminui a riqueza histórica da trajetória de ambos. Como mostra a obra de Kertzer, os dois líderes foram protagonistas de alguns dos acontecimentos mais importantes do começo do século passado. Agora, com o livro O papa e Mussolini, há a oportunidade de reler a História daquele tempo — que deu origem a muito do que o Ocidente é hoje — sem boa parte dos filtros oficiais.

 

Bernardo Barbosa é jornalista.

testeA troca de favores entre Pio XI e Mussolini

Pietro Gasparri e Mussolini assinam o Tratado de Latrão

Quem acompanha o noticiário da política no Brasil já deve ouvido falar no famoso “toma lá, dá cá” entre nossas excelências. Em resumo, a expressão serve para falar das alianças feitas não em torno de causas comuns, mas com base em trocas de favores, recursos e poderes.

Como vimos no texto anterior sobre o livro O papa e Mussolini: a conexão secreta entre Pio XI e a ascensão do fascismo na Europa, de David I. Kertzer, o papa Pio XI e o ditador Benito Mussolini não tinham, a princípio, muito em comum. No entanto, a obra também expõe com clareza o pragmatismo que empurrou os líderes de encontro um ao outro.

Pio XI queria o que Mussolini tinha, e vice-versa. Autoridade da fé, o papa buscava o poder terreno e cotidiano do fascismo. O Duce, por sua vez, procurava no respaldo da Igreja algo que tornasse os italianos não meros adeptos do fascismo, mas devotos dele como eram do catolicismo — uma vela para a Igreja e outra para o regime.

O acordo mais crucial para a aliança foi o Tratado de Latrão, assinado em 1929. Com ele, a Cidade do Vaticano virou um Estado, sede da Santa Sé; o catolicismo se tornou religião nacional na Itália; o ensino da fé católica passou a ser obrigatório nas escolas; e ficou estabelecido que o governo italiano pagaria uma gorda indenização (US$ 1 bilhão em valores de 2013) para que a Igreja desistisse de qualquer reclamação relativa à perda dos Estados Papais, extintos durante a unificação italiana no século XIX.

O regime de Mussolini ainda aliviou a perseguição aos integrantes da Ação Católica, organização de leigos indispensável às tarefas de evangelização e diretamente ligada à Igreja. O Estado pagava despesas do clero, que passou a ter posição de destaque em todas as cerimônias fascistas.

Não foi por acaso que Mussolini passou a ser citado pelo papa como um homem que teria sido enviado pela Providência divina. Italianos rezavam para Jesus e para o Duce na mesma oração.

A Igreja, por sua vez, deu sua contribuição política ao fascismo ao esvaziar o Partido Popular, legenda católica criada poucos anos antes da ascensão de Mussolini. Apesar de, ao longo do governo do Duce, militantes fascistas terem reduzido a intensidade da perseguição a membros da Ação Católica, confrontos violentos ainda ocorriam, mas a Igreja de Pio XI preferia fazer vista grossa.

Na década de 1930, Mussolini se aproximou do nazismo, que já tinha massacrado a Igreja Católica na Alemanha. O papa também não via com bons olhos o que considerava o “paganismo” de Hitler e seus seguidores. Mas como é comum nas discórdias em alianças pragmáticas, o conflito entre o pontífice e o ditador não ocorreu por uma questão exatamente de princípios.

Quando aderiu à perseguição étnica, o fascismo quis impedir o casamento de judeus convertidos ao catolicismo. Como fica exposto no livro de Kertzer, o problema não foi a caçada fascista aos judeus, mas a intromissão de Mussolini em prerrogativas que, para Pio XI, cabiam somente à Igreja. Assim começavam as turbulências na aliança entre o papa e o Duce.

 
No próximo texto, a adesão de Mussolini ao nazismo racha a aliança e arruína a Europa

 

Bernardo Barbosa é jornalista.

testePio XI e Mussolini: fé no poder

Por Bernardo Barbosa*

Se ainda havia alguma dúvida sobre a atuação do papa Pio XI (1857-1939) a favor do fascismo na Itália, ela cai por terra no incrível O papa e Mussolini: a conexão secreta entre Pio XI e a ascensão do fascismo na Europa, de David I. Kertzer. Premiado com o Pulitzer de melhor biografia em 2015, o livro não só coloca os pingos nos is na história do período, como também traz retratos vívidos de seus protagonistas.

O Prêmio Pulitzer não é para menos. Kertzer pesquisou durante sete anos para chegar à façanha de escrever uma biografia “dois em um” sobre tais protagonistas do século XX. Com base nos arquivos do Vaticano e do regime fascista de Benito Mussolini (1883-1945), entre outras dezenas de fontes, o leitor é brindado com um relato eletrizante do período entreguerras na Europa.

À primeira vista, Pio XI e Mussolini não poderiam ser mais diferentes. O primeiro, nascido Achille Ratti, era filho da classe média da região de Milão e dedicou sua vida à Igreja, com nostalgia do auge do poder católico dos tempos pré-Reforma Protestante. O segundo nasceu pobre, na região italiana da Romanha, onde dominavam o anarquismo e o socialismo, e não tinha a menor afinidade com o catolicismo.

Quando os caminhos do papa e do líder fascista se cruzaram, no entanto, ficou claro que ambos tinham devoção ao poder. Pio XI e Mussolini ascenderam praticamente juntos, em 1922, e viram um no outro a possibilidade de serem ainda mais poderosos.

Além disso, a dupla compartilhava o desprezo por tudo que cheirasse a democracia, defendendo abertamente as “virtudes” do totalitarismo. A portas fechadas, tinham em comum também os rompantes de irritação com subordinados, que chegavam a literalmente tremer diante dos chefes. Se “Mussolini tem sempre razão” era um bordão do fascismo, a Santa Sé de Pio XI poderia adotar algo similar para o então pontífice.

Nos momentos de solidão, no entanto, enquanto Pio XI chorava e buscava Deus em suas preces, Mussolini procurava fuga nos encontros com suas inúmeras amantes.

Apesar de dividirem os holofotes durante dezessete anos, os dois líderes só se encontraram uma vez. Trocavam elogios e críticas por meio de discursos publicados pela imprensa ou, nos bastidores, usando seus assessores mais próximos.

Em vez de travarem um conflito aberto na Itália unificada havia apenas meio século e na Europa com feridas ainda abertas da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), Pio XI e Mussolini cultivaram uma aliança que quase sempre foi sólida. No entanto, como se viu anos depois, muitos pagaram com a vida pela sede de poder dos protagonistas da parceria entre fascismo e Igreja Católica.

No próximo texto, o “toma lá, dá cá” de Mussolini e Pio XI pelo poder na Itália
 

Bernardo Barbosa é jornalista.

testeA conexão secreta entre a Igreja Católica e o fascismo

Desafiando a narrativa histórica convencional que retrata a Igreja Católica como forte opositora do regime fascista, David I. Kertzer revela em O papa e Mussolini, livro vencedor do Prêmio Pulitzer de Biografia, como o papado de Pio XI foi crucial para que Mussolini instaurasse sua ditadura e se mantivesse no poder.

Após uma rigorosa investigação, que envolveu sete anos de estudo de relatórios dos espiões de Mussolini na Santa Sé e dos arquivos secretos do Vaticano, abertos em 2006, David I. Kertzer comprova como a aliança entre a Santa Sé e o “Duce” garantiu à Igreja a restauração de posses e privilégios na Itália. Chamado pelo próprio papa como “Homem enviado pela Providência”, Mussolini instaurou um regime que tornou possível, entre outros exemplos, o histórico Tratado de Latrão, que encerrou a separação entre o moderno Estado italiano e a Igreja Católica. O acordo assegurou o catolicismo como a “única religião do Estado”, delimitou as fronteiras da Cidade do Vaticano — determinada também como território soberano — e estabeleceu que a Itália pagasse o equivalente a um bilhão de dólares americanos (em valores de 2013) para que, em troca, a Santa Sé desistisse de todas as reivindicações relativas à perda de territórios durante a unificação italiana.

Como 99% dos italianos eram católicos, não foi difícil para a Santa Sé garantir que sua influência protegesse o regime aliado. A Ação Católica, organização laica da Igreja presente em todo o país, trabalhou em estreita colaboração com as autoridades fascistas para aumentar o alcance repressivo da polícia. Longe de se opor ao tratamento aos judeus como cidadãos de segunda classe, a Igreja forneceu a Mussolini apoio para a adoção de medidas severas, como um acordo secreto entre o Vaticano e o ditador para evitar qualquer crítica às infames “leis raciais” antissemitas, em troca de privilégios às organizações católicas.

Além da farta documentação, O papa e Mussolini apresenta uma vívida biografia de dois homens que chegaram ao poder em Roma no mesmo ano e que, juntos, mudaram o curso da história. Em diversos aspectos, Pio XI e o “Duce” não poderiam ser mais diferentes. No entanto, tinham muito em comum. Não acreditavam na democracia e abominavam o comunismo. Eram propensos a ataques de cólera e protegiam com todas as forças as regalias dos cargos que ocupavam.

Impactante e dramática, a obra que chega às livrarias a partir de 11 de abril traz uma visão cruelmente verdadeira sobre um capítulo obscuro da história mundial, narrada com extrema perícia e com deliciosos detalhes sobre a ampla rede de espiões de Mussolini na Santa Sé, as intrigas e os escândalos tanto nas relações extraconjugais do Duce quanto dentro do Vaticano e as particularidades de duas importantes figuras históricas.

>> Leia um trecho de O papa e Mussolini

testeComo Cinquenta tons de cinza nos trouxe liberdade

Por Nina Lopes*

Cinquenta tons de cinza foi lançado em 2012. Em 2017, a adaptação cinematográfica do segundo livro da série acabou de chegar aos cinemas. Ou seja, cinco anos depois Grey continua com tudo. Porque, vamos combinar, ele é eterno, doa a quem doer. E para entender um pouco melhor sobre sua permanência nas listas de mais vendidos e a importância dessa obra é preciso voltar um pouco no tempo.

Vamos começar no Antigo Regime, que cobre um período entre os séculos XV até início do XVIII. Nessa época, os livros com conteúdo erótico não tinham permissão da Igreja e do Estado para serem publicados, portanto eram vendidos de forma clandestina. As poucas escritoras femininas preferiam o anonimato e o uso de pseudônimos para evitar o julgamento alheio e a perseguição que sofriam caso assumissem a autoria. Inclusive, elas eram consideradas incapazes de descrever cenas sensuais com a mesma precisão que os homens. Acreditavam que só eles entendiam do assunto e por isso eram os únicos aptos a escrever sobre o tema. Chocante, né?

Já no século XVIII, as mulheres tinham muito tempo livre em casa e gostavam de ler romances. Nesse momento, o gênero já sofria críticas por ser uma leitura de diversão. No século seguinte, o romantismo se expandiu com a chegada dos folhetins e passou a ser chamado de “literatura de massa”, atingindo as camadas populares. Mas nem tudo é fácil e a crítica não deixava barato, afinal de contas a elite intelectual não aceitava ter a mesma preferência literária que os emergentes.

A temática do sexo já fazia sucesso, mas esses livros eram chamados de “romances para homens”. Não era bem-visto que as mulheres lessem essas histórias, pois eram consideradas má influência. Mas elas não eram bobas e compravam escondidas ou liam o exemplar do marido enquanto ele não estava em casa. Contudo, era impensável assumir que gostavam desse gênero ou ler esses livros em público.

No século XX, a sexualidade foi incorporada pelo capitalismo para gerar lucro. E a mulher, nesse novo contexto, passou a ser vista como objeto sexual, sem voz ativa. Mas nem tudo estava perdido e no final do século conquistamos a libertação feminina, e a literatura erótica passou a ser majoritariamente produzida por mulheres. Porém, essa produção ficava confinada aos livros de bolso vendidos em bancas de jornal, nada de destaque nas vitrines das livrarias ou aposta nos catálogos das editoras. E foi só no século XXI que Cinquenta tons de cinza tirou a literatura erótica desse “esconderijo” e a colocou sob os holofotes.

Portanto, fica claro que o obsceno na literatura sempre foi condenado e repreendido. Além disso, a visão do homem era predominante. A produção feminina começou tarde e enfrentou desafios, e quem quebra paradigmas é sempre criticado. A crítica mantém sua postura, afinal não quer perder a autoridade intelectual. Mas já está na hora de entender que o público leitor é heterogêneo.

Foi com a coragem de autoras como E L James que conseguimos transgredir uma repressão que durou muito tempo, nos permitindo alcançar a liberdade que temos hoje. Cinquenta tons de cinza retrata o momento em que vivemos ao contar uma história romântica moderna, com as mulheres assumindo a autoria, as fantasias e lendo textos eróticos em público.

Acima de tudo, E L James decidiu contar uma história de amor. O problema é que o prazer e o amor são simples, e por isso mesmo desprezados. Mas não só no campo literário, como em outros aspectos da vida, o ato de espalhar o amor precisa ser mais valorizado. Então, que chorem as inimigas, que chorem os críticos, eu tenho muito orgulho de fazer parte da geração que dá voz às mulheres, que coloca uma escritora falando tão abertamente sobre amor e sexo no topo das listas de mais vendidos do mundo todo. Segue o show, Grey!

 

*Nina Lopes é editora assistente no setor de ficção da Editora Intrínseca e é dessas que se apaixonam pelos personagens dos livros que lê.

testeO fascínio de um hotel 5 estrelas

Por Vanessa Corrêa*
 
ritz-paris-hotel-suite-imperiale-chambre-marie-antoinette_2

Poucos lugares são capazes de materializar os conceitos de luxo e sofisticação de forma tão eficiente quanto um hotel cinco estrelas. Com ambientes requintados e serviço impecável, esses hotéis exercem um verdadeiro fascínio sobre as pessoas, sejam elas celebridades ricas que têm condições de bancar longas temporadas em endereços caríssimos ou meros mortais que podem apenas suspirar imaginando como seria passar uma noite em meio a tanta opulência.

untitledLocalizado em uma das cidades mais elegantes do mundo, o Ritz, em Paris, é considerado por muitos o símbolo máximo dos hotéis de luxo, com uma fama que, desde sua inauguração, ultrapassou os limites da França, atraindo a nata da sociedade internacional.

A história desse ícone do glamour é contada no livro O hotel da Place Vendôme, escrito por Tilar J. Mazzeo. Na obra, a autora traça um panorama dos principais acontecimentos de Paris na primeira metade do século XX, sobretudo a ocupação nazista da capital francesa durante a Segunda Guerra Mundial, e mostra como o Ritz sempre esteve envolvido nos grandes fatos históricos da cidade, por meio da ação de funcionários e hóspedes ilustres.

Assim como o Ritz marcou a história de Paris, outros hotéis já fazem parte do imaginário popular de importantes cidades, atraindo personagens ricos e famosos e mexendo com a imaginação de turistas do mundo inteiro.

 

 

HOTEL CHELSEA

 hotelchelsea_9548596679

O hotel Chelsea, em Nova York, não era exatamente um cinco estrelas, mas ficou conhecido por abrigar diversas celebridades ao longo dos anos. O prédio de tijolos avermelhados localizado na rua 23, entre a 7ª e a 8ª avenidas, foi residência de nomes como Stanley Kubrick, Iggy Pop, Madonna, Janis Joplin, Jimi Hendrix, Uma Thurman, Tennessee Williams, Gore Vidal e Jack Kerouac, que teria escrito seu livro mais famoso, On the Road, em uma suíte do Chelsea.

Construído entre 1883 e 1885, o hotel aparece ou é citado em dezenas de filmes, livros e músicas e foi o cenário de alguns finais infelizes no mundo artístico. Em 1953, o escritor Dylan Thomas morreu de pneumonia no quarto em que morava e, em 1978, Nancy Spungen, namorada de Sid Vicious, dos Sex Pistols, foi encontrada morta a facadas em uma das 250 suítes do Chelsea.  

O Chelsea foi fechado para reformas em 2011 e não retomou as atividades desde então.

 

COPACABANA PALACE

 copacabana_1366x650_exterior08

Diferente do Ritz em seus tempos áureos, o hotel mais famoso do Brasil não costuma ter muitos moradores ilustres, mas recebe hóspedes renomados desde a inauguração, em 1923.

Além de ser um dos locais de hospedagem preferidos de celebridades internacionais em visita ao Brasil, o hotel é o sonho de consumo de noivas, que adorariam fazer suas festas de casamento em um dos luxuosos salões do Copa. Localizado na avenida Atlântica, em Copacabana, o hotel também é palco de caras e concorridas festas de Ano-Novo, com vista mais do que privilegiada para os fogos de artifício do maior réveillon do Brasil.

O hotel foi construído pelo empresário Octávio Guinle, membro da rica família de empreendedores que foi tema do livro Os Guinle: a história de uma dinastia, de Clóvis Bulcão. Viveu sua época mais glamorosa até a década de 1960, quando começou a ser preterido por hotéis mais modernos.

Na década de 1980, cogitou-se até mesmo a demolição do Copacabana Palace, mas o hotel foi declarado patrimônio histórico e cultural e, em 1989, foi vendido pela família Guinle para um grande grupo hoteleiro internacional.

 

THE DORCHESTER

the-dorchester-720x360

Inaugurado em Londres em 1931, o Dorchester continua sendo um dos mais sofisticados e caros hotéis do mundo, e sua história também está ligada a hóspedes ricos e famosos.

Por conta de sua sólida construção, durante a Segunda Guerra Mundial o hotel ficou conhecido como um dos prédios mais seguros de Londres, capaz de resistir aos frequentes bombardeios enfrentados pela capital britânica. A fama fez com que o Dorchester fosse escolhido como residência por diversas autoridades políticas e militares naquele período.

Nas décadas seguintes, o Dorchester se tornou um dos preferidos de celebridades como Elizabeth Taylor e Richard Burton, que se hospedaram numerosas vezes no endereço da Park Lane entre os anos 1960 e 1970.

 

BEVERLY HILLS HOTEL 

 beverly-hills-hotel

Construído em 1912, o hotel é tão glamoroso quanto os hóspedes que o frequentavam. A lista de habitués inclui nomes como Marilyn Monroe, John Wayne, Grace Kelly e Elizabeth Taylor.

Localizado no famoso Sunset Boulevard, o hotel leva o nome da rica cidade de Beverly Hills, em Los Angeles, Califórnia, e foi erguido na região antes que a cidade sequer existisse (Beverly Hills foi fundada somente em 1914). Entre as décadas de 1930 e 1960, o Beverly Hills Hotel foi o endereço preferido de grandes estrelas de Hollywood, que gostavam de aproveitar o clima ensolarado da Califórnia à beira da piscina do hotel.

Além de seus 208 quartos e suítes, o hotel possui 23 luxuosos bangalôs. Na década de 1940, o famoso diretor Howard Hughes comprou seis bangalôs e passou boa parte das décadas seguintes vivendo ocasionalmente nessas propriedades. A fama do Beverly Hills Hotel era tão grande que, em 1976, seu famoso edifício cor-de-rosa estampou a capa do disco Hotel California, da banda Eagles.

 

 

Vanessa Corrêa é jornalista, já trabalhou na Folha de S.Paulo e no portal UOL e é apaixonada por livros, cinema e fotografia.

testeO Departamento de História

Recentemente estive na PUC-Rio, na Gávea, onde me formei em história, para um evento especial. Era a “aula de despedida” do professor Antonio Edmilson Rodrigues. Ele lecionou ao longo de quatro décadas no Departamento de História da universidade e está se aposentando. Edmilson fez uma palestra sobre a história do Rio de Janeiro, do fim do Império aos dias de hoje.

Confesso que fiquei tocado de voltar ao quinto andar do prédio de Ciências Sociais. Na sala 502, aproximadamente sessenta pessoas — entre professores da casa, amigos e alunos de diferentes gerações — se deleitaram com uma verdadeira “aula-espetáculo”. Edmilson não só falou sobre o processo de modernização da capital fluminense como resgatou um pouco da história da pesquisa sobre a cidade.

Relembrou o caráter inovador do Departamento de História da PUC, que, no início da década de 1980, lançou a pesquisa A polícia na Corte e no Distrito Federal (1831-1930), realizada pelos professores Imar, Margarida, Berenice, Gizlene, Werneck, Falcon e o próprio Edmilson. Recordou o papel pioneiro do grupo de estudo que se reunia no Solar Grandjean de Montigny, um dos espaços da universidade, sob a liderança da professora Giovanna Rosso del Brenna. Tudo foi muito emocionante!

Fico feliz que Os Guinle, um livro que nasceu em parte por conta desse fértil ambiente intelectual, narre um pouco da história do Rio de Janeiro e do Brasil, ainda que não seja uma obra acadêmica. A saga da família Guinle tem muitas ramificações na construção da alma do carioca médio de hoje, amante do futebol, do samba, das delícias da cultura praiana, da gastronomia local e do Carnaval. Valeu, PUC! Valeu, Edmilson!

testeHugh Glass, a lenda americana

comp-xlarge

A representação de Hugh Glass antes de ser interpretado por Leonardo DiCaprio (fonte)

Intepretado por Leonardo DiCaprio no filme O Regresso, Hugh Glass foi uma figura real da história dos Estados Unidos. Um dos muitos desbravadores do oeste americano, ele ficou famoso por sobreviver a um ataque de uma ursa-cinzenta e ao posterior abandono de seus parceiros de expedição.

Mas o caçador foi muito mais do que um sobrevivente. Ao longo de sua vida, diversos momentos contribuíram para o tornar uma verdadeira lenda. Listamos abaixo alguns de seus maiores feitos:

Pintura da tribo dos Arikara

Pintura da tribo dos Arikara (fonte)

Uma das grandes ironias de sua vida é que o ataque brutal só aconteceu graças a um momento de sorte. Dias antes do encontro com a ursa, a Companhia de Peles Montanhas Rochosas havia sido atacada pela tribo Arikara. Glass, ferido com um tiro não letal, foi um dos poucos que continuou a jornada rumo à região do rio Yellowstone, e ao destino que o tornaria famoso.

PIRATE PAINTING.HR

Mural sobre a história do bando do pirata Jean Lafitte, o qual Glass fez parte (fonte)

Antes de ser um caçador e desbravador do oeste americano, o explorador foi capitão de um cargueiro da Rawsthorne & Sons, empresa que transportava rum e açúcar de Cuba para os Estados Unidos. Em uma das viagens, o navio foi atacado pelo pirata Jean Lafitte. Com a opção de sobreviver em troca de fazer parte do bando que o atacara, Hugh Glass foi um pirata por dois anos. Seu tempo no mar se encerrou quando o governo americano decidiu atacar o reduto de Lafitte, uma ilha na baía de Galveston, causando a debandada do grupo.

A tribo Pawnee, famosa por atacar os grupos que desbravavam o oeste americano. (fonte)

A tribo Pawnee, famosa por atacar os grupos que desbravavam o oeste americano. (fonte)

Após seu tempo no mar, ele vagou pelas planícies do Texas com outro sobrevivente do massacre aos piratas: Alexander Greenstock, que também havia sido capturado, e foi seu companheiro na busca de civilização. Os dois foram cercados pela tribo canibal Pawnee, quando Greenstock foi morto por tentar atacar os índios. Glass só conseguiu sobreviver assustando os índios, pintando seu rosto com uma pasta de cinábrio em pó e gritando a única coisa que conseguiu lembrar no momento: a oração do pai-nosso. A tribo, assombrada com o homem branco que mudara de cor, o deixou vivo e seu líder o adotou por quase um ano.

A região percorrida por Glass após o ataque não era exatamente o lugar mais agradável dos Estados Unidos (fonte)

A região percorrida por Glass após o ataque não era exatamente o lugar mais agradável dos Estados Unidos (fonte)

Após se recuperar do ataque visceral da ursa, Hugh Glass foi atrás de suas armas e de quem o havia abandonado. A lenda conta que ele chegou ao forte onde seus antigos companheiros estavam em plena noite de Natal, completamente coberto de neve. Não se sabe como ele caminhou pelas florestas afastadas em pleno inverno, logo após o ataque. Mas a história prova que ele não era uma pessoa como qualquer outra.

A saga de Glass vai muito além desses fatos. Em O regresso, Michael Punke mostra como ele foi capaz de sobreviver e ir atrás de sua vingança. O livro inspirou o filme de mesmo nome, estrelado por Leonardo DiCaprio e que estreia no dia 4 de fevereiro. Assista ao trailer: