testeOs erros e acertos que ajudaram a construir o império Amazon

O que transforma uma empresa de varejo em um império global? A trajetória da Amazon, comandada durante 27 anos por Jeff Bezos, é marcada por sucessos e erros que a colocaram no topo da lista de companhias mais valiosas e controversas do mundo.

Com acesso sem precedentes a executivos, funcionários, integrantes de órgãos reguladores e críticos da Amazon, Brad Stone mostra como as mudanças profundas na empresa nas últimas décadas levaram a inovações drásticas, bem como aos equívocos que alimentaram a percepção negativa do público a respeito das agressivas práticas de negócios da companhia.

Em Amazon sem limites, além de traçar a ascensão da Amazon, Stone também investiga a evolução do próprio Bezos, um tecnólogo geek totalmente dedicado a seu empreendimento que se transformaria em bilionário disciplinado, com ambições globais, comandando um império com mão de ferro, mesmo quando sua vida pessoal passou a ser escrutinada pelos tabloides. O livro analisa o afastamento gradual de Bezos do dia a dia da companhia para focar em seus muitos outros interesses, bem como o momento em que seu império se expande: um movimento que culminou no anúncio de sua importante transição de CEO para presidente executivo.

A obra, do mesmo autor de A loja de tudo, chega às livrarias a partir de 2 de junho.

teste7 thrillers para quem não tem medo de nada

Alguns leitores procuram o amor nas páginas dos livros, outros preferem descobrir universos e realidades fantásticas. Existem aqueles que gostam de acompanhar os grandes dilemas nas vidas dos personagens e há quem embarque nas leituras buscando inspiração para seguir adiante. São muitos os tipos de livro e mais ainda os tipos de leitor, mas se você é daqueles que não resistem a uma obra literária com grande capacidade de embaralhar sua mente e te deixar algumas noites sem dormir, esta lista é para você.

 

A lista de convidados, de Lucy Foley

Um casamento luxuoso em uma ilha isolada na costa da Irlanda. O que poderia dar errado? Bom, aparentemente tudo. No novo livro de Lucy Foley, autora de A última festa, um corpo aparece durante a festa de casamento de Jules e Will, dando início ao questionamento principal do livro: quem é a vítima e quem é o assassino? Para encontrar a resposta, você precisará embarcar no ponto de vista de seis personagens e navegar por segredos do passado e do presente de cada um deles. Leitura perfeita para quem gostou do primeiro livro da autora. 

 

Caixa de pássaros, de Josh Malerman

Impossível falar de thrillers psicológicos sem pensar em Caixa de pássaros, que foi adaptado pela Netflix em um filme estrelado pela Sandra Bullock. Em um mundo apocalíptico, criaturas misteriosas são capazes de gerar ataques de fúria e suicídios nas vítimas que olharem para elas. A única solução para sobreviver é não abrir os olhos nunca, em hipótese alguma. Quanto mais os anos passam, mais a sociedade fica reclusa, presa em casas com janelas cobertas e escuridão total. É nesse cenário que Malorie e seus dois filhos decidem navegar rio abaixo, com os olhos vendados, em busca de um novo abrigo seguro. 

É impossível não prender o fôlego junto aos personagens. A eletrizante aventura de Malorie e das crianças é intercalada com capítulos que narram a realidade da protagonista quatro anos antes. E tem continuação! A aguardada sequência do livro, Malorie, foi lançada em 2020 e se passa doze anos após o primeiro livro.  

 

O talentoso Ripley, de Patricia Highsmith

Como você se sente sobre torcer por vilões? Se isso parece impensável, espere até conhecer Tom Ripley. Lembram de quando Jack roubou um casaco e um chapéu para encontrar Rose sem ser reconhecido, em Titanic? Ninguém se importou com isso, porque era o Jack e nós o amamos. Mas se no final do filme ele tivesse matado o Cal, o noivo da Rose, torceríamos por ele ou pela polícia? 

Alguns personagens são construídos de forma tão cativante que fica difícil não criar simpatia por eles. Jack era um rapaz amoroso e honesto, mas Tom Ripley está bem longe disso. Vigarista que vive de aplicar pequenos golpes, Ripley quase sempre consegue se safar usando seu charme inabalável. O problema é que ainda assim ele consegue cativar os leitores, que embarcam com o protagonista rumo à Itália para a missão de convencer o filho de um milionário a voltar para os Estados Unidos. Fascinado pelo estilo de vida do playboy, Ripley encontra a oportunidade perfeita de roubar não só o dinheiro de seu novo amigo, mas sua identidade completa. Será que a polícia vai finalmente conseguir prender Tom por seus crimes? E, mais importante: será que nós vamos querer que ele seja preso?

 

O enigma do quarto 622, de Joël Dicker

Queridinho do público, o lançamento mais recente de Joël Dicker, autor de A verdade sobre o caso Harry Quebert, apresenta aos leitores o luxo e os segredos escondidos nos mais belos cenários de Genebra, na Suíça. O escritor Joël (coincidência?) se hospeda em um clássico hotel e percebe que a suíte número 622 foi rebatizada com o nome 621 bis. Movido pela curiosidade, ele descobre que o quarto foi palco de um crime não solucionado e decide resolver esse mistério por conta própria. Quanto mais ele e sua parceira Scarlett se aprofundam na história, mais percebem que jogos de poder, traições e muito dinheiro são os ingredientes principais desse misterioso assassinato.

 

Por trás de seus olhos, de Sarah Pinborough

É difícil falar de Por trás de seus olhos, porque o elemento mais fascinante da obra é justamente não sabermos nada sobre ela. Com uma das reviravoltas mais famosas da literatura atual, o livro ganhou uma adaptação na Netflix e deixou muita gente impactada com a revelação de seu segredo (ou seriam segredos?) final. Aos que são motivados pelos melhores instintos de Sherlock Holmes, apresentamos Louise, uma mãe solo um pouco azarada que beija um homem em um bar e no dia seguinte descobre que ele é casado e, além disso, seu novo chefe. Para piorar, ela acaba ficando amiga da esposa dele e percebe que o casal possui uma dinâmica um tanto curiosa. É só isso, não podemos dizer mais nada, apenas leiam o livro. 

 

1793, de Niklas Natt och Dag

Sangue e detalhes sórdidos? Me vê dois, por favor. Os thrillers nórdicos são conhecidos pela forma explícita como representam suas cenas, e no livro 1793, de Niklas Natt och Dag, isso não é diferente. Essa complexa e fascinante história se passa em Estocolmo durante o século XVIII, quando um corpo mutilado é encontrado em um lago e a polícia enfrenta o desafio de descobrir sua identidade. Retrato da sociedade sueca da época, o livro explora as desigualdades entre os excessos das classes mais ricas e a carência das classes mais pobres, mostrando os casos de corrupção, traição e jogos de poder que se conectam com a verdade sobre o cadáver do início do livro. 

 

Você nasceu para isso, de Michelle Sacks 

Quem nunca ouviu que “toda mulher nasce com instinto materno”?. Observando a vida de Merry e seu marido, Sam, você poderia até concordar. Os dois decidiram se mudar dos Estados Unidos para a Suécia em busca de uma vida melhor, e tudo parece correr conforme o planejado. Uma casa confortável, um emprego estável, um filho recém-nascido… É como um sonho se tornando realidade. Merry é a dona de casa perfeita e sabe como administrar a vida doméstica com tanta habilidade que causaria inveja em qualquer matriarca de novelas de época. Só tem um probleminha. Um pequeno probleminha. Na realidade, Merry odeia essa vida, a saída dos Estados Unidos não foi mera casualidade e a chegada de sua amiga Frankie vai reacender inúmeras faíscas de seu passado. Divertido, né? É o famoso “fogo no parquinho”, outra frase que todo mundo também já ouviu.  

testeTerra faminta, terror psicológico em edição ilustrada, chega em maio

Estão preparados para conhecer uma história assustadora? Chega às livrarias em maio Terra faminta, obra de Andrew Michael Hurley que mistura drama familiar, terror psicológico e lendas muito, muito macabras.

O livro se passa em Starve Acre, uma isolada propriedade no interior da Inglaterra que é cercada por inquietantes crendices populares. Nesse estranho lugar moram Richard e Juliette, um casal que acabou de perder o filho de cinco anos de idade. Atormentado por uma voz misteriosa, antes de falecer o menino foi responsável por uma série de atos inexplicáveis de violência. 

Juliette acredita que o filho ainda está na casa, e por isso passa os dias trancada no antigo quarto do menino à procura de provas. Richard tenta ao máximo não pensar na criança e mergulha de cabeça em uma escavação no terreno, com o propósito de encontrar os vestígios de uma árvore lendária que diziam existir ali. Mas o que você procura e o que você acha nem sempre são a mesma coisa, e Richard pode acabar desenterrando um profundo horror, muito mais terrível do que as lendas. 

Perfeito para os fãs de A maldição da Residência Hill e A bruxa, o livro possui capa dura, pintura trilateral, fitilho e ilustrações exclusivas do artista alagoano Midrusa, o que deixa a experiência de leitura ainda mais macabra e única. 

Já é possível adquirir o seu exemplar nas livrarias e lojas online. Bem-vindos aos horrores de Starve Acre!

testeSorteio Twitter – De olho nas adaptações [Encerrado]

Não há nada mais emocionante na vida de um leitor do que ver suas histórias favoritas ganharem vida! Por isso, fizemos uma seleção de livros que já podemos (ou poderemos em breve) ver nas telinhas e vamos fazer um sorteio muito especial! Serão três vencedores que poderão escolher um (1) exemplar de presente.

Para participar do sorteio você precisa seguir o nosso perfil (@intrinseca), compartilhar essa imagem no FEED do seu Twitter PUBLICAMENTE e preencher o formulário abaixo!

ATENÇÃO:

– Caso a mesma pessoa se inscreva mais de uma vez ela será desclassificada.

– Você pode se inscrever no sorteio do Instagram e Facebook também, é só seguir as regras.

– Você pode comentar mais de uma vez no post, mas não pode repetir os amigos marcados.

–  Ao terminar de preencher o formulário aparece a mensagem “Seu formulário foi enviado com sucesso”. Espere a página carregar até o final para confirmar a inscrição.

– Se você já ganhou um sorteio nos últimos 7 dias no Twitter, você não poderá participar deste sorteio.

– O resultado será anunciado no dia 03 de maio, segunda-feira, em nosso perfil no Twitter. Boa sorte!

testeTrês casos de possessão que realmente aconteceram

Ao longo da história, algumas entidades assumiram o controle de corpos humanos e, durante esse período, praticaram crimes ou simplesmente acabaram com a paz de algumas famílias.

Em As sombras do mal, novo livro de Guillermo Del Toro e Chuck Hogan, a agente do FBI Odessa Hardwicke se vê envolvida em uma assustadora teia de acontecimentos causada pelos incorpóreos —  espíritos malignos que se alimentam de emoções e podem se apoderar do corpo de suas vítimas, prontos para abraçar o êxtase da morte e do caos. No universo criado pelos autores sempre existiram quatro incorpóreos, e apenas um continua livre.

Inspirados nessa trama macabra, reunimos três casos reais de possessão demoníaca que marcaram o mundo. Confira abaixo:

 

Robbie Mannheim ou Roland Doe

Provavelmente o caso mais famoso de todos é o de Robbie Mannhein/Roland Doe — o nome verdadeiro do garoto nunca foi revelado —, que inspirou, entre outras produções, o filme O Exorcista.

Robbie era uma criança comum que morava em Maryland, nos Estados Unidos, no fim da década de 1940. Filho único, ele era muito próximo de sua tia Harriet, e, juntos, utilizavam frequentemente o tabuleiro Ouija, famoso item dos filmes de terror por ser capaz de realizar uma comunicação aberta com o mundo dos mortos.

Mas após a morte de Harriet, o menino ficou profundamente abalado e deprimido, e, dias depois, sua família começou a presenciar constantes episódios sobrenaturais em casa: barulhos inexplicáveis, objetos que flutuavam, móveis que mudavam de lugar… e tudo isso só acontecia na presença de Robert.

Até que em fevereiro de 1949, depois de várias consultas médicas, psicológicas e psiquiátricas, o padre E. Albert Hughes pediu permissão para realizar uma sessão de exorcismo no garoto. O primeiro ritual ficou incompleto, já que o menino se soltou de uma das amarras e acabou ferindo o clérigo durante o processo, mas outras 30 sessões aconteceriam nas semanas seguintes com diversos outros padres.

Dois meses depois, em abril, Robert acordou tranquilo e dócil e dizia não se lembrar de nada relacionado ao período conturbado que vivera. Segundo o padre Walter Halloran, o rapaz cresceu sem nenhum sinal de novas possessões e teve uma vida comum.

  

Arne Cheyenne Johnson

Um dos episódios mais famosos nos Estados Unidos também se tornou histórico por ser o primeiro caso jurídico em que possessão demoníaca foi utilizada pela defesa do réu, acusado de homicídio.

Tudo começou em 1981, quando Arne Cheyenne Johnson matou a facadas seu senhorio Alan Bono. Já no dia seguinte ao assassinato, os famosos demonologistas Ed e Lorraine Warren prontamente informaram à polícia da cidade que o homem estava possuído por uma entidade maligna durante o crime. Como eles sabiam? Eles já conheciam Johnson de outro caso.

Ao executar uma série de exorcismos em David Glatzel, o cunhado de Johnson de apenas onze anos, os Warren testemunharam quando Arne teria dito “me leve e deixe meu amigo em paz” para os espíritos. Pouco tempo depois, ele começou a agir de forma estranha.

O advogado de Arne seguiu com esse argumento para alegar a inocência de seu cliente, mas isso não convenceu o júri. Johnson foi considerado culpado e condenado a mais de vinte anos de prisão, dos quais só cumpriu cinco. A história serviu de inspiração para o filme Invocação do Mal 3: A Ordem do Demônio.

 

Clara Germana Cele

A jovem sul-africana Clara Germana Cele foi abandonada ainda bebê em um orfanato católico e passou a vida toda lá. Mas, em 1906, quando Clara completou 16 anos, tudo mudou.

Em um relato ao padre Hörner Erasmus, registrado por uma freira, Clara afirmava ser capaz de falar línguas que nunca havia estudado, como polonês, alemão, francês e norueguês, além de demonstrar algum nível de clarividência ao revelar segredos íntimos de pessoas com as quais não tinha contato. A freira relatou também que às vezes a menina gritava como um animal e tinha uma força extraordinária: “Nenhum animal jamais havia feito tais sons. Nem os leões da África Oriental nem os touros furiosos. Às vezes, parecia que uma verdadeira manada de feras orquestradas por Satanás havia formado um coro infernal.”

Durante seu exorcismo, Clara arrancou a Bíblia das mãos do padre e tentou estrangulá-lo com sua estola. Ela também levitou a um metro e meio do chão e só retornou após ser borrifada com água benta. O ritual de expulsão do espírito maligno durou dois dias, e ela nunca se recuperou da experiência.

Clara morreu seis anos depois, em 1912, por insuficiência cardíaca.

 

 

Assustador, não é mesmo?

Se na vida real temos os padres e demonologistas para nos ajudarem com exorcismos, no livro de Guillermo Del Toro e Chuck Hogan, temos Hugo Blackwood, o detetive do sobrenatural. Ao longo dos últimos quatro séculos, ele tem dedicado sua vida à caça de seres malignos e à investigação de fenômenos paranormais. Para saber mais sobre suas aventuras, conheça As sombras do mal: As fitas de Blackwood.

Foto: Porão literário | @poraoliterario

testeSorteio Instagram – De olho nas adaptações [Encerramento]

Não há nada mais emocionante na vida de um leitor do que ver suas histórias favoritas ganharem vida! Por isso, fizemos uma seleção de livros que já podemos (ou poderemos em breve) ver nas telinhas e vamos fazer um sorteio muito especial! Serão três vencedores que poderão escolher um (1) exemplar de presente.

Para participar, marque DOIS amigos nos comentários do post no Instagram e preencha o formulário abaixo!

ATENÇÃO:

– Caso a mesma pessoa se inscreva mais de uma vez ela será desclassificada.

– Você pode se inscrever no sorteio do Facebook e Twitter também, é só seguir as regras.

– Você pode comentar mais de uma vez no post, mas não pode repetir os amigos marcados.

–  Ao terminar de preencher o formulário aparece a mensagem “Seu formulário foi enviado com sucesso”. Espere a página carregar até o final para confirmar a inscrição.

– Se você já ganhou um sorteio da Intrínseca nos últimos 7 dias no Instagram, você não poderá participar deste sorteio.

– O resultado será anunciado no dia 03 de maio, segunda-feira, em nosso perfil no Instagram. Boa sorte!

testeSorteio Facebook – De olho nas adaptações [Encerrado]

Não há nada mais emocionante na vida de um leitor do que ver suas histórias favoritas ganharem vida! Por isso, fizemos uma seleção de livros que já podemos (ou poderemos em breve) ver nas telinhas e vamos fazer um sorteio muito especial! Serão três vencedores que poderão escolher um (1) exemplar de presente.

Para participar, marque DOIS amigos nos comentários do post no Facebook e preencha o formulário abaixo!

ATENÇÃO:

– Caso a mesma pessoa se inscreva mais de uma vez ela será desclassificada.

– Você pode se inscrever no sorteio do Instagram e Twitter também, é só seguir as regras.

– Você pode comentar mais de uma vez no post, mas não pode repetir os amigos marcados.

–  Ao terminar de preencher o formulário aparece a mensagem “Seu formulário foi enviado com sucesso”. Espere a página carregar até o final para confirmar a inscrição.

– Se você já ganhou um sorteio nos últimos 7 dias no Facebook, você não poderá participar deste sorteio.

– O resultado será anunciado no dia 03 de maio, segunda-feira, em nosso perfil no Facebook. Boa sorte!

testeJerry Seinfeld é o maior gênio vivo da comédia e eu posso provar

Por Gabriel Trigueiro*

(George Lange/NBCU Photo Bank)

Segundo Christopher Hitchens, todo o fundamento do humor judaico e do seu sentido particular de ironia começou quando Maimônides assentiu que o Messias um dia virá, embora “talvez ele se atrase”. Para Hitchens, o humor judaico é uma tradição de humor encapsulada naquele dar de ombros “meio esperançoso, meio pessimista”, presente em gente como Lenny Bruce e Woody Allen. Com Jerry Seinfeld não é diferente.

Em primeiro lugar, é preciso reconhecer o óbvio: a grande obra-prima de Seinfeld é a sua série homônima, cocriada com outro gênio, Larry David. Sua estreia foi em 1989 e os efeitos revolucionários na TV norte-americana ainda não foram exaustivamente mensurados. Se “revolucionários” a princípio pode soar como uma hipérbole, a gente pode aproveitar e examinar mais de perto alguns pontos em que Seinfeld foi, e ainda é, uma série divisora de águas.

Até Seinfeld, a estrutura narrativa de um episódio regular de uma sitcom era mais ou menos a seguinte: havia duas histórias, X e Y, além de uma piada principal e recorrente, que atravessava o episódio meio que do início ao fim. Essa piada também funcionava como elemento narrativo, porque contava pelo menos um fiapo da história. Seinfeld acabou com isso, porque apresentava cada episódio com sei lá quantas storylines diferentes e autônomas, mas que se encaixavam feito peças de um quebra-cabeça intrincado. Isso fica claro por exemplo em um episódio como “The Contest” (décimo primeiro episódio da quarta temporada), no qual os quatro personagens principais (Seinfeld, George, Kramer e Elaine) apostam para ver quem consegue ficar mais tempo sem se masturbar: cada personagem tem uma storyline com um desenvolvimento próprio, particular. No fim do episódio, as quatro storylines convergem para um final cômico que é maior do que a soma das partes.

Além de ser conhecido como “um show sobre nada”, Seinfeld já foi definido pelo próprio Jerry como um programa em que não há “a hora do abraço”. Nesse sentido, é irônico pensar que uma série excessivamente americana — ou melhor, excessivamente nova-iorquina — também tivesse uma sensibilidade análoga à de certos diretores na nouvelle vague europeia. O cinema de Antonioni e Truffaut, por exemplo, sempre focou em coisas pequenas, mundanas, comezinhas mesmo. Em um humanismo e uma sensibilidade do homem comum. Tanto Antonioni como Truffaut já foram acusados, talvez inadequadamente, de niilistas morais. Não é porque a linguagem adotada em Seinfeld é a da comédia, e não a de um drama mais ou menos sisudo europeu, que não dá para observar as mesmas coisas. Ou talvez a melhor analogia seja com outro nova-iorquino: John Cassavetes. É isso, Seinfeld é o Cassavetes da comédia norte-americana.

Seinfeld representou mais um ponto de inflexão formal na linguagem clássica das sitcoms americanas quando foi, aos poucos, mudando de uma sitcom multicâmera padrão (método normalmente feito com quatro câmeras fixas, dando a impressão de uma peça filmada) para uma série que preferencialmente se valia da técnica de câmera única, muito mais afim ao cinema, por exemplo. Seinfeld foi tão revolucionária quanto Twin Peaks e The Sopranos, mas infelizmente é incomum que seja citada ao lado dessas duas, no mesmo fôlego.

 

A carta de amor mais bonita e engraçada já escrita para a comédia

(NETFLIX/Divulgação)

Além de Seinfeld, outro projeto de importância imensa é o Comedians in Cars Getting Coffee, iniciado como websérie e posteriormente comprado pela Netflix. No momento já está na décima primeira temporada, e consiste em passeios de carro e cafés de Jerry com comediantes que ele admira: gente nova e gente da velha guarda. Muitos nomes importantes já passaram por lá: Eddie Murphy, Sarah Silverman, Ricky Gervais, David Letterman, Chris Rock, Louis C.K., Tina Fey, Steve Martin e Dave Chappelle.

Comedians in Cars é um programa essencialmente metalinguístico: são comediantes conversando sobre o ofício da comédia, e essa é a graça. Em um dos melhores episódios (nono episódio da primeira temporada), assistimos a Mel Brooks comendo pastrami na casa de Carl Reiner, e ambos contando piadas antigas, “causos” de Hollywood etc. etc. Em outro excelente episódio (décimo segundo episódio da décima temporada), Seinfeld visita Jerry Lewis para uma longa conversa sobre a sua carreira e os fundamentos da comédia. Lewis faleceu poucos dias depois da entrevista.

É um episódio muito bonito, porque nele vemos Seinfeld, normalmente cínico e blasé, se comportar como um fanboy, cheio de brilho nos olhos por estar conversando com o seu ídolo. Seinfeld, antes de ser um comediante, é um nerd de comédia. Sabe tudo e mais um pouco do riscado. Conhece com minúcias a filmografia do seu entrevistado, melhor até do que o próprio Lewis. Quando assisti a esse episódio, só fiquei pensando como seria lindo um livro que funcionasse como uma antologia de entrevistas do Jerry Lewis, feitas pelo Seinfeld. Dava fácil para publicar algo equivalente ao clássico Hitchcock/Truffaut: um Lewis/Seinfeld, quem sabe.

Muito embora Seinfeld tenha sido influenciado por comediantes radicais e iconoclastas como Andy Kaufman e Richard Pryor, além de ter sido desde cedo um leitor atento da revista Mad, e de suas subversões e escatologias, sua comédia sempre foi limpinha e tão apolítica quanto possível. Mesmo fazendo esse tipo de comédia absolutamente bem-comportada, Seinfeld não deixa passar uma oportunidade de cutucar o tal do “politicamente correto”. Ainda que ao longo de sua trajetória ele jamais tenha sido perseguido por quem quer que fosse, sofrido qualquer censura ou interdição de qualquer natureza. Às vezes essas reclamações soam mais como elementos que compõem a sua persona de comediante rabugento, à la Don Rickles — um de seus ídolos e maiores inspirações, a propósito. Jerry Seinfeld sempre foi um esteta e um formalista. Sua comédia às vezes é quase parnasiana, e tem mais em comum com o rigor de um poeta do que com a de boa parte de seus pares de geração. Um exercício interessante é ler a sua antologia de piadas, organizadas por faixas cronológicas, Será que isso presta?, publicada agora no Brasil pela Intrínseca e traduzida por Jaime Biaggio.

Seinfeld é alguém que escreve admiravelmente bem, embora esse ponto específico não seja lá muito comentado. Mas poucas pessoas conseguiriam escrever piadas com um rigor formal tão obsessivo: nada lá é à toa, a metrificação, o ritmo, as punchlines e os jogos de palavras. Suas piadas às vezes têm um nível de precisão formal semelhante ao de uma equação matemática. Obviamente, semelhante ao de uma equação matemática engraçada, você entendeu.

Por exemplo, na piada “Break-in”: “Breaking News: We have no interest in anything that happened today. We want breaking. Break-in, that’s breaking right now. ‘I’m sorry to break-in, but we have a breaking story (…)”, e por aí vai. O nome desse negócio aí que ele faz, em português, é paronomásia: um jogo de palavras parônimas (palavras com o som e a escrita semelhantes, mas com significados distintos). É o tipo de piada clássica seinfeldiana: tem graça menos pelo que está sendo contado e muito mais pela sua forma e encadeamento. Repare na musicalidade e no ritmo. Repito, é quase poesia.

 

Jerry Seinfeld: um pouco de comédia, um pouco de poesia

Apesar de ser um formalista quase anacrônico, Jerry Seinfeld é fruto da revolução no stand-up feita pela turma de comediantes dos anos 1960: a galera que escrevia o seu próprio material e dispensava, diferentemente da geração anterior, gente como Bob Hope e Jack Benny, roteiristas e ghostwriters. Surgido nos palcos na década de 1970, Seinfeld se filia à tradição de comédia autoral inaugurada poucos anos antes. Revolucionou a comédia com o seu programa televisivo, Seinfeld, e revolucionou a comédia uma segunda vez, mostrando agora as suas engrenagens e mecanismos secretos, com Comedians in Cars Getting Coffee.

Como ele mesmo escreveu em Será que isso presta?: “A razão de ser do stand-up é a busca de um momento fugaz de conexão humana. Como quando surfistas se sentam na prancha e esperam por mais uma onda.” É uma imagem muito bonita e à altura do que a sua comédia tem nos proporcionado há mais de quarenta anos. Que venham mais quarenta.

 

*Gabriel Trigueiro é doutor em História Comparada pela UFRJ e especialista em teoria política e crítica cultural. Escreve sobre política brasileira, política internacional e cultura.

testeSorteio Twitter – Comédias românticas [Encerrado]

Se você é fã de histórias que deixam o coração bem quentinho, vai amar o sorteio que preparamos para essa semana! Inspirados pelo nosso quiz, vamos sortear 3 sortudos que poderão levara para casa uma comédia romântica da Intrínseca.

Está na dúvida sobre qual livro escolher? Faça o teste e descubra!

Para participar do sorteio você precisa seguir o nosso perfil (@intrinseca), compartilhar essa imagem no FEED do seu Twitter PUBLICAMENTE e preencher o formulário abaixo!

ATENÇÃO:

– Caso a mesma pessoa se inscreva mais de uma vez ela será desclassificada.

– Você pode se inscrever no sorteio do Instagram e Facebook também, é só seguir as regras.

– Você pode comentar mais de uma vez no post, mas não pode repetir os amigos marcados.

–  Ao terminar de preencher o formulário aparece a mensagem “Seu formulário foi enviado com sucesso”. Espere a página carregar até o final para confirmar a inscrição.

– Se você já ganhou um sorteio nos últimos 7 dias no Twitter, você não poderá participar deste sorteio.

– O resultado será anunciado no dia 26 de abril, segunda-feira, em nosso perfil no Twitter. Boa sorte!

testeSorteio Instagram – Comédias românticas [Encerrado]

Se você é fã de histórias que deixam o coração bem quentinho, vai amar o sorteio que preparamos para essa semana! Inspirados pelo nosso quiz, vamos sortear 3 sortudos que poderão levara para casa uma comédia romântica da Intrínseca.

Está na dúvida sobre qual livro escolher? Faça o teste e descubra!

Para participar, marque DOIS amigos nos comentários do post no Instagram e preencha o formulário abaixo!

ATENÇÃO:

– Caso a mesma pessoa se inscreva mais de uma vez ela será desclassificada.

– Você pode se inscrever no sorteio do Facebook e Twitter também, é só seguir as regras.

– Você pode comentar mais de uma vez no post, mas não pode repetir os amigos marcados.

–  Ao terminar de preencher o formulário aparece a mensagem “Seu formulário foi enviado com sucesso”. Espere a página carregar até o final para confirmar a inscrição.

– Se você já ganhou um sorteio da Intrínseca nos últimos 7 dias no Instagram, você não poderá participar deste sorteio.

– O resultado será anunciado no dia 26 de abril, segunda-feira, em nosso perfil no Instagram. Boa sorte!