testeJBS: a ousadia e os limites do “por que não”

Bernardo Almeida*

Why Not traz bastidores inéditos da atuação dentro e fora da lei dos irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da JBS, para o estabelecimento da maior processadora de proteína animal do planeta. O título do livro (que em português significa Por que não?) é o mesmo nome do iate de Joesley e resume bem a trajetória da dupla no mundo dos negócios e da política.   

Livro de estreia da jornalista Raquel Landim, repórter especial da Folha de S. Paulo, a obra é resultado de dois anos de intensa investigação. A autora mostra como o frigorífico JBS virou um colosso internacional construído à base de propinas, tino empresarial, e anabolizantes estatais — até o momento em que Joesley e Wesley foram, digamos, flagrados no antidoping das autoridades brasileiras.

A decisão de tornar a JBS a maior doadora eleitoral nas eleições de 2014 — mais de R$ 500 milhões foram distribuídos entre 1.829 candidatos — e de buscar, muitas vezes mediante acordos escusos, fortunas junto aos cofres públicos (BNDES, Caixa Econômica, fundos de pensão) foram dois dos grandes “por que não” dos Batista.

A simbiose da empresa com o Estado brasileiro aparece com riqueza de detalhes em Why Not, servindo como valioso retrato da política de “campeões nacionais” adotada nos governos do PT e do capitalismo de compadrio no Brasil (vale muito ler o que a própria Raquel fala sobre isso na entrevista que acompanha este texto).

A pergunta do título do livro, entretanto, não se aplica exclusivamente a mutretas milionárias. São também numerosos os relatos de jogadas de risco de Joesley e Wesley como empresários, indo desde a abertura de uma mesa de operações financeiras até a diversificação dos negócios, passando por expansões e aquisições dentro e fora do Brasil. Uma história que começa na década de 1950, quando o pai da dupla, José Batista Sobrinho (sim, JBS vem destas iniciais), abriu um simples açougue em Anápolis (GO).

O “por que não” mais ousado, no entanto, foi o acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República (PGR). Nos porões de Brasília, Joesley gravou — e quase derrubou — o presidente Michel Temer. Seu áudio inscreveu a frase “tem que manter isso aí” no dicionário político-popular brasileiro. Em troca dessas e outras aventuras, o grande prêmio em vista era se safar da cadeia.

Mas nem todas as apostas deram certo. Os irmãos Batista tiveram algumas passagens pela prisão, e a manutenção do acordo de delação ainda passará pelo crivo do Supremo Tribunal Federal (STF).

Why Not, o iate, foi parar em águas menos revoltas. Como contou a própria Raquel Landim em reportagem para a Folha ainda naquele maio de 2017, Joesley despachou-o para Miami dois dias antes de seguir para Nova York em seu jato particular. À época, a JBS declarou que a embarcação seria colocada à venda.

 

Raquel Landim (Foto: Paulo Vitale)

Leia a seguir a entrevista com Raquel Landim, autora de Why Not.

 

Em coluna recente publicada na revista Época sobre Why Not, o jornalista Helio Gurovitz trata o grupo J&F como “o símbolo maior” do capitalismo de compadrio no Brasil. Você concorda com essa afirmação?

A J&F é um dos maiores exemplos do capitalismo de compadrio no Brasil, mas infelizmente não é o único. A rede de relações entre a Odebrecht e outras construtoras com o poder público ao longo do tempo também é bastante impressionante. E isso para falar apenas dos casos desvendados pelas investigações da Polícia Federal. Certamente existem outros por aí.

 

Why Not traz detalhes sobre a relação entre políticos, empresários e os cofres públicos. O que o livro revela de mais importante sobre a forma como se faz negócios no Brasil — ou ao menos sobre como se fazia negócios até pouco tempo atrás?   

Um dos fatos mais impressionantes de se aprofundar nesse tipo de apuração é perceber que o governo brasileiro virou um enorme balcão de negócios. De um lado, os empresários, que, dado o peso do Estado em seus negócios, estão sempre em busca de reduções de impostos e crédito barato nos bancos públicos. Do outro, os políticos, responsáveis por aprovar leis e, até recentemente, por indicar diretores para estatais, pedindo propina para caixa 2 de campanha e para benefício próprio.

 

O livro também traz bastidores inéditos da história dos irmãos Batista, principalmente sobre as tratativas deles com o Ministério Público para o acordo de delação premiada. Das histórias que apurou, qual delas mais marcou você durante a investigação para o livro?

A delação premiada dos irmãos Batista e a promessa de perdão judicial por parte da Procuradoria-Geral da República (PGR) geraram muita polêmica. A validade ou não da delação será devidamente analisada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em breve, que é o fórum adequado para isso. Por conta disso, essa parte da história demandou uma apuração minuciosa. Mas o que mais me marcou foram os relatos das ações controladas em que funcionários dos Batista entregavam malas de dinheiro para emissários dos políticos. A naturalidade com que o crime ocorria — uma das pessoas chegou para buscar o dinheiro com a filha pequena — é realmente de assustar.

 

Muito do que está em Why Not é bastante recente, o que torna até compreensível a opção das fontes pelo anonimato. Mesmo assim, você conseguiu fazer mais de 100 entrevistas. Como foi o trabalho para convencer as fontes a darem declarações? Que tipo de dificuldade você enfrentou na apuração?

Trabalhei como repórter à moda antiga porque as pessoas tinham muito receio de falar. Em todas as vezes que tentei usar o gravador, a entrevista fracassava. Por isso, tive que confiar nas anotações, na minha memória e garantir o anonimato para que as pessoas se sentissem à vontade para contar a verdade. Fui muito transparente na abordagem das fontes e consegui que conversassem comigo porque se tratava de um trabalho jornalístico sério e imparcial.

 

Com base na sua apuração para o livro e no que você vê hoje como repórter, já é possível avaliar se a Operação Lava Jato e o caso da JBS mudaram a forma como o Estado brasileiro e empresas privadas se relacionam? Se sim, como?

Sem dúvida, o caso da JBS é um marco. É muito importante que essas histórias de corrupção finalmente estejam vindo à tona graças ao trabalho de procuradores, policiais e jornalistas. Acredito que muitos empresários hoje devem ter medo de oferecer propina a políticos e funcionários públicos por receio de serem presos. Mas a profissão me fez cética: não acredito que é o fim da corrupção, nem que todos os políticos corruptos estão presos.

 

Que futuro você enxerga para as relações entre o Estado e empresas no Brasil? Podemos ver uma nova tentativa de criar “campeões nacionais” nos moldes da JBS?  

Num futuro próximo, não consigo imaginar a política de campeões nacionais sendo retomada. Foi um trauma para o país. Todavia duvido que essa cultura deixe de existir de uma hora para outra. Se não formos vigilantes, outros políticos podem retomar a ideia em alguns anos.

 

*Bernardo Almeida é jornalista.

 

testeOs bastidores da rede de corrupção que quase derrubou um Presidente da República

 

Qual a receita para construir um império? Para os irmãos Batista, da JBS, os ingredientes foram a aptidão nata para os negócios, ousadia para correr riscos, bons relacionamentos com políticos e banqueiros, milhões de reais em propina e financiamentos bilionários do BNDES.

O livro Why Not, fruto de dois anos de pesquisas e mais de uma centena de entrevistas feitas pela jornalista Raquel Landim, chega às livrarias em maio contando os bastidores inéditos da teia de corrupção que ajudou a transformar um açougue em Goiás na maior empresa de carnes do mundo.

Narrando o caso como um thriller político, Landim reconstrói a história da JBS desde sua origem até o acordo de delação premiada de Joesley e Wesley Batista, que comprometeu centenas de políticos, entre eles o ex-presidente da República Michel Temer, ainda no poder à época dos fatos, e quase permitiu que eles saíssem impunes apesar de seus crimes.

O título do livro, Why Not, faz referência ao iate comprado por Joesley Batista no auge do sucesso da empresa. O termo em inglês, que significa Por que não?, parecia indicar os rumos que os irmãos estavam dispostos a percorrer. Por que não subornar políticos? Por que não crescer contando com atalhos e privilégios? Por que não fazer gravações clandestinas de políticos em situações comprometedoras? A trama retratada no livro mostra as consequências da combinação do talento para negócios dos irmãos e das inescrupulosas relações com o poder público.

testeOs Guinle: entre a Lava-Jato e a CPI

Via Diário do centro do mundo

Os Guinle motivariam uma CPI? (Foto via Diário do centro do mundo)

Durante a gravação do Programa do Jô em que fui entrevistado sobre o livro Os Guinle, ele me perguntou: “Os Guinle teriam dado uma Lava-Jato?” Dois dias depois, no debate do qual sempre participo na rádio Tupi, o comunicador Haroldo de Andrade fez a mesma pergunta. E minha resposta foi igual: “Não.” A Operação Lava-Jato visa desmantelar um esquema de corrupção, ou seja, roubo de dinheiro público. Os Guinle nunca estiveram envolvidos com corrupção, mas não há dúvida de que foram beneficiados por favores políticos. Logo, eles poderiam inspirar uma CPI, isso sim. E inspiraram.

Com o fim da Segunda Guerra Mundial, em maio de 1945, o comércio internacional foi restabelecido e as atividades econômicas se reanimaram de imediato. Como os demais portos do mundo, o de Santos, comandado pelos Guinle, ficou sobrecarregado e entrou em colapso. O monopólio da Companhia Docas de Santos, que os Guinle detinham, sempre fora motivo de questionamento, visto que eles haviam ganhado uma concessão de mais de noventa anos.

No pós-guerra, uma onda democrática varreu diversos países, entre eles o Brasil, pondo fim inclusive à ditadura Vargas. Nesse ambiente, seria normal esperar alguma investigação sobre o colapso no maior porto do país. Não deu outra. No Congresso Nacional foi instalada uma CPI que abriu os trabalhos em 23 de novembro de 1946. Os parlamentares visitaram as instalações portuárias e escutaram especialistas. Um deputado gaúcho, Daniel Faraco, chegou a sugerir a suspensão da concessão. Entretanto, no final, o relatório da CPI concluiu que os problemas financeiros e administrativos em Santos eram apenas conjunturais.

Foi graças ao barulho causado pela CPI que a sociedade brasileira ficou sabendo como Guilherme Guinle geria o principal negócio de sua família. Já em 1938, antes da guerra, ele previra que o porto entraria em colapso e começara a pedir ajuda. O governo não se sensibilizou. Guilherme então arregaçou as mangas e desenvolveu sozinho um ambicioso e caro projeto de ampliação das instalações portuárias.

É evidente que quanto maior fosse o porto maiores seriam os ganhos dos Guinle. No entanto, não era apenas essa ideia que movia Guilherme. Ele sempre teve claro que gerenciava um elemento estratégico para a economia brasileira. Exatamente como os empresários de seu tempo, ele olhava muito para o próprio bolso. Mas, diferentemente dos grandes empreiteiros de hoje, ele se preocupava com o país.