Notícias

Como era o mundo em 2003, ano em que a Intrínseca nasceu

10 / dezembro / 2020

por Intrínseca*

Em dezembro de 2003, eu nasci. Nasci, não: estreei. O mundo era bem diferente naquela época e, talvez, assim como eu, você ainda fosse um recém-nascido e não soubesse muito bem o que acontecia por aí. Ou talvez você ainda nem tivesse nascido. Temos muitos leitores mais jovens do que eu, o que eu acho incrível (e um pouco assustador)!

Como eu gosto de uma festa e também de muitas lembranças legais, pedi ajuda ao Google e também às pessoas que trabalham comigo para relembrarmos como era o mundo no distante ano de 2003. Preparados? Então venham comigo nesse maravilhoso túnel do tempo!

As pessoas gostavam muito de usar imagens 3D com efeitos duvidosos naquela época

O mundo no começo dos anos 2000 era muito diferente e parecia outro planeta. Juro! André Agassi era o cara no tênis e os primeiros smartphones começavam a chegar para o público, ainda em uma versão muito tosca se comparada aos modelos de hoje em dia. Na época, a Nokia ainda era a empresa dominante no mercado e o BlackBerry, que se tornaria referência no final da década, ainda estava apenas começando. Olha só como eram os telefones top de linha lançados naquele ano:

Sim, telefones tinham teclas!!! Bizarro

Quanto esses celulares custavam? Caro, muito caro. O Palm Treo, o último da imagem acima, custava em torno de R$ 3.700. Isso na época em que o salário mínimo era de incríveis R$ 240!!! É como se, hoje, os aparelhos top de linha custassem mais de R$ 16.000. Bem… parece que algumas coisas nunca mudam, não é? ¯\_(ツ) _/¯

Na política, chegava ao fim a Guerra ao Terror que os EUA impôs nas terras iraquianas, e Arnold Schwarzenegger assumia o cargo de governador da Califórnia. Aqui no Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva assumia a presidência da república e aproveitou para convidar Gilberto Gil para ser um de seus ministros, no agora extinto Ministério da Cultura. Gil assumiu o cargo no mesmo ano em que recebeu o Grammy Latino de Personalidade do ano.

Nos cinemas, duas grandes sagas chegavam ao fim: O Senhor dos Anéis e Matrix. Outros grandes sucessos alcançaram a lista das 50 maiores bilheterias da história: Procurando Nemo e Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra. A indústria cinematográfica também fazia grandes testes com tecnologias, e o grande apostador desse ano foi Pequenos Espiões 3D, filme que preparou o caminho para o inesquecível clássico Sharkboy e Lavagirl.

Sério, como essa obra-prima não ganhou um Oscar de efeitos especiais???

Por falar em tecnologia, há 17 anos o iMac G3 parou de ser fabricado. O computador pessoal da Apple juntava CPU e monitor em uma peça só, com um design supermoderninho e colorido. Nos videogames, a Nokia lançava o primeiro console portátil híbrido com celular, o N-Gage, e a Nintendo lançou o Gameboy Advance SP, ainda surfando na onda dos populares jogos Pokémon.

Ter um Mac na época era tão moderninho (e caro) quanto hoje

Na TV, a Globo exibia o Big Brother Brasil 3, edição que revelou Sabrina Sato para o mundo. No mundinho das novelas, estreava o megassucesso Chocolate com Pimenta, a nova versão de Carga Pesada e a série Os Normais chegava ao fim. Nesse mesmo ano estreou uma das novelas mais malucas já exibidas no canal: Kubanacan. A história do Pescador Parrudo, personagem interpretado por Marcos Pasquim, era uma comédia de época, que se passava no fictício país caribenho chamado República das Bananas, e que aos poucos se revelou uma grande ficção científica, com direito a viagem no tempo, um protagonista com um lado sombrio e, claro, uma conspiração governamental.

Spoiler do final da novela: além de descamisado, o Pescador Parrudo também era o seu próprio pai. Doideira!

A temporada de Malhação daquele ano tinha como protagonistas Victor e Luísa, interpretados por Sérgio Marone e Manuela do Monte. Com a presença dos coadjuvantes Cabeção, Rafa e Maumau (Sérgio Hondjakoff, Ícaro Silva e Cauã Reymond), é também nessa fase que Miyuki (Daniele Suzuki) aparece pela primeira vez. Aliás, esqueça o Spotify: se você era um jovem descolado, poderia ouvir a maior parte das músicas do momento nos CDs com as trilhas sonoras oficiais da novela.

Pessoal aqui do marketing pediu para avisar que essa foi uma das melhores fases da novela

O mundo da música (e do colégio Múltipla Escolha) bombava com grandes sucessos como “Prometida”, do Br’Oz, “Crazy in Love”, da Beyoncé, “Sorte grande”, da Ivete Sangalo, e “Amor e sexo”, da Rita Lee. A trilha sonora da novela também continha “All the Things She Said”, da dupla t.A.T.u., e “Sk8er Boy”, da Avril Lavigne. Uma grande discotecagem pop variada.

Por último, mas não menos importante, no mundo da literatura, era lançado nos Estados Unidos Precisamos falar sobre o Kevin, da Lionel Shriver, o primeiro volume de Como treinar seu dragão, de Cressida Cowell, e Harry Potter e a Ordem da Fênix. A Intrínseca ainda era tudo mato e só lançou Hell, de Lolita Pille.

Meu primeiro livrinho hihihi (Foto: diariosdeumpiquenique.com.br)

Ufa! Quanta coisa.

2003 foi realmente um ano muito bom, principalmente se lembrarmos que, em 10 de dezembro, eu nasci. Quantas histórias contamos e vivemos… Quantas pessoas de idades e estilos diferentes leram meus livros… tô até ficando emocionada, então vou encerrar por aqui.

Mas, antes que eu me esqueça, é sempre bom lembrar que eu não nasci: estreei.

 

*Intrínseca é a editora mais legal do Brasil e também a aniversariante do mês. Ficou emocionada com essa lista, mas também por ser amada por tantos leitores Brasil afora. Obrigada por tudo ♥

Leia mais Notícias

Leia um trecho da comédia romântica Não é errado ser feliz

Leia um trecho da comédia romântica Não é errado ser feliz

Intrínseca na primeira Bienal Virtual de São Paulo

Intrínseca na primeira Bienal Virtual de São Paulo

O centenário de Patricia Highsmith e a revolução do thriller

O centenário de Patricia Highsmith e a revolução do thriller

“Sim, não, quem sabe”: Saiba tudo sobre o livro de Becky Albertalli com Aisha Saeed

“Sim, não, quem sabe”: Saiba tudo sobre o livro de Becky Albertalli com Aisha Saeed

Comentários

3 Respostas para “Como era o mundo em 2003, ano em que a Intrínseca nasceu

  1. Que retrospectiva maravilhosa, trabalho impecável do marketing, parabéns. Parabéns também à aniversariante, mesmo que atrasado, pela estréia.

  2. Caramba, eu vi o livro Hell e lembrei MUITO de um pessoal lendo ele! Na época eu tinha o menor interesse em ler (creia que eu tinha os 4 Harry Potter e mofaram nas prateleiras) – Hoje sou assinante da intrínsecos e tenhos todos os livros de HP em capa dura kkkkkkkk
    Mas voltando ao que eu estava falando, deu mega vontade de ler ele, vocês ainda tem? Vou procurar!

  3. Oi, Carol! Infelizmente o livro está esgotado, mas obrigada pelo carinho ♥

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *