testeLançamentos de março

Confira as sinopses dos lançamentos do mês. Qual vocês querem ler?

Ikigai: Os segredos dos japoneses para uma vida longa e feliz, de Héctor Garcia e Francesc Miralles

Qual é o seu propósito na vida? Por que existem pessoas que sabem o que querem, enquanto outras definham na confusão? Segundo os japoneses, o segredo é encontrar seu ikigai, conceito que pode ser traduzido como razão para viver. Ter um ikigai claro e definido proporciona a satisfação e o propósito que justificam nossa existência, sendo, para muitos, também a chave para uma vida mais longa.

Os autores foram até Okinawa, a ilha japonesa de população centenária, e reuniram os hábitos e rotinas que mantém em dia a saúde da mente, do corpo e do espírito daquele povo. [Saiba mais]

 

Com amor, Simon, de Becky Albertalli

 

 

Edição com nova capa e novo título da apaixonante história de Simon, que conquistou milhares de leitores ao tratar com naturalidade e bom humor a afirmação e os dilemas de um adolescente gay. Agora, a adaptação do romance chega às telas de cinema com Nick Robinson, de Jurassic World, no papel de Simon, e Katherine Langford, protagonista de 13 Reasons Why.

Simon Spier tem dezesseis anos e é gay, mas não conversa sobre isso com ninguém. Enquanto troca e-mails com um garoto misterioso que se identifica como Blue, Simon vai ter que enfrentar, além de suas dúvidas e inseguranças, uma chantagem inesperada.

 

Bruce Dickinson: Uma autobiografia, de Bruce Dickinson

 

Vocalista e líder do Iron Maiden há mais de 30 anos, Bruce Dickinson é um homem de muitos talentos. Muito mais do que um ícone do rock, ele é piloto e empreendedor da aviação, cervejeiro, palestrante, roteirista, escritor com dois livros publicados, apresentador de rádio, ator de TV e exímio esgrimista.

Conhecido por não falar da sua vida pessoal, ele compartilha as memórias desde a sua infância, eventos marcantes e até a recente batalha contra um câncer na garganta. A obra contém ainda fotos incríveis da carreira e da vida pessoal de Bruce.

 

O Homem de Giz, de C. J. Tudor

 

Os fãs de Stephen King e Stranger Things vão curtir o thriller que revisita toda a nostalgia dos anos 1980 em uma história sobre assassinato e sinais misteriosos!

Em 1986, Eddie e os amigos passam a maior parte dos dias andando de bicicleta pela vizinhança em busca de aventuras. Os desenhos a giz são seu código secreto: homenzinhos rabiscados no asfalto; mensagens que só eles entendem. Mas um desenho misterioso leva o grupo de crianças até um corpo desmembrado e espalhado em um bosque. Depois disso, nada mais é como antes.

Em 2016, Eddie se esforça para superar o passado, até que um dia ele e os amigos de infância recebem um mesmo aviso: o desenho de um homem de giz enforcado. Quando um dos amigos aparece morto, Eddie tem certeza de que precisa descobrir o que de fato aconteceu trinta anos atrás. [Leia um trecho]

 

Trilha sonora para o fim dos tempos, de Anthony Marra

 

Nesta coletânea de contos, Anthony Marra, aclamado pela imprensa internacional e eleito pela Granta como um dos mais promissores autores da década, reúne histórias que mostram a vida sob o impacto causado pelos regimes brutais que dominaram a Rússia — desde a Leningrado da década de 1930 até a São Petersburgo do século XXI.

Aclamado pela imprensa internacional e eleito pela Granta como um dos mais promissores autores da década, Marra é autor de Uma Constelação de Fenômenos Vitais.

 

Five Nights at Freddy’ (vol.2): Os distorcidos, de  Scott Cawthon e Kira Breed-Wrisley

Em Olhos prateados, primeiro volume da série Five Nights at Freddy’s, Charlie e seus amigos desvendam misteriosos assassinatos que aconteceram na pizzaria Freddy Fazbear’s, um lugar tomado por perigosos animatrônicos.

Em Os distorcidos, um ano se passou e Charlie continua assombrada por pesadelos. Para piorar, uma nova onda de assassinatos começa a acontecer e ela se pergunta: mas se todo o terror foi destruído junto com o que sobrou da pizzaria, o que estará por trás dessas mortes?

 

Segredos do Acampamento Meio-Sangue: O verdadeiro guia do acampamento para semideuses, de Rick Riordan

Neste livro extra da série As provações de Apolo, o leitor será guiado por Percy Jackson e outros residentes do acampamento para sentir na pele como é a vida de um semideus e conhecer curiosidades, segredos e a rotina do acampamento e seus chalés mágicos.

 O livro reúne diversas histórias de feitos heroicos de semideuses que moraram no acampamento ou apenas o visitaram de seguirem seu destino, além das palavras de sabedoria divina do deus Apolo e uma imperdível sessão de perguntas e respostas.

testeFilme de Five Nights at Freddy’s terá diretor de Harry Potter e Esqueceram de Mim!

O filme de Five Nights at Freddy’s, que por um tempo pareceu que não ia sair do papel, finalmente tem um diretor. Famoso por Esqueceram de Mim e pelas duas primeiras produções da série Harry Potter, Chris Columbus definiu sua carreira com filmes que marcaram a infância de muitas pessoas. Agora, o diretor encara um desafio diferente: trazer Freddy Fazbear para os cinemas.

O filme teve os direitos adquiridos pela Blumhouse Productions, produtora de filmes de terror e suspense como Atividade Paranormal e Corra!, e ainda não tem previsão de lançamento.

Além das novidades cinematográficas, os fãs de FNAF em breve poderão continuar a saga de terror nos livros! No dia 06 de março chega às livrarias brasileiras Five Nights at Freddy’s: Os distorcidos, a aguardada continuação de Olhos Prateados.

A história se passa um ano depois dos acontecimentos do primeiro livro, mas Charlie continua assombrada por pesadelos. Para piorar, uma nova onda de assassinatos começa a acontecer e ela se pergunta: mas se todo o terror foi destruído junto com o que sobrou da pizzaria, o que estaria por trás dessas mortes?

testeFive nights at Freddy’s está de volta

Se você é desses que não aguentam mais esperar por novidades sobre Five Nights at Freddy’s, temos notícias incríveis!

Depois do cancelamento do sexto jogo e dos problemas na produção do filme, parecia que FNAF tinha chegado ao fim em meio a todos os animatrônicos assustadores e pizzarias macabras. Até que Freddy Fazbear’s Pizzeria Simulator foi disponibilizado gratuitamente na internet.

Mais parecia um jogo de Atari do que a série dos robôs assassinos, mas ainda assim os fãs resolveram investigar. A curiosidade foi recompensada com diversas pistas que indicavam que o sexto jogo oficial está a caminho.

Além disso, o produtor Jason Blum, responsável por sucessos como Atividade Paranormal e Corra!, esteve no Brasil durante a CCXP – Comic Con Experience e revelou que o filme inspirado nos games vai acontecer! A produção ainda não tem data de estreia confirmada, mas parece que finalmente vai sair do papel. Quem você gostaria de ver enfrentando Freddy, Foxy, Chica e Bonnie?

E, para completar a rodada de boas notícias, vamos lançar o segundo livro de FNAF em março de 2018! Ainda sem título em português, Five Nights at Freddy’s: The Twisted Ones mostra as consequências das aventuras de Charlie e seus amigos na terrível pizzaria, retratadas no primeiro volume da série, Olhos prateados.

testeAs histórias reais dos jogos de terror

 

It's me

Assim como filmes e séries, videogames podem ter estilos completamente diferentes. Seja em uma partida de futebol, em um reino destruído, abrindo portais ou preso em uma pizzaria abandonada, cada jogo é único em suas inspirações, mecânicas e enredos.

Muitas vezes, as histórias podem ter origens em acontecimentos do mundo real, e os jogadores podem nem saber disso. Separamos alguns games que, assim como a série Five Nights at Freddy’s e o livro Olhos prateados, foram baseados em histórias assustadoramente reais.

A história real que inspirou Five nights at Freddy’s: Olhos prateados

Five Nights at Freddy’s é uma das maiores séries de jogos de terror de todos os tempos. Com cinco jogos e milhões de cópias vendidas, será adaptada para os cinemas pela mesma produtora de Atividade Paranormal. O jogo é um sucesso em todo o mundo, incitando os fãs a investigarem e criarem teorias da conspiração.

A pizzaria do jogo e do livro, com seus robôs animatrônicos, pode parecer improvável para os leitores brasileiros, mas é relativamente comum nos Estados Unidos. A Chuck E. Cheese, assim como a Freddy Fazbear, era uma franquia de restaurantes famosa pelos personagens que alegraram os jantares das crianças durante a década de 1990. Mas as semelhanças não param por aí. Nas duas histórias, os restaurantes tinham como atração principal uma banda formada por quatro animais. O principal – Chuck E. Cheese no mundo real e Freddy Fazbear em Olhos prateados – era considerado o dono do estabelecimento. O visual dos restaurantes também é muito parecido. E, por último, um item importante na lista de semelhanças: assim como na Freddy’s, crimes horríveis aconteceram na Chuck E. Cheese.

Em dezembro de 1993 na cidade de Aurora, cinco pessoas trabalhavam depois do fechamento do restaurante. Sem que eles soubessem, uma sexta pessoa estava escondida na Chuck E. Cheese. Um ex-funcionário, com histórico de distúrbios psicológicos e em busca de vingança, apareceu e assassinou quatro funcionários. O quinto milagrosamente sobreviveu, se fingindo de morto após um tiro não letal.

Segundo a mais famosa teoria sobre Five Nights at Freddy’s, os quatro animatrônicos do jogo – Freddy, Bonnie, Foxy e Chica – teriam relação com as vítimas, suas posições no primeiro jogo da série inclusive seriam equivalentes aos locais das mortes. O sobrevivente seria o quinto animatrônico, o misterioso Freddy Dourado.

A teoria foi criada pelo canal americano do Youtube The Game Theorists e ganhou uma versão traduzida pelo canal brasileiro HueStation:

Slender: The Eight Pages (2012)

Em junho de 2012, um jogo independente de terror começou a fazer muito sucesso na internet: em Slender: The Eight Pages, o jogador controla uma pessoa perdida em uma floresta à noite e precisa recuperar oito páginas de um diário. Tudo seria muito tranquilo, se não houvesse uma figura alta, vestindo um terno e com um rosto assustadoramente pálido e sem olhos sempre atrás de você, o Slender Man. O jogador nunca pode chegar perto dele.

O jogo supostamente era adaptado de uma lenda da região da Romênia – mas tudo não passava de um grande boato na internet. O que deveria ser apenas um meme se tornou uma tragédia no mundo real. Em 2014, duas meninas de 12 anos que acreditavam ter entrado em contato com a criatura pálida em carne e osso acabaram cometendo um crime terrível. A perturbadora história virou um documentário da HBO.

 

A conspiração MK Ultra e Outlast (2013)

A terceira teoria talvez seja a mais maluca de todas.

No jogo Outlast, um jornalista recebe uma denúncia anônima de que experimentos ilegais estão sendo feitos com pacientes de um hospital psiquiátrico que foi dominado pelos pacientes mais perigosos. Ao entrar no hospital (não pergunte, em histórias de terror os personagens tomam decisões horríveis), o jogador se vê preso no local e, para sobreviver, precisa escapar de todas as loucuras e psicopatas.

Seria ótimo se fosse apenas um episódio fictício, mas até mesmo neste caso existe um (possível) fundo de verdade. A lenda urbana diz que na década de 1950, o governo americano (!!!) testou o impacto de substâncias alucinógenas em pessoas comuns, no que ficou conhecido como operação MK Ultra. Os “voluntários” desses testes se tornaram pessoas psicóticas e, sem capacidade de viver em sociedade, acabaram transferidas para hospícios no qual ficavam soltas, sem esperança de melhora ou qualquer forma de tratamento.

testeAs fases do medo com Five Nights at Freddy’s: Olhos prateados

Por Marcela de Oliveira Ramos *

Acho que sou a pessoa mais medrosa do mundo: tenho pavor de trem fantasma, passo longe de filmes de terror (quando vou ao cinema, as pessoas se assustam mais com meus gritos do que com os monstros), e quando fico em casa sozinha deixo todas as luzes acesas. Então, é claro que fui a escolhida para cuidar da produção de Five Nights at Freddy’s: Olhos prateados.

Até que fiquei animada com toda essa ideia de testar meus limites, confrontar meus medos e rir na cara do perigo. Embarquei com tudo! Eu sabia que tiraria de letra, afinal, o que poderia haver de tão aterrorizante em uma história sobre uma pizzaria abandonada com bonecos animatrônicos do tamanho de pessoas de verdade?????

Tudo começou com o jogo, Five Nights at Freddy’s. A princípio parece tranquilo, são apenas câmeras de segurança filmando a pizzaria vazia, à noite. O design é retrô, e o jogador não tem muito o que fazer, apenas fechar a porta e acender a luz. Mal sabia eu que essa combinação era mais assustadora do que um psicopata com uma serra elétrica. Essa coisa de ficar parada só olhando, o silêncio, o escuro… quando eu menos esperava…

Olar.

Sem contar todas as teorias da conspiração por trás do jogo… Que história é essa de assassinatos misteriosos dentro da pizzaria? Crianças desaparecidas? Mas como assim os clientes começaram a sentir cheiro podre vindo dos bonecos??????

Já vi que vai ser ótimo!

Comecei o livro! Logo na primeira cena tem perseguição, sangue, fliperamas velhos e um golpe de gancho.

Mas tudo bem! Aquilo foi só um sustinho pra criar um clima. A história mesmo começa com um grupo de adolescentes se reunindo para a cerimônia em homenagem ao amigo que morreu dez anos antes num incidente dentro da Pizzaria Freddy Fazbear’s. E o que esses jovens bonitos, estilosos e inteligentes resolvem fazer? Voltar à pizzaria abandonada para investigar, claro.

Também achei uma ótima ideia!

Lá dentro, vocês acham que os amigos encontram o quê? Pizza de calabresa saindo do forno?

Eles encontram terror, escuridão, poeira, mofo, brinquedos quebrados e… bonecos assassinos.

E aí começou meu verdadeiro desespero. A pizzaria escondia vários mistérios. Cada porta trancada era um susto diferente. Aqueles bonecos sinistros me fizeram repensar toda a minha infância. E, claro, o grupo, como bons jovens em perigos, só sossegou quando o completo caos estava instaurado.

Passei todo o período da produção do livro andando assim pela editora:

E cada vez que alguém me chamava para falar qualquer coisa, meu coração parava. 

“Marcela, vamos almoçar?”

Mas se você me perguntar o que achei de tudo isso, vou responder apenas:

MANDA MAISSS

As revelações finais são surpreendentes e a história toda é muito emocionante!

Principalmente para quem ficou com a pulga atrás da orelha com os mistérios do jogo. 

Se virei fã de histórias de terror? Vamos dizer apenas que fiquei fascinada por essa pizzaria aterrorizante e pelo que esses bonecos monstruosos são capazes de fazer!

 

*Marcela de Oliveira Ramos é editora assistente de livros jovens da Intrínseca, adora gifs e, curiosamente, desde que trabalhou em Five Nights at Freddy’s: Olhos prateados nunca mais pôs os pés numa pizzaria.

 

testeO que aconteceu na Freddy’s?

A Pizzaria Freddy Fazbear’s era um dos maiores sucessos de Hurricane, cidade do interior do estado americano de Utah. Com seus memoráveis animatrônicos Bonnie, Chica, Foxy e, o principal, Freddy, o lugar estava sempre repleto de crianças comendo, brincando e se divertindo com os personagens. Até o fatídico mês de julho de 1985.

Michael Brooks tinha sete anos e passava mais um dia na pizzaria, acompanhado do seu grupo de amigos: John, Lamar, Marla, Jessica, Carlton e Charlie, filha do dono do local. Durante uma pane inesperada nos bonecos, Michael desapareceu sem deixar vestígios, chocando a cidade inteira. O trauma marcou para sempre a vida de todos os envolvidos, a maioria das famílias foi embora de Hurricane e as crianças se distanciaram.

Dez anos depois, Charlie retorna à cidade junto do grupo de ex-amigos para uma cerimônia em homenagem a Michael. E lá a garota vai desenterrar os terríveis mistérios em torno da Freddy’s.

Em Olhos prateados, Scott Cawthon, criador da série de jogos de terror Five Nights at Freddy’s, extrapola o universo que conquistou fãs no mundo todo e traz à tona os medos mais obscuros que só brinquedos sinistros são capazes de provocar. O livro chega às livrarias a partir de 03 de março.