testeUma lista assustadora para o dia das bruxas

1img_8120

Para celebrar a chegada de mais um dia das bruxas, temos a já tradicional lista de histórias assustadoras para manter a tradição de sustos, monstros e medo em geral. Confira!

Caixa de pássaros, de Josh Malerman

Há algo que não pode ser visto. Algo que enlouquece as pessoas e as leva a cometer atos violentos seguidos de suicídio. A população foi aconselhada a trancar as portas e as janelas e a vendar os olhos. Com uma narrativa cheia de suspense e que alterna passado e presente, o livro conta uma incrível história de terror psicológico em um mundo pós-apocalíptico.

1img_8105

 

O adulto, de Gillian Flynn

Escrito a pedido de George R. R. Martin, o conto é uma homenagem às clássicas histórias de terror. Na obra, uma jovem ganha a vida se passando por vidente e oferecendo serviços de leitura de aura para donas de casas ricas e tristes. Certo dia, ela atende uma mulher desesperada por injetar um pouco de emoção em sua vida monótona e planeja tirar vantagem da situação. No entanto, quando visita a casa da mulher, a jovem se depara com acontecimentos aterrorizantes, e se convence de que há algo tenebroso à espreita.

1img_8009

 

Orgulho e preconceito e zumbis, de Seth Grahame-Smith e Jane Austen

“É uma verdade universalmente aceita que um zumbi, uma vez de posse de um cérebro, necessita de mais cérebros.” Assim começa essa paródia da obra consagrada de Jane Austen, que se tornou um best-seller do The New York Times. Agora, porém, no tranquilo vilarejo de Meryton, Elizabeth Bennet, treinada nos rigores das artes marciais, está determinada a eliminar a ameaça zumbi. Até que sua atenção seja desviada pela chegada do altivo e arrogante Sr. Darcy.

1img_8013

 

Loney, de Andrew Michael Hurley

Quando os restos mortais de uma criança são descobertos durante uma tempestade de inverno em uma extensão da sombria costa da Inglaterra conhecida como Loney, um homem é obrigado a confrontar acontecimentos terríveis e misteriosos ocorridos quarenta anos antes, quando ainda era jovem e visitou o lugar. Com personagens ricos e idiossincráticos, um cenário sombrio e a sensação de ameaça constante, Loney é uma leitura perturbadora e impossível de largar, que conquistou crítica e público. Uma história de suspense e horror gótico, ricamente inspirada na criação católica do autor, no folclore e na agressiva paisagem do noroeste inglês.

1img_8029

 

Cidade dos etéreos, de Ransom Riggs

Um grupo de crianças com dons inusitados precisa escapar de monstros terríveis, numa história ilustrada por sombrias fotografias antigas. Na sequência da celebrada série iniciada com O lar da srta. Peregrine para crianças peculiares, Jacob, um garoto de dezesseis anos, parte com seus novos amigos para enfrentar as perigosas criaturas que ameaçam o universo peculiar.

Biblioteca de Almas, de Ransom Riggs

Na conclusão da série O lar da srta. Peregrine para crianças peculiares, Jacob descobre uma habilidade poderosa e vai usá-la na perigosa jornada para resgatar os amigos. Acompanhado de Emma, a menina que produz fogo, e um sábio cão peculiar, eles descobrem a fortaleza dos cruéis acólitos e estão preparados para a batalha final.

Contos peculiares, de Ransom Riggs 

As histórias que as crianças peculiares escutavam da srta. Peregrine, as pistas para a localização das fendas temporais, o livro dentro dos livros. Contos peculiares, coletânea citada ao longo da série O lar da srta. Peregrine para crianças peculiares, é ao mesmo tempo um delicioso complemento e uma porta de entrada para o rico e sombrio universo criado por Ransom Riggs.

1img_8033

 

Filme noturno, de Marisha Pessl

Em uma noite fria de outono, Ashley Cordova é encontrada morta em um armazém abandonado em Manhattan. Embora a polícia suspeite de suicídio, o jornalista Scott McGrath acredita que exista algo mais por trás dessa história. Seu interesse pelo caso não é gratuito: Ashley é filha do famoso e recluso diretor de filmes de terror Stanislas Cordova, um homem que não é visto em público há mais de trinta anos e que, no passado, teve um papel trágico na vida de McGrath.

1img_8054

 

O hipnotista, de Lars Kepler 

O massacre de uma família mobiliza a polícia sueca. Sob o comando do detetive Joona Linna, as investigações dependem da única testemunha: o filho adolescente, que está em estado de choque. Desesperado por informações, Linna convence o Dr. Erik Maria Bark a hipnotizar o garoto, dando início a uma longa e aterrorizante sequência de acontecimentos.

1img_8079

testeVamos falar sobre Loney

Por Josh Malerman*

Minha citação favorita sobre Loney eu li na Emerald Street, uma revista do Reino Unido, e diz o seguinte:

“É raro que um livro faça você suspirar de encantamento com cada frase enquanto, ao mesmo tempo, fica pensando se suas janelas estão bem trancadas, e Loney é perfeito nesse e em muitos outros aspectos.”

Li isso quando estava na metade do livro e fiquei louco. Claro, pensei, essa frase resume tudo. Qualquer palavra a mais é dispensável. Porém, como todos nós amamos palavras a mais, vamos falar sobre Loney.

loneygrandeUm romance com verdadeira poesia. Praticamente em todas as linhas. A sensação, na maioria das vezes, é de estar escutando a história da boca de um sábio ancião que a guardou por toda a vida, à espera do momento exato (o clima, talvez) de passá-la adiante. É um livro em que você consegue ouvir o silêncio! Consegue ouvir a calma que Andrew Michael Hurley deve ter buscado antes de escrever, como se ao final de cada página ele tenha parado, se recostado e olhado o papel por longos minutos, permitindo que a quietude de seu escritório impregnasse profundamente a folha entre cada uma das letras que davam forma à narrativa que ele estava criando.

O horror silencioso. É provável que você já tenha ouvido esse termo antes, e, se não ouviu, ouvirá com relação a Loney. Na teoria, livros de horror são ou estridentes (um maníaco com uma chave inglesa invade um convento) ou silenciosos (os lamentos de um fantasma, sussurros na noite). E é mesmo possível classificá-los desse modo, não é nem ao menos trabalhoso. Obviamente, a maioria dos grandes livros está em algum lugar entre essas duas categorias. Em Loney, porém, a questão que se levanta é ainda maior. A pergunta em Loney é… O que causa o barulho, para começo de conversa?

Na minha opinião, o personagem mais esquecido, mais menosprezado no horror é seu personagem principal, a peça central de qualquer história assustadora: o medo. Sim, o medo em si é a figura primordial porque, sem ele, o clima, o desenvolvimento, as tramas e o cenário, nada vai funcionar como deveria. (Imagine ler O bebê de Rosemary como um drama, despojado de todo o medo.) O fato de ter em mãos um conto gótico (no caso de Loney, todos o têm classificado assim, e não há por que discordar) já coloca você à espera de algo sobrenatural. Ou algo assustador, pelo menos. Não se pode menosprezar isso. Porque esse personagem silencioso (O MEDO) tem ele próprio uma voz. E o silêncio aterrorizante que espera por você em Loney é magnífico. É mais forte que Hanny, que o Padre Bernard, mais forte que qualquer umas das paisagens rurais inglesas que preenchem as páginas como pinturas.

É como música para os meus ouvidos de leitor.

Loney é assim.

Minha vontade é falar muito mais. Mas, como com a maioria dos meus livros favoritos, acho que o melhor é dizer apenas:

Loney é um livro sensacional. Leia. Depois me escreva on-line se quiser conversar mais. Porém, até ter lido, até ter experimentado você mesmo o ritmo, a poesia e (sim) o medo que vai sentir, não podemos falar mais.

Loney vai pegar você em silêncio, e você estará esperando por isso tão cegamente que só vai perceber depois que já tiver sido tomado pelo horror. E no final vai pensar: Como eu pude não ver isso acontecendo?

 

 

Josh Malerman é autor de Caixa de pássaros. Ele também é cantor e compositor da banda de rock High Strung e gosta de escrever ao som de trilhas sonoras de filmes de terror, como Grito de horror e Creepshow – Arrepio do medo. Mora em Ferndale, Michigan, com a noiva.

testeLançamentos de junho

EstanteIntrinsecaMar16_DestaquesBlog

 

Confira sinopses e trechos dos livros que publicaremos neste mês:

EstanteIntrinseca_Maio16_BLOG_Pa¦üginasInternas9

Loney, de Andrew Michael Hurley – Quando os restos mortais de uma criança são descobertos durante uma tempestade de inverno numa extensão da sombria costa da Inglaterra conhecida como Loney, Smith é obrigado a confrontar acontecimentos terríveis e misteriosos ocorridos quarenta anos antes, quando ainda era jovem e visitou o lugar. Com personagens ricos e idiossincráticos, um cenário sombrio e a sensação de ameaça constante, Loney é uma leitura perturbadora e impossível de largar, que conquistou crítica e público. Uma história de suspense e horror gótico, ricamente inspirada na criação católica do autor, no folclore e na agressiva paisagem do noroeste inglês. [Leia +]

EstanteIntrinseca_Maio16_BLOG_Pa¦üginasInternas

A ditadura acabada, de Elio Gaspari – A mais aclamada obra sobre o regime militar no Brasil chega à conclusão com o livro A ditadura acabada. No quinto volume da Coleção Ditadura, o jornalista Elio Gaspari examina com riqueza de detalhes o período de 1978 a 1985, desde o final do governo do presidente Ernesto Geisel e a posse de seu sucessor, o general João Baptista Figueiredo, até a eleição de Tancredo Neves pelo Colégio Eleitoral.

EstanteIntrinseca_Maio16_BLOG_Pa¦üginasInternas2

A publicação de A ditadura acabada é a conclusão da obra definitiva sobre um dos períodos mais turbulentos da história do Brasil, resultado de uma extensa pesquisa e do acesso a uma documentação até então inédita. Os cinco volumes da Coleção Ditadura foram reunidos em um luxuoso box, também disponível em versão digital. [Leia +]

EstanteIntrinseca_Maio16_BLOG_Pa¦üginasInternas4

F de falcão, de Helen Macdonald – Best-seller do The New York Times, F de falcão é um livro de memórias nada usual que narra a história de Helen Macdonald a partir do momento em que viaja até a Escócia para comprar um falcão. Devastada por uma forte depressão após a morte de seu pai, Helen se encontra em um abismo e nada mais faz sentido em sua vida. Porém, ao praticar a falcoaria com Mabel, sua nova ave de rapina, e ler os diários de T. H. White, clássico autor da literatura inglesa, ela começa a entender que o luto é um estado que não pode ser evitado, mas que pode ser superado — inclusive com a ajuda de um inusitado açor.

A premiada escritora britânica participará da Festa Literária Internacional de Paraty, que acontece entre os dias 29 de junho a 3 de julho. Saiba mais

EstanteIntrinseca_Maio16_BLOG_Pa¦üginasInternas5

Liderança, de Alex Ferguson e Michael Moritz – O que é necessário para levar uma equipe ao máximo de sucesso e mantê-la no topo por um bom tempo? Sir Alex Ferguson é um dos poucos líderes que sabem de fato a resposta a essa pergunta. Nos 38 anos em que atuou como técnico de futebol, ele alcançou a impressionante marca de 49 troféus e fez do Manchester United uma das maiores marcas do mundo. Nesse livro franco e inspirador, ele revela os segredos por trás de sua carreira repleta de recordes. [Leia +]

EstanteIntrinseca_Maio16_BLOG_Pa¦üginasInternas3

Gentil como a gente, de Fernanda Gentil – Com leveza e humor, Fernanda Gentil conta uma história de amores vivida por uma família singular e ao mesmo tempo igual à de todo mundo. Mocinha (ou Fernanda?) briga e, com a frequência de eclipses lunares, pede desculpas. Quando quer, sabe ser fofa. E mostra-se craque em entender as diferenças entre o feminino e o masculino, mata no peito, sai de impedimento, bota para escanteio e bate um bolão. Porque o que Fernanda mais quer é fazer e ser feliz. Sem firulas. Gentil. Como a gente. [Leia +]

EstanteIntrinseca_Maio16_BLOG_Pa¦üginasInternas6

Lugar Nenhum, de Neil Gaiman – Publicado pela primeira vez em 1997, a partir do roteiro para uma série de TV, o sombrio e hipnótico Lugar Nenhum, primeiro romance de Neil Gaiman, anunciou a chegada de um grande nome da literatura contemporânea e se tornou um marco da fantasia urbana. Ao longo dos anos, diferentes versões foram publicadas nos Estados Unidos e na Inglaterra, e Neil Gaiman elaborou, a partir desse material, um texto que viesse a ser definitivo: esta Edição Preferida do autor inclui um texto de introdução assinado por Gaiman, uma cena cortada e um conto exclusivo. [Leia +]

EstanteIntrinseca_Maio16_BLOG_Pa¦üginasInternas7

No reino do gelo, de Hampton Sides – No final do século XIX, o mundo era bem diferente de como o conhecemos hoje. Os Estados Unidos eram um jovem país em acelerado crescimento após a Guerra Civil, invenções tecnológicas apareciam a todo momento e muitas partes do globo ainda continuavam completamente inexploradas. Entre elas estava o Polo Norte. No reino do gelo conta a fascinante história de heroísmo e determinação do navegador George De Long e da tripulação do navio americano USS Jeannette na conquista de um dos locais mais implacáveis do planeta. [Leia +]

EstanteIntrinseca_Maio16_BLOG_Pa¦üginasInternas8

Welcome to Night Vale, de Joseph Fink e Jeffrey Cranor – O podcast Welcome to Night Vale conta as histórias da cidade de Night Vale, uma amistosa comunidade no meio do deserto onde todas as teorias da conspiração são reais. No formato de um programa de rádio, Cecil Palmer, locutor da rádio comunitária, informa a todos as pequenas estranhezas da pacata cidadezinha — onde fantasmas, anjos, alienígenas e agências governamentais misteriosas e ameaçadoras fazem parte do cotidiano dos cidadãos. Desta vez, a chegada de um homem de paletó bege faz com que as vidas de duas mulheres, cada uma com seu mistério, vire de cabeça para baixo. [Leia +]

EstanteIntrinseca_Maio16_BLOG_Pa¦üginasInternas10

A outra história, de Tatiana de Rosnay – Aos vinte e quatro anos, Nicolas Duhamel se depara com um segredo perturbador, há décadas mantido a sete chaves por sua família. Perplexo, ele parte em uma cruzada na busca por suas verdadeiras origens, uma empreitada que o inspira a escrever seu primeiro romance, O envelope. Após três anos do inesperado e estrondoso sucesso mundial do livro, Nicolas é um autor vaidoso, com muitos fãs. Contudo, não consegue mais escrever nem uma linha sequer. Hospedado em um luxuoso resort na Toscana, ele tenta vencer o bloqueio criativo, mas o que Nicolas encontra lá poderá colocar em jogo todo o seu futuro. [Leia +]

testeTrecho exclusivo de Loney, aclamada obra de suspense e terror

CapaWide_Loney_Interna600px

Stephen King definiu Loney como uma extraordinária obra de ficção. Josh Malerman, autor de Caixa de pássaros, declarou que é um dos seus livros favoritos, daqueles sobre o qual não consegue parar de falar. E, além dos elogios dos aclamados escritores, Loney vem conquistando milhares de leitores pelo mundo.

Vencedor do Costa Book Award 2015 na categoria de autor estreante e eleito livro do ano pelo British Book Awards, Loney apresenta uma história de suspense e horror gótico. Com um cenário sombrio e a sensação de ameaça constante, Andrew Michael Hurley buscou inspiração na sua criação católica, no folclore e na paisagem inóspita do noroeste inglês.

A obra chega às livrarias a partir de 10 de junho.

Leia um trecho exclusivo:

“Sem dúvida tinha sido um fim tempestuoso para o outono. Em Heath, um vendaval havia arruinado o glorioso esplendor de cores de Kenwood a Parliament Hill em questão de horas, deixando um rastro de carvalhos velhos e faias
mortas. Seguiram-se a névoa e o silêncio, e depois, após alguns dias, restou somente o cheiro de podridão e fogueiras.

Certa tarde, passei tanto tempo lá com meu caderno anotando tudo que tinha vindo abaixo que perdi a minha sessão com o dr. Baxter. Ele disse para eu não me preocupar. Nem com a consulta nem com as árvores. Tanto ele como a natureza se recuperariam. As coisas nunca eram tão ruins quanto pareciam ser.

Creio que ele tinha razão em certo sentido. A punição até que não fora tão severa. No norte, linhas férreas ficaram submersas e vilarejos inteiros foram alagados com a água barrenta dos rios. Havia fotografias de gente tirando água de suas salas de estar, gado morto boiando em uma avenida radial. Depois, mais recentemente, a notícia sobre o súbito deslizamento de terra em Coldbarrow, e a criança que tinham encontrado soterrada com a velha casa ao pé dos despenhadeiros.”