Notícias

Sete grandes nomes da imprensa refletem sobre os desafios do jornalismo no Brasil no livro Tempestade perfeita

7 / junho / 2021

O jornalismo profissional, cercado por uma avalanche de fake news, minado pela perda da publicidade para as plataformas digitais e golpeado pelos ataques do populismo, está em crise – uma crise histórica, de consequências existenciais, que coincide com a perda de representatividade das democracias liberais. Mas a imprensa resiste e corre atrás, buscando novos modelos de atuação, tentando se renovar, ciente de que é uma das instituições fundamentais da sociedade democrática. É justamente sobre os desafios e oportunidades desse cenário conturbado que a coletânea Tempestade perfeita vem debater.

A partir da própria experiência e falando especialmente para o leitor que jamais esteve dentro de uma redação, Caio Túlio Costa, Cristina Tardáguila, Helena Celestino, Luciana Barreto, Marina Amaral, Merval Pereira e Pedro Bial se debruçam sobre o ofício do jornalismo, seus conceitos e formas de trabalhar, refletindo não só sobre os problemas do momento atual, mas também sobre o esforço continuado da imprensa em vencê-los.

Em discussões que vão desde os ataques coordenados de desinformação e agressões contra jornalistas até a reinvenção do próprio modelo de negócio, frente à concorrência dos meios digitais, o livro aborda a liberdade de expressão; o falso dilema entre neutralidade e clareza moral; a onda de relativismo disfarçado de argumentação política; e a necessidade urgente de se ampliar a representatividade na cobertura jornalística, pautada majoritariamente por homens brancos de classe média; entre outros temas de extrema relevância. 

Tempestade perfeita já está em pré-venda, chega às livrarias no dia 28 de junho e é a sétima publicação do História Real, selo de não ficção da Intrínseca dedicado aos grandes debates nacionais. Editado por Roberto Feith, o selo também conta com os títulos Liberdade igual (Gustavo Binenbojm), O caminho do centro (Marcelo Trindade), Sem data venia (Luís Roberto Barroso), Falso mineiro (Simon Schwartzman), Jornada improvável (Eduardo Mufarej) e Lições amargas (Gustavo Franco), todos já disponíveis.


Saiba mais sobre os livros

Leia mais Notícias

O jornalismo é uma ponte para o coração do outro

O jornalismo é uma ponte para o coração do outro

Walter Isaacson, o biógrafo da inovação

Walter Isaacson, o biógrafo da inovação

Uma reflexão sobre as dores e alegrias da paternidade

Uma reflexão sobre as dores e alegrias da paternidade

Os sinais da catástrofe que um governo negacionista se recusou a ver

Os sinais da catástrofe que um governo negacionista se recusou a ver

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *