testeTudo o que nunca contei vai virar filme estrelado por Julia Roberts!

“@ReadItForward Nós adoraríamos ver a adaptação de “Tudo o que eu nunca contei”, da Celeste Ng, na Netflix”
“@pronounced_ing Boas notícias: Ele vai virar um filme – com a Julia Roberts no papel da Marilyn!”

 

A autora Celeste Ng confirmou hoje em seu Twitter que o livro Tudo o que nunca contei vai se tornar um filme e terá Julia Roberts no elenco! A atriz interpretará Marilyn, mãe da personagem principal.

Não foram divulgadas mais informações sobre a produção, mas já estamos ansiosos!

O livro mais recente de Celeste, Pequenos incêndios por toda parte, também teve os direitos adquiridos e está sendo adaptado por Reese Witherspoon e Kerry Washington. Ainda sem data de estreia, a atração será exibida pela plataforma de serviço de streaming Hulu.

 

Conheça as histórias:

Tudo o que nunca contei

Estudante promissora de 16 anos, Lydia Lee não aparece para tomar café da manhã. Mais tarde, seu corpo é encontrado no lago da cidade — local em que ela e sua família sino-americana nunca se adaptaram muito bem.

À medida que a polícia tenta desvendar o caso do desaparecimento, os familiares de Lydia descobrem que mal a conheciam. E a resposta surpreendente, assim como o corpo da garota, está muito abaixo da superfície.

 

 

Pequenos incêndios por toda parte.

Os Richardson moram em uma cidade que foi planejada para ser o lugar ideal para se viver: as construções, a combinação de cores, os serviços e até mesmo a forma como seus habitantes devem se comportar são determinados por regras.

Quando um incêndio criminoso destrói a casa da família, o leitor é conduzido ao passado e descobre que as primeiras faíscas desse episódio surgiram há muito tempo, com vários pequenos acontecimentos que abalaram de diferentes formas as estruturas daquela cidade perfeita.

testeSorteio Twitter – Adaptações 2019 [Encerrado]

Vamos sortear 3 exemplares de dos nossos livros que vão virar adaptações para TV ou cinema em 2019. 

Para participar, compartilhe essa imagem no perfil do seu Twitter PUBLICAMENTE e preencha o formulário abaixo!

Atenção:
– Caso a mesma pessoa se inscreva mais de uma vez ela será desclassificada. Atenção: ao terminar de preencher o formulário aparece a mensagem “agradecemos a inscrição”. Espere a página carregar até o final para confirmar a inscrição
– Se você já ganhou um sorteio nos últimos 7 dias no Twitter,você não poderá participar deste sorteio.
– O resultado será anunciado no dia 21 de janeiro, segunda-feira, em nosso perfil no Twitter. Boa sorte!

 

testeSorteio Facebook – Adaptações 2019 [Encerrado]

 

Vamos sortear 3 exemplares de dos nossos livros que vão virar adaptações para TV ou cinema em 2019. 

Para participar, compartilhe essa imagem no perfil do seu Facebook PUBLICAMENTE e preencha o formulário abaixo!

Atenção:
– Caso a mesma pessoa se inscreva mais de uma vez ela será desclassificada. Atenção: ao terminar de preencher o formulário aparece a mensagem “agradecemos a inscrição”. Espere a página carregar até o final para confirmar a inscrição
– Se você já ganhou um sorteio nos últimos 7 dias no Facebook,você não poderá participar deste sorteio.
– O resultado será anunciado no dia 21 de janeiro, segunda-feira, em nosso perfil no Facebook. Boa sorte!

 

testeSorteio Instagram – Adaptações 2019 [Encerrado]

Vamos sortear 3 exemplares de dos nossos livros que vão virar adaptações para TV ou cinema em 2019. 

Para participar, compartilhe essa imagem no FEED do seu Instagram PUBLICAMENTE e preencha o formulário abaixo!

Atenção:
– Caso a mesma pessoa se inscreva mais de uma vez ela será desclassificada. Atenção: ao terminar de preencher o formulário aparece a mensagem “agradecemos a inscrição”. Espere a página carregar até o final para confirmar a inscrição
– Se você já ganhou um sorteio nos últimos 7 dias no Instagram,você não poderá participar deste sorteio.
– O resultado será anunciado no dia 21 de janeiro, segunda-feira, em nosso perfil no Instagram. Boa sorte!

 

VENCEDORES

testeLançamentos de janeiro

 

O primeiro mês de 2019 chegou com lançamentos incríveis!

O desaparecimento de Stephanie Mailer, de Joël Dicker

No novo livro do premiado Joël Dicker – autor de A verdade sobre o caso Harry Quebert –, acompanhamos a vida dos moradores de Orphea, uma pacata cidade balneária nos Hamptons. Em 1994, um crime terrível acontece: o prefeito e sua família são brutalmente assassinados.

Vinte anos depois, Jesse Rosenberg, um dos policiais responsáveis pela resolução dos homicídios, está prestes a se aposentar quando a jornalista Stephanie Mailer afirma que houve um gravíssimo erro na investigação. Poucos dias depois, ela desaparece misteriosamente.

O desaparecimento de Stephanie Mailer foi escolhido para ser o primeiro livro do intrínsecos e as intrigas e reviravoltas da obra conquistaram os assinantes do clube! Leia um trecho. 

 

Trilogia Verão, de Jenny Han

Todas as férias de verão, Belly deixa sua vida monótona na cidade e vai com a família para Cousins Beach. Mas esse verão na casa de praia parece diferente dos anteriores. Agora, ela está mais confiante e Conrad e Jeremiah, os filhos da melhor amiga de sua mãe, estão olhando para ela de uma outra maneira. À medida que os anos passam, Belly sabe que precisará escolher entre os dois e só tem uma certeza: vai partir o coração de um deles.

Primeiros romances jovens da autora de Para todos os garotos que já amei, O verão que mudou minha vida, Sem você não é verão e Sempre teremos o verão são relançados pela Intrínseca com tradução e capas inéditas.   

 

Boy Erased: Uma verdade anulada, de Garrad Conley

Por ter crescido na comunidade religiosa de uma cidade pequena, Garrard viveu em conflito com a própria sexualidade por anos. Quando um colega de faculdade expõe o segredo para seus pais, ele é forçado a entrar em um programa de conversão sexual que promete “reverter” sua homossexualidade. Enquanto frequenta o programa, Garrard reflete sobre sua relação com os pais, sua fé e os acontecimentos que o levaram até ali.

A emocionante história real foi adaptada para o cinema com direção de Joel Edgerton e com Nicole Kidman, Russell Crowe e Lucas Hegdes no elenco. O livro já está disponível nas livrarias com uma linda sobrecapa do filme, que está cotado para disputar o Oscar!

 

Misbehaving, de Richard H. Thaler

Em Misbehaving, o ganhador do Nobel Richard H. Thales remonta à origem da economia comportamental – disciplina que ajudou a criar e tem se mostrado fundamental para aqueles que desejam se conectar com o futuro do pensamento econômico.

A obra revela como o estudo da imprevisibilidade humana pode ser útil para nossas vidas, negócios e governos, transformando assim a forma como pensamos sobre nós mesmos e o mundo. –

Misbehaving chega às livrarias a partir de 22 de janeiro.

testeHolocausto brasileiro, livro premiado de Daniela Arbex, ganha nova edição

 

Depois do emocionante Todo dia a mesma noite, o catálogo da Intrínseca ganha mais um sucesso da jornalista Daniela Arbex: Holocausto brasileiro.

Nesta premiada obra, Arbex faz uma denúncia sobre a situação de abandono a que eram submetidos os pacientes do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Barbacena. Conhecido como Colônia, o centro localizado em Minas Gerais funcionou de 1903 a 1996 e deixou o saldo de mais de 60 mil mortos e inúmeras vidas marcadas pelo descaso do Estado, dos médicos e da sociedade. Motivada pelas fotos chocantes das condições subumanas impostas aos pacientes, Arbex localizou sobreviventes e entrevistou ex-funcionários a fim de traçar o retrato de uma das maiores atrocidades perpetradas em nosso país, o que transformou o livro em um marco do jornalismo investigativo.

Aclamado pelo público e vencedor do segundo lugar na categoria livro-documentário do prêmio Jabuti e ganhador do APCA de melhor livro reportagem e do Lorenzo Natali (Bélgica), Holocausto brasileiro foi adaptado como documentário e lançado pela HBO em 40 países.

Forte, sensível e indispensável, a nova edição da obra, com posfácio da autora, ainda não tem previsão de lançamento.

testeComo as fake news podem desacreditar a imprensa e desestabilizar democracias

Com a globalização e o crescimento das mídias sociais, uma notícia consegue alcançar o mundo inteiro em questão de segundos mesmo sendo falsa.

Em A morte da verdade, Michiko Kakutani analisa as origens do caótico cenário em que estamos mergulhados, no qual a verdade se tornou uma espécie em extinção e foi substituída pela sabedoria das massas. Tendo como objeto de estudo a campanha e o primeiro ano de governo de Donald Trump, a autora mostra como as fake news podem desacreditar a imprensa e desestabilizar democracias.

Leia um trecho:

Dois dos regimes mais abomináveis da história da humanidade chegaram ao poder no século XX, e ambos se estabeleceram com base na violação e no esfacelamento da verdade, cientes de que o cinismo, o cansaço e o medo podem tornar as pessoas suscetíveis a mentiras e falsas promessas de líderes determinados a alcançar o poder incondicional. Como Hannah Arendt escreveu em seu livro de 1951, Origens do totalitarismo: “O súdito ideal do governo totalitário não é o nazista convicto nem o comunista convicto, mas aquele para quem já não existe a diferença entre o fato e a ficção (isto é, a realidade da experiência) e a diferença entre o verdadeiro e o falso (isto é, os critérios do pensamento).”

O alarmante para o leitor contemporâneo é que as palavras de Arendt soam cada vez menos como um comunicado do século passado e mais como um terrível reflexo do panorama cultural e político em que vivemos hoje — um mundo no qual as fake news e as mentiras são divulgadas em escala industrial por “fábricas” de trolls russos, lançadas num fluxo ininterrupto pela boca e pelo Twitter do presidente dos Estados Unidos, e espalhadas pelo mundo todo na velocidade da luz por perfis em redes sociais. O nacionalismo, o tribalismo, a sensação de estranhamento, o medo de mudanças sociais e o ódio aos estrangeiros estão novamente em ascensão à medida que as pessoas, trancadas nos seus grupos partidários e protegidas pelo filtro de suas bolhas, vêm perdendo a noção de realidade compartilhada e a habilidade de se comunicar com as diversas linhas sociais e sectárias.

No entanto, não quero fazer uma analogia direta entre as circunstâncias atuais e os horrores opressivos da época da Segunda Guerra Mundial, apenas olhar para determinadas condições e atitudes — ao comentar as obras de George Orwell 1984 e A revolução dos bichos, Margaret Atwood as chamou de “sinais de alerta” — que tornam um povo suscetível à demagogia e à manipulação política, e transformam uma nação numa presa fácil para os aspirantes a autocratas. Quero examinar como o descaso pelos fatos, a substituição da razão pela emoção, e a corrosão da linguagem estão diminuindo o valor da verdade, e o que isso significa para os Estados Unidos e para o mundo.

“O historiador sabe o quão frágil é a tessitura dos fatos no cotidiano em que vivemos”, escreveu Arendt em 1971, no ensaio “A mentira na política”. “Ela está sempre correndo o risco de ser perfurada por uma única mentira ou despedaçada pela mentira organizada de grupos, países ou classes, ou negada e distorcida, muitas vezes cuidadosamente acobertada por calhamaços de mentiras, ou simplesmente autorizada a cair no esquecimento. Fatos necessitam de testemunhos para serem lembrados, e de testemunhas confiáveis para serem oficializados, de modo a encontrar um lugar seguro para habitar o domínio dos interesses humanos.”

O termo “declínio da verdade” (usado pelo think tank Rand Corporation para descrever “o enfraquecimento do papel dos fatos e análises” na vida pública norte-americana) entrou para o léxico da era da pós-verdade, que inclui também expressões agora corriqueiras como “fake news” e “fatos alternativos”. E não só as notícias são falsas: também existe a ciência falsa (produzida por negacionistas das mudanças climáticas e anti-vaxxers, os ativistas do movimento antivacina), a história falsa (promovida por revisionistas do Holocausto e supremacistas brancos), os perfis falsos de norte-americanos no Facebook (criados por trolls russos) e os seguidores e “likes” falsos nas redes sociais (gerados por bots).

Trump, o 45º presidente dos Estados Unidos, mente de forma tão prolífica e com tamanha velocidade que o The Washington Post calculou que ele fez 2.140 alegações falsas ou enganosas no seu primeiro ano de governo — uma média de quase 5,9 por dia. As mentiras dele — sobre absolutamente tudo, desde as investigações sobre a interferência russa nas eleições, passando por sua popularidade e suas conquistas, até o tempo que passa vendo TV — são apenas o mais espalhafatoso entre os vários sinais de alerta acerca de seus ataques às instituições democráticas e normas vigentes. Ele ataca rotineiramente a imprensa, o sistema de justiça, as agências de inteligência, o sistema eleitoral e os funcionários públicos responsáveis pelo bom funcionamento do governo norte-americano.

Entretanto, os ataques à verdade não estão limitados aos Estados Unidos. Pelo mundo todo, ondas de populismo e fundamentalismo estão fazendo com que as pessoas recorram mais ao medo e à raiva do que ao debate sensato, corroendo as instituições democráticas e trocando os especialistas pela sabedoria das multidões. Alegações falsas sobre as relações financeiras do Reino Unido com a União Europeia (em anúncios da campanha do partido Vote Leave num ônibus) ajudaram a mudar a votação em favor do Brexit; e a Rússia intensificou a propagação da sua dezinformatsiya durante as campanhas eleitorais na França, na Alemanha, na Holanda e em outros países, em esforços orquestrados de propaganda para desacreditar e desestabilizar democracias.

O papa Francisco nos lembra: “Não existe desinformação inofensiva; acreditar na falsidade pode ter consequências calamitosas.” O ex-presidente Barack Obama comentou que “um dos maiores desafios que temos em nossa democracia é o fato de não compartilharmos a mesma base de fatos” — atualmente as pessoas estão “operando em universos de informação completamente diferentes”. E o senador republicano Jeff Flake fez um discurso no qual alertou que “2017 foi o ano em que nós vimos a verdade — objetiva, empírica, baseada em evidências — ser mais agredida e atacada do que em qualquer outro período da história norte-americana, por meio das mãos da figura mais poderosa do nosso governo”.

Como isso aconteceu? Quais são as raízes da falsidade na era Trump? Como a verdade e o bom senso se tornaram espécies ameaçadas de extinção, e o que sua morte iminente sugere para o futuro do nosso discurso público, da nossa política e dos nossos governantes? Esse é o tema deste livro.

Você pode continuar a leitura do trecho aqui.

testeA adaptação de “Tartarugas até lá embaixo” encontrou sua diretora!

A Fox 2000 acabou de anunciar que Hannah Marks, atriz que interpretou Amanda Brotzman na série Dirk Gently’s Holistic Detective Agency, da Netflix, será a diretora da adaptação cinematográfica de Tartarugas até lá embaixo, o mais recente livro de John Green.

O roteiro está nas mãos de Elizabeth Berger e Isaac Aptaker, responsáveis pela adaptação de Com amor, Simon e por alguns episódios da série This is Us.

John Green é produtor-executivo junto com Rosianna Halse Roja, que também cuidou de A Culpa é das Estrelas e Cidades de Papel.

Só lembrando que um dos maiores sucessos de Green, Quem é você, Alasca?, também vai virar uma série produzida pelo Hulu e já escalou seus protagonistas.

testeSorteio Instagram – Janeiro Jovem [Encerrado]

Vamos sortear 3 exemplares de alguns dos nossos livros cujos autores começam com a letra “J”!

Para participar, compartilhe essa imagem em seu Instagram PUBLICAMENTE e preencha o formulário abaixo!

Atenção:
– Caso a mesma pessoa se inscreva mais de uma vez ela será desclassificada. Atenção: ao terminar de preencher o formulário aparece a mensagem “agradecemos a inscrição”. Espere a página carregar até o final para confirmar a inscrição
– Se você já ganhou um sorteio nos últimos 7 dias no Instagram,você não poderá participar deste sorteio.
– O resultado será anunciado no dia 14 de janeiro, segunda-feira, em nosso perfil no Instagram. Boa sorte!

testeO quinto risco, novo livro de Michael Lewis, chega às livrarias em fevereiro

A Intrínseca lança no próximo mês O quinto risco, novo livro do jornalista Michael Lewis que mostra um retrato sombrio do período de transição e dos primeiros meses do governo de Donald Trump.

Em sua nova obra, o autor de O projeto desfazer vai atrás de alguns ex-funcionários das agências federais dos Estados Unidos — habituados a lidar com mudanças de governo — a fim de saber quais os possíveis riscos que os apavoram. Sua surpresa foi perceber que uma das principais ameaças contra a nação americana estava na figura do próprio presidente.

Um livro que mostra a importância das equipes de transição durante mudanças de governo e revela o modo como as agências norte-americanas funcionam.