testeO mistério de Noah Hawley, criador de Fargo e Legion

Antes da queda explora os diferentes perfis dos personagens envolvidos em um trágico acidente aéreo que deixa apenas dois sobreviventes: um garoto de quatro anos, filho do milionário dono de um império de mídia nos Estados Unidos e, estranhamente, um pintor fracassado, que salvou a vida do menino, mas não tinha relação alguma com nenhum dos passageiros ou tripulação. Não por acaso, ele se torna suspeito de derrubar o jatinho.

Essa mistura de investigação policial, mistério e exploração de perfis é uma das marcas do autor, que tem uma extensa carreira na televisão. Conheça um pouco mais das incríveis produções de Noah Hawley:

Fargo

Originalmente um filme dirigido pelos irmãos Coen, Fargo é uma comédia de humor negro que mostra uma série de personagens em situações horríveis, de tentativas de assassinato de esposas a golpes em seguradoras, todas de uma forma ou outra envolvendo a cidade de Fargo, no estado americano da Dakota do Norte.

Com três temporadas abordando personagens, linhas do tempo e acontecimentos completamente distintos, a série inspirada no filme já ganhou prêmios no Emmy e Globo de Ouro, além de contar com um elenco de atores de Sherlock, Star Wars, Better Call Saul, How I Met Your Mother e outros.

Legion

David Heller foi diagnosticado com um caso grave de esquizofrenia e passou a vida inteira em hospitais psiquiátricos. Depois de encontrar uma paciente e aparentemente assumir sua vida, a suspeita de que ele possa ser muito mais do que alguém com transtornos mentais começa a ser cada vez mais forte.

Criada em parceria com a Marvel, a série mostra a conturbada vida do filho do professor Charles Xavier, de X-men. Legion é estrelada por Dan Stevens, que foi a Fera no recente A Bela e a Fera.

Cinema

Além das séries de TV, Noah Hawley já está com projetos para o cinema em andamento. O autor está trabalhando no filme de Antes da queda, em produção pela Sony Pictures, e escrevendo um roteiro para a Universal, que integra o universo de monstros iniciado com o novo filme de A múmia.

testeCinco motivos para ler Um dia, de David Nicholls

Se você ainda não conhece Um dia, de David Nicholls, listamos cinco razões que fazem o livro  ser um dos títulos mais especiais do catálogo da Intrínseca!

1) É fácil se identificar com Dexter e Emma!

Os personagens são muito bem construídos e reais, e esse é um dos pontos fortes da obra de David Nicholls.  Ao acompanhar o amadurecimento dos dois ao longo de vinte anos, conseguimos nos aproximar da história.  Em alguns momentos somos capazes de odiá-los com toda a força e em outros estamos torcendo por eles como se fôssemos amigos próximos. São personagens humanos e inesquecíveis!

 

2) O livro ensina que um dia pode mudar nossas vidas para sempre

15 de julho de 1988: era para ser apenas uma noite depois da festa de formatura em 1988, mas o encontro foi tão intenso que foi capaz de mudar para sempre a vida de Dexter e Emma. Apesar de terem seguido caminhos diferentes na manhã seguinte, Dex e Em não conseguiram parar de pensar no outro e entenderam que um simples dia pode, sim, ser determinante nas nossas vidas.

 

3) David Nicholls é o autor da obra

Nascido na Inglaterra, começou a carreira como ator de teatro. Trabalhou também como roteirista em filmes como O Bebê de Bridget Jones e com pesquisas para a BBC.

Uma curiosidade importante: em sua visita ao Brasil durante a Bienal do Livro Rio, conquistou toda a equipe com seu jeito gentil e simpático.

 

4) O livro foi adaptado para os cinemas em 2011

A adaptação de Um dia foi estrelada por Anne Hathaway e Jim Sturgess. Além das excelentes críticas, o filme arrancou lágrimas de milhares de pessoas.

 

5) Frases inesquecíveis

É impossível não marcar alguns trechos de Um dia. O livro tem cartas inesquecíveis dos personagens e frases que nos fazem pensar sobre as decisões que tomamos.

testeUma semana sobre Matéria escura

Durante a semana, nossos blogs parceiros mergulharam no (múltiplo) universo de Matéria escura, sci-fi de Blake Crouch recém-lançado pela Intrínseca. Ao longo dos dias, eles deram suas opiniões sobre o livro, refletiram sobre escolhas feitas e sugeriram atores para o filme inspirado na obra, já em produção. Foi uma grata surpresa ver a recepção calorosa de todos, e compartilhamos aqui algumas das reações. Confira abaixo:

O blog Mais que livros diz que “a trama criada por Crouch tem um magnetismo incrível que captura a atenção do leitor desde as primeiras páginas”.

A menina que comprava livros mostra que o livro não é convencional e que é essa diferença o que chama a atenção do leitor: “Não é um livro comum, nem pela história, nem pelo final, e foi exatamente esse diferencial que me fez gostar tanto. ”

Mas, se você precisa de uma definição mais direta, as opiniões do Parafraseando livros e do Tédio Social são ideais:

“Sabe quando você termina um livro e fica tão empolgado com ele e quer que TODO MUNDO leia também?! Então, foi assim que me senti!”

“Já estou enchendo o saco dos amigos repetindo ‘leia Matéria escura’, pois o mundo precisa conhecer essa versão de mundo criada pelo autor.”

Além das opiniões sobre o livro em si, convidamos nossos blogueiros a pensar nas próprias escolhas do  passado:

“Quando pensamos em escolha, em livre-arbítrio e em percalços que encontramos no caminho, vem à minha mente a pergunta: E se? E se eu tivesse feito diferente? Que impacto uma escolha do meu passado teria em meu presente?” (Viaje na leitura)

“Já pensei milhares de vezes nisso: como diz o livro, qualquer decisão ao longo da nossa vida poderia ramificar nosso futuro. Desde cortar caminho para ir ao trabalho e decidir ou não sair naquela sexta-feira à noite até aceitar uma proposta de emprego.” (La Vie Est Ailleurs)

“Somos definidos pelas nossas escolhas, elas nos fazem ser quem somos hoje. Cada ação tem uma reação. É algo muito interessante, curioso e perturbador, pois nunca saberemos o que poderia ter acontecido.” (Claquete Literária)

O livro chegará aos cinemas pela Sony, e o responsável por blockbusters como Independence Day, Roland Emmerich, está cotado para dirigir. Alguns nomes para os papéis principais sugeridos por nossos parceiros foram Chris Pratt (Guardiões da Galáxia) ou Gerard Butler (300) como o protagonista Jason, Penélope Cruz (Piratas do Caribe) como sua esposa, Daniela, além de Dianna Agron (Eu Sou o Número Quatro) como a misteriosa Amanda, e o protagonista de O Lar das Crianças Peculiares, Asa Butterfield, foi a principal indicação para Charlie, filho do personagem principal.

O blog Cabana do Leitor buscou as origens da matéria escura de verdade e descobriu mais perguntas do que respostas: “astrônomos não sabem exatamente o que é. Eles sabem que é matéria, porque conseguem medir sua existência por meio da força gravitacional que ela exerce, e escura porque não emite luz nenhuma através dela. Essa segunda propriedade é justamente o que dificulta seu estudo. Todas as observações de corpos no espaço são feitas a partir da luz ou de outro tipo de radiação eletromagnética emitida ou refletida pelos astros. Como a matéria escura não faz nenhuma dessas coisas, é ‘invisível’. Ainda assim, sabe-se que ela está lá.”

Nas conclusões finais, o Free Time Nerd definiu Matéria escura como “Um thriller sci-fi que vai fascinar, superar as expectativas de muitos e saciar corações que há muito não leem uma obra tão bem desenvolvida. Algo tão diferente e ao mesmo tempo tão real que você vai se perguntar se aquilo pode realmente acontecer.”

E o Conjunto da Obra foi direto: “Se você ainda tem alguma dúvida se deve ler ou não esse livro, não tenha: ele é puramente brilhante.”

testeCenas que me fizeram suspirar ou que me deixaram #chateada em Cinquenta tons mais escuros

Por Nina Lopes*

Como boa fã de Cinquenta tons de cinza, esperei ansiosamente pelo segundo filme. Portanto, assim que estreou, corri para marcar uma sessão de cinema com vários amigos. Chegando lá, pegamos nossa pipoca (afinal de contas, Grey gosta que a gente esteja sempre alimentada) e nos preparamos para curtir a sequência de uma das histórias de amor mais emblemáticas dos últimos tempos.

Confesso que adorei o filme, mas minha expectativa também era muito alta e fiquei um pouco frustrada com alguns detalhes. Não podia ser diferente, pois tudo o que envolve o Grey é polêmico, e a gente gosta mesmo de babado e confusão!

Segue abaixo uma pequena lista com os altos e baixos do filme, com base apenas na minha opinião. Aproveitem também para comentar e dizer o que amaram ou não no filme!

Cinquenta tons de alegria plena:

  1. A cena do pedido de casamento. Que cenário mais romântico! Minha deusa interior ficou boquiaberta.
  2. Christian Grey malhando. Não, não a cena que aparece no trailer. A que ele está no cavalo com alças. Multiplica, senhor!
  3. O embate de Anastasia com as inimigas: a ameaça de Leila, que dá um tom realmente assustador ao filme, e a cena em que Ana diz as verdades que Elena precisa ouvir.
  4. As revelações de Christian sobre seu passado. Adoro ver o lado sensível dele. Ai, assim meu coração não aguenta!

 

Cinquenta tons de esperava mais:

  1. Estou até agora me perguntando por que Christian Grey não conseguia tirar aquela calça jeans…
  2. As cenas de conflito duram muito pouco. No livro, os obstáculos que os dois precisam superar parecem muito mais desafiadores. Caprichem mais nas tretas, gente!
  3. A cena do sorvete de baunilha ficou de fora para a nossa tristeza.
  4. Os diálogos dos protagonistas no primeiro filme tinham mais comentários irônicos e bem-humorados. E nós amamos o lado sarcástico de Grey!

 

*Nina Lopes é editora assistente no setor de ficção da Editora Intrínseca e é dessas que se apaixonam pelos personagens dos livros que lê.

testeO que aconteceu na Freddy’s?

A Pizzaria Freddy Fazbear’s era um dos maiores sucessos de Hurricane, cidade do interior do estado americano de Utah. Com seus memoráveis animatrônicos Bonnie, Chica, Foxy e, o principal, Freddy, o lugar estava sempre repleto de crianças comendo, brincando e se divertindo com os personagens. Até o fatídico mês de julho de 1985.

Michael Brooks tinha sete anos e passava mais um dia na pizzaria, acompanhado do seu grupo de amigos: John, Lamar, Marla, Jessica, Carlton e Charlie, filha do dono do local. Durante uma pane inesperada nos bonecos, Michael desapareceu sem deixar vestígios, chocando a cidade inteira. O trauma marcou para sempre a vida de todos os envolvidos, a maioria das famílias foi embora de Hurricane e as crianças se distanciaram.

Dez anos depois, Charlie retorna à cidade junto do grupo de ex-amigos para uma cerimônia em homenagem a Michael. E lá a garota vai desenterrar os terríveis mistérios em torno da Freddy’s.

Em Olhos prateados, Scott Cawthon, criador da série de jogos de terror Five Nights at Freddy’s, extrapola o universo que conquistou fãs no mundo todo e traz à tona os medos mais obscuros que só brinquedos sinistros são capazes de provocar. O livro chega às livrarias a partir de 03 de março.

testeEscrever é construir barreiras para o infinito

20161006-04-o-mestre-dos-genios-papo-de-cinema-e1475716371446

Cena do filme Mestre dos Gênios (Fonte)

Toda vez que se começa o livro, a página em branco representa o infinito. Tendo escrito dois – um de não ficção e outro de ficção –, posso dizer que o desafio do segundo foi muito maior. Na ficção, todas as possibilidades estão à mão. E um autor precisa tomar decisões o tempo todo. Definir um começo, um meio e um fim para esse infinito.

Não consigo começar a escrever sem ter uma ideia clara sobre o meu ponto de partida e o de chegada. Essas fronteiras são sempre maleáveis, mas o fato é que o início e o fim precisam estar bem definidos para que o recheio possa ser preenchido com tempo e paciência, idas e voltas, escrita e revisão.

Meu terceiro livro – claro que não vou entregar os detalhes agora – está começando a ser colocado no papel neste momento. Foram muitas escolhas a fazer antes da primeira frase. Os personagens terão conhecimento prévio de todos os acontecimentos ou vão descobri-los junto com o leitor? Eles serão acompanhados durante todo o decorrer de sua vida ou somente num período específico? Quem dará voz à narrativa: o próprio personagem ou um observador?

Para este novo livro, testei algo que nunca havia feito antes. Dei-me ao luxo de fazer ensaios de texto com diferentes estilos de narração para entender o que funcionava melhor nesse caso específico. Preciso revelar, contudo, que tenho uma queda por obras que tragam como narrador alguém envolvido na trama, e não externo a ela.

Está em cartaz nos cinemas um filme bastante acadêmico e tradicional, mas que discute literatura de maneira realista, abordando as concessões que um autor precisa (e deve) fazer para tornar seu trabalho melhor. Trata-se de Mestre dos gênios, sobre o editor Max Perkins e sua relação com o escritor Thomas Wolfe. No elenco, só feras: Colin Firth, Jude Law, Nicole Kidman e Laura Linney.

No caso de Mestre dos gênios, além do relacionamento próximo com o intempestivo Wolfe e dos conflitos domésticos de ambos, o roteiro ainda lança mão de personagens secundários como F. Scott Fitzgerald (vivido por Guy Pearce) e Ernest Hemingway (Dominic West). É uma espécie de versão bem mais dramática das negociações (e discussões) entre um autor e um editor.

Mestre dos gênios me fez recordar de outro filme sobre literatura que me agrada muito: Garotos incríveis, em que o diálogo “escrever é fazer escolhas” me marcou muito. Quinze anos depois de ter assistido ao filme, sempre que estou em dúvida sobre uma solução narrativa, agarro-me à convicção de que é necessário parar e refletir: o que faz sentido dentro do mundo particular que está sendo criado?

Fazer escolhas e desapegar de boas ideias que não fazem sentido em uma narrativa é um bom ponto de partida. A vantagem de se construir um mundo particular composto de palavras é que sempre dá para corrigir o destino no meio do caminho.

testeA Chegada: até onde vamos para entender o diferente?

*Por Bruno Machado

p2134

Cena de A Chegada (Fonte)

Quando fomos informados de que A Chegada, adaptação de um dos contos da coletânea História de sua vida e outros contos seria o filme de abertura do Festival do Rio de 2016, a reação na editora foi de grande surpresa. Não pela qualidade do texto que serviu de inspiração para a produção cinematográfica, e sim pelo fato de um filme de ficção científica ter sido escolhido para a sessão de gala do festival.

frente_historia-da-sua-vida_pt-br-pNão é uma declaração bombástica dizer que a ficção científica é um gênero de nicho, seja ele literário ou cinematográfico. Claro, muitas pessoas consideram Star Wars ficção científica, mas não basta para o sci-fi que uma história seja contada no espaço. A saga da família Skywalker é muito mais próxima de uma fantasia que aconteceu “Há muito tempo atrás, em uma galáxia distante”.

Animada com o prestígio dado ao filme, lá foi a equipe da Intrínseca para a Cidade das Artes, assistir ao filme em meio a atores globais e toda sorte de profissionais do cinema nacional. Dirigido por Denis Villeneuve (de Sicario: Terra de Ninguém e Os Suspeitos), a produção já surpreende nos primeiros minutos. Não há naves espaciais bonitas, alienígenas assustadores nem um discurso emocionante do presidente dos Estados Unidos no Quatro de Julho. A Chegada é basicamente uma história sobre mãe e filha.

No filme, doze objetos voadores não identificados que se assemelham a gigantescos monólitos ovais surgem em cantos aleatórios do planeta. A chegada das naves não é detectada por nenhuma agência do mundo, e elas se mantêm impressionantemente estacionadas no céu, como se esperassem por algo. Rapidamente os governos dos países “visitados” começam a tomar providências, e China e Rússia são as duas nações mais propensas a atacar primeiro e perguntar depois.

Enquanto isso, nos Estados Unidos, uma linguista – interpretada por Amy Adams, que aparentemente vai estrelar todas as adaptações dos livros da Intrínseca (vide Tony & Susan que se chamará Animais Noturnos, e Objetos cortantes) – é convocada para ajudar a decifrar o que as criaturas pretendem em nosso planeta. Ao longo da história, vemos como seria o trabalho de tentar entender criaturas que não pensam, não se comportam e nem parecem conosco. E quanto mais próximo da grande revelação do filme – que não falaremos aqui, obviamente –, mais percebemos que as criaturas sequer existem da mesma forma que nós. E apenas a linguista parece compreender isso, com consequências surpreendentes para a trama.

Como assisti ao filme antes de ler o conto “História da sua vida”, a reviravolta do enredo me pegou completamente de surpresa. É daqueles momentos como em O Sexto Sentido, Planeta dos Macacos ou Clube da Luta, no qual uma revelação muda sua ideia do filme por completo. E a forma como Chiang faz isso na prosa e Villeneuve no filme são igualmente emocionantes. Foi impossível chegar ao fim da sessão sem ficar com os olhos cheios d´água, precisando de um tempo para pensar na experiência que acabou de acontecer, como em outro recente sci-fi, Interestelar.

Uma das principais características da ficção científica é provocar reflexão. Seja ao atravessar um buraco de minhoca para encontrar um novo mundo para a raça humana ou tentar entender o incompreensível, o gênero é responsável por nos fazer pensar em limites. Até onde você estaria disposto a ir para entender o diferente? Quanto você gostaria de aprender para ser alguém melhor? Seja em A Chegada, “História da sua vida” ou nos outros contos da coletânea de Ted Chiang, boas histórias definitivamente nos tornam pessoas melhores.

> Leia um trecho de História da sua vida e outros contos.

 

* Bruno Machado é assistente de mídias sociais no departamento de Marketing e acha que só faltam alienígenas aparecerem por aqui para 2016 ser o ano mais louco de todos os tempos.

testeO livro, o filme, a peça

075-la-c3-a7os-de-ternura

Cena do filme Laços de Ternura (Fonte)

Nada melhor do que uma boa história. E Laços de ternura (Terms of endearment), livro de Larry McMutry ambientado no estado americano do Texas, com a clássica trama sobre o relacionamento entre mãe e filha, certamente venceu o teste do tempo. Lançada originalmente em 1975, a obra, que virou filme oito anos depois (com Shirley MacLaine, Jack Nicholson e Debra Winger), vencendo cinco Oscar, acaba de ser adaptada como peça de teatro em Nova York. Tive o prazer de vê-la semana passada.

Larry McMutry é um autor de grandes sucessos, entre eles O indomado (Hud, que virou filme com Paul Newman em 1963) e Os pistoleiros do Oeste (no original, Lonesome dove, ou Pomba solitária, adaptado para a TV com Robert Duvall em 1989), além de A última sessão de cinema (The last picture show, de 1971), um dos melhores filmes dos anos 1970.  Apesar de seus livros terem sempre sido adaptados para o cinema por terceiros, ele escreveu o roteiro de O segredo de Brokeback Mountain (Brokeback Mountain), a partir de conto de Annie Proulx.

Tenho de ser sincero e dizer que não li Laços de ternura – a última edição que circulou no Brasil, ainda nos tempos do Círculo do Livro da Abril, é de meados dos anos 1980. Mas, graças à internet, acabei de comprar um exemplar bem antigo pela bagatela de sete reais. A ideia é colocá-lo na minha lista de leituras programadas para o fim do ano.

Para escrever este artigo revi o filme, que agora faz parte da minha coleção de DVDs. Lendo algumas resenhas que saíram à época do lançamento do livro, percebi que a trama original era ainda mais “novelesca” do que a do filme. Entre os itens eliminados estão casos de amor que não adicionavam nada à trama principal e diversos personagens secundários.

Se o filme, com suas duas horas e quinze minutos, já resumia muita coisa, a peça, que tem pouco mais de cem minutos, vai ainda mais direto ao essencial: Laços de ternura é uma história de amizade, amor, brigas e redenção. E o que importa é a dupla central: Aurora Greenway, uma viúva teimosa, voluntariosa e irredutível, e sua filha Emma, que só quer ter uma vida normal ao lado do marido e dos filhos. É justamente a parte “normal” da vida que Aurora não consegue aceitar.

Da tela para o palco, muita coisa foi eliminada: os vários “pretendentes” de Aurora, o amante de Emma (que agora é mencionado apenas de passagem), enquanto outros personagens perderam relevância, como Patsy, melhor amiga da filha. Ainda vitais para Laços de ternura são duas figuras masculinas: o marido de Emma, Flap (que no filme foi vivido por Jeff Daniels), e o astronauta aposentado Garrett (uma interpretação marcante de Jack Nicholson).

No fim das contas, o teatro acaba sendo o meio do ator. Emma, que no filme foi defendida com um pouco de exagero por Debra Winger, agora é interpretada pela novata Hannah Dunne – correta, mas pouco intensa. O grande personagem de Laços de ternura, no entanto, é Aurora. Na peça, quem assume o lugar de Shirley MacLaine é nada menos do que Molly Ringwald. Sim, a atriz que, quando jovenzinha, protagonizou Clube dos Cinco e A garota de rosa-shocking.

Aos 48 anos, Molly “encarna” Aurora de uma forma diferente — e, acreditem, mais eficaz — do que Shirley MacLaine. No filme, Aurora tem um início caricato, quase estridente, e se humaniza somente quando vive uma tragédia. Na peça, Molly busca outro registro: apesar de manter Aurora um pouco acima do tom, tem a sabedoria de interpretá-la com uma pitada de vulnerabilidade, como se toda a confiança que ela exibe fosse uma espécie de mecanismo de defesa.

Resta dizer que, como no filme, as cenas finais são de cortar o coração — e Molly, pegando fogo, entrega-se a cada uma delas. Entre os outros atores, destaque também para Jeb Brown, veterano da Broadway que traz alívio cômico como o ex-astronauta Garrett. Embora carismático, o ator às vezes parece estar quase incorporando Jack Nicholson como Garrett, e não o personagem em si.

Tendo saboreado o filme e a peça, mal posso esperar para que o livro chegue pelo correio. Quarenta anos depois, Laços de ternura se mantém relevante, pois trata de temas atemporais. Além disso, tem um elemento vital para o tipo de literatura que aprecio: preocupa-se sobretudo em emocionar para, posteriormente, fazer o leitor refletir.

 

testePara reencontrar Buenos Aires

1218472_our-last-tango

Cena de O Último Tango (Fonte)

Há duas oportunidades no cinema para reencontrar Buenos Aires sem sair do Brasil. Nos últimos dias, dois filmes me transportaram diretamente para a cidade que ambientou meu primeiro romance, O amor segundo Buenos Aires. Matei saudades de lá assistindo a No fim do túnel e O último tango, mais dois belos exemplares da cinematografia argentina.

No fim do túnel, embora se passe em apenas um ambiente — um casarão em um bairro de classe média alta de Buenos Aires —, lembrou-me da cadência da linguagem dos portenhos e foi uma incrível diversão. Trata-se de um thriller, gênero considerado comercial, mas vi o filme com muito mais satisfação do que qualquer produção brasileira a que tenha assistido este ano (incluindo o bom, contudo longo demais, Aquarius).

Como indicam meu romance e os comentários sobre outros livros que tenho postado aqui, sou atraído mais por trama do que por estilo. Pois No fim do túnel tem os dois. Leonardo Sbaraglia (que já havia sido destaque em um dos episódios de Relatos selvagens) interpreta aqui o dono do casarão, um homem que perdeu o movimento das pernas após o acidente automobilístico que matou sua mulher e sua filha.

Em uma noite de chuva, uma misteriosa mulher (Clara Lago, um estouro) chega, acompanhada da filha, para alugar um quarto que ele havia anunciado na internet. Mais ou menos ao mesmo tempo, ele se dá conta de que criminosos estão cavando um túnel sob a casa para assaltar um banco próximo bem no dia de Natal.

Daqui em diante, não cabe revelar mais, mas é necessário dizer que o desenrolar da história é exemplar: inventivo, surpreendente e carregado de humor negro. O escritor e roteirista Rodrigo Grande sabe se desvencilhar rapidamente dos ganchos óbvios da narrativa, revelando “charadas” que são meio fáceis de adivinhar em questão de poucos minutos. Ele sabe deixar o melhor para o fim.

Outra delícia em cartaz é O último tango, do argentino radicado na Alemanha German Kral. Ainda que seja um documentário,  amarra muito bem os conflitos do mais famoso casal de dançarinos de tango da Argentina. O enredo coleciona sentimentos: amor, ressentimento, mágoas e paixão pela dança.

Além disso, o filme tem tomadas plásticas de Buenos Aires, costuradas com cenas de dança de tirar o fôlego. Com mais de oitenta anos, Juan Carlos Copes e principalmente María Nieves Rego mostram que ainda corre sangue muito quente em suas veias.

testeQuando um livro nos atropela…

…É a melhor coisa que pode nos acontecer. Fazemos tudo o mais rapidamente possível e ficamos só aguardando o momento de o trabalho acabar e de terminar de preparar o jantar para poder voltar àqueles minutos preciosos do dia em que não há vozes nem imagens, só letras e imaginação.

Isso está acontecendo comigo enquanto escrevo esta coluna. É que estou quase no fim, bem no finzinho mesmo, da leitura de Tony & Susan, de Austin Wright, lançado há alguns anos pela Intrínseca no Brasil. O livro foi publicado originalmente em inglês em 1993, e eu comprei a versão para o Kindle.

Confesso que não tinha ouvido falar do livro. O que me levou a procurá-lo foi o filme Animais noturnos, baseado em Tony & Susan, que deve chegar às telas no fim do ano, com Amy Adams e Jake Gyllenhaal. A direção é de Tom Ford (sim, o estilista), que já fez bonito no passado com A single man (no Brasil, a produção recebeu um título horrível: Direito de amar).

animais_noturnos

Cena de Animais Noturnos (fonte)

O que mais me chamou a atenção em Tony & Susan foi a sua intertextualidade, que nada mais é do que uma palavra bonita para designar o que Susan, a personagem principal, passa boa parte da trama fazendo e o que o leitor também faz. É isso mesmo: ler.

Tony, na realidade, é o personagem central da obra enviada a Susan por Edward, seu ex-marido. O título do livro: Animais noturnos (que, na minha opinião, deveria estar estampado na capa, pois é bem mais forte do que Tony & Susan). A partir daí, descortina-se um clima de suspense impactante. A conexão do leitor com Susan é direta, pois ela também tenta se livrar do dia a dia para voltar à leitura.

Wright tem uma prosa fluida, mas evita clichês, em especial na descrição das relações entre os personagens, que são elucidadas a partir de informações liberadas aos poucos, como num quebra-cabeça. O próprio “livro dentro do livro” subverte expectativas, pois foge do estilo “desejo de vingança”, que parece ser norma em histórias de suspense.

Animais noturnos, o filme, ganhou o Prêmio do Júri no Festival de Cinema de Veneza deste ano e muitos estão apostando em Amy Adams como indicada ao Oscar 2017 na categoria Melhor Atriz. Tudo o que posso desejar é que o filme faça mesmo jus à sua fonte.

_