Notícias

Você leria o livro da sua vida?

2 / março / 2020

Uma fábula sobre o poder das histórias e a força das nossas escolhas. Conheça o mais novo título nacional da Intrínseca, O livro de Líbero, romance de estreia de Alfredo Nugent Setubal.

O jovem Líbero Perim ainda não sabe, mas escolher entre ler ou não o livro da sua vida pode mudar tudo para sempre.

Curioso e apaixonado por histórias, o menino de onze anos mal consegue conter a animação quando o Circo Bosendorf chega à minúscula cidade de Pausado, possivelmente a menor do mundo.

Autointitulado redator-repórter-editor-chefe-júnior do jornal Gazeta de Pausado, Líbero é designado para descobrir quais serão as atrações no picadeiro, mas acaba encontrando algo muito mais fantástico e inexplicável: um livro misterioso, oferecido pelo guardião da tenda amarela. O livro da sua vida.

Em suas páginas estão todo o seu passado e futuro. E aceitar levá-lo ou rejeitar a chance de ter em mãos o roteiro da própria vida são as alternativas que podem mudar para sempre o destino não apenas de Líbero, mas de todos aqueles que ama.

Em seu livro de estreia, Alfredo Nugent Setubal leva o leitor para um passeio pelos caminhos da memória, investiga a natureza do tão familiar sentimento de “e se tivéssemos feito tudo diferente?” e nos mostra que o futuro talvez não passe de inúmeras versões do caleidoscópio do presente.

Prepare-se para se apaixonar por Pausado e seus habitantes em O livro de Líbero, um emocionante romance de formação recheado com os detalhes coloridos e pitorescos de uma cidade do interior.

Leia um trecho:

Se nada mudou, ele chegará daqui a dez ou onze horas. É o que dizia o meu livro na última vez que chequei. Talvez venha um pouco mais cedo, talvez desista e nunca apareça. Não sei. Estico o braço na direção do criado-mudo, abro na página marcada pelo fitilho e reconfirmo: por enquanto, tudo igual. Ele continua a caminho, apenas uma madrugada de distância entre nós.

Ele entrará pela fresta de pano sem titubear, sem esperar, sem ser anunciado, exatamente como três décadas atrás, pela repetição dos seus gestos tentando reencenar o passado. Reabitá-lo. Uma segunda chance. Mas não existem segundas chances: milhares de dias e quilômetros nos separaram daquela noite em Pausado. De igual, apenas esta tenda amarela, onde ele vai se esgueirar com a desfaçatez de um cachorro faminto.

— Você gostaria, Líbero, de ler o livro da sua vida? — perguntei a ele naquela noite, a mesma pergunta que repeti para tantas outras pessoas, antes e depois disso.

Nunca mais o vi depois daquela noite. Faz trinta e três anos.

Há algumas horas, sentei nessa poltrona e abri o meu livro. Como todo fim de tarde. Faz muitos anos que decidi só usá-lo assim, a conta-gotas, descortinando o meu futuro de amanhã em amanhã, com a naturalidade de quem folheia a agenda para checar os compromissos do dia seguinte. O futuro distante me assusta, mas não os amanhãs, quase palpáveis. O pote de ouro no fim do arco-íris nunca me interessou, me intriga muito mais o que habita atrás do pôr do sol, na curva do horizonte.

Hoje, porém, não houve pôr do sol.

Não chovia, mas uma luz pálida e insossa iluminava o acampamento. Me recolhi mais cedo do que de costume. Acendi o lampião a gás, sentei na poltrona e abri o meu livro na página marcada. Ali estava a garantia de que haveria um amanhã. O meu amanhã. Comecei a ler. E foi assim, em uma página qualquer, de um parágrafo qualquer, que o amanhã trouxe duas palavras que não deveriam estar ali.

Líbero Perim.

Raramente penso nele, mas nunca deixei de me perguntar o que aconteceu com aquele garoto magricela e curioso depois que correu para fora da minha tenda e da minha vida. Nunca consegui me desfazer do seu livro, vermelho, de capa dura, idêntico ao meu e aos tantos outros que eu e Lourival distribuímos. Guardei como um suvenir, para caso esse dia chegasse. E chegou.

Se nada mudar, Líbero vai aparecer daqui a dez ou onze horas.

Vai me reconhecer de imediato e não vai sentar, não vai ajoelhar. Implorará de pé, sem dizer uma única palavra. Talvez fosse melhor esconder seu livro e mentir: dizer que o que ele procura já não existe. Mas não, se ele veio até aqui que abra aquelas páginas e descubra de uma vez por todas a verdade: o que ele procura já não existe. Tanto faz.

Às vezes, mentiras e verdades são a mesmíssima coisa.

Tags , .

Saiba mais sobre os livros

Leia mais Notícias

Poesia e natureza se misturam e te esperam em Um lugar bem longe daqui

Poesia e natureza se misturam e te esperam em Um lugar bem longe daqui

Por que estamos ansiosos para o novo livro do autor de A menina que roubava livros

Por que estamos ansiosos para o novo livro do autor de A menina que roubava livros

Alexander Hamilton | A biografia do pai fundador mais inspirador e polêmico da história americana

Alexander Hamilton | A biografia do pai fundador mais inspirador e polêmico da história americana

Leia um trecho da comédia romântica Não é errado ser feliz

Leia um trecho da comédia romântica Não é errado ser feliz

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *