Notícias

O centenário de Patricia Highsmith e a revolução do thriller

19 / janeiro / 2021

Há 100 anos, nascia uma das maiores autoras de thrillers criminais de todos os tempos. Patricia Highsmith revolucionou a literatura com suspenses psicológicos que até hoje inspiram inúmeros escritores, entre eles, Gillian Flynn, autora de Garota exemplar.

Em dezembro, a Intrínseca relançou Em águas profundas, há décadas esgotado no Brasil. E, em celebração ao centenário da autora, ficamos felizes em anunciar que mais obras de Highsmith estão por vir! Em abril, O talentoso Ripley e Ripley subterrâneo, os primeiros volumes da série que a consagrou, chegam às livrarias e lojas on-line seguindo o projeto gráfico e acabamentos especiais de Em águas profundas: capa dura metalizada, guarda especial e fitilho.

Hoje em dia não é difícil encontrar histórias com vilões carismáticos e sedutores. Mas, nos Estados Unidos dos 1950, os “anos dourados” marcados pelo ideal das famílias perfeitas em subúrbios abastados, torcer para que o assassino saísse impune de seus crimes era, no mínimo, inusitado. Dotada de um olhar sagaz, Highsmith não tinha medo de encarar os aspectos mais sórdidos de seu tempo. Antes mesmo da revolução sexual que marcou o fim da década de 1960, a autora já usava seu senso de humor sombrio para explorar o desejo e a solidão das mulheres à mercê do poder masculino.

Mas Patricia está longe de personificar uma figura a ser idealizada. De acordo com o biógrafo Andrew Wilson, apesar de ter mantido inúmeros casos amorosos com mulheres ao longo da vida, ela detestava a companhia feminina e foi acusada de ter uma “veia misógina”. Além disso, falava abertamente sobre seu antisemitismo, mesmo tendo mantido relacionamentos duradouros com judias. Como diz Carmen Maria Machado em reportagem sobre a escritora, “embora não gostasse de outras pessoas, Highsmith também não gostava muito de si mesma”.

Talvez esse seja o motivo de sua visão tão lúcida sobre o pior lado dos homens, dos atos que são capazes de fazer por puro ego, tédio ou psicopatia. Ler Patricia Highsmith é como espiar por uma fresta em um crânio e se deparar com toda feiura que a psique humana pode carregar.

É com esse sentimento que nos deparamos quando iniciamos a leitura de Em águas profundas, que chegou em primeira mão para os assinantes do clube intrínsecos como livro extra da caixa de dezembro. A obra acompanha o acordo peculiar de Vic e Melinda: ela pode ter quantos amantes quiser, desde que não arraste o marido e a filha pequena para o caos de um divórcio. Vic não se incomoda com os casos da esposa, mas acredita que os homens eleitos por ela são rasos e estúpidos. A qualidade dos amantes o ofende e, na tentativa de afugentá-los, Vic passa a se dizer o responsável pelo assassinato de um deles. A brincadeira logo dá início a uma sequência de eventos que foge do controle e culmina em muita manipulação psicológica e sangue.

Cena de O talentoso Ripley (1999)

Mais de 60 anos após seu lançamento, Em águas profundas vai ganhar uma adaptação com Ben Affleck (Argo), Ana de Armas (Entre Facas e Segredos) e Jacob Elordi (Euphoria). Mas essa não será uma empreitada inédita. Highsmith e o cinema têm uma longa parceria de sucesso marcada por grandes nomes do mercado.

O primeiro livro da autora, Pacto sinistro (Strangers on a Train) foi adaptado por ninguém menos que Alfred Hitchcock em 1951. A série protagonizada por Tom Ripley chegou ao cinema algumas vezes, entre elas: O sol por testemunha (1960), dirigido pelo francês René Clément, O talentoso Ripley (1999), com Matt Damon, Jude Law e Gwyneth Paltrow no elenco, e O retorno do talentoso Ripley (2002), protagonizado por John Malkovich. Até mesmo o livro que escreveu sob pseudônimo, The Price of Salt, mais tarde renomeado para Carol, ganhou um filme por Todd Haynes com Cate Blanchett e Rooney Mara em 2015. Ao todo, são mais de quarenta adaptações entre filmes, séries, peças e programas de rádio.

Exatamente 100 anos após o nascimento de Patricia Highsmith, fica claro que seus temas, personagens e reviravoltas, que atravessaram gerações e se tornaram atemporais, ainda têm fôlego para nos encantar. Além de celebrá-la junto aos leitores antigos, para nós é uma honra participar de mais um capítulo dessa história e apresentá-la para os que ousarem se aventurar por esse território assustador. Iniciante ou não no universo de Highsmith, temos certeza de que você se surpreenderá a cada página.

Tags , , , .

Saiba mais sobre os livros

Leia mais Notícias

Um novo modelo de solidão com Edward Hopper e Joël Dicker

Um novo modelo de solidão com Edward Hopper e Joël Dicker

Conheça o novo livro da autora de A última festa

Conheça o novo livro da autora de A última festa

Como não ser dominado pelos próprios sentimentos?

Como não ser dominado pelos próprios sentimentos?

Romance inédito de Jojo Moyes chega ao Brasil em dezembro

Romance inédito de Jojo Moyes chega ao Brasil em dezembro

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *