testeNovo livro de As provações de Apolo chega ao Brasil em 10 de maio!

Apolo, o deus mais glorioso e belo que já existiu, causou a ira de Zeus e foi expulso do Olimpo. Agora, ele é um mortal desengonçado e cheio de espinhas, e terá que passar por uma série de provações para recuperar seus poderes divinos e, mais importante, sua beleza estonteante.

Com a ajuda de alguns amigos semideuses, como Percy Jackson e Leo Valdez, Apolo conseguiu sobreviver às duas primeiras provações de sua temporada terrena, uma no Acampamento Meio-Sangue, e outra em Indianápolis. No novo livro da série As provações de Apolo, o ex-deus e sua amiga Meg McCaffrey, uma semideusa muito abusada e muito poderosa, contarão com a ajuda de um sátiro para salvar o próximo oráculo da lista, fã de enigmas e palavras cruzadas. E eles sabem exatamente quem chamar…

O labirinto de fogo, novo livro de Rick Riordan, chega às livrarias em 10 de maio.

Confira a capa:

Mas, se você não aguenta mais esperar o retorno do maravilhoso deus do Sol (e de muitas outras coisas), pode matar a saudade lendo o livro complementar da série, Segredos do Acampamento Meio-Sangue, nas livrarias a partir de 26 de março. Saiba mais aqui.

testeTudo que você queria saber sobre Rick Riordan e Percy Jackson!

Referência em literatura infantojuvenil nos EUA, Rick Riordan alcançou prestígio internacional com a série Percy Jackson e os olimpianos, premiada pela YALSA e pela American Library Association. Confira algumas curiosidades sobre o autor e seu principal personagem em nossa série de vídeos em nosso canal no Youtube!

Conheça mais de A profecia das sombras, novo livro da série As provações de Apolo clicando aqui!

testeHotel Valhala: Guia dos mundos nórdicos

 

Estimado hóspede,

Venho, em nome de toda a equipe do Hotel Valhala, lhe desejar as boas-vindas. Sabemos que somos apenas uma das muitas opções para sua pós-vida, por isso agradecemos pelo sacrifício altruísta que o fez se juntar aos guerreiros de Odin em vez de optar por outras acomodações.

— Helgi

Gerente do Hotel Valhala desde 749 EC

Com mais de duas dezenas de livros publicados pela Intrínseca, obviamente não deixaríamos o aniversário de Rick Riordan passar em branco. E, para comemorar o aniversário do autor de Percy Jackson e diversos outros personagens memoráveis, temos novidades para anunciar: lançaremos  Hotel Valhala: Guia dos mundos nórdicos em julho, antes do lançamento de O navio dos mortos, desfecho da série Magnus Chase e os deuses de Asgard.

Com dados importantes, entrevistas exclusivas e muitas reflexões, o guia foi pensado para ajudar o guerreiro viking recém-chegado a começar o treinamento para o Ragnarök com o pé direito, evitando qualquer constrangimento desnecessário na pós-vida viking. Você nunca mais vai cometer o erro de achar que Ratatosk é um esquilo fofo nem confundir um anão com um elfo! Esperamos que Hotel Valhala: Guia dos mundos nórdicos ofereça todo o conhecimento de que você precisa para sobreviver durante sua hospedagem eterna em nosso honorável hotel.

O livro chega às livrarias em 15 de julho!

 

testeTudo que você queria saber sobre As provações de Apolo

Apolo é o melhor deus: do sol, da música, da paquera, da arqueria, da poesia e da profecia. Só que depois de irritar Zeus, a vida de Apolinho virou de cabeça para baixo. Após ser transformado em um adolescente de 16 anos, gordinho e cheio de espinhas, o (ex) deus precisa passar por provações para recuperar seus poderes. Assista ao nosso vídeo da nova série em que exploramos o novo livro de Rick Riordan!


Conheça mais de A profecia das sombras, novo livro da série As provações de Apolo clicando aqui!

teste“A profecia das sombras”, novo livro de Rick Riordan, está em pré-venda!

Em O oráculo oculto, os fãs de Rick Riordan finalmente reencontraram seus personagens favoritos de Os heróis do Olimpo. Ao acompanhar o deus Apolo, que foi punido por Zeus e transformado em mortal, os leitores tiveram a chance de rever Percy e companhia e voltar ao Acampamento Meio-Sangue.

Em maio deste ano, os semideuses brasileiros vão acompanhar mais um capítulo da jornada do deus-sol, com o lançamento do segundo livro da série As provações de Apolo, A profecia das sombras. confira a capa abaixo, e garanta seu livro na pré-venda clicando aqui!

teste6 motivos para ler a série Magnus Chase e os deuses de Asgard

1img_8000

Em sua segunda aventura, O martelo de Thor, Magnus Chase precisa correr contra o tempo para recuperar a lendária arma e impedir que o mundo dos mortais seja destruído por uma horda de gigantes.

Para celebrar o retorno do filho de Frey favorito, perguntamos nas nossas redes sociais o que faz de Magnus Chase e os deuses de Asgard uma série inesquecível de Rick Riordan. Confira as respostas:

@thon_wayne  O sarcasmo ácido do Magnus. Além de muito divertido também é contagiante e torna a leitura gostosa demais.

@BrunaVans A personalidade do Magnus. Ele aparenta ser um garoto mesquinho e antissocial, mas prova ser gentil e ter um grande coração.

giphy

@trisltz  As referências a Doctor Who, Kurt Cobain e a outros personagens do autor.

‏@Ljkina  Pela riqueza de características de cada personagem, não só do protagonista, mas também do antagonista, vilão estilo Doctor Who.

giphy-dw

@piercetlorien Personagens maravilhosos como Samirah Al-Abbas e Alex Fierro.

@carolinadnas Jacques, o melhor nome para uma espada que se mexe sozinha, fala e canta Taylor Swift! 😉

giphy

testeEdição especial: a maior treta do Olimpo dos últimos tempos

Por Rachel Rimas *ImagensBlogApolo-06

Por essa o Olimpo não esperava: acabamos de ser informados de que Apolo, também conhecido como deus-sol, deus da cura, da arquearia, das vacas e de quase tudo que existe, acabou de ser despejado do Olimpo pelo próprio pai, Zeus. Sim, você leu certo! DESPEJADO. Fontes afirmam que o imbróglio foi resultado da guerra com Gaia (ver nossa edição especial “Gaia gaiata” e nossa entrevista exclusiva com Octavian), que deixou Zeus chateadíssimo com o deus-sol. E o que ele fez? Expulsou Apolinho do Olimpo, cortou o 4G divino dele e, PIOR: anulou seus poderes. NÃO! O PIOR VEM AGORA: Zeus, em toda a sua fúria, transformou o majestoso e sublime deus em MORTAL. Pelas barbas de Poseidon! Sabe toda aquela beleza, graciosidade e esbelteza? Esqueça! Apolo agora é um adolescente de dezesseis anos, com espinhas horrendas e uma pancinha de fazer inveja a Dioniso. Parece que o jogo virou, não é mesmo?

Nesta edição especial e urgentíssima, você ficará por dentro da maior treta do Olimpo dos últimos tempos, com direito a uma entrevista exclusiva com Zeus, Meg McCafrey (ninguém a conhece, mas ela é importante, acreditem) e com o próprio — o agora ex-deus — Apolo.

ImagensBlogApolo-02

O deus dos deuses aceitou nos receber em seu duplex no Monte Olimpo para uma entrevista rápida, já que ele e Hera haviam marcado uma sessão de drenagem linfática com a melhor massagista da SPArta Coiffeur.

P: Zeus, me conta: você…

Zeus: O SENHOR.

P: O senhor considera que talvez, por acaso, sua decisão tenha sido um pouco… precipitada?

Z: PRECIPITADA? COMO É QUE É?

P: É que expulsar um deus do Olimpo foi bem… ousado.

Z: BOM, EU SOU O DEUS DOS DEUSES, ACHO QUE MEU CURRÍCULO ME PERMITE SER… COMO FOI QUE VOCÊ FALOU?

P: Ousado?

Z: ISSO. OUSADO. ENFIM. MINHA JOVEM, SE VOCÊ TIVESSE UM FILHO COMO APOLO, ENTENDERIA PERFEITAMENTE MINHA DECISÃO. SABE POR QUÊ? PORQUE ESSES DEUSES DA GERAÇÃO Y SÓ QUEREM SABER DE MOLEZA. NÃO ASSUMEM A RESPONSABILIDADE POR NADA, NEM POR SEUS DESCENDENTES, ORA VEJA. ACHAM QUE SÃO UM FLOQUINHO DE ICOR ESPECIAL. SÓ QUEREM FICAR POR AÍ TOCANDO HARPA, COMENDO AMBROSIA, TRAÇANDO DESTINOS CRUÉIS PARA MORTAIS DESAVISADOS, ESTOURANDO O PLANO DE DADOS COM FACEBOOK, INSTAGRAM…

P: Snapchat…

Z: SNAP… NÃO, SNAPCHAT NÃO. SNAPCHAT É TUDO. AMO/SOU. INCLUSIVE, O MEU É: ZEUS.TDPODEROSO.

P: É, faz sentido. Mas o senhor não acha que Apolo merece uma segunda chance?

Z: MINHA JOVEM, SABE QUEM TEVE UMA SEGUNDA CHANCE? MEUS IRMÃOS, QUE FORAM DEVORADOS POR MEU PAI, CRONOS, NO ALMOÇO. DEVORADOS. MAS EUZINHO AQUI FUI LÁ E ACABEI COM AQUELA PALHAÇADA E SALVEI MEUS MANOS. ENFIM, APOLO ESTÁ SÓ PLANTANDO O QUE COLHEU. E OLHA QUE FUI BONZINHO. PODERIA TER DADO UM CASTIGO BEM PIOR.

P: E há uma previsão de quando Apolo poderá retornar ao Olimpo?

Z: BOM, O FUTURO A ZEUS PERTENCE.  OU SEJA, A MIM. E AGORA TENHO OUTRAS PRIORIDADES.

[Voz ao fundo: Senhor Zeus, a massagista chegou.]

Z: ENTÃO É ISSO. VOU-ME. PODE IR EMBORA AGORA, MOCINHA.

ImagensBlogApolo-04

Exatamente, caros leitores. Também nos perguntamos quem era essa tal de Meg McCaffrey na fila do néctar, mas parece que ela veio para ficar. Sabemos apenas que é uma semideusa, filha de Deméter, com ligações escusas com o pessoal de Roma. Mas por que ela está aqui? Porque agora Apolo serve a essa menina de doze anos, depois de eventos complicados envolvendo caçambas, frutas podres e trombadinhas. Por Skype, conversamos com a menina.

P: Oi, Meg. Pode nos contar um pouco mais sobre como Apolo virou seu servo? O que aconteceu?

Meg: Não aconteceu nada, pô. Que mania de ficar perguntando tudo! Só estávamos no mesmo lugar, na mesma hora. Ele caiu no lixo, estava fora de si, desnorteado, eu vi uma oportunidade ali e pronto.

P: E como está sendo a convivência?

M: Bom, fora as choradeiras dele (sério. TODO. SANTO. DIA. Hoje foi por causa do wi-fi, que não funcionava de jeito nenhum, e ele queria porque queria jogar Pokémon Go), o ego maior do que o do Kanye West e um desmaio aqui e ali, está indo tudo bem.

[Voz esganiçada ao fundo: Meeeeg, você acha que essa blusa realça meus olhos?]

P: Epa, esse foi o Apolo? Quer dizer, o Lester?  Pode chamá-lo?

M: AFF. Chega. Vou desligar. Tchau.

Nota do editor: depois de alguns xingamentos da entrevistada e de prometermos um ano de McDonald’s de graça para ela, a menina concordou em convencer Apolo/Lester a nos dar uma entrevista exclusiva.

______________________________________________________________________

ImagensBlogApolo-03

Em sua primeira entrevista como mortal adolescente, Apolo nos conta como tem sido sua temporada na Terra e o que está disposto a fazer para voltar ao Olimpo.

P: Apolo, como está sendo a vida humana, a tão falada mortalidade?

Apolo: Um embuste! Um verdadeiro horror!

P: Mas não tem nenhuma vantagem?

A: Querida, eu era um deus. UM DEUS. Eu só tinha que me preocupar em dirigir minha Carruagem do Sol, me bronzear, tocar meu ukulele, escrever meus haicais, amaldiçoar mortais, me apaixonar por mortais, essas coisas. Agora é espinha, é pança, é dilema existencial, ponta dupla… NÃO DÁ PARA VIVER SENDO TROUXA ASSIM.

P: Mas você até fez amigos!

A: Mas é claro que eu fiz amigos. Continuo com minha personalidade cativante e envolvente. Claro, uma bad aqui e ali, mas ainda sou Apolo, ainda que sem poderes e sem a beleza estonteante.

[Apolo começa a chorar.]

A: É muita coisa, sabe? (Chorando.) É oráculo que não funciona, é semideus perdido, é gente estranha atrás de mim… Eu só queria comer minha uvinha sem caroço e ver Gilmore Girls! (Agora aos prantos.)

[Cinco minutos depois.]

A: Ok, estou melhor agora.  Enfim, minha querida, não está sendo fácil. Mas resolvi tirar algo bom disso tudo. Já estou trabalhando em meu livro, uma história de superação em cinco volumes com caderno de fotos e uma seção de haicais motivacionais. Pensei em algo como As provações de Apolo, mas ainda estou vendo isso.

[Meg sussurra algo no ouvido dele.]

A: Bem, fui informado de que um tal de Rick Riordan está escrevendo uma série de livros com esse título e que o segundo volume será lançado em maio de 2017. Como ele ousa? AFF. Vou mandar meus advogados entrarem em contato com esse senhor. Bom, querida, eu tenho mais o que fazer, tipo, SALVAR O MUNDO DE FORÇAS MALIGNAS. Então você me dá licença, ok? Beijos de luz divina.

______________________________________________________________________

E essa foi nossa edição especial sobre os deuses e suas tretas. Quer mais? Percy Jackson e os deuses gregos, o GRANDE LIVRO DAS TRETAS, já está disponível nas melhores livrarias do Olimpo.

 

* Rachel Rimas é editora assistente do setor de ficção jovem da Intrínseca e é uma voyeur nata de tretas, ainda mais se envolverem deuses do Olimpo, rivalidades homéricas e algum chororô.

 

testeMúsicas para Apolo

Foto apolo 3

Como você monta uma trilha sonora para o deus da música? Com músicas incríveis, é claro!

Ao longo de O oráculo oculto, primeiro livro da série As provações de Apolo, Rick Riordan nos apresenta algumas das músicas favoritas do (ex) deus Apolo. Entre clássicos do rock, como Beatles e Led Zeppelin, passando por bandas mais recentes como Alabama Shakes, a divindade musical gosta um pouco de tudo, e sua playlist reflete isso muito bem.

No entanto, fomos além e, para completar a trilha, pedimos ajuda aos semideuses. Com as respostas nas redes sociais, montamos uma lista que fizesse jus ao deus Apolo e à sua jornada pelo mundo dos mortais como o adolescente Lester Papadopoulos.

Ouça a playlist abaixo, ou no Spotify.

testeLeia um trecho de O oráculo oculto

CAPA_OraculoOculto_WEB

Sabemos que os semideuses estão ansiosos para o lançamento da nova série de Rick Riordan, As provações de Apolo, marcado para 3 de maio. Para acalmar os ânimos, confira um trecho inédito do primeiro livro, O oráculo oculto.

A história, como o nome já indica, acompanhará o deus Apolo, que foi punido por seu pai, Zeus, e transformado em um adolescente mortal, com direito a espinhas e gordura abdominal. Agora, ele tentará descobrir uma forma de reverter a punição, cair novamente nas graças de seu pai e obter seus poderes de volta. Nessa longa jornada, ele contará com a ajuda de ninguém menos que Percy Jackson, mostrando o que aconteceu com o semideus depois dos acontecimentos da série Os heróis do Olimpo.

 

“Viramos na Rua 82, a leste.

Quando chegamos à Segunda Avenida, o lugar começou a me parecer familiar, com fileiras de prédios, lojas de material de construção, lojas de conveniência e restaurantes indianos. Eu sabia que Percy Jackson morava em algum lugar por ali, mas minhas viagens pelo céu na carruagem do Sol me deram um senso de localização pareado com o Google Earth. Eu não estava acostumado a me deslocar no nível da rua.

Além do mais, nessa forma mortal, minha memória perfeita tinha se tornado… imperfeita. Medos e necessidades mortais enevoavam meus pensamentos. Sentia fome. Queria ir ao banheiro. Meu corpo estava doendo. Minhas roupas estavam fedendo. Parecia que meu cérebro estava cheio de pedaços de algodão molhados. Sinceramente, como vocês, humanos, aguentam?

Depois de mais alguns quarteirões, uma mistura de granizo e chuva começou a cair. Meg tentou pegar as gotas na língua, o que achei uma forma muito ineficiente de beber alguma coisa, e logo água suja. Comecei a tremer por causa do frio e tentei me concentrar em pensamentos felizes: as Bahamas, as Nove Musas em perfeita harmonia, as muitas punições horríveis que eu daria a Cade e Mikey quando me tornasse deus de novo.

Eu ainda estava interessado em descobrir quem era o chefe deles e como ele soube em que lugar eu cairia na Terra. Nenhum mortal teria como saber isso. Na verdade, quanto mais eu pensava, mais improvável se tornava a ideia de que um deus (fora eu mesmo) pudesse ter previsto o futuro de forma tão certeira. Afinal, eu era o deus da profecia, o mestre do Oráculo de Delfos, distribuidor de amostras de alta qualidade do destino dos outros há milênios.

É claro que não me faltavam inimigos. Uma das consequências naturais de ser tão incrível é que eu atraía inveja por onde passava. Mas eu só conseguia pensar em um adversário capaz de prever o futuro. E se ele viesse atrás de mim em meu atual estado…

Afastei esse pensamento. Já tinha muito com que me preocupar. Não fazia sentido ficar aterrorizado por causa de situações hipotéticas.

Começamos a procurar nas ruas menores, verificando os nomes nas caixas de correspondência e nos painéis dos interfones. O Upper East Side tinha uma quantidade surpreendente de Jacksons. Achei isso irritante.

Depois de várias tentativas fracassadas, dobramos uma esquina, e ali, parado debaixo de um resedá, havia um velho Prius azul. O capô tinha o amassado inconfundível dos cascos de um pégaso. (Como eu tinha tanta certeza? Sou ótimo em identificar marcas de cascos. Além do mais, cavalos normais não sobem em carros. Pégasos, sim. O tempo todo.)

— Ahá — falei para Meg. — Estamos quase chegando.

Meio quarteirão depois, reconheci o prédio: um edifício de tijolos aparentes com cinco andares e aparelhos de ar-condicionado enferrujados pendurados nas janelas.

Voilà! — gritei.

Meg parou de repente, como se houvesse uma barreira invisível que a impedisse de avançar. Ela olhava desconcertada para a Segunda Avenida.

— O que aconteceu? — perguntei.

— Achei que tivesse visto de novo.

— O quê? — Segui o olhar dela, mas não vi nada de estranho. — Os delinquentes do beco?

— Não. Duas… — Ela balançou os dedos. — Bolhas brilhantes. Eu as vi na Avenida Park.

Meu coração disparou.

— Bolhas brilhantes? Por que você não disse nada?

Ela bateu nas hastes dos óculos.

— Eu já falei que vi muitas coisas esquisitas. Geralmente não ligo, mas…

— Mas, se eles estiverem nos seguindo, não vai ser nada bom — retruquei.

Olhei para a rua de novo. Nada de diferente, mas eu não estranharia se Meg realmente tivesse visto bolhas brilhantes. Muitos espíritos aparecem dessa forma. Meu próprio pai, Zeus, já se transformou em uma bolha brilhante para atrair uma mulher mortal. (Por que a mulher mortal achou isso atraente, eu não faço ideia.)

— A gente devia entrar — falei. — Percy Jackson vai nos ajudar.

Meg continuou hesitante. Ela não demonstrou medo quando enfrentou ladrões com lixo em um beco sem saída, mas agora parecia estar em dúvida se devia tocar a campainha. Então me dei conta de que talvez ela já tivesse encontrado semideuses, e que esses encontros podiam não ter saído como o esperado.

— Meg, sei que alguns semideuses não são bons — falei. — Eu poderia contar histórias de todos que precisei matar ou transformar em ervas…

— Ervas?

— Mas Percy Jackson sempre foi de confiança. Não precisa ter medo. Além do mais, ele gosta de mim. Eu ensinei tudo que ele sabe.

Ela franziu a testa.

— É?

Achei a inocência dela meio encantadora. Havia tantas coisas óbvias que ela não sabia.

— Claro. Vamos subir agora.

Eu toquei o interfone. Alguns segundos depois, a voz falhada de uma mulher atendeu.

— Alô.

— Oi — falei. — Aqui é Apolo.

Estática.

— O deus Apolo — reforcei, achando que talvez devesse ser mais específico. — Percy está?

Mais estática, seguida de duas vozes em uma conversa abafada. A porta da frente se abriu. Antes de entrar, vi um breve movimento com o canto do olho. Dei uma conferida na calçada, mas novamente não vi nada.

Talvez tivesse sido um reflexo. Ou granizo sendo carregado pelo vento. Ou talvez tivesse sido uma bolha brilhante. Meu couro cabeludo formigou de apreensão.

— O que foi? — perguntou Meg.

— Nada de mais. — Forcei um tom alegre. Não queria que Meg saísse correndo logo no momento em que estávamos tão perto de um lugar seguro. Estávamos unidos agora. Eu teria que segui-la se ela ordenasse, e não queria ter que viver naquele beco para sempre.

— Vamos subir. Não podemos deixar nossos anfitriões esperando.

 

Depois de tudo que fiz por Percy Jackson, eu esperava alegria com a minha chegada. Boas-vindas lacrimosas, a queima de algumas oferendas e um pequeno festival em minha homenagem não teriam sido inadequados.

Mas o jovem só abriu a porta do apartamento e perguntou:

— Por quê?

Como sempre, fiquei impressionado com a semelhança dele com o pai, Poseidon. Ele herdara os mesmos olhos verde-mar, o mesmo cabelo preto desgrenhado, as mesmas belas feições que podiam mudar de bom humor para raiva com facilidade. No entanto, Percy Jackson não seguia a preferência do pai por shorts de praia e camisas havaianas. Ele estava usando uma calça jeans surrada e um casaco de moletom azul com as palavras equipe de natação ahs bordadas na frente.

Meg recuou no corredor e se escondeu atrás de mim.

Decidi dar um sorriso.

— Percy Jackson, minhas bênçãos para você! Estou precisando de assistência.

O olhar de Percy voou de mim para Meg.

— Quem é a sua amiga?

— Esta é Meg McCaffrey — expliquei —, uma semideusa que precisa ser levada para o Acampamento Meio-Sangue. Ela me salvou de delinquentes.

— Salvou… — Percy olhou meu rosto ferido. — Você quer dizer que o visual “adolescente surrado” não é só disfarce? Cara, o que aconteceu com você?

— Eu acho que mencionei delinquentes.

— Mas você é um deus.

— Quanto a isso… eu era um deus.

Percy piscou.

Era?

— Além disso — falei —, tenho quase certeza de que estamos sendo seguidos por espíritos do mal.

Se eu não soubesse quanto Percy Jackson me idolatrava, teria jurado que ele estava prestes a me dar um soco no nariz já quebrado.

Ele suspirou.

— Acho que vocês dois deviam entrar.”