testeConheça a nova edição de Bird Box

Inspiração para um dos filmes de maior sucesso da Netflix e com mais de 200 mil exemplares vendidos no Brasil, Bird Box: Caixa de pássaros é um verdadeiro fenômeno. O thriller de Josh Malerman conta a história angustiante de Malorie, que busca sobreviver em um mundo pós-apocalíptico tomado por misteriosas criaturas. Alternando entre presente e passado, podemos acompanhar todos os sacrifícios, medos e dores de viver em um lugar onde abrir os olhos pode ser fatal.

Agora, o livro ganha uma edição especial para a Amazon, repleta de novidades exclusivas. Confira:

  1. Capa dura e metalizada

De cara nova, Bird Box: Caixa de pássaros está ainda mais luxuoso. A capa dura com acabamento metalizado tem uma ilustração incrível de Vincent Chong.

  1. Pintura trilateral

O livro tem também pintura trilateral na cor azul, combinando com a capa nova!

  1. Ilustrações de tirar o fôlego

As dez ilustrações impressionantes de Glenn Chadbourne deixam a trama de Bird Box: Caixa de pássaros ainda mais perturbadora.

  1. Conto inédito

Josh Malerman escreveu especialmente para essa edição o conto Bobby bate à porta, ambientado no mesmo universo de Bird Box.

testeAutora de O Homem de Giz confirmada na Bienal do Livro

(créd. © Bill Waters)

Se você curte thrillers macabros, já pode comemorar: C. J. Tudor, autora de O Homem de Giz, virá ao Brasil para a XIX Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro. O evento acontecerá entre os dias 30 de agosto e 8 de setembro de 2019.

Na trama de O Homem de Giz, Ed e seus amigos passam os dias como qualquer grupo de crianças dos anos 1980, até que estranhos sinais de giz os levam para o meio da floresta, onde encontram um corpo desmembrado. Trinta anos depois, o grupo recebe uma mensagem: um boneco de giz enforcado e um amigo morto. Misterioso e envolvente, o livro já vendeu mais de 25 mil exemplares no Brasil.

A autora virá à Bienal para divulgar seu novo thriller, O que aconteceu com Annie. O livro chega às lojas em maio, mas foi enviado antes na caixa do intrínsecos, o clube de assinatura da Intrínseca, e os leitores amaram!  

Em O que aconteceu com Annie, 25 anos depois de sua irmã mais nova desaparecer misteriosamente, Joe Thorne recebe um e-mail que o leva de volta para o passado: “Eu sei o que aconteceu com sua irmã. Está acontecendo de novo.” Joe então retorna à sua cidade natal para investigar, e vai descobrir que alguns segredos não devem ser descobertos e que algumas feridas nunca se fecham.

C. J. Tudor é a segunda autora internacional da Intrínseca confirmada na Bienal do Rio. O evento também contará com Josh Malerman, autor de Caixa de pássaros!

 

testeSorteio Instagram – Abril Apaixonante [Encerrado]

Se você gosta de romance, prepare-se: vamos sortear 3 livros apaixonantes!

Para participar, compartilhe essa imagem no FEED do seu Instagram PUBLICAMENTE e preencha o formulário abaixo!

Atenção:
– Caso a mesma pessoa se inscreva mais de uma vez ela será desclassificada. Atenção: ao terminar de preencher o formulário aparece a mensagem “agradecemos a inscrição”. Espere a página carregar até o final para confirmar a inscrição
– Se você já ganhou um sorteio nos últimos 7 dias no Instagram,você não poderá participar deste sorteio.
– O resultado será anunciado no dia 29 de abril, segunda-feira, em nosso perfil no Instagram. Boa sorte!

testeSorteio Twitter – Abril Apaixonante [Encerrado]

Se você gosta de romance, prepare-se: vamos sortear 3 livros apaixonantes!

Para participar, compartilhe essa imagem no FEED do seu Twitter PUBLICAMENTE e preencha o formulário abaixo!

Atenção:
– Caso a mesma pessoa se inscreva mais de uma vez ela será desclassificada. Atenção: ao terminar de preencher o formulário aparece a mensagem “agradecemos a inscrição”. Espere a página carregar até o final para confirmar a inscrição
– Se você já ganhou um sorteio nos últimos 7 dias no Twitter,você não poderá participar deste sorteio.
– O resultado será anunciado no dia 29 de abril, segunda-feira, em nosso perfil no Twitter. Boa sorte!

testeSorteio Facebook – Abril Apaixonante [ENCERRADO]

Se você gosta de romance, prepare-se: vamos sortear 3 livros apaixonantes!

Para participar, compartilhe essa imagem no FEED do seu Facebook PUBLICAMENTE e preencha o formulário abaixo!

Atenção:
– Caso a mesma pessoa se inscreva mais de uma vez ela será desclassificada. Atenção: ao terminar de preencher o formulário aparece a mensagem “agradecemos a inscrição”. Espere a página carregar até o final para confirmar a inscrição
– Se você já ganhou um sorteio nos últimos 7 dias no Facebook,você não poderá participar deste sorteio.
– O resultado será anunciado no dia 29 de abril, segunda-feira, em nosso perfil no Facebook. Boa sorte!

testeTudo que já sabemos sobre a adaptação cinematográfica de Mundo em caos

Mundo em caos, livro de Patrick Ness lançado pela Intrínseca em março, vai ganhar uma adaptação cinematográfica em breve. Estrelado por Tom Holland (Vingadores: Ultimato), Daisy Ridley (Star Wars: Episódio IX), Mads Mikkelsen (Hannibal) e Nick Jonas (Jumanji: Bem-vindo à Selva), o filme é dirigido por Doug Liman (No Limite do Amanhã e A Identidade Bourne).

O primeiro livro da série já está nas lojas em uma edição lindíssima, e queremos ver Todd, Viola e Manchee logo nas telonas. Por isso, reunimos tudo que já sabemos sobre o filme junto com fotos e vídeos do set de filmagens!

 

O nome do cachorro que interpretará o Manchee é Lamborghini

Não é todo protagonista que tem um Border Terrier como melhor amigo. Interpretado pela cadelinha Lamborghini, o melhor amigo de Todd Hewitt também está trabalhando muito nas gravações e é amado por todo o elenco. ♥

 

O treinamento

No livro, o personagem de Tom Holland carrega uma faca dada por seu pai Cillian. Então o ator resolveu treinar o máximo possível o arremesso da arma. Pena que nem sempre funciona…
 


 

View this post on Instagram

It’s not the same without you @hazosterfield 😂

A post shared by ✌️ (@tomholland2013) on

 

Regravações estão acontecendo neste momento!

Por conta da agenda apertada dos protagonistas, as regravações do filme demoraram um pouco para acontecer. Mas, recentemente, todo o elenco se reuniu outra vez, e várias fotos do set estão sendo postadas nas redes. Agora já dá para entender melhor o clima da distopia.

 

O autor está acompanhando tudo de perto – e amando

O próprio Patrick Ness tem presenciado as regravações e não poupou elogios a todo o elenco!  Ele também elogiou a edição brasileira do livro que, modéstia à parte, está lindíssima mesmo.

Foi divertido no set de Mundo em Caos! Tom e Daisy estão ÓTIMOS como Todd e Viola, e esperem só para ver a locação que visitei hoje. Incrível. Amanhã estarei de volta com Mads, Nick Jonas e David Oyelowo. Sou um autor de sorte. Tem um filme maravilhoso vindo por aí…

Assistindo a uma grande cena com Nick Jonas. Ele está fantástico no filme. Espere só para ver. Ele vai partir seu coração.

View this post on Instagram

Chaos Walking set photo. It’s been raining. A lot.

A post shared by Patrick Ness (@patricknessbooks) on

Foto no set de Mundo em Caos. Está chovendo. Bastante.

 

O autor aproveitou também para falar da edição brasileira do livro que está um espetáculo!

Minha editora brasileira, Intrínseca, fez um trabalho incrível com o primeiro volume de Mundo em caos. O próximo livro também terá a lateral colorida, combinando com a cor da capa! É tudo nosso, Brasil!

 

E vocês, já leram o livro? Estão animados com o filme?

 

testeAs mentiras que contamos para sobreviver

Confira a entrevista com Michelle Sacks, autora de Você nasceu para isso.

Por João Lourenço*

Shakespeare já disse lá no século XVI: “O mundo inteiro é um palco. E todos os homens e mulheres não passam de meros atores. Eles entram e saem de cena, e cada um no seu tempo representa diversos papéis.”

Em tempos de redes sociais, nós, os atores, viramos avatares belos e felizes, representando papéis que não permitem demonstração de fraqueza e vulnerabilidade. Essa pressão por uma vida perfeita (ainda que de mentira) gera ansiedade, estresse, distúrbios emocionais… Afinal, quem aguenta ser feliz o tempo todo?

O romance de estreia de Michelle Sacks aborda exatamente essas questões. Em Você nasceu para isso, os personagens vivem uma felicidade difícil de sustentar. “Interpretamos papéis, seja de esposa, marido, amigo. Esse tipo de performance está ligado à ideia de felicidade. Muitas vezes interpretamos papéis de pessoas felizes, e o resultado disso pode ser devastador”, acredita a autora. 

Você nasceu para isso acompanha a crise de identidade de um jovem casal americano. Após um escândalo, eles deixam Nova York e se mudam para uma casa modesta no interior da Suécia. Nesse novo ambiente, Sam e Merry se esforçam para ser a família perfeita. Merry procura ser tudo que o marido espera que ela seja e assume o papel de esposa-modelo. Cuida do bebê, da casa, do jardim e das refeições da família. Sam é o “homem alfa”, forte e orgulhoso. A performance de família feliz é abalada quando eles recebem a visita de Frank, a melhor amiga de Merry. Segredos são revelados, e, quando as máscaras caem, a verdade se impõe.

O livro é narrado em três perspectivas diferentes. Os diálogos não são marcados por aspas ou travessões. E a autora cria mecanismos que permitem ao leitor entrar na consciência de cada um dos personagens. A ideia para o romance surgiu quando Michelle estava de férias em um chalé na Suécia. Ali, tudo parecia “perfeito demais”, e ela começou a refletir sobre o que poderia existir por baixo daquela superfície tranquila. A autora acredita que um dos maiores problemas em nossa vida é a ilusão. “Precisamos contar histórias para sobreviver. Histórias que nos ajudam a enfrentar as dificuldades do presente. Essa negação da verdade é responsável por nos colocar em apuros o tempo todo.”

Michelle Sacks conversou com a Intrínseca por telefone. Confira:

 

Intrínseca: As personagens de Você nasceu para isso são pessoas difíceis e, ao mesmo tempo, geram empatia. Como foi o processo de escrever um livro marcado por sentimentos conflitantes?

Michelle Sacks: O livro me causou um esgotamento emocional. Meu humor oscilou bastante. Durante o processo, percebi que me transformei também em uma pessoa difícil de conviver. Fiz uma pesquisa sobre trauma e li vários relatos horríveis. Foi um livro difícil de escrever, os personagens carregam bastante bagagem emocional. Apesar de se tratar de personagens fictícios, no limite do comportamento humano, em alguns momentos cheguei a acreditar que aquelas pessoas fossem reais. 

 

I: A protagonista está presa em uma espécie de “tirania da felicidade”. Ela vive uma performance difícil de sustentar. Essa questão identitária também afeta os outros personagens. Comente um pouco sobre isso. 

MS: Ela quer ser a pessoa que todo mundo espera que ela seja. Merry é uma tela em branco, pois não confia muito em si mesma. Ela passou muito tempo flutuando pela vida, esperando alguém dizer quem ela era. Quando casa, assume a personalidade imposta pelo marido: a dona de casa e mãe perfeita. Em geral, ainda vivemos em uma sociedade que desconfia da mulher solteira e sem filhos. Esses rótulos trazem vergonha para a mulher. Muitas passam a acreditar que nunca serão felizes sem filhos e solteiras.

 

As redes sociais tornaram esse fenômeno ainda pior. Nossas vidas são editadas ao extremo.

Um dos maiores problemas que vivemos é a ilusão. Os seres humanos são propensos ao delírio. Muito disso tem a ver com nossa ferramenta evolutiva de sobrevivência. Precisamos contar histórias para sobreviver, precisamos contar histórias para acreditar que as coisas vão ficar bem no futuro. Essas histórias nos ajudam a enfrentar as dificuldades do presente. Somos bons em não ver o que está diante de nós, então inventamos desculpas para sustentar nossas narrativas. Essa negação da verdade é responsável por nos colocar em apuros o tempo todo. 

 

 

I: Além de rigoroso, o inverno na Suécia é marcado por dias curtos. Há vários estudos que afirmam que esse tipo de clima pode enlouquecer uma pessoa. Você explorou esse fenômeno no livro. Fale um pouco sobre isso. 

MS: Essas mudanças no clima afetam nossa personalidade. Pessoas em climas tropicais, como vocês no Brasil, costumam ser mais amigáveis. Pense o contrário. O lugar do livro tem um inverno difícil, que força as pessoas a se isolarem. Essa ideia de alienação, de pessoas exiladas, longe de casa, foi algo que me guiou. Queria explorar a ideia de ser uma pessoa em um lugar que não é o seu.

 

I: O livro foi escrito na mesma época em que você pensava em ser mãe. Como essa experiência se refletiu na narrativa? 

MS: Não foi algo consciente, mas hoje percebo que explorei meus maiores medos sobre a maternidade usando as vozes dos meus personagens. Fiquei presa nesse loop infinito entre ser ou não mãe. Coloquei todas as dúvidas na mesa: a questão emocional, racional, biológica, tudo que uma criança pode vir a representar. Cheguei a ler um livro de um psicólogo francês sobre mães que se arrependeram da maternidade. Essas questões delicadas encontraram espaço no livro. 

 

I: Hoje costuma-se discutir bastante sobre o lugar de fala do autor. Você escreveu sobre maternidade, mas ainda não teve filhos. De alguma forma você se sentiu julgada por abordar esse assunto?

MS: Até o final do livro cheguei à conclusão de que gostaria de ter filhos, mas tive alguns problemas de saúde que atrasaram um pouco as coisas. Agora, estou no estágio de aceitar que talvez isso não aconteça da forma que imaginei. Não me sinto julgada por não ter filhos e escrever sobre maternidade. Na verdade, recebi comentários positivos de mães de todas as idades. Elas se sentiram representadas nas questões de isolamento e de tédio que abordo no livro. 

 

I: As relações entre as personagens são carregadas de segundas intenções. Há um clima enorme de competição entre elas, muitas vezes uma competição destrutiva. Toda relação humana é acompanhada de competição? 

MS: Tenho fascínio por assuntos como a biologia evolutiva. Muitos assuntos que discutimos hoje têm a ver com isso. Competição não é ideal para nenhum tipo de relacionamento, incluindo a amizade. Porém, não podemos ignorar que a natureza do ser humano é bastante competitiva. Temos essa necessidade de preservar nossos recursos, que podem variar de status social a até mesmo a água de um poço. Como amigos, como parceiros ou como nós mesmos, progredimos melhor quando eliminamos o espírito competitivo.

 

I: Merry e Frank são amigas de infância. Apesar de ser uma relação tóxica, elas insistem em manter essa amizade. Você se encontrou em uma situação parecida? 

MS: Já estive em uma amizade em que não me sentia bem. Tinha a sensação de que estava sendo enganada, de que eu era uma pessoa descartável. Muitas vezes sabemos o que é bom para a gente, mas a gente vive em uma bolha de ilusão. Não sei se o mesmo acontece entre homens, mas a amizade feminina é bastante curiosa. As mulheres podem ser muito amorosas entre si, mas, ao mesmo tempo, elas podem manipular e fazer jogos emocionais.

 

Nós, mulheres, temos dificuldades em encerrar uma amizade. Muitas vezes as pessoas simplesmente mudam, estão em fases diferentes da vida. Nada de ruim precisa acontecer para acabar uma amizade. Ou seja, acho que é saudável deixar algumas pessoas no passado em vez de continuar insistindo em uma conexão que não existe. 

 

I: Você voltou à Suécia para passar três meses no mesmo lugar que a inspirou a escrever o livro. Quais as melhores características do país? 

Em geral, as pessoas parecem viver muito bem. Você não encontra pessoas estressadas. Do motorista de ônibus até a caixa do supermercado, todos trabalham felizes, têm uma vida decente. Isso tem muito a ver com as políticas sociais do país. Eles parecem ter compreendido a real importância da vida. Também admiro como eles se preocupam com a natureza e com a igualdade de gênero. Há um clima de esperança no ar e isso me surpreende, ainda mais quando você vem de um país caótico como a África do Sul. 

 

*João Lourenço é jornalista. Passou pela redação da FFWMAG, colaborou com a Harper’s Bazaar e com a ABD Conceitual, entre outras publicações estrangeiras de moda e design. Atualmente está em Nova York escrevendo seu primeiro romance.

testeConheça o spa nada convencional de Liane Moriarty

 

Chega às livrarias neste mês o novo livro da autora de Pequenas grandes mentiras, Liane Moriarty.

Em Nove desconhecidos, nove pessoas se inscrevem em um retiro de transformação total do corpo e da mente em um deslumbrante spa, na esperança de resolverem seus problemas relacionados a autoestima, relacionamentos e questões familiares. Logo nas primeiras horas, contudo, elas percebem que o local é administrado rigorosamente por uma mulher imponente e misteriosa que parece saber muito mais sobre os hóspedes do que seria normal.

Sob duras regras, os hóspedes embarcam em uma jornada peculiar em que aprenderão que a transformação pode custar caro e que nem todas as práticas do spa podem ser consideradas “comuns”.  

Confira um trecho do livro:

 

Frances

Em um dia de janeiro quente e sem nuvens, Frances Welty, antiga autora de romances best-sellers, dirigia sozinha por campos abandonados repletos de arbustos, a noroeste de sua casa em Sydney.

A fita preta da autoestrada se desenrolava hipnoticamente à sua frente enquanto as saídas do ar-condicionado sopravam com força um vento ártico no seu rosto. O céu era um imenso domo azul-escuro que cercava seu carrinho solitário. Era céu demais para o seu gosto.

Ela sorriu ao se lembrar de um daqueles críticos insatisfeitos do TripAdvisor: Eu liguei para a recepção e pedi um céu mais baixo, com mais nuvens, mais confortável. Uma mulher com sotaque carregado disse que não havia outros céus disponíveis! E ela também foi muito grossa! NUNCA MAIS. NÃO JOGUE SEU DINHEIRO FORA.

Frances se deu conta de que talvez estivesse muito perto de enlouquecer. Não, não estava. Estava bem. Perfeitamente sã. Mesmo, de verdade. Ela abriu e fechou as mãos em torno do volante, piscou os olhos ressecados por trás dos óculos escuros e deu um bocejo tão grande que estalou o maxilar.

— Ai — disse, embora não tivesse doído.

Ela suspirou, olhando pela janela em busca de algo que quebrasse a monotonia da paisagem. Devia ser tão difícil e implacável lá fora. Dava para imaginar direitinho: o zumbido das moscas-varejeiras, o grito lúgubre dos corvos e toda aquela luz branca, quente e ofuscante. Era de fato uma vasta terra marrom.

Vamos lá. Quero ver uma vaca, uma plantação, um barracão. Estou vendo com meus próprios olhos algo que começa com… N. Nada.

Ela se remexeu no banco e sua lombar retribuiu com uma pontada de dor tão forte que seus olhos se encheram de lágrimas. — Pelo amor de Deus — disse ela, lamentando-se.

A dor nas costas começara duas semanas antes, no dia em que finalmente aceitara que Paul Drabble havia desaparecido. Estava ligando para a polícia e tentando decidir como ia se referir a ele — seu parceiro, namorado, amante, “amigo especial”? — quando sentiu a primeira pontada. Era o exemplo mais óbvio de dor psicossomática que já existira, mas saber que era psicossomático não fazia doer menos.

Era estranho olhar-se no espelho toda noite e constatar que suas costas continuavam tão macias, brancas e discretamente rechonchudas quanto sempre foram. Ela esperava ver algo terrível, como uma massa retorcida de raízes de árvore.

Conferiu a hora no painel: 14h57. A saída devia estar próxima. Dissera ao pessoal da reserva na Tranquillum House que chegaria por volta de três e meia ou quatro horas e não fizera nenhuma parada imprevista. Tranquillum House era um “resort especializado em saúde e bem-estar”.

Sua amiga Ellen havia indicado o lugar. “Você precisa se cuidar”, dissera ela a Frances depois do terceiro drinque (um excelente Bellini de pêssego branco) durante o almoço na semana anterior.

“Está com uma aparência de merda.”

Ellen tinha feito uma “purificação” na Tranquillum House três anos antes, quando também ficara “esgotada”, “acabada”, “fora de forma” e…

“Sim, sim, já entendi”, interrompera Frances.

“O lugar é bem… fora do comum”, contara Ellen a Frances. “A abordagem deles não é nada convencional. Mudou minha vida.” “Como foi, exatamente, que a sua vida mudou?”, indagara Frances, de forma bem sensata, mas sem obter uma resposta clara.

No fim das contas, tudo parecia se resumir ao branco dos olhos de Ellen, que havia ficado muito branco, absurdamente branco! Além disso, ela perdera três quilos! Embora a Tranquillum House não tivesse a ver com perda de peso, o que Ellen se esforçou muito para esclarecer. Tinha a ver com bem-estar, mas, bom, que mulher reclama de perder três quilos? Ellen, com certeza, não. Frances também não.

Em casa, Frances dera uma olhada no site do lugar. Nunca gostara muito de abnegação, nunca fizera dieta, raramente dizia não quando queria dizer sim ou sim quando queria dizer não. Segundo sua mãe, a primeira palavra gananciosa de Frances fora “mais”. Ela sempre queria mais.

No entanto, as fotos da Tranquillum House a haviam enchido de um anseio estranho e inesperado. Todas tinham uma tonalidade dourada, tiradas durante o nascer ou o pôr do sol, ou então eram filtros que davam essa impressão.

Pessoas felizes de meia-idade faziam a postura do guerreiro em um jardim de rosas brancas ao lado de uma linda casa de campo. Havia um casal sentado em uma das “fontes termais naturais” que cercavam a propriedade. Olhos fechados, cabeça para trás, eles sorriam radiantes enquanto a água borbulhava ao redor. Outra foto mostrava uma mulher aproveitando “uma massagem com pedras quentes” na espreguiçadeira ao lado da piscina azul-esverdeada. Frances havia imaginado aquelas pedras quentes posicionadas com uma simetria maravilhosa ao longo da sua coluna, o calor mágico derretendo a dor.

Enquanto ela sonhava com fontes termais e ioga suave, uma mensagem urgente piscou na tela: Só resta uma vaga no Retiro Exclusivo de Dez Dias Para Transformação Total da Mente e do Corpo! Aquilo a fizera se sentir extremamente competitiva e ela clicou em Reservar agora, embora não acreditasse de fato que só restasse uma vaga. Ainda assim, por via das dúvidas, digitou bem rapidinho as informações do cartão de crédito.

Ficou com a impressão de que dali a meros dez dias ela seria “transformada” de um jeito que “nunca imaginara que fosse possível”. Haveria jejum, meditação, ioga, “exercícios criativos de liberação emocional”. Nada de álcool, açúcar, cafeína, glúten ou laticínios, mas, como tinha acabado de comer o menu degustação do Four Seasons, ela estava cheia de álcool, açúcar, cafeína, glúten e laticínios no corpo, e a ideia de abrir mão de tudo isso não pareceu tão grave. As refeições seriam “personalizadas” para suas “necessidades específicas”.

Antes que sua reserva fosse “aceita”, ela teve que responder a um questionário on-line muito grande e um tanto invasivo sobre seu estado civil, seus hábitos alimentares, seu histórico médico, seu consumo de álcool na semana anterior e assim por diante. Mentiu alegremente. Não era da conta deles. Teve até que enviar uma foto sua tirada nas últimas duas semanas. Escolheu uma do almoço com Ellen no Four Seasons, com um Bellini na mão.

Havia caixinhas que ela devia assinalar indicando o que esperava conquistar naqueles dez dias: tinha de tudo, de “terapia intensiva de casal” a “perda considerável de peso”. Frances assinalou apenas as caixas que pareciam positivas, como “crescimento espiritual”.

 

Nove desconhecidos foi enviado em fevereiro para os assinantes do intrínsecos. Se você ainda não conhece o clube do livro da Intrínseca, confira todas as informações no site e participe!

testeBoy Erased: Sua história pode mudar o mundo

Boy Erased nara a história real de um jovem obrigado a frequentar um programa de “conversão” sexual. A jornada mostra as consequências de tentar aniquilar uma parte de si mesmo e serve como mensagem de esperança para todos que vivem situações semelhantes de repressão. Garrard Conley escreveu sua história de sobrevivência como um pedido de tolerância e para evitar que situações semelhantes se repitam ao redor do mundo.

Você já precisou apagar uma parte de si mesmo? Conte sua história.

Seu depoimento pode aparecer nas redes sociais da editora Intrínseca.

testeAutor de Caixa de pássaros confirmado na Bienal do Rio

Autor do best-seller Caixa de pássaros, Josh Malerman é presença confirmada na XIX Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro. O evento acontecerá entre os dias 30 de agosto e 8 de setembro de 2019. Josh vem ao Brasil para promover seu novo livro, Inspection, ainda sem título definido em português, que será lançado pela Intrínseca em agosto. 

Lançado em janeiro 2015 pela Intrínseca, o livro Caixa de pássaros já vendeu mais de 200 mil exemplares no Brasil e o sucesso só aumentou quando a trama ganhou adaptação produzida pela Netflix.

Estrelado por Sandra BullockBird Box foi visto por mais de 80 milhões de usuários em apenas um mês. A trama, que se passa em um cenário pós-apocalíptico, vai ganhar uma sequência. Malorie, com previsão de lançamento em 1º de outubro nos Estados Unidos, também será publicado pela Intrínseca, ainda sem data definida.

Recentemente, o livro ganhou uma nova edição exclusiva para Amazon em capa dura, metalizada, com pintura trilateral, ilustrações incríveis e um conto inédito ambientado no universo da obra. Você pode conferir aqui.