Artigos

O que fazer quando o maior risco para um país é o próprio presidente?

16 / abril / 2020

Michael Lewis analisa a gestão de Trump para revelar como as decisões de um presidente podem prejudicar a segurança de seu próprio país.

Antes de deixar a presidência dos Estados Unidos, George Bush ordenou que todos os departamentos de sua gestão preparassem relatórios e apresentações destinados ao próximo ocupante da Casa Branca. Àquela altura, ele não sabia se o sucessor seria um membro do próprio partido ou um democrata. O gesto foi motivado pelo simples entendimento de que era necessário manter o legado das administrações anteriores, otimizar o tempo de ação do governo seguinte, poupando-lhe esforços que seriam empregados para entender o funcionamento da máquina federal. Acima de tudo, seu objetivo era assegurar que todo o planejamento contra ameaças à segurança nacional fosse mantido, e para isso todos os departamentos elencaram os principais alertas a se ter em mente.

Barack Obama venceu aquela eleição e recebeu de bom grado o material preparado pelo colega do partido rival. Ele também deu continuidade a essa política, organizando material com todo o conhecimento da sua gestão e das anteriores a ser transferido ao novo presidente. Por isso, quando foi confirmada a vitória de Donald Trump, todas as agências federais estavam preparadas para receber a equipe de transição do novo líder e prepara-la para assumir suas funções. O problema é que ninguém apareceu.

Após semanas de espera, os poucos membros enviados por Trump demonstraram desinteresse total pelo conhecimento que os servidores de carreira e chefes dos departamentos tinham a passar. Pior ainda: pareciam desconhecer por completo as funções dos setores que comandariam e tinham currículos bem questionáveis — isso sem mencionarmos os casos de possíveis conflitos de interesse.

Michael Lewis resolveu então ir atrás de alguns desses servidores — que aos poucos seriam limados de seus cargos — a fim de ouvir o que teriam a dizer sobre a atitude de Trump. A principal pergunta que fez a eles foi “quais são os riscos que mais o apavoram?” e uma das respostas o assombrou: uma das maiores ameaças iminentes contra os Estados Unidos (e o mundo) está personificada na figura do próprio Trump. E assim temos o desenho do quinto risco: tudo aquilo que desconhecemos, que sequer cogitamos que possa vir a acontecer, o imponderável. É natural que esse fator sempre exista em certa medida, mas o que fazer quando o principal responsável por minimizá-lo simplesmente lava as mãos e prefere se refugiar na ignorância? Até que ponto o desprezo pelo conhecimento demonstrado pelos líderes de Estado ameaça a nossa existência?

Em O quinto risco, Michael Lewis defende que, acima de ideologias e de partidos políticos, é fundamental que os presidentes demonstrem um mínimo de interesse em entender as engrenagens da máquina pública, fornecendo a ela os recursos e a liberdade necessários para fortalecer as defesas contra tudo aquilo que ameaça ou possa vir a ameaçar a segurança nacional. Afinal, é a máquina pública como um todo, e não apenas um único indivíduo, que está na linha de frente contra perigos como bioterrotismo, pandemias, desastres naturais, crises econômicas, ameaça nuclear e todo tipo de catástrofe que podemos (ou não) imaginar.

Infelizmente, a atual pandemia de COVID-19 vem demonstrando com clareza a forma como a relação que cada presidente mantém com sua estrutura e seus subordinados impacta diretamente a vida da população, extrapolando até as fronteiras nacionais e gerando implicações em escala planetária. Em um tempo em que somos “cidadãos do mundo”, a leitura de O quinto risco se faz ainda mais primordial.


Saiba mais sobre os livros

Leia mais Artigos

Uma Espanha confinada que não pode enterrar seus mortos

Uma Espanha confinada que não pode enterrar seus mortos

Como as fake news podem desacreditar a imprensa e desestabilizar democracias

Como as fake news podem desacreditar a imprensa e desestabilizar democracias

Black Hammer: um ensaio sobre a vida e a morte dos super-heróis

Black Hammer: um ensaio sobre a vida e a morte dos super-heróis

Francis Ford Coppola e a juventude marginalizada de The Outsiders

Francis Ford Coppola e a juventude marginalizada de The Outsiders

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *