testeTalento Vs. Esforço

Por Roberto Jannarelli*

Michael Jordan é a prova que esforço é indispensável. (Fonte)

Vou contar um segredo para vocês. Minha chefe, que já escreveu muitos textos aqui para o blog, não sabe, mas quando deixou sob minha responsabilidade o livro Garra, de Angela Duckworth, me fez um grande favor. Eu lembro que pesquisei brevemente sobre o livro e logo de cara a premissa me encantou. A autora defende a ideia de que uma mistura de paixão e perseverança, que ela chama de garra, pode suplantar a cultura do talento.

Não posso negar que houve uma identificação com a teoria. Explico: antes de trabalhar com livros, minhas carreiras de halterofilista e Mister Universo foram calcadas em muita dedicação e pouquíssimo, diria que quase nenhum, talento — mas como eu ainda não possuía garra, acabei no mercado editorial mesmo.

Brincadeiras à parte, a ideia de que determinação e força de vontade podem superar o talento de fato me é muito cara, e realmente sempre me identifiquei mais com os determinados do que com os talentosos. Nada contra os talentosos, inclusive tenho muitos amigos que são, mas o êxito alcançado depois de muito esforço me parece mais satisfatório do que um simples dom divino que te deixa bom em tudo.

Em Garra, Angela usa muitos exemplos de sucesso que são inspiradores. Empresários, empreendedores, acadêmicos, atletas olímpicos e profissionais, todos com uma história que comprovam a tese: não teriam vencido se tivessem dependido do talento, ou ao menos apenas do talento. São muitas histórias mesmo, todas muito interessantes e que devem causar identificação de acordo com a trajetória de cada leitor, por isso pensei em destacar aqui as minhas preferidas:

Academia Militar West Point

“Quando um cadete pisa no campus de West Point, ele fez por merecer”. Essa é conclusão da própria autora, que estudou a fundo o processo de admissão na Academia Militar norte-americana. Esse, aliás, foi um dos primeiros e principais projetos dela na tesa de Garra, mas não da maneira mais simples que podemos imaginar. Angela não estudou o processo de aprovação na Academia, mas a permanência dos cadetes aprovados.

O processo seletivo de West Point consiste em provas teóricas e práticas, além de testes físicos e uma avaliação das notas no ensino médio. São indispensáveis notas altíssimas em todas as etapas. Depois das provas, os cadetes são classificados de acordo com uma Pontuação Integral do Candidato. Ou seja, depois da classificação, todos sabem quem é o primeiro da turma, o segundo, e assim por diante até o fim da lista aprovados.

Logo no início, os calouros participam de um exaustivo período de sete semanas de treinos carinhosamente apelidado de “Beast Barracks” (algo como “Quartel das Feras”), no qual os cadetes são submetidos a séries brutais de exercícios intercalados com aulas teóricas, tudo isso começando às 5h30 e com toque de recolher marcado para 22h, sem pausas de fim de semana nem feriado.

Como a taxa de desistência depois do Beast era enorme, Angela levantou o seguinte questionamento: por que alguém que passou dois anos tentando entrar numa instituição a abandona nos dois primeiros meses?

Depois, a autora seguiu em frente e se perguntou quem então seriam os desistentes e quem passava por essa fase e se formava na Academia. A surpresa foi que não havia nenhuma relação entre a Pontuação Integral do Candidato e a capacidade de superar o Beast, isto é, os primeiros colocados no sistema de notas (uma das maneiras de se classificar o talento são as notas, certo?) eram superados com frequência por aqueles que não se destacaram na seleção.

Foi então que Angela Duckworth conseguiu implementar a ideia de que a garra poderia ser mais importante que o talento para se alcançar o sucesso em um dos ambientes mais rígidos da cultura norte-americana. E a partir daí seu conceito de garra foi inserido em diversos processos seletivos dos Estados Unidos.

Angela Duckworth — Ela mesma

Uma história que percorre vários momentos de Garra é a da própria autora. Logo no início do livro ela conta que foi criada em um ambiente muito exigente. Seu pai, um cientista e estudioso, dizia com naturalidade que a filha era inteligentíssima, mas que “de gênio não tinha nada”. Isso não apenas em referência a notas do colégio ou qualquer outro tipo de teste; desde sempre. Imagine você, uma criança feliz entregando um desenho feito especialmente para seu pai e ouvindo essa resposta. Pois é, foi nesse ambiente que Angela foi criada.

Primeiro, o que me tocou nessa história foi a habilidade da autora de contar isso tudo sem rancor. Ela de fato entendia o pai, cientista, racionalista, e que na verdade tinha razão. Angela não era um gênio na juventude. Ela conta no livro que não participou de nenhuma turma avançada nas disciplinas que queria durante o ensino médio e que toda a sua trajetória posterior como pesquisadora foi baseada na dedicação exaustiva, muito estudo, para que finalmente pudesse ser agraciada com as principais bolsas de estudo dos programas de pós-graduação em psicologia, área em que hoje é considerada referência.

De uma maneira simpática, emocionante, Angela Duckworth mostra como ela própria é um exemplo de que a garra foi mais importante que o talento para alcançar o sucesso na área acadêmica — e para ter o reconhecimento de seu pai, o que emociona ainda mais o leitor.

Kevin Durant e Michael Jordan

A última das três histórias de superação tem a ver com uma área de afinidade minha. Como disse antes, a autora usa muitos exemplos de atletas na pesquisa. Dessa forma, o leitor pode se identificar com a modalidade que mais gosta — se você gostar de esportes, claro.

No meu caso, foi a história do jogador de basquete Kevin Durant, um dos melhores jogadores da NBA atualmente. No livro, ele explica como treina sozinho até dominar os movimentos, depois em dupla, depois em dupla com defesa, depois em trio, e assim progressivamente até praticar com o restante do time em treinos “normais” de cinco contra cinco. Isso tudo com supervisão e análise de porcentagem de acerto para saber o momento certo de mudar de fase. A autora chama esse tipo de treino de prática disciplinada, uma das ferramentas para o desenvolvimento de uma cultura de garra — porque sim, a garra não é uma habilidade inata, ela pode ser desenvolvida.

É claro que tudo isso ficou muito mais claro para mim depois de ler Garra, mas talvez eu tenha gostado tanto da tese de Angela Duckworth por conta da identificação com as histórias pessoais contadas no livro. No meu caso, os exemplos esportivos foram muito importantes para causar essa empatia. Ao contrário do halterofilismo, o basquete não foi uma prática que ficou no campo da ficção na minha adolescência. E de uma maneira inconsciente, foi por meio da prática desse esporte que eu percebi que estava mais para o time dos esforçados do que o dos talentosos. E não tenho vergonha nenhuma disso.

Para terminar, vou contar uma história, não minha, mas de um cara chamado Michael Jeffrey Jordan. Você talvez se lembre dele se tirar nome do meio. Quando eu treinava meus arremessos, na longínqua época em que tinha quinze anos, descobri que, no ensino médio, esse cara só tinha conseguido a vaga no time do colégio no último ano antes de ir para a faculdade. Jordan passou os três anos anteriores sendo cortado nos testes. Mesmo assim, quando alcançou o objetivo, nem de longe foi considerado o melhor jogador na sua idade no país — foi “só” um ótimo jogador, ou, como diria o sr. Duckworth, “nenhum gênio”. Continuou treinando muito, aprimorando suas técnicas e, por isso, quando se formou na escola, conseguiu vaga no time de uma das mais tradicionais universidades do país. Lá, foi campeão no primeiro ano, fez cestas importantes, foi um dos principais jogadores. Mas não o principal; nunca foi “o cara”, era só mais um entre os melhores.

No momento de ele se profissionalizar, dois times preferiram outros jogadores e deixaram de contratá-lo, ficando Jordan em terceiro na lista dos calouros da NBA em 1984. Mas ele continuou praticando, melhorando cada detalhe possível, até chegar o momento em que dominou o esporte. Ganhou seis títulos da NBA, duas medalhas de ouro em jogos olímpicos, inúmeros prêmios individuais e, sem exagero, fez o jogo parecer fácil. Esse vídeo explica um pouco o que quero dizer: Michael Jordan, somente o melhor jogador de basquete de todos os tempos, também não foi um produto apenas do talento; o diferencial dele foi a garra mesmo.

Guardadas a proporções e diferenças nas atividades, a história de Angela Duckworth me lembrou muito a desse ídolo do esporte. Ela também trabalhou muito para, de uma aluna mediana no ensino médio, ser uma pesquisadora notável no campo da psicologia. Seu pai que me desculpe, mas Angela se tornou sim um gênio. E escreveu um livro que, além de nos dar exemplos de histórias em que a garra supera o talento, ensina a desenvolvê-la, seja para uso pessoal, da equipe que você gerencia, ou na criação de seus filhos.

Em outras palavras, Garra dá todas as ferramentas para que você escreva a sua própria história de superação.

Agora é com você.

 

* Roberto Jannarelli é editor assistente de livros estrangeiros da Intrínseca e tomou para si a prática de disciplinada de não contar histórias da sua adolescência o tempo inteiro para os colegas de trabalho. Às vezes é difícil, mas ele tenta.

testeVocê acredita em seus sonhos?

Por Letícia Calhau*

 c5ithfpj(Fonte)

Era uma vez um jovem aluno chamado David Luong. Ele era calado e ficava no fundo da sala sem chamar muita atenção. Tinha sonhos para seu futuro, mas não parecia ser nenhum gênio nas aulas de álgebra. Um dia, sua professora se questionou como aqueles trabalhos e provas bem-feitas podiam ser de um aluno tão pouco expressivo em sala e por que ele tinha tão bons trabalhos, mas não estava em uma turma mais avançada.

Quantos de nós cultivamos projetos e sonhos impossíveis? Às vezes parece que não alcançaremos nossas metas porque nossas características mais evidentes parecem não ajudar muito, ou porque alguém nos disse que não éramos bons o suficiente, ou ainda porque não nos considerávamos geniais para conquistá-las.

Quando olho um pouco para trás, lembro que meu primeiro objetivo na vida foi aprender a ler, mas isso não foi nada simples. Passei por várias estratégias, professores e metodologias diferentes para conseguir. Fui levada a alguns médicos que diziam que eu não tinha nada, aparentemente. Aos nove anos, não só aprendi, como me apaixonei pelos livros e pela ideia de ser escritora. Tinha vergonha de compartilhar esse sonho com as pessoas. Como alguém que tinha dificuldades para aprender a ler poderia ser algo tão incrível como uma escritora? Por muito tempo acreditei que só pessoas dotadas de alta inteligência eram capazes de transformar sonhos em realidade.

O livro Garra: o poder da paixão e da perseverança conta, entre outras, a história de David Luong, mas poderia ser a minha ou a de qualquer outra pessoa, jovem ou não, que tenha sonhos e paixões, mas talvez não se encaixe nos modelos aparentemente promissores.

E se um dia descobríssemos que nosso cérebro é capaz de se desenvolver e aprender sempre? E se o mito do talento fosse desconstruído diante da vontade e da perseverança? E se a ideia de que os bem-sucedidos são especiais deixasse de fazer sentido?

Primeiro, acho que se eu soubesse que era capaz de conquistar mais do que conquistei, se não tivesse a impressão que estava insistindo em sonhos que não eram para mim, teria perdido menos tempo sentindo medo e frustração.

Na minha opinião, a principal razão pela qual a valorização do talento pode ser nociva é simples: ao focarmos apenas no talento, arriscamos deixar tudo o mais fora do nosso campo de visão. Sem querer, passamos a mensagem de que esses outros fatores — como a garra — são menos importantes.

No livro, Angela Duckworth explica como a ideia do talento pode atrapalhar a jornada das pessoas que querem realizar um sonho ou colocar em prática uma ideia. Ela fala sobre o valor de uma paixão e de como a garra e a perseverança contam mais para alcançar o objetivo do que simplesmente ser alguém que se destaca em testes, provas e avaliações. Do que adianta ter boas notas se não se tem vontade real de conquistar um sonho? No livro, ela conta histórias de outras pessoas que eram excelentes alunos e que se destacavam por seu desempenho, mas que desistiram no meio do caminho porque não tinham tanta certeza do que queriam para si e se intimidavam com resultados ruins durante o percurso.

A paixão é como uma bússola — um aparelho que você demora a construir, a aprimorar e aperfeiçoar e que, por fim, o orienta em sua longa e tortuosa viagem rumo a seu objetivo final.

 Ter uma paixão como meta e acreditar que é possível conquistá-la por meio de perseverança, dedicação e esforço podem ser diferenciais na hora de conquistar uma vaga em um estágio, na universidade ou mesmo para abrir seu primeiro negócio. O que você quer realizar? E quais são as crenças que o estão impedindo de lutar por seus sonhos?

Nosso potencial é uma coisa. O que fazemos com ele é outra, bem diferente.

O livro também nos ajuda a entender que a garra, assim como outras características, pode ser desenvolvida. De nada adianta pensar nela como uma característica inata. Não existem fórmulas perfeitas, mas Angela, com sua experiência como professora e psicóloga, nos faz pensar em como podemos desenvolver a garra de dentro para fora e como podemos contar com a ajuda de outras pessoas para criar uma atmosfera favorável ao seu desenvolvimento. Andar com pessoas que têm garra, cercar-se de professores que colaboram; nessa hora, toda ajuda para alimentar o interesse e a esperança é importante.

garra2

Por fim, o livro nos ajuda a entender que a garra é o que não nos faz abandonar uma meta durante longos períodos de dedicação e que é isso que faz a diferença, no fim das contas. E, com o tempo, podemos perceber que acreditando em novas possibilidades de realização, com o esforço diário, acabamos criando uma filosofia de vida sólida. Passamos não só a acreditar em nossos sonhos, como a investir neles todos os dias, mesmo que tenhamos obstáculos pelo caminho, porque sabemos que com paixão e perseverança é possível realizar um projeto. Ele pode demorar meses, alguns anos, mas o mais importante é a confiança no percurso.

O esforço que uma pessoa dotada de garra dedica em um dia é importante, mas ainda mais importante é ela acordar no outro dia, e no outro, disposta a subir naquela esteira e continuar a correr.

Garra orienta o leitor a pensar em uma forma mais interessante de organizar as metas no tempo e como desenvolver uma cultura de garra. E o mais importante: a acreditar em si mesmo.

 

* Letícia Calhau é professora da área de educação, mestranda e pesquisadora na área de inclusão em educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Carioca, nascida no subúrbio do Rio de Janeiro, blogueira e criadora de hortas caseiras.

testeLançamentos de agosto

EstanteIntrinseca_Agosto16_511x396 (2)

Confira sinopses e trechos dos livros que publicaremos neste mês:

qasodjas

Coleção Como Lidar, de J. A. Hazeley e J. P. Morris – Explicando desde questões clássicas da vida adulta (Os encontros, A ressaca) até as mais incompreendidas tendências (O hipster), incluindo volumes especialmente didáticos chamados “Manual do usuário” (Manual do usuário – O marido, Manual do usuário – A esposa), a Coleção Como Lidar ironiza os percalços da maturidade, seus estereótipos e absurdos, com muito sarcasmo e sem pena. Imagens e textos não poderiam ser mais apropriados para colocar – ou tirar de vez – você do eixo. Porque, convenhamos: a vida adulta não precisa ser tão adulta assim.

EstanteIntrinseca_Agosto16_BLOG_Pa¦üginasInternas6

Baseado em fatos reais, de Delphine de Vigan – Em uma obra em que o leitor é levado constantemente a questionar o que lhe é apresentado, Delphine de Vigan constrói um clima confessional, sombrio e opressivo para expor a obsessão do mercado editorial e do cinema pelas narrativas baseadas em fatos reais. A linha tênue entre verdade e mentira oscila para enriquecer uma poderosa reflexão sobre o fazer literário e questionar as fronteiras entre aparentes dicotomias, como real e ficção, razão e loucura, público e privado. Um livro brilhante, que joga com os códigos da autoficção e do thriller psicológico. [Leia +]

EstanteIntrinseca_Agosto16_BLOG_Pa¦üginasInternas4

Alerta vermelho, de Bill Browder – Ao mesmo tempo uma aventura no mundo financeiro, um thriller criminal e uma cruzada com casos de polícia, Alerta vermelho é a história de um homem que foi contra todas as probabilidades em busca de mudar o mundo. E foi a partir daí que encontrou, mesmo sem esperar, um sentido para a sua vida. [Leia +]

EstanteIntrinseca_Agosto16_BLOG_Pa¦üginasInternas9

As mil noites, de E. K. Johnston – É impossível que alguém nunca tenha ouvido falar sobre Ali Babá e seus quarenta ladrões, ou sobre Aladim e o gênio da lâmpada. Ou sobre Sherazade, a mulher sagaz e inteligente que se casou com um homem cruel, e, por mil e uma noites, driblou a morte narrando contos de amor e ódio, medo e paixão, capazes de dobrar até mesmo um rei. Em As mil noites, a história se repete, mas com algumas diferenças… [Leia +]

EstanteIntrinseca_Agosto16_BLOG_Pa¦üginasInternas

Os Dois Terríveis ainda piores, de Jory John e Mac Barnett, ilustrado por Kevin Cornell – A dupla mais terrível de Vale do Bocejo está de volta, e agora os dois amigos precisarão ser mais inteligentes e desordeiros do que nunca se quiserem dar fim a um vilão alérgico a brincadeiras e felicidade. [Leia +]

EstanteIntrinseca_Agosto16_BLOG_Pa¦üginasInternas5

As Chamas do Paraíso, de Robert Jordan – Antigas instituições caem por terra e novas alianças se formam, pois o Dragão Renascido provoca mudanças por onde passa. Heróis lendários se juntam à história no novo volume de A Roda do Tempo, uma das mais extraordinárias séries já escritas. [Leia +]

EstanteIntrinseca_Agosto16_BLOG_Pa¦üginasInternas7

Biblioteca de Almas, de Ransom Riggs – último volume da celebrada trilogia iniciada com O lar da srta. Peregrine para crianças peculiares. Neste terceiro livro, depois de sofrer com a morte do avô, conhecer crianças com habilidades peculiares em uma fenda temporal e partir pelo mar em uma busca desesperada para curar a srta. Peregrine, Jacob vai finalmente enfrentar a inevitável conclusão dessa turbulenta jornada. [Leia +]EstanteIntrinseca_Agosto16_BLOG_Pa¦üginasInternas2

Alerta de risco, de Neil Gaiman – Um escritor sofisticado cujo gênio criativo não tem paralelos, Gaiman hipnotiza com sua alquimia literária e nos transporta para as profundezas de uma terra desconhecida em que o fantástico se torna real e o cotidiano resplandece. Repleto de estranheza e terror, surpresa e diversão, Alerta de risco é um tesouro que conquista a mente e agita o coração do leitor.EstanteIntrinseca_Agosto16_BLOG_Pa¦üginasInternas3

Ilustre Poesia, de Pedro Gabriel – Desta vez, Antônio procura escapulir do confinamento nos quadradinhos de papel dos guardanapos e ganhar a liberdade. Ao mesmo tempo, Pedro Gabriel explora galáxias, as profundezas do mar e os confins da terra em textos de prosa poética que podem ser lidos como uma espécie de correspondência com o personagem. O senso de humor, a irreverência e o gosto pelos trocadilhos são compartilhados pelo personagem e seu poeta. [Leia +]

EstanteIntrinseca_Agosto16_BLOG_Pa¦üginasInternas8

Garra: O poder da paixão e da perseverança, de Angela Duckworth – Em um livro obrigatório para todos que desejam alcançar o sucesso, a psicóloga Angela Duckworth mostra para pais, estudantes, educadores, atletas e empreendedores que o segredo para realizações incríveis não é o talento, mas uma mistura de paixão e perseverança que ela chama de “garra” – a capacidade de não desistir e produzir resultados além do puro talento, da sorte ou das eventuais derrotas.