Daniela Arbex

A médium, o cientista e os peixes

2 / setembro / 2020

Tenho admiração profunda por pessoas vestidas de humanidade. Falo de gente rara, capaz de se preocupar verdadeiramente com o próximo. Dona Isabel Salomão de Campos, a biografada de Os dois mundos de Isabel, tem a característica da singularidade.

Apaixonada por cascatas, ela construiu uma na varanda de casa para ouvir o barulho da água caindo nas pedras. E foi nesse mesmo lago que ela solucionou “grandes” dilemas domésticos. Um deles diz respeito à aflição de um menino de 5 anos. Aluna do colégio criado por ela na década de 80, a criança deixou a sala de aula em direção à casa da médium, localizada no prédio vizinho ao da escola.

Sem hora marcada, o menino bateu na porta de Dona Isabel.

— Posso entrar? ― perguntou a visita inesperada.

— Entra, beleza.

O menino logo foi falando o que o trazia ali:

— Sabe o que é, Dona Isabel, estou com um problema enorme.

— O que foi, filhinho? ― perguntou Dona Isabel, parando o que fazia para dar atenção ao pequeno.

— Dona Isabel, eu tenho um aquário lá em casa, sabe? Mas meu pai não quer mais que meus peixes morem lá. Estou muito triste. O que eu vou fazer? ― perguntou, desolado.

— Já sei o que faremos ― respondeu a médium, abaixando-se para ficar quase na mesma altura do menino.

— O quê?

— Traga seus peixes para cá. Eu vou cuidar deles. Assim, quando você estiver com saudades pode vir visitá-los a hora que quiser.

A criança abriu um sorriso enorme e abraçou a médium. Aliviada com o desfecho do caso, pode voltar tranquila para a sala de aula.

 A atenção dada por Dona Isabel ao dilema da criança foi a mesma dada ao caso do cientista David Goodall. Em 2018, o australiano de 104 anos ficou mundialmente famoso ao anunciar que se submeteria a um suicídio assistido. Como o procedimento era proibido em seu país de origem, Gooddal precisaria viajar para Suíça, mas não tinha recursos suficientes para pagar por sua morte.

Logo que a notícia foi veiculada na imprensa, pessoas de toda a Europa passaram a doar dinheiro para ajudá-lo a cumprir seu desejo final.

No interior do Brasil, porém, Dona Isabel agiu na contramão do restante do mundo: começou a pensar em formas de ajudá-lo a viver. Queria fazer chegar a ele uma mensagem de esperança. Como David era materialista, a médium abriu mão de falar em Deus pela primeira vez porque sabia que ele não entenderia. Então gravou um recado cheio de amor e de encorajamento. A última voz que o cientista ouviu em vida foi a de Dona Isabel. E o que parece ser o fim é apenas o começo da história.

Ficou curioso? Corre para ler Os dois mundos de Isabel.

 

Leia mais Daniela Arbex

O jornalismo é uma ponte para o coração do outro

O jornalismo é uma ponte para o coração do outro

Trajetórias extraordinárias precisam ser contadas

Trajetórias extraordinárias precisam ser contadas

O jornalismo é uma ponte para o coração do outro

O jornalismo é uma ponte para o coração do outro

Trajetórias extraordinárias precisam ser contadas

Trajetórias extraordinárias precisam ser contadas

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *