testeUm herói é eterno — e nosso amor por ele, também

Por Liciane Corrêa*
 

Quando o convite para revisar Como treinar o seu dragão chegou, em 2009, eu não sabia que Soluço e Banguela iriam roubar meu coração. Mas, após fechar o pacote para devolver o livro à editora, eu já imaginava que crianças e adultos no mundo inteiro (a série foi traduzida em 37 idiomas) se renderiam aos encantos do herói mais improvável de todos os tempos e seu fiel dragãozinho.

Sou suspeita para falar, porque acho todo livro infantil fofo. A estante aqui de casa é repleta deles. Mas Como treinar o seu dragão vai além da fofura: nas 12 histórias contadas por Soluço, mais uma do ponto de vista de Banguela, temos narrativas inteligentes e inspiradoras, que aguçam e encantam a mente infantil.

O primeiro livro já começa com muita aventura: um menino que se vê em uma situação complicada e, aos tropeços, luta para fazer o que é certo. E a cada livro é uma aventura diferente: surgem novos personagens (alguns amigos, outros inimigos), eles viajam para lugares desconhecidos e cada vez mais longínquos; os perigos e as responsabilidades aumentam à medida que as páginas avançam.

Em algum momento da série, notamos que as tramas estão alinhavadas e que tudo converge para um mesmo propósito. Também percebemos que nosso protagonista cresceu. Soluço — assim como seus leitores — deixou de ser apenas um garotinho para se tornar herói.

Sem esquecermos que as histórias são feitas para crianças, podemos ver que o universo criado por Cressida Cowell é digno de comparação às grandes sagas de fantasia criadas por Tolkien e George Martin. São centenas (sim, centenas!) de personagens, entre humanos e dragões, raças, tribos e lugares, além de um idioma próprio, o dragonês. Toda uma criatividade sem fim na criação dos nomes, que as tradutoras e a equipe da editora tiveram a honra e a dedicação de adaptar com primor: Bafoca de Maluquício, Malvado Melequento, Bastante Bolado, Fabuloso Figurão, Mosca da Tempestade, Pesadelo Monstruoso, Ilha Congelada de Lugar Nenhum, entre tantos outros.

 

Mais do que diversão

E a criatividade de Cressida não para por aí. As ilustrações do livro são superdivertidas, o senso de humor é ímpar, os cenários são descritos vividamente e as cenas de ação, bem-descritas. Meninos e meninas fãs da série, que passaram quase uma década crescendo junto com a saga, tiveram a oportunidade de se divertir enquanto aprendiam lições importantes de aceitação, amizade e espírito de equipe:

– Soluço não se deixa abater pelo fato de ser um menino magrela, diferente do pai e de todo o restante da tribo, a ponto de ser motivo de piada. Pelo contrário: ele usa sua astúcia e inteligência para, pouco a pouco, se tornar um herói viking.

– Pelo bem de seus amigos e por seus ideais, Soluço “cutuca dragões do mal com vara curta”. Quem mais arriscaria a vida para conseguir uma batata, o único antídoto para o veneno que poderia matar o amigo Perna-de-peixe?

– A primeira batalha que nossos personagens enfrentam, no Promontório da Morte, se tornou uma lenda viking. Soluço pode ter sido o grande mentor de tudo, mas Banguela e Stoico tiveram papel crucial na salvação dos Hooligans Cabeludos.

Sim, Soluço não alça seus voos sozinho. Os outros personagens da série têm personalidades bastante diversas. Por isso, é impossível não se identificar com pelo menos um deles: o tímido Perna-de-peixe, a aventureira Camicazi, o cabeça-dura Stoico, o desobediente Banguela, o temperamental Bocão, a mal-humorada Dragoa da Tempestade.

 

Aventuras além do papel

 

Em relação às adaptações cinematográficas da série, produzidas pela DreamWorks, alguns personagens dos livros são completamente diferentes ou não existem. Nosso Banguela, por exemplo, deixa de ser um dragãozinho minúsculo, empoleirado no ombro de seu mestre, para dar vida a um imponente Fúria da Noite, uma das raças mais raras e perigosas.

A gente sempre ouve essa comparação de “o livro é melhor que o filme”, “o filme tem mais ação que o livro” etc. Se alguém me perguntar, vou dizer que adoro os dois. Porque, apesar das diferenças, livros e filmes têm em comum o fato de que olhamos para os vikings e os dragões (bonzinhos) como se fossem nossos amigos: rimos com eles, rimos deles, choramos com eles.

A série de livros foi tão bem-sucedida que inspirou também uma série de animação há quatro anos no ar, quatro curtas-metragens, videogames para várias plataformas, HQs, graphic novels, uma peça que já viajou por cinco países, espetáculo no gelo, action figures da Funko POP! e até brindes do McDonald’s. Uma jornada e tanto! É para nosso herói nunca ser esquecido, mesmo.

 

Liciane Corrêa é tão apaixonada pela série que deixou de comer pizza em Roma para comprar um McLanche Feliz e ter seu próprio Pesadelo Monstruoso. Ela também tem action figure do Soluço, o DVD do primeiro filme (presente do então melhor amigo, que hoje é seu marido) e um gatinho preto muito parecido com o Banguela das telonas.

teste17 livros para um verão incrível

Confira nossa seleção de livros para um verão literário:

1. Aconteceu naquele verão,organizado por Stephanie Perkins — O livro reúne doze contos apaixonantes e surpreendentes de doze escritores amados pelos jovens, como Cassandra Clare e Veronica Roth. Com as mais diversas referências que agradam desde o leitor mais romântico aos fãs do seriado Black Mirror, o livro é ideal para quem adora histórias de amor de todos os tipos. [Leia+]

2. A química, de Stephenie Meyer — Uma ex-agente especial fugindo dos antigos empregadores precisa aceitar um novo trabalho para limpar seu nome e salvar a própria vida. A química, o primeiro lançamento inteiramente inédito de Stephenie Meyer em seis anos, é um thriller diferente de tudo o que ela já publicou. [Leia +][Leia um trecho]

3. Cinquenta tons mais escuros, de E L James — Com capa inspirada no filme, a edição especial do segundo livro da trilogia tem conteúdo extra: fotos e comentários da autora sobre os bastidores da aguardada sequência cinematográfica e ainda um trecho antecipado de Cinquenta tons mais escuros pelos olhos de Christian, próximo romance de E L James. [Leia +]

4. O martelo de Thorde Rick Riordan — No segundo livro da série Magnus Chase e os deuses de Asgard, o filho do deus Frey descobrirá que casamentos arranjados ainda não saíram de moda: para recuperar o martelo de Thor, que está nas mãos dos inimigos, Loki, o deus da trapaça, propõe uma aliança entre semideuses e gigantes. [Leia +] [Leia um trecho]

 5. Não se enrola, não, de Isabela Freitas — “Enrolar-se: pensar de um jeito e fazer exatamente o contrário.” Após Não se apega, não e a sequência, Não se iluda, não, Isabela Freitas mostra em seu terceiro livro os primeiros passos de seus personagens na vida adulta, com toda a independência e as responsabilidades que ela proporciona. [Leia +][Leia um trecho]

 6. O som do amor, de Jojo Moyes — um romance sobre obsessão, manipulação, segredos e paixões, O som do amor é um dos primeiros livros da autora do best-seller Como eu era antes de você. Por meio de personagens carismáticos e capazes de tudo para realizar seus objetivos, Moyes mantém seu estilo inconfundível em uma brilhante história sobre recomeços. [Leia +][Leia um trecho]

7. Gentil como a gente, de Fernanda Gentil — Com leveza e humor, Fernanda Gentil conta uma história de amores vivida por uma família singular e ao mesmo tempo igual à de todo mundo. Mocinha (ou Fernanda?) briga e, com a frequência de eclipses lunares, pede desculpas. Quando quer, sabe ser fofa. E mostra-se craque em entender as diferenças entre o feminino e o masculino, mata no peito, sai de impedimento, bota para escanteio e bate um bolão. Porque o que Fernanda mais quer é fazer e ser feliz. Sem firulas. Gentil. Como a gente. [Leia +]

8. Garoto21, de Matthew Quick  Finley utiliza o basquete para aliviar suas preocupações, enquanto Russ não quer mais se aproximar de uma bola. Depois de sofrer um grande trauma, ele fica em estado de negação e passa a se considerar um alienígena de passagem pela Terra. Com a missão de ajudar Russ a se recuperar, Finley tenta convencer o garoto a voltar a jogar, mesmo que isso signifique perder o próprio lugar na equipe. Uma emocionante história sobre esperança, amizade e redenção, com a prosa sensível e inteligente de Matthew Quick. [Leia +]

9. A filha perdida, de Elena Ferrante — Lançado originalmente em 2006 e ainda inédito no Brasil, o romance da autora que se consagrou por sua série napolitana acompanha os sentimentos conflitantes de Leda, uma professora universitária de meia-idade que, aliviada depois de as filhas já crescidas se mudarem para o Canadá com o pai, decide passar férias no litoral sul da Itália. [Leia +] [Leia um trecho]

10. Fãs do impossível, de Kate Scelsa — Mira, Sebby e Jeremy são três amigos em meio aos complexos conflitos da adolescência. Mesmo sentindo-se despedaçados, sem motivos para serem amados e tentando não sucumbir à solidão, eles lutam pela vida, cada um à sua maneira. Mira está começando em uma escola nova, depois de passar um tempo no hospital. Sebby é um garoto brincalhão que leva a vida com boas doses de mentira e bom humor, até que seu lado mais destrutivo vem à tona. Jeremy está retornando à antiga escola, depois de um tempo afastado por causa de um incidente traumático que arruinou seu ano letivo.

 11. História da sua vida e outros contos, de Ted Chiang — Ícone da ficção científica contemporânea é publicado pela primeira vez no Brasil em coletânea que inclui o conto que inspirou o filme A Chegada. Com apenas quinze trabalhos publicados, entre contos e novelas curtas, a pequena produção de Chiang contrasta com a expressiva quantidade de premiações: os oito textos reunidos em História da sua vida e outros contos ganharam no total nove importantes prêmios, dentre eles Nebula, Hugo, Locus, Sturgeon, Sidewise e Seiun. [Leia +][Leia um trecho]

12. Pax, de Sara Pennypacker — Peter e sua raposa, Pax, são inseparáveis desde que ele a resgatou, órfã, ainda filhote. Um dia, o inimaginável acontece: o pai do menino vai servir na guerra e o obriga a devolver Pax à natureza. Ao chegar à distante casa do avô, onde vai morar por um tempo, Peter reconhece que não está onde deveria: seu verdadeiro lugar é ao lado de Pax. Movido por amor, lealdade e culpa, ele parte em uma jornada solitária de quase quinhentos quilômetros para reencontrar sua raposa, apesar da guerra que se aproxima. Enquanto isso, mesmo sem desistir de esperar por seu menino, Pax embarca em suas próprias aventuras e descobertas. [Leia +]

13. Alucinadamente feliz: Um livro engraçado sobre coisas horríveis, de Jenny Lawson  Longe de ser uma pessoa comum, Jenny Lawson se considera uma colecionadora de transtornos mentais. Por essa perspectiva, sua vida pode parecer um fardo insustentável. Mas não é. Após receber a notícia da morte prematura de mais um amigo, Jenny decide não se deixar levar pela depressão e resolve que criará para si o maior número possível de experiências hilárias e ridículas a fim de encontrar o caminho de volta à sanidade. [Leia +]

14. A agenda antiplanos, de Keri Smith — Com espaços sem data e distribuídos aleatoriamente para você fazer um resumo do mês que desejar, o novo projeto da autora de Destrua este diário funciona como um diário criativo, que vai ajudar o leitor a estruturar os pensamentos de uma forma nada limitada nem previsível. [Leia +]

15. O livro dos Baltimore, de Joël Dicker — O novo romance do autor de A verdade sobre o caso Harry Quebert revisita seu personagem mais emblemático: Marcus Goldman. Marcus teve uma juventude inesquecível em Baltimore, cidade em que passou seus melhores momentos ao lado da família até que um acontecimento mudou a vida de todos. Oito anos depois desse fatídico dia, Marcus ainda tenta montar o quebra-cabeça e desvendar o passado. [Leia +]

16. Como combater a fúria de um dragão, de Cressida Cowell — O emocionante desfecho da série Como treinar o seu dragão coloca frente a frente humanos e dragões. Quem vai vencer a Batalha Final? Repleto de ilustrações, ação, humor e mensagens inspiradoras, o combate agora caminha para o seu fim. [Leia +]

17. Destinos e Fúrias, de Lauren Groff — Aos 22 anos, Lotto e Mathilde são jovens, perdidamente apaixonados e destinados ao sucesso. Eles se conhecem nos últimos meses da faculdade e antes da formatura já estão casados. Seguem-se anos difíceis, mas românticos. Uma década depois, o caminho tornou-se mais sólido. Ele é um dramaturgo famoso e ela se dedica integralmente ao sucesso do marido. A vida dos dois é invejada como a verdadeira definição de parceria bem-sucedida. Porém, nem tudo é o que parece, e em um casamento essa máxima se faz ainda mais verdadeira. Se em “Destinos” somos seduzidos pela imagem do casal perfeito, em “Fúrias” a tempestuosa raiva de Mathilde se revela fervendo sob a superfície. Em uma reviravolta complexa e emocional, o que começou como uma ode a uma união extraordinária se torna muito mais. [Leia +]

 

testeLançamentos de janeiro

Confira as sinopses e trechos dos livros que publicaremos neste mês:

Cinquenta tons mais escuros, de E L James — Com capa inspirada no filme, a edição especial do segundo livro da trilogia tem conteúdo extra: fotos e comentários da autora sobre os bastidores da aguardada sequência cinematográfica e ainda um trecho antecipado de Cinquenta tons mais escuros pelos olhos de Christian, próximo romance de E L James. [Leia +]

O livro dos Baltimore, de Joël Dicker — O novo romance do autor de A verdade sobre o caso Harry Quebert revisita seu personagem mais emblemático: Marcus Goldman. Marcus teve uma juventude inesquecível em Baltimore, cidade em que passou seus melhores momentos ao lado da família até que um acontecimento mudou a vida de todos. Oito anos depois desse fatídico dia, Marcus ainda tenta montar o quebra-cabeça e desvendar o passado. [Leia +]

Regras simples: como viver tranquilo e organizado em um mundo cada vez mais complexo, de Donald Sull e Kathleen M. Eisenhardt — Depois de mais de uma década de estudos, os autores desenvolveram seis tipos de regras que vão ajudar os leitores a descomplicar a vida e atingir seus objetivos. [Leia +]

 

Aconteceu naquele verão, organizado por Stephanie Perkins — O livro reúne doze contos apaixonantes e surpreendentes de doze escritores amados pelos jovens, como Cassandra Clare e Veronica Roth. Com as mais diversas referências que agradam desde o leitor mais romântico aos fãs do seriado Black Mirror, o livro é ideal para quem adora histórias de amor de todos os tipos. [Leia+]

Como combater a fúria de um dragão, de Cressida Cowell — O emocionante desfecho da série Como treinar o seu dragão coloca frente a frente humanos e dragões. Quem vai vencer a Batalha Final? Repleto de ilustrações, ação, humor e mensagens inspiradoras, o combate agora caminha para o seu fim. [Leia +]

Antes que eu vá, de Lauren OliverSexta-feira, 12 de fevereiro, é o último dia de vida de Samantha Kingston, uma garota que até então tinha tudo: o namorado mais cobiçado do colégio, três amigas fantásticas e uma vida privilegiada. Mas ela recebe uma segunda chance. Sete “segundas chances”, na verdade. E, ao reviver o mesmo dia várias vezes seguidas, Samantha descobre, enfim, o verdadeiro valor de tudo o que está prestes a perder. O livro foi adaptado para os cinemas e estreia em março. [Leia +]

A batalha por WondLa, de Tony DiTerlizzi — O último livro da aguardada trilogia acompanha uma Eva Nove mais madura e corajosa, disposta a enfrentar seus maiores medos para garantir a segurança daqueles que ama. O livro será impresso em duas cores e com ilustrações assinadas pelo próprio autor. [Leia +]

Meu menino vadio: histórias de um garoto autista e seu pai estranho, de Luiz Fernando Vianna — O jornalista faz um panorama amplo e sincero sobre a experiência, os momentos de ternura e desespero na relação entre ele e seu filho com autismo. [Leia +]

Buracos Negros, de Stephen Hawking: O livro reúne o conteúdo de duas palestras emblemáticas do lendário físico sobre as complexidades que cercam um dos mais fascinantes mistérios do universo.  [Leia +]

A longa caminhada de Billy Lynn, de Ben Fountain: O romance traça um retrato ácido e debochado da sociedade e do circo da mídia. Durante a guerra do Iraque, uma equipe de TV registra uma violenta batalha de soldados americanos contra insurgentes iraquianos. O vídeo se espalha pelo Youtube e faz muito sucesso nos Estados Unidos. A grande repercussão faz com que os militares sejam convidados a cruzar o país com o objetivo de buscar apoio às tropas.  Eles se tornam celebridades e tentam aproveitar o momento antes de retornar à guerra. [Leia +]