testeOs 10 melhores filmes do século XXI

Confira as listas dos cineastas Denis Villeneuve e Sofia Coppola

Quais são os melhores filmes lançados neste século? A pergunta foi feita a vários cineastas pelo jornal The New York Times, entre eles o canadense Denis Villeneuve, indicado ao Oscar de melhor diretor por A Chegada — ficção científica protagonizada por Amy Adams e inspirada no conto do livro História da sua vida e outros contos, de Ted Chiang —, e Sofia Coppola, vencedora do Oscar e premiada como melhor diretora no Festival de Cannes de 2017, que assina a direção de Bling Ring: A Gangue De Nova York, inspirado no livro homônimo de Nancy Jo Sales.

 

Os melhores filmes por Denis Villeneuve

Onde os Fracos Não Têm Vez (Ethan e Joel Coen – 2007)
Sangue Negro (Paul Thomas Anderson – 2007)
Filhos da Esperança (Alfonso Cuarón – 2006)
A Origem (Christopher Nolan – 2010)
Amores Brutos (Alejandro González Iñárritu – 2001)
Dogville (Lars von Trier – 2003)
Sob a Pele (Jonathan Glazer – 2013)
O Profeta (Jacques Audiard – 2009)
Dente Canino (Yorgos Lanthimos – 2009)

 

Os melhores filmes por Sofia Coppola

Força Maior (Ruben Östlund – 2014)
A Fita Branca (Michael Haneke – 2009)
A Família Savage (Tamara Jenkins – 2007)
Contra a Parede (Fatih Akin – 2004)
Pai em Dose Dupla (Sean Anders – 2015)
Sob a Pele (Jonathan Glazer – 2013)
Os Incríveis (Brad Bird – 2004)
Bem-Vindos (Lukas Moodysson – 2000)
O Homem Urso (Werner Herzog – 2005)
Ida (Paweł Pawlikowski – 2013)
Aquário (Andrea Arnold – 2009)
Ex_Machina (Alex Garland – 2014)

 

testeA Chegada: até onde vamos para entender o diferente?

*Por Bruno Machado

p2134

Cena de A Chegada (Fonte)

Quando fomos informados de que A Chegada, adaptação de um dos contos da coletânea História de sua vida e outros contos seria o filme de abertura do Festival do Rio de 2016, a reação na editora foi de grande surpresa. Não pela qualidade do texto que serviu de inspiração para a produção cinematográfica, e sim pelo fato de um filme de ficção científica ter sido escolhido para a sessão de gala do festival.

frente_historia-da-sua-vida_pt-br-pNão é uma declaração bombástica dizer que a ficção científica é um gênero de nicho, seja ele literário ou cinematográfico. Claro, muitas pessoas consideram Star Wars ficção científica, mas não basta para o sci-fi que uma história seja contada no espaço. A saga da família Skywalker é muito mais próxima de uma fantasia que aconteceu “Há muito tempo atrás, em uma galáxia distante”.

Animada com o prestígio dado ao filme, lá foi a equipe da Intrínseca para a Cidade das Artes, assistir ao filme em meio a atores globais e toda sorte de profissionais do cinema nacional. Dirigido por Denis Villeneuve (de Sicario: Terra de Ninguém e Os Suspeitos), a produção já surpreende nos primeiros minutos. Não há naves espaciais bonitas, alienígenas assustadores nem um discurso emocionante do presidente dos Estados Unidos no Quatro de Julho. A Chegada é basicamente uma história sobre mãe e filha.

No filme, doze objetos voadores não identificados que se assemelham a gigantescos monólitos ovais surgem em cantos aleatórios do planeta. A chegada das naves não é detectada por nenhuma agência do mundo, e elas se mantêm impressionantemente estacionadas no céu, como se esperassem por algo. Rapidamente os governos dos países “visitados” começam a tomar providências, e China e Rússia são as duas nações mais propensas a atacar primeiro e perguntar depois.

Enquanto isso, nos Estados Unidos, uma linguista – interpretada por Amy Adams, que aparentemente vai estrelar todas as adaptações dos livros da Intrínseca (vide Tony & Susan que se chamará Animais Noturnos, e Objetos cortantes) – é convocada para ajudar a decifrar o que as criaturas pretendem em nosso planeta. Ao longo da história, vemos como seria o trabalho de tentar entender criaturas que não pensam, não se comportam e nem parecem conosco. E quanto mais próximo da grande revelação do filme – que não falaremos aqui, obviamente –, mais percebemos que as criaturas sequer existem da mesma forma que nós. E apenas a linguista parece compreender isso, com consequências surpreendentes para a trama.

Como assisti ao filme antes de ler o conto “História da sua vida”, a reviravolta do enredo me pegou completamente de surpresa. É daqueles momentos como em O Sexto Sentido, Planeta dos Macacos ou Clube da Luta, no qual uma revelação muda sua ideia do filme por completo. E a forma como Chiang faz isso na prosa e Villeneuve no filme são igualmente emocionantes. Foi impossível chegar ao fim da sessão sem ficar com os olhos cheios d´água, precisando de um tempo para pensar na experiência que acabou de acontecer, como em outro recente sci-fi, Interestelar.

Uma das principais características da ficção científica é provocar reflexão. Seja ao atravessar um buraco de minhoca para encontrar um novo mundo para a raça humana ou tentar entender o incompreensível, o gênero é responsável por nos fazer pensar em limites. Até onde você estaria disposto a ir para entender o diferente? Quanto você gostaria de aprender para ser alguém melhor? Seja em A Chegada, “História da sua vida” ou nos outros contos da coletânea de Ted Chiang, boas histórias definitivamente nos tornam pessoas melhores.

> Leia um trecho de História da sua vida e outros contos.

 

* Bruno Machado é assistente de mídias sociais no departamento de Marketing e acha que só faltam alienígenas aparecerem por aqui para 2016 ser o ano mais louco de todos os tempos.

testeAs histórias das muitas vidas de Ted Chiang

frente_historia-da-sua-vida_pt-br

Um dos autores de mais destaque no cenário da ficção científica, Ted Chiang pode ser descrito como um escritor pouco prolífico: tem apenas quinze trabalhos publicados, entre contos e novelas curtas. A pequena produção contrasta com sua expressiva quantidade de premiações: os oito textos reunidos em sua coletânea História da sua vida e outros contos, que será lançada em novembro pela Intrínseca, ganharam no total nove dos mais importantes prêmios literários dedicados a textos de ficção científica.

Publicados originalmente em volumes diversos, as oito histórias de Chiang apresentam rigor científico aliado a uma narrativa muito bem escrita e humana. Com uma prosa límpida e ideias às vezes desconcertantes, Chiang utiliza a ciência como expressão dos questionamentos mais profundos de seus personagens.

Entre os contos estão “A torre da Babilônia”, no qual um minerador sobe a famosa torre com a missão de escavar a abóbada celeste; “Divisão por zero”, uma reflexão precisa e devastadora sobre o fim da esperança e do amor, e “História da sua vida”, texto que dá nome à coletânea e mostra a jornada de uma linguista para aprender um idioma alienígena, o que transforma sua vida para sempre.

“História da sua vida” foi adaptado para o cinema como A Chegada, produção dirigida por Denis Villeneuve, estrelada por Amy Adams e Jeremy Renner, e indicada aos prêmios de Melhor Roteiro e Melhor Direção no Festival de Veneza e selecionada como o filme de abertura do Festival do Rio. A Chegada estreia no Brasil em grande circuito em 24 de novembro.  Assista ao trailer abaixo.