testeCinco motivos para ler Um dia, de David Nicholls

Se você ainda não conhece Um dia, de David Nicholls, listamos cinco razões que fazem o livro  ser um dos títulos mais especiais do catálogo da Intrínseca!

1) É fácil se identificar com Dexter e Emma!

Os personagens são muito bem construídos e reais, e esse é um dos pontos fortes da obra de David Nicholls.  Ao acompanhar o amadurecimento dos dois ao longo de vinte anos, conseguimos nos aproximar da história.  Em alguns momentos somos capazes de odiá-los com toda a força e em outros estamos torcendo por eles como se fôssemos amigos próximos. São personagens humanos e inesquecíveis!

 

2) O livro ensina que um dia pode mudar nossas vidas para sempre

15 de julho de 1988: era para ser apenas uma noite depois da festa de formatura em 1988, mas o encontro foi tão intenso que foi capaz de mudar para sempre a vida de Dexter e Emma. Apesar de terem seguido caminhos diferentes na manhã seguinte, Dex e Em não conseguiram parar de pensar no outro e entenderam que um simples dia pode, sim, ser determinante nas nossas vidas.

 

3) David Nicholls é o autor da obra

Nascido na Inglaterra, começou a carreira como ator de teatro. Trabalhou também como roteirista em filmes como O Bebê de Bridget Jones e com pesquisas para a BBC.

Uma curiosidade importante: em sua visita ao Brasil durante a Bienal do Livro Rio, conquistou toda a equipe com seu jeito gentil e simpático.

 

4) O livro foi adaptado para os cinemas em 2011

A adaptação de Um dia foi estrelada por Anne Hathaway e Jim Sturgess. Além das excelentes críticas, o filme arrancou lágrimas de milhares de pessoas.

 

5) Frases inesquecíveis

É impossível não marcar alguns trechos de Um dia. O livro tem cartas inesquecíveis dos personagens e frases que nos fazem pensar sobre as decisões que tomamos.

testeLivros para cada signo

 Criamos uma lista com os livros que mais combinam com as características de cada signo e que serão ótimas leituras para começar o semestre com os astros a seu favor.

 

ÁRIES

Arianos são conhecidos por sua impulsividade, por entrarem em brigas com uma facilidade de dar inveja e por serem muito competitivos. Se existe uma personagem ariana no mundo, com certeza é a Claudia, de Os Irmãos Tapper. No livro, ela e o irmão Reese declaram guerra um contra o outro e estão determinados a sair vitoriosos, custe o que custar. Porém, apesar dos estereótipos, arianos também são muito determinados, corajosos e confiantes. Essas características são fundamentais em momentos como o vivido pelo comandante Chesley Sullenberger, autor de Sully, que precisou contar com toda a intensidade ariana para tomar a melhor decisão em uma situação desafiadora.  

 

TOURO

Taurinos esperam ansiosamente que a Lei da Inércia entre na Constituição. Fãs de estabilidade, preferem relacionamentos duradouros e gostam de planejar os próximos passos da vida. Nossos tourinhos com certeza se identificarão com Nós, livro em que Douglas, casado há muitos anos, planeja uma viagem com a família antes de o filho ir para a faculdade. Contudo, impossível falar de Touro sem pensar em um banquete, então, como ninguém – especialmente os taurinos – resiste a uma boa comida, Pequena cozinha em Paris traz receitas incríveis que vão encher os olhos e o estômago dos amantes de uma boa refeição.

 

GÊMEOS

Geminianos são muito curiosos, sempre tentados a clicar em todos os links com o nome “curiosidade” na frente. Uma leitura excelente para os geminianos é Uma história do mundo, que revisita fatos e personalidades históricas, mostrando que a história pode ser ao mesmo tempo grandiosa e popular. Com 616 páginas, certamente nossos geminianos do coração terão muito conteúdo para alimentar suas cabecinhas famintas por informações. Já para o lado comunicativo e falante, Madeline, de Pequenas grandes mentiras, é uma personagem divertida, forte e que tem opinião sobre tudo. Além, é claro, do mistério que existe na história, que os geminianos vão amar desvendar. 

 

CÂNCER

Impossível falar do signo de Câncer e resistir ao impulso de colocar um coraçãozinho do lado. O signo mais amorzinho do zodíaco tem fama de chorão, mas no fundo possui uma força enorme. Para os cancerianos, escolhemos O som do amor, que é um romance com personagens fortes e determinados, no qual a violonista Isabel Delancey precisa se mudar para uma nova casa com seus filhos após a morte do marido. E, como família nunca é demais, dedicamos aos cancerianos a nossa maior “mãe coruja”, Alma Peregrine, que comanda o lar para as crianças peculiares com o cuidado, a atenção e a gentileza típicos de uma mãe de Câncer. 

 

LEÃO

Chegou a hora do signo que deve estar até hoje se perguntando por que não é o primeiro das listas sobre signos. Nossos leoninos têm um amor-próprio de dar inveja, e, com a motivadora frase “Você é lindo e as pessoas te amam”, Apolo, de As provações de Apolo, representa bastante esse lado leonino que está muito bem consigo mesmo e que tem certeza de que possui habilidades suficientes para cumprir sua missão. Além disso, os leoninos são muito leais, tanto que poderiam assumir o lugar de uma pessoa querida para poupá-la de um sofrimento. Foi isso que a personagem de As mil noites fez por sua irmã ao se voluntariar a ir ao palácio de Lo-Melkhim, que já havia matado 300 noivas e procurava pela 301ª.     

 

VIRGEM

Virginianos estão em um relacionamento sério com o perfeccionismo e a organização. Eles farão de tudo para que as coisas sejam como devem ser. Ted Talks vai ajudá-los na difícil tarefa de falar em público. Com as dicas de Chris Anderson, presidente do TED, os discursos e as apresentações dos virginianos ficarão ainda mais impecáveis. E, para organizar os pensamentos e sentimentos diários, temos Uma pergunta por dia, que traz 365 perguntas que devem ser respondidas diariamente durante cinco anos. Os virginianos vão amar registrar seus momentos e objetivos ao longo do tempo em um só lugar.

 

LIBRA

Estamos na dúvida sobre qual signo falar agora. É melhor ser de Libra ou de Peixes? Decisão difícil. Não seria mais fácil se existisse alguma coisa que te ajudasse a escolher a melhor opção? Fiquem calmos, librianos, nós ainda não podemos resolver todos os problemas da vida, mas a indecisão sobre qual vinho comprar está com os dias contados! O guia essencial do vinho: Wine Folly tem informações claras e acessíveis sobre o mundo dos vinhos e as combinações ideais para cada momento. Feito para não errar mais, né? Já para quem está atrás de novos crushes para saborear os vinhos – ou para qualquer outra coisa – indicamos um manual da conquista com selo de qualidade Barney Stinson. Playbook: O manual da conquista é baseado na série de TV How I Met Your Mother e sugere mais de 70 técnicas de sedução que transformarão qualquer um em um perfeito conquistador. 

 

ESCORPIÃO

Dizem por aí que escorpianos vieram ao mundo como mestres na arte da sedução. Nós não podemos dizer se é verdade ou não, mas, se sedução é a sua palavra, então Cinquenta tons de cinza é o seu livro ideal. Romântica, libertadora e viciante, essa história vai dominar sua atenção até a última linha. Já para o lado instintivo, cauteloso e intenso, a protagonista de A química representa os escorpianos pelas técnicas apuradas para enfrentar as ameaças, pela engenhosidade na construção dos métodos para cumprir sua missão e pela intensidade do romance que vive e que traz ainda mais adrenalina e aventura para sua vida.

 

SAGITÁRIO

Sagitarianos topam tudo, mesmo que “tudo” envolva aceitar fazer uma roadtrip com um homem misterioso que você conheceu no trem. Ok, talvez seja melhor não fazer isso na vida real, mas foi o que Shadow, de Deuses americanos, fez ao aceitar o convite de Wednesday para sair por aí em uma expedição por cidades inusitadas dos Estados Unidos. Como também não dá para pensar em Sagitário sem se lembrar das festas, Temporada de acidentes conta os preparativos para uma festa de Halloween que acontecerá durante o período conhecido como “temporada de acidentes”, em que, inexplicavelmente, Cara e sua família se tornam vulneráveis a diversos tipos de acidentes.

 

CAPRICÓRNIO

Capricornianos em geral são associados ao dinheiro, porém, no fundo, eles estão em busca de conquistas pessoais que muitos de nós, meros mortais, não entenderíamos. Como o sucesso é consequência de muito esforço, escolhemos Elon Musk e Garra para esse signo. Elon Musk é um cara ambicioso que construiu um império e tem objetivos ainda maiores, como colonizar Marte. Já Garra é um livro pessoal e inspirador no qual a psicóloga Angela Duckworth demonstra que o segredo para incríveis realizações não é o talento, mas uma mistura de paixão e perseverança que ela chama de “garra”. Se o sucesso é seu objetivo, o caminho passa por esses livros, com certeza.

 

AQUÁRIO

Aquarianos são pessoas criativas que têm a liberdade como palavra de ordem. Por isso, Destrua este diário é a cara desse signo. Sabemos que frases no imperativo não combinam muito com o estilo de vida aquariano, mas, quando essas “ordens” podem ser seguidas do seu jeitinho, aí é outra história. Esse livro dará liberdade para criar e inventar a cada página: é uma quebra de padrões e, no fim, nenhum diário fica igual ao outro. Criatividade e exclusividade, a única coisa mais aquariana que isso é aquela típica mania de ser do contra. E falando nisso… tem uma menina com poderes fantásticos que decidiu que ser heroína não é legal, ela quer mesmo é ser vilã. Em um quadrinho inovador, Nimona traz a alma aquariana dos “diferentões” com humor e lições fantásticas.

 

PEIXES

Como não amar nossos peixinhos do zodíaco?  Mesmo que nem sempre o pensamento deles esteja neste planeta, sua presença é sempre muito agradável. Os livros escolhidos para os piscianos são repletos de devaneios e fofura para representar bem esse signo que encerra a lista. Para os pensamentos que vão longe e as reflexões que nunca acabam, indicamos Pó de lua nas noites em claro, livro de poesias de Clarice Freire no qual ela vira a madrugada ao avesso em palavras e imagens, dedicando cada capítulo a uma hora. E toda a meiguice pisciana fica com Extraordinário, a história de Auggie, que nasceu com uma severa deformidade facial e que precisa ir à escola pela primeira vez. As primeiras páginas do livro são suficientes para entender o porquê dessa escolha.

testeCinco livros para seguir em frente

Foto_lista

Todo mundo já sofreu por amor algum dia. Chorar, ouvir músicas tristes, pedir conselhos aos amigos e ter vontade de ligar para o ex são coisas que fazem parte da rotina de quem acabou de terminar um relacionamento. Para ajudar nesse momento tão delicado, listamos alguns livros que mostram que é possível desapegar, viver novas histórias e até mesmo amar de novo.

giphy

Para aqueles que precisam desapegar do passado e esquecer…

Não se apega, não, de Isabela Freitas — Tudo começa com um ponto final: a decisão de terminar o namoro de dois anos com Gustavo, o namorado dos sonhos de toda garota. As amigas acharam que Isabela tinha enlouquecido, porque eles formavam um casal perfeito! Mas por trás das aparências existia uma menina infeliz, disposta a assumir as consequências pela decisão de ficar sozinha. Atrapalhada do jeito que é, Isabela precisa primeiro lidar com o assédio de um primo gostosão, com as tentações da balada e, principalmente, entender que o príncipe encantado é artigo em falta no mercado.

giphy (3)

Para os que precisam superar o luto…

Depois de você, de Jojo Moyes — Na continuação de Como eu era antes de você, Lou está morando em Londres e trabalha como garçonete em um pub no aeroporto. Certo dia, após beber muito, ela cai do terraço. O acidente a obriga a voltar para a casa de sua família, mas também a permite conhecer Sam Fielding, um paramédico cujo trabalho é lidar com a vida e a morte, a única pessoa que parece capaz de compreendê-la.

Ao se recuperar, Lou sabe que precisa dar uma guinada na própria história e acaba entrando para um grupo de terapia de luto. Os membros compartilham sabedoria, risadas, frustrações e biscoitos horrorosos, além de a incentivarem a investir em Sam. Tudo parece começar a se encaixar, quando alguém do passado de Will surge e atrapalha os planos de Lou, levando-a a um futuro totalmente diferente.

giphy (1)

Para os que sofrem com encontros furadas…

Não sou uma dessas, de Lena Dunham — A criadora, produtora e protagonista da série Girls, exibida pela HBO, abre o jogo e fala sobre as suas escolhas, seus ex-namorados, sobre sexo e a luta para conseguir ser respeitada na carreira. Lena revira o seu passado e faz um balanço sobre relacionamentos e experiências. De maneira bem-humorada, conta como os seus encontros fracassados e ex-namorados babacas a ajudaram a se tornar uma mulher mais forte aos vinte e poucos anos.

Para os que estão cansados de sonhar e quebrar a cara…

Não se iluda, não, de Isabela Freitas — A segunda obra da autora não só dá sequência às histórias de Não se apega, não, como também traz 20 regras para as pessoas que não querem mais se iludir.

zoeycrying

 

Para os que estão vivendo o fim de um relacionamento longo…

Nós, de David Nicholls — Douglas é um bioquímico de 54 anos, casado com Connie e pai de Albie, um jovem que acabou de entrar para a faculdade. Certa noite, ele é acordado pela esposa, que decide pedir o divórcio. Porém, eles estão prestes a embarcar em uma viagem em família pela Europa. Com a mesma sensibilidade que construiu o best-seller Um dia, David Nicholls faz uma irresistível reflexão sobre o que acontece no fim de um relacionamento.

testeBate-papo e sessão de autógrafos com David Nicholls – parte II

IMG_1018 (Copy)

O escritor inglês David Nicholls participou de um bate-papo com os leitores e de uma sessão de autógrafos na Bienal do Livro Rio. Mais de 400 fãs tiveram a oportunidade de conhecer o autor do best-seller Um dia e do lançamento Nós no evento.

Confira a segunda parte da galeria de imagens:

testeBate-papo e sessão de autógrafos com David Nicholls – Parte I

IMG_1018 (Copy)

O escritor inglês David Nicholls participou de um bate-papo com os leitores e de uma sessão de autógrafos na Bienal do Livro Rio. Mais de 400 fãs tiveram a oportunidade de conhecer o autor do best-seller Um dia e do lançamento Nós no evento.

Confira a galeria de imagens:

Veja também a segunda parte da galeria aqui.

testeClube de Leitura: Nós

Por Bruno Leite*

David Nicholls

Quem já fez viagens em família sabe que esse tipo de programa sempre envolve discussões, brigas e gritaria (e talvez resida aí a graça em viajarmos todos juntos). E é exatamente uma viagem em família que David Nicholls nos apresenta em seu último livro.

Em Nós, pai, mãe e filho partem em um tour pela Europa para conhecer obras icônicas da história da arte enquanto tentam se (re)conciliar. A premissa parece simples, mas o romance vai muito além do óbvio. A seguir, uma pequena lista com os momentos mais apaixonantes dessa história.

É impossível não falar sobre uma característica fundamental dos livros de Nicholls: a identificação imediata entre leitores e personagens. Então, vamos começar com uma análise que Douglas Petersen, o narrador de Nós, faz de sua juventude:

Para a maioria das pessoas, os vinte anos representam um tipo de nível máximo de sociabilidade, à medida que embarcam em aventuras no mundo real, encontram uma carreira, têm um vida social ativa e emocionante, se apaixonam e mergulham no sexo e nas drogas. Eu estava ciente de que isso estava acontecendo ao meu redor. Eu sabia das boates, das inaugurações de galerias, dos shows e das manifestações; reparava nas ressacas, nas roupas repetidas vários dias no trabalho, nos beijos no metrô e nas lágrimas no refeitório, mas observava tudo através de uma espécie de vidro grosso.

O que vocês acham das descrições de Nicholls? Ao ler isso, sinto como se conversasse com um amigo.

Outra coisa que admiro muito nos romances de David Nicholls é que você pode odiar as ações e as atitudes dos personagens — mas dificilmente odiará os próprios personagens. Uma das grandes habilidades do autor está justamente em criar tipos singulares, mas ao mesmo tempo verossímeis e carismáticos. O que vocês acham da construção de seus personagens? Amaram todos, como eu, ou acabaram desgostando de algum no meio do caminho?

Em Nós, minha grande paixão é Connie, a esposa de Douglas. Adoro sua vitalidade e coragem. Após ouvir um desabafo da esposa, Doug admite:

Connie recuperara a capacidade de falar e me contou sobre sua grande e desleixada família, a mãe, uma ex-hippie, volúvel, bêbada e emotiva, o pai biológico havia muito ausente, deixando-lhe nada além do sobrenome. Que era? Moore. Connie Moore — um nome fantástico, pensei, como uma aldeia na Irlanda. O padrasto não poderia ser mais diferente, um empresário cipriota que dirigia algumas questionáveis lojas de kebab em Wood Green e Walthamstow, e ela era agora uma anomalia em sua família: a artista, a inteligente.
(…)
As biografias que damos de nós mesmos nesses momentos nunca são neutras, e a imagem que ela escolheu para me apresentar era a de uma alma muito solitária. Ela não estava sendo piegas ou expressando autopiedade, de modo algum, mas, passada a bravata, parecia menos confiante, menos certa de si, e me senti lisonjeado por sua honestidade.

Com elegância, Connie carrega essa honestidade por toda a história. Vocês também tiveram essa impressão? Acreditam que Doug de fato tinha motivos para ser perdidamente apaixonado por essa mulher mesmo após vinte anos casados ou acha que ele estava apenas acomodado?

Sobre a estrutura narrativa: David Nicholls alterna passado e presente. Em cada capítulo, Doug narra as descobertas da família em uma das cidades do tour e relembra momentos decisivos de sua história com Connie. Esses ganchos, presentes nos finais dos capítulos, poderiam confundir a cabeça do leitor, mas, na verdade, enriquecem o livro. Será que sou o único que teve essa impressão?

Uma das minhas surpresas durante a leitura foi o fato de Doug gostar de Billy Joel. Para quem não sabe, Billy Joel é um dos grandes hit makers dos Estados Unidos, um Elton John americano com um pouco menos de… glamour. Aproveito a oportunidade para inserir aqui uma de suas melhores músicas — e que tem tudo a ver com o tour da família Petersen.

Essa é a música perfeita para o Doug, sem sombra de dúvidas. E por falar em nosso narrador/protagonista, vamos discutir agora o seu humor, uma ironia aveludada com um toque de autodepreciação nada piegas. Nicholls é corajoso ao adotar um tom leve e divertido para falar sobre o fim de um casamento — e essa escolha faz com que sua história escape do dramalhão e ganhe ares libertadores.

Não é impossível terminar um relacionamento com bom humor. Todos sabemos que é uma experiência sofrida, mas já tive o prazer de ter alguém tão incrível ao meu lado que até nossa despedida foi inesquecível.

Acho que já me alonguei demais, mas ainda gostaria de saber: por acaso você conhece alguém que seja parecido com o Albie? Já esteve em algum dos museus citados no romance?

No dia 10 de setembro nos reuniremos na Livraria Cultura no Shopping Bourbon, às 19h30, para discutir sobre essas e outras questões. Para participar, basta enviar um e-mail para renato.costa@livrariacultura.com.br informando o nome, CPF e telefone para contato. Se você não puder ir, não tem problema. Participe do clube de discussão on-line sobre Nós.

 

Leia também: Clube de Leitura de Até você ser minha

Bruno Leite, 26 anos, é estudante de Letras, trabalha há 8 anos no mercado editorial e é colaborador no blog O Espanador.

testeO que faz de Um dia um romance inesquecível?

9844_onedayo

Na noite da formatura na universidade, um encontro transforma as vidas de Dexter Mayhew e Emma Morley. Quando o dia 15 de julho de 1988 nasce, os dois seguem caminhos diferentes, mas já está feito: por mais que briguem, escolham estilos de vida diferentes ou lutem por ideais opostos, os destinos de Dex e Em estão irremediavelmente ligados.

Os leitores de Um dia testemunham os encontros e desencontros desses personagens inesquecíveis ao logo de vinte anos. A partir de instantâneos dos dois, registrados sempre a cada 15 de julho, David Nicholls nos conta mais do que uma história de amizade e amor: com humor, somos confrontados com as diferenças entre a vida real e nossos sonhos.

Dividimos com vocês os depoimentos da equipe e dos leitores com algumas das razões que tornam Um dia um romance inesquecível.

1Em Um dia Nicholls mostra que a vida é uma caixinha de surpresas. A maneira como ele constrói a história de Dexter e Emma é emocionante e nos faz pensar em todas as palavras, cartas e momentos que deixamos de enviar e viver. (Vanessa Mello)

gif_umdia_3

2Para mim, Um dia, é um livro especial porque me permitiu dividir com os personagens as angústias da juventude, dos amores desencontrados, a dúvida do que o futuro nos reserva e me fez perceber que, por mais que não pareça, ou por mais difícil que as coisas fiquem, há sempre amor à nossa volta. (Nina Lopes)

Um dia

 

3O livro te faz AMAR e ODIAR David Nicholls. A cada capítulo eu queria saber o que aconteceria no dia 16 de julho! O autor faz o leitor se identificar ora com a Emma, ora com o Dex, acompanhar os personagens amadurecendo ao longo da história e se apaixonar mais ainda a cada 15 de julho. (Beatriz Cajaty)

umdia_2

 

4 – Um dia é sem dúvida um dos livros da minha vida. Ele chegou para mim no momento certo, ou talvez qualquer momento em que eu o tivesse lido teria sido o certo, porque ele diz tanto sobre quem eu sou, e sobre quem eu fui, e sobre o que outros foram para mim, que é até difícil colocar em palavras como eu me sinto em relação à história, ao livro, aos personagens. Volta e meia tenho saudades de Emma e Dexter, e releio meus trechos favoritos (um privilégio reservado a bem poucos livros da minha estante), para relembrar não apenas a história deles, mas também a minha. (Mariana Rimoli)

um dia_cena

5 – Um dia tem um quê de realidade, os personagens parecem mais humanos, e inevitavelmente te faz refletir sobre como a vida é passageira… (@c_alvorada, pelo Twitter)

i miss you

6 – Um dia me fez esquecer que trabalho com livros, fui recolocada exclusivamente no lugar de fã. Vibrei, chorei, quis matar David Nicholls — e ao mesmo tempo abraçá-lo. (Heloiza Daou)

Emma-Dexter-one-day-2011-movie-28236761-500-213_large

7O que torna Um dia inesquecível é a pureza da amizade entre eles, que é verdadeira. E o amor que sentem um pelo outro durante todos os anos. (@Gigiod1669, pelo Twitter)

gif_um dia

 

Leia também:

 

Sobre Douglas Peterson, Daviod Nicholls, Beatles e… Nós
Sete conselhos: Diálogo ficcional entre Douglas Petersen e Dexter Mayhew

testeIntrínseca na XVII Bienal Internacional do Livro Rio

Bienal_online_600x400

A Intrínseca estará mais uma vez na XVII Bienal Internacional do Livro Rio entre os dias 3 a 13 de setembro. O britânico David Nicholls (Um dia e Nós) e Isabela Freitas (Não se apega, não e Não se iluda, não), Josh Malerman, autor de Caixa de pássaros, são alguns dos grandes autores que irão movimentar os pavilhões da feira literária no Riocentro.

Entre os destaques nacionais, estão a jornalista Míriam Leitão com seu novo livro de não-ficção, História do futuro, que fará um bate-papo com Edney Silvestre (Vidas provisórias) na Mesa Ditadura e Literatura; o lançamento de Surpreendente!, de Maurício Gomyde; a presença de Clovis Bulcão, de Os Guinle, na Mesa Biografias; Clarice Freire, de Pó de lua, na mesa Com a palavra, as imagens: o papel narrativo das ilustrações; e Pedro Gabriel, de Eu me chamo Antônio, no Cubovoxes, espaço voltado para jovens leitores.

Ao todo, nove autores estarão presentes na feira literária. Os leitores também encontrarão mais de 400 títulos, com destaques para lançamentos, no estande da editora, que este ano ocupará uma área de 280 m² na avenida principal do Pavilhão azul, entre a rua F e a rua G. Detalhe: todos os livros estarão com descontos entre 10% e 80% durante o evento!

Estande da Intrínseca na Bienal
Endereço: Pavilhão azul (3) entre a rua F e rua G
Horário de funcionamento:
3 de setembro: 13h às 22h
7 de setembro (feriado): 10h às 22h
Durante a semana: 9h às 22h
Fins de semana: 10h às 22h
Confira o mapa

Confira a programação completa:

5/set, sábado:

David Nicholls
Encontro com David Nicholls
18h – Auditório | Pavilhão Verde
19h às 22h – Autógrafos no Salão Copacabana | Praça de Alimentação Externa
Confirme sua presença

Regras para o bate-papo no Conexão Jovem (Auditório Madureira)
– Serão disponibilizadas 420 senhas para o evento.
– As senhas serão distribuídas às 16h na CENTRAL DE SENHAS DA BIENAL.
– A senha para o bate-papo não é válida para a sessão de autógrafos.
– A senha para o bate-papo é pessoal e intransferível e só será permitida a retirada de uma senha por pessoa.
– As senhas são numeradas e garantem a entrada no auditório, mas o atendimento não será por ordem numérica.
– As senhas, tanto do bate-papo quanto da sessão de autógrafos, serão entregues ao mesmo tempo e na mesma fila na CENTRAL DE SENHAS DA BIENAL, portanto, não será necessário entrar em mais de uma fila.

Regras para a sessão de autógrafos (Salão Copacabana)
– Serão disponibilizadas 300 senhas para o evento.
– As senhas serão distribuídas às 16h na CENTRAL DE SENHAS DA BIENAL.
– As senhas, tanto da sessão de autógrafos quanto do bate-papo, serão entregues ao mesmo tempo e na mesma fila na CENTRAL DE SENHAS DA BIENAL, portanto, não será necessário entrar em mais de uma fila.
– A senha para a sessão de autógrafos não é válida para o bate-papo.
– A senha para a sessão de autógrafos é pessoal e intransferível e só será permitida a retirada de uma senha por pessoa.
– As senhas são numeradas e garantem o autógrafo, mas não a posição na fila. O atendimento não será pela ordem numérica.
– Os autógrafos acontecerão às 19h na Praça Copacabana, após o término do bate-papo no Conexão Jovem.
– O autor autografará até 2 (dois) livros de sua autoria, sendo apenas um autógrafo nominal.
– Não serão permitidos autógrafos fora do livro, em papéis, marcadores, cadernos ou quaisquer outros objetos.
– Não será permitida a entrada de câmera e/ou celular na sala de autógrafos. As fotos da sessão serão registradas individualmente por um fotógrafo profissional e disponibilizadas após 3 (três) dias úteis no site da editora.

7/set, segunda-feira

Míriam Leitão e Edney Silvestre
Mesa Ditadura e Literatura
19h30 – Café Literário | K20 – Pavilhão azul
20h às 22h – Autógrafos ao lado do Café Literário –

Pavilhão azul
Confirme sua presença

Regras para mesa “Ditadura e literatura” (Café Literário)
– Serão disponibilizadas 220 senhas para o evento.
– As senhas serão distribuídas às 18h30 na entrada do Café Literário.
– A senha para o bate-papo é pessoal e intransferível e só será permitida a retirada de uma senha por pessoa.

Regras para sessão de autógrafos (Estande da Intrínseca)
– Os autores atenderão os leitores pela ordem de formação da fila no estande da editora.

8/set, terça-feira

Míriam Leitão e Matheus Leitão
Mesa Família, memória e sociedade
15h – Espaço Cubovoxes | N12/O11 – Pavilhão verde

11/set, sexta-feira

Pedro Gabriel
16h – Autógrafos no Estande da Intrínseca | F08/G09 – Pavilhão azul
Confirme sua presença

Regras para sessão de autógrafos (Estande da Intrínseca):
– O autor atenderá os leitores pela ordem de formação da fila no estande da editora.

Isabela Freitas

Mesa
16h – Mesa no Cubovoxes | N12/O11 – Pavilhão verde
17h às 22h – Autógrafos no Salão Copacabana | Praça de Alimentação Externa
Confirme sua presença

Regras para bate-papo no Conexão Jovem (Auditório Madureira):
– Serão disponibilizadas 420 senhas para o evento.
– As senhas serão distribuídas às 13h na CENTRAL DE SENHAS DA BIENAL.
– A senha para o bate-papo não é válida para a sessão de autógrafos.
– A senha para o bate-papo é pessoal e intransferível e só será permitida a retirada de uma senha por pessoa.
– As senhas são numeradas e garantem a entrada no auditório, mas o atendimento não será por ordem numérica.
– As senhas, tanto do bate-papo quanto da sessão de autógrafos, serão entregues ao mesmo tempo e na mesma fila na CENTRAL DE SENHAS DA BIENAL, portanto, não será necessário entrar em mais de uma fila.

Regras para sessão de autógrafos (Salão Copacabana):
– Serão disponibilizadas 500 senhas para o evento.

– As senhas serão distribuídas às 13h na CENTRAL DE SENHAS DA BIENAL.
– As senhas, tanto da sessão de autógrafos quanto do bate-papo, serão entregues ao mesmo tempo e na mesma fila na CENTRAL DE SENHAS DA BIENAL, portanto, não será necessário entrar em mais de uma fila.
– A senha para a sessão de autógrafos não é válida para o bate-papo.
– A senha para a sessão de autógrafos é pessoal e intransferível e só será permitida a retirada de uma senha por pessoa.
– As senhas são numeradas e garantem o autógrafo, mas não a posição na fila. O atendimento não será pela ordem numérica.
– Os autógrafos acontecerão às 17h na Praça Copacabana após o término do bate-papo no Conexão Jovem.
– A autora autografará até 2 (dois) livros de sua autoria, sendo apenas um autógrafo nominal.
– Não serão permitidos autógrafos fora do livro, em papéis, marcadores, cadernos ou quaisquer outros objetos.
– Não será permitida a entrada de câmera e/ou celular na sala de autógrafos. As fotos da sessão serão registradas individualmente por um fotógrafo profissional e disponibilizadas após 3 (três) dias úteis no site da editora. 

12/set, sábado

Encontro de blogueiros com Mauricio Gomyde
11h às 12h – Salão Lapa | Pavilhão verde
Confirme sua presença

Regras:
– Serão disponibilizadas 100 senhas para o evento.
– As senhas serão distribuídas às 10h no estande da Editora Intrínseca para o evento que acontecerá às 11h no Salão Lapa.
– A senha para participação no encontro é pessoal e intransferível e só será permitida a retirada de uma senha por pessoa.
– As senhas são numeradas e garantem a entrada no auditório, mas o atendimento não será por ordem numérica.

Mauricio Gomyde
12h – Autógrafos no Estande da Intrínseca | F08/G09 – Pavilhão azul
Confirme sua presença

Regras para sessão de autógrafos (Estande da Intrínseca):
– O autor atenderá os leitores até às 15h pela ordem de formação da fila no estande da editora.
– O autor autografará até 2 (dois) livros de sua autoria, sendo um deles o Surpreendente!.
– Não serão permitidos autógrafos fora do livro, em papéis, marcadores, cadernos ou quaisquer outros objetos.
– Não será permitida a entrada de câmera e/ou celular na sala de autógrafos. As fotos da sessão serão registradas individualmente por um fotógrafo profissional e disponibilizadas após 3 (três) dias úteis no site da editora.

Clóvis Bulcão
Mesa Biografias
13h30 – Café Literário | K20 – Pavilhão azul
15h às 17h – Autógrafos no Estande da Intrínseca | F08/G09 – Pavilhão azul
Confirme sua presença

Regras para mesa “Os bastidores das biografias” (Café Literário):
– Serão disponibilizadas 220 senhas para o evento.
– As senhas serão distribuídas às 12h30 na entrada do Café Literário.
– A senha para o bate-papo é pessoal e intransferível e só será permitida a retirada de uma senha por pessoa.

 Regras para sessão de autógrafos (Estande da Intrínseca):
– O autor atenderá os leitores até às 17h pela ordem de formação da fila no estande da editora.

Clarice Freire
14h – Bate-papo no Estande da Submarino.com | K18 – Pavilhão azul

Regras para bate-papo com leitores (Estande da Submarino):
– Não haverá distribuição de senhas. A capacidade da arquibancada do estande da Submarino é de 30 pessoas. Os leitores serão acomodados por ordem de chegada 15 minutos antes do início da sessão.

Pedro Gabriel
Mesa O fã cara a cara – Eu me chamo Antônio
17h – Cubovoxes | N12/O11 – Pavilhão verde
18h30 às 22h – Autógrafos no Estande da Intrínseca | F08/G09 – Pavilhão azul
Confirme sua presença

Regras para mesa “O fã cara a cara” (Cubovoxes):
– Serão disponibilizadas 90 senhas para o evento.
– As senhas serão distribuídas às 16h na entrada do Cubovoxes.
– A senha para o bate-papo é pessoal e intransferível e só será permitida a retirada de uma senha por pessoa.
– As senhas são numeradas e garantem a entrada no Cubovoxes, mas o atendimento não será por ordem numérica.

 Regras para sessão de autógrafos (Estande da Intrínseca):
– O autor atenderá os leitores pela ordem de formação da fila no estande da editora.
– Não serão permitidos autógrafos fora do livro, em papéis, marcadores, cadernos ou quaisquer outros objetos.
– Não será permitida a entrada de câmera e/ou celular na sala de autógrafos. As fotos da sessão serão registradas individualmente por um fotógrafo profissional e disponibilizadas após 3 (três) dias úteis no site da editora.

13/set, domingo

Clarice Freire
Mesa Com a palavra, as imagens: o papel narrativo das ilustrações
12h – Café Literário | K20 – Pavilhão azul
13h30 às 17h – Autógrafos no Estande da Intrínseca | F08/G09 – Pavilhão azul
Confirme sua presença

Pedro Gabriel
16h – Bate-papo no Estande da Submarino.com |K18 – Pavilhão azul

Regras:
– Não haverá distribuição de senhas. A capacidade da arquibancada do estande da Submarino é de 30 pessoas. Os leitores serão acomodados por ordem de chegada 15 minutos antes do início da sessão.

Josh Malerman
Encontro com Josh Malerman
16h – Cubovoxes | N12/O11 – Pavilhão verde
17h às 22h – Autógrafos no Estande da Intrínseca | F08/G09 – Pavilhão azul
Confirme sua presença

Regras para mesa “O fã cara a cara” (Cubovoxes):
– Serão disponibilizadas 90 senhas para o evento.
– As senhas serão distribuídas às 15h na entrada do Cubovoxes.
– A senha para o bate-papo é pessoal e intransferível e só será permitida a retirada de uma senha por pessoa.
– As senhas são numeradas e garantem a entrada no Cubovoxes, mas o atendimento não será por ordem numérica.

 Regras para sessão de autógrafos (Estande da Intrínseca):
– O autor atenderá os leitores até as 20h pela ordem de formação da fila no estande da editora.
– Não serão permitidos autógrafos fora do livro, em papéis, marcadores, cadernos ou quaisquer outros objetos.
– Não será permitida a entrada de câmera e/ou celular na sala de autógrafos. As fotos da sessão serão registradas individualmente por um fotógrafo profissional e disponibilizadas após 3 (três) dias úteis no site da editora.

testeSete conselhos

Por Bruno Leite*

Dexter

Diálogo ficcional entre Douglas Petersen, um dos protagonistas de Nós, e Dexter Mayhew, do romance Um Dia, ambos do escritor britânico David Nicholls.

 

Hey, Dexter. De uns tempos para cá tenho visto muitas pessoas nos comparando, algumas chegam ao ponto de me dizer que eu seria você mais velho. Espero que não fique ofendido com o que vou dizer, mas, francamente? Eu rio muito. Em geral, quem diz isso não nos conheceu pessoalmente e têm uma ideia vaga de como somos em um relacionamento. Ultimamente tenho passado por alguns momentos, digamos, amedrontadores, e, bem, se as pessoas estiverem minimamente certas quanto às comparações, queria aproveitar o ensejo e te deixar algumas dicas, sete, pois soa cabalístico. São elas:

1 – Permita-se ser gostado:

Sempre que alguém me aborda, vêm à tona nossa incrível semelhança em deturparmos o bem querer de quem nos gosta, a maneira meticulosa como subvertemos um elogio e a audácia em menosprezar qualquer gesto amistoso que recebemos. Aprendi muito sobre mim vendo isso em você — pelo que dizem, claro —, e com base nessa consideração, esse é meu primeiro conselho: aprenda com o amor dos outros; se alguém por completa desventura vier a gostar de nós é porque não somos tão fracassados na vida quanto acreditamos ser, nós valemos sim alguma coisa e um pouco mais para quem nos quer bem. Respeite e cuide disso, Dexter! Vai ser muito importante durante a sua caminhada.

2 – Ame seus filhos:

É difícil. Na verdade, é horrível na maioria das vezes. Existe um limite para a genética e a maior parte é um grande acaso, para o meu desespero. Mas compensa, eu garanto. Não há nada melhor que ser pai, existe uma gratificação enorme em ver alguém crescer, evoluir, te contrariar e até mesmo colecionar canecas imundas na soleira da janela. É um amor que liberta sentimentos que você jamais imaginaria. Não desista, apenas insista e lembre: permita-se ser amado por essa criaturinha, os modos são bem peculiares, mas pode ter certeza de que esse sentimento mora lá, debaixo de uma coleção de meias que quero acreditar que servirão para um estudo de desenvolvimento de fungos em ambientes urbanos.

3 – Demonstre seu amor:

Tão importante quanto se permitir amar é demonstrar que gosta, e, acredite, demorei muito para perceber isso. Não deixe sua partner acreditar que ama sozinha, que pensa por dois sozinha — é horrível. Demonstre com sutileza a cada dia que aquela é decididamente a pessoa e que você se importa tanto com ela quanto com a sua própria existência. Não é difícil e, ao longo do tempo, você vai perceber que a arte de seduzir quem se ama é um exercício maravilhoso. Divirta-se!

4 – Tenha um relacionamento estável:

Ok, meu jovem, você é bonito, popular e faz sucesso com o mulherio. Não te julgo, mas, acredite, a vida requer um momento de pausa e reflexão. Existem inúmeras possibilidades num relacionamento que você não se dá conta agora, mas a vida vai se encarregar de te ofertar, confie em mim.

5 – Assuma suas responsabilidades:

Eu erro, você erra, ele erra e todos nós erramos, fique tranquilo quanto a isso, mas melhor ainda é identificar o erro, tentar não repeti-lo e, principalmente, admitir suas falhas. Não deixe problemas rotineiros minarem sentimentos preciosos e também não permita em hipótese alguma que isso machuque quem te ama.

6 – Aprenda a lidar com dificuldades:

Dexter, entenda que a vida não é um grande open bar e nem sempre as pessoas estão ali para te servir. Eu gosto muito de uma palavra: revés — e esses reveses acontecem o tempo todo. Ainda bem, pois é bom sair de vez em quando do nosso eixo gravitacional para enxergarmos as coisas de uma maneira mais rica. Acredite em mim, não sei se minhas experiências valeram de algo, mas, se valeram, quero muito que sejam úteis para você também.

7 – Não menospreze os problemas alheios:

Apenas não faça isso. Não menospreze os caminhos que as pessoas escolheram, não desvalorize as falhas dos outros, não desmereça seus momentos de fraqueza. Pelo contrário, tente entender e se esforce para se colocar no lugar da pessoa e ajudá-la da melhor maneira possível.

Dexter, espero mesmo que você tenha sucesso, que seja feliz e fique em paz consigo mesmo. Se eu pudesse te dar um presente seria este: paz de espírito. Ou isso ou uma vela perfumada.

 

link-externoLeia também:  
Trecho do romance Nós
David Nicholls está confirmado na Bienal do Livro Rio

 

Bruno Leite, 26, é estudante de Letras, trabalha há 8 anos no mercado editorial e é colaborador no blog O Espanador.

testePerguntas para Josh Malerman

Foto_Caixa de passaros

Já temos as perguntas selecionadas para a entrevista com Josh Malerman, autor de Caixa de pássaros. Josh responderá a dez perguntas enviadas por nossos leitores. Confira abaixo!

O autor é presença confirmada na 17ª edição da Bienal do Livro Rio, que acontece entre os dias 03 e 13 de setembro, no Riocentro. O evento contará também com a participação de David Nicholls, autor de Um dia e Nós.

1-Leticia Ramos de Mello Oliveira:

Muitos escritores de terror preferem o horror gore, que envolve sangue e criaturas assassinas. Por que você decidiu, logo em seu livro de estreia, investir no terror psicológico, que é mais difícil de ser escrito, mas também é o mais apavorante?

2- Letícia Viana:

Quando você tinha uns oito ou nove anos, já pretendia escrever um livro?

3- Mateus Alves:

Muitas pessoas, ao terminarem de ler o livro, ficaram divididas entre definir o que de fato era a criatura, se era algo sobrenatural ou se eram somente a psique humana e as privações de sentidos. A minha pergunta é: você teve essa dúvida durante a produção do livro?

4- Luiz Daniel:

Qual é a coisa mais difícil em ser um escritor?

5- Vânia Guedes Lopes:

Josh, entre cantar e escrever, o que te satisfaz mais?

6- Paola Carleto Durante:

A escritora de Cinquenta tons de cinza escreveu um livro da perspectiva  de outro personagem. Você já imaginou escrever uma continuação para Caixa de pássaros da perspectiva das tais “criaturas”?

7- Ana Elisa de Paula:

Caixa de pássaros vai ter continuação?

8-Taciana Guedes:

Querido Josh, como muitos, fiz um paralelo imediato com a obra Ensaio sobre a cegueira, de José Saramago. Gostaria de saber quais foram as suas inspirações ao escrever Caixa de pássaros. E qual o significado de medo para você? Por que escrever sobre isso?

9- Martim Gallo:

Quais são seus autores favoritos?

10- Nikolas Starke:

Você está escrevendo outro livro? Ou pretende escrever mais um?