Listas

Quatro histórias macabras que estão em Medicina dos horrores

5 / dezembro / 2019

No século XIX, nada garantia que os procedimentos cirúrgicos fossem salvar a vida das pessoas ou que os ambientes hospitalares da época seriam seguros. Em anfiteatros lotados e abafados, as cirurgias eram realizadas sem anestesia, com instrumentos sujos e uma rapidez capaz de provocar acidentes.

No livro Medicina dos horrores, da doutora em história da ciência Lindsey Fitzharris, somos apresentados a esse universo curioso e muitas vezes macabro, que mexe até com quem tem o estômago mais forte.

Ficou curioso? Separamos quatro histórias bizarras e que aparecem no livro:

 

A “faca de Liston”

Força bruta e velocidade eram fatores cruciais para a sobrevivência dos pacientes na época em que Robert Liston ganhou notoriedade. O cirurgião ficou famoso por conseguir amputar uma perna em menos de trinta segundos, e era comum vê-lo segurando a faca ensanguentada entre os dentes para ficar com as duas mãos livres enquanto trabalhava.

Foto: Royal College of Physicians and Surgeons of Glasgow

Sua fama era tamanha que ele chegou a desenhar o próprio instrumento, a chamada “faca de Liston”, com uma lâmina maior do que norma e ponta afiadíssima. Ela pode ser vista na Royal College of Physicians and Surgeons of Glasgow, na Escócia.

Uma curiosidade é que esse tipo de faca se transformou na arma preferida de Jack, O Estripador.

 

O anfiteatro cirúrgico

No século XIX era mais seguro fazer uma operação em casa do que num hospital. Os anfiteatros cirúrgicos eram verdadeiros portais para a morte, onde multidões de curiosos se apertavam para espiar procedimentos feitos sem anestesia e nenhum cuidado com a higiene.

É possível visitar um desses lugares em Londres. Fundado no século XII, o St Thomas’ Hospital é um dos hospitais mais antigos da cidade. No sótão de sua igreja, onde costumava existir o herbolário, fica localizado o segundo anfiteatro cirúrgico mais antigo do mundo e o primeiro da Europa.

Eles ainda oferecem demonstrações de como aconteciam os procedimentos (tudo de mentirinha, tá?), e você pode escolher ficar na plateia ou na própria mesa cirúrgica.

Foto: The Old Operating Theatre Museum

 

O livro macabro

No século XIX, os únicos corpos que podiam ser usados legalmente nas escolas de anatomias eram os de assassinos enforcados. Isso provocou o surgimento de um lucrativo comércio ilegal de cadáveres, que atraiu diversos criminosos.

Entre eles estão William Burke e William Hare, uma dupla de assassinos que no decorrer de dez meses estrangularam dezesseis pessoas em Edimburgo, e venderam seus cadáveres para uma faculdade de anatomia local. Os dois foram detidos, mas Hare fez um acordo e delatou seu cúmplice, que foi parar na forca.

Após ser enforcado, William Burke teve o seu corpo publicamente dissecado, e sua pele utilizada na fabricação de vários itens como bolsas e até mesmo um livro, exposto no Surgeon’ Hall Museums, na Escócia.

Foto: Lindsey Fitzharris

 

O tumor de Robert Penman

Chamado de “Napoleão da Cirurgia”, James Syme foi um gigante da sua profissão. Um dos casos relatados em Medicina dos horrores é a cirurgia feita em Robert Penman.

Penman desenvolveu um tumor fibroso do tamanho de um ovo de galinha na mandíbula, mas seu caso piorou e chegou ao ponto em que comer e respirar se tornaram quase impossíveis. Pesando mais de dois quilos e obstruindo quase toda a parte inferior do rosto, o tumor era praticamente uma sentença de morte. Mas James Syme e seus métodos nada ortodoxos não iam deixar isso acontecer.

Sentado em uma cadeira e com os braços e pernas imobilizados – já que ainda não existia anestesia –, Penman teve que aguentar quase meia hora de dor enquanto Syme cortava o tecido fibroso e os depositava em um balde no chão.

Contrariando todas as expectativas, Robert Penman sobreviveu ao procedimento e parte de seu tumor está exposto no Surgeon’ Hall Museums em Edimburgo, na Escócia.

Foto: Surgeon’ Hall Museums

Tags .

Saiba mais sobre os livros

Leia mais Listas

Cinco comédias românticas sobre namoros virtuais

Cinco comédias românticas sobre namoros virtuais

Cinco semelhanças entre Como eu era antes de você e Teto para dois

Cinco semelhanças entre Como eu era antes de você e Teto para dois

Viva a ciência: dicas de livros para quem gosta de saber mais

Viva a ciência: dicas de livros para quem gosta de saber mais

O que esperar da adaptação de Território Lovecraft?

O que esperar da adaptação de Território Lovecraft?

Comentários

Uma resposta para “Quatro histórias macabras que estão em Medicina dos horrores

  1. Me interessei pelo livro medicina dos horrores, assim que possível irei adquirir .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *