Notícias

Clássico antimilitarista de Kurt Vonnegut ganha edição especial de 50 anos

15 / fevereiro / 2019

Matadouro-Cinco chega às livrarias em edição capa dura

“Nada de inteligente pode ser dito sobre a guerra”, sentencia Kurt Vonnegut em sua obra máxima, o clássico Matadouro-Cinco. Publicado originalmente em 1969, em plena guerra do Vietnã, a crítica ácida e bem-humorada ao militarismo e à cultura consumista norte-americana mescla a imaginação prodigiosa de um dos mais importantes escritores da literatura contemporânea a um dos episódios mais cruéis da Segunda Guerra Mundial: o bombardeio da cidade alemã de Dresden — massacre que deixou a mesma quantidade de vítimas que o lançamento da ogiva nuclear em Hiroshima.

Assim como o protagonista da história, Billy Pilgrim, Kurt Vonnegut foi mantido prisioneiro e obrigado a trabalhar em um armazém subterrâneo de carnes durante o conflito. Como Billy, o escritor testemunhou a morte de milhares de civis, vivenciou a maldade humana e todo o absurdo da guerra: um espetáculo sem sentido, sem nada do glamour estampado nos filmes, e, na verdade, travado por garotos.

A edição comemorativa de 50 anos de Matadouro-Cinco, em formato capa dura, com pintura trilateral já está nas livrarias com tradução de Daniel Pellizzari e apresentação de Antônio Xerxenesky. Divisor de águas na carreira do escritor norte-americano, a obra inovadora combina ficção científica e relato autobiográfico com a linguagem sarcástica e simples que o consagrou. Para Kurt Vonnegut a escrita acessível não era, de forma alguma, um demérito. É um ato político.

Na trama, acompanhamos a desvairada trajetória de Billy Pilgrim, um garoto que já nasceu esquisito e que, com o tempo, ficou mais esquisito ainda. De aparência curiosa, alto e magricela, o jovem que se parecia com uma garrafa de Coca-Cola foi enviado para a Segunda Guerra Mundial sem roupas adequadas, sem armas e sem vontade de lutar. Após o massacre de Dresden, Billy é internado, como outros milhares de soldados, em um hospital psiquiátrico. No entanto, Billy passa por uma experiência única: ficar solto no tempo. Capaz de viajar no tempo e no espaço, Billy pode reviver seu passado e seu futuro, além de estar, ao mesmo tempo, em lugares distintos: trancafiado em um vagão de prisioneiros durante o rigoroso inverno europeu durante a guerra e dirigindo seu Cadillac numa ensolarada tarde americana.

Uma obra divertida e necessária, Matadouro-Cinco questiona reiteradamente nossa capacidade de nos acostumarmos com tudo. Qualquer semelhança com a atualidade não é mera coincidência.

Leia um trecho:

Tags , , .

Saiba mais sobre os livros

Leia mais Notícias

Oito livros sobre histórias durante a Segunda Guerra Mundial

Oito livros sobre histórias durante a Segunda Guerra Mundial

A bondade nos tempos de guerra

A bondade nos tempos de guerra

Participe do Concurso Shine e ilustre uma sobrecapa da Intrínseca

Participe do Concurso Shine e ilustre uma sobrecapa da Intrínseca

Novo livro de Elena Ferrante chega às livrarias em 1º de setembro

Novo livro de Elena Ferrante chega às livrarias em 1º de setembro

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *