Artigos

Uma vida de aventuras pelas ondas e culturas ao redor do mundo

18 / julho / 2017

Você não precisa ser surfista para gostar de Dias bárbaros, de William Finnegan, o livro mais fascinante sobre surfe já publicado

Por Adrian Kojin*

 Finnegan surfando em Fiji [Foto: Arquivo Pessoal]

Um livro sobre surfe premiado com o prestigioso Prêmio Pulitzer? Um dos mais renomados jornalistas políticos da conceituada revista americana The New Yorker contando como desbravou algumas das melhores ondas do planeta e viveu o auge da cultura hippie numa ilha havaiana? Sem dúvida soa um pouco estranho, meio fora de lugar. O próprio William Finnegan admitiu ao jornal inglês The Guardian no lançamento de sua autobiografia que “estava relutante em sair do armário como surfista”.

Surfista dos bons, é importante ressaltar, daqueles que “botam pra baixo” em ondas enormes e cruzam o globo em busca do efêmero prazer que só quem já experimentou a sensação de deslizar sobre uma onda perfeita entende. Algo tão obsessivo que permeou toda a vida do autor de Dias bárbaros, ao ponto de se tornar o fio condutor de sua autobiografia. Seus dias como correspondente de guerra e repórter investigativo que denunciou o racismo na África do Sul, os cartéis da droga no México e a pobreza nos Estados Unidos, entre outros assuntos de forte cunho social, estão no livro, mas o que prevalece é sua paixão por uma atividade que ele mesmo classifica como “deliberadamente inútil, um improdutivo culto à natureza, uma devoção a deuses estranhos”.

Pois é justamente esse paradoxo entre a trajetória de surfista itinerante e a de jornalista premiado que faz de Dias bárbaros um relato tão especial. Tendo passado a infância na Califórnia e no Havaí, berço do surfe, ele desde cedo surfava o máximo possível. O surfe acabou por guiá-lo por uma vida repleta de aventuras, mas que apesar disso, ou talvez por isso mesmo, era permeada por um constante questionamento sobre qual deveria ser seu papel na sociedade e no mundo.

Em Maui, ele flertou com a morte surfando a icônica baía de Honolua sob efeito de drogas psicodélicas. Nas ilhas do Pacífico Sul, acumulou um vasto conhecimento antropológico sobre os povos locais de forma empírica. Ao aportar em Fiji, foi um dos pioneiros de Tavarua, uma minúscula ilha com duas das ondas mais perfeitas do planeta. Por anos ele manteria segredo sobre a valiosa informação de como chegar a Cloudbreak e Restaurants, picos que hoje em dia estão entre os mais cobiçados do mundo. Já na Indonésia ele faria parte da primeira leva de surfistas a experimentar o poder dos tubos de Grajagan, onde pôde sentir o gosto do inferno em pleno paraíso.

Enquanto descreve a intimidade quase sensual que tinha com o oceano, Finnegan também envolve o leitor nas suas relações amorosas e na dificuldade em mantê-las quando as ondas o chamavam. Quem desejasse viver ao seu lado deveria aceitar sua condição de surfista, já que ele mesmo não conseguia escapar dela. A honestidade do autor em não querer fazer do surfe mais do que ele é, mas ao mesmo tempo deixando claro que continuar surfando era imprescindível para sua própria existência, é um dos grandes trunfos do livro.

Certamente foi esse olhar inteligente, capaz de oferecer uma visão de dentro e de fora da bolha do surfe, que fez com que Dias bárbaros conquistasse um feito de certa maneira até mais desafiador do que receber o Prêmio Pulitzer de melhor biografia/autobiografia de 2016. A aprovação dos ilustres jurados indicados pela Universidade de Colúmbia, de Nova York, é prova da indiscutível qualidade literária de qualquer obra que seja agraciada com essa distinção, mas o livro de William Finnegan foi mais longe ainda, ao agradar ao mesmo tempo leitores surfistas e leigos, algo muito difícil de acontecer quando o assunto é surfe. A impressão que costuma ficar na leitura de outras obras sobre o tema é a de que elas são tão específicas que se tornam restritas aos iniciados, ou tão genéricas que estes as desprezam. Não dessa vez. Essa onda é para todos.

>> Leia um trecho de Dias bárbaros
>> Confira detalhes sobre a participação de William Finnegan na Flip e pós-Flip

 

Adrian Kojin é jornalista especializado em surfe. Foi editor da versão brasileira da conceituada publicação californiana The Surfer’s Journal e por mais de uma década dirigiu a revista Fluir. Também colaborou com diversas outras publicações, como as revistas Surfer e Surfing, da Califórnia. Traduziu para o português as biografias de Kelly Slater, Mick Fanning e Shaun Tomson, e editou os livros Arpoador Surf Club, Pororoca — A onda da Amazônia, entre outros. Atualmente é o editor para o Brasil do maior site especializado em surfe no mundo, o Surfline.com, e colaborador do site da World Surf League. É autor de Alma panamericana.

Tags , , , , , .

Leia mais Artigos

Confira a programação da Intrínseca na Flip e pós-Flip

Confira a programação da Intrínseca na Flip e pós-Flip

Literatura, reggae e o tiro que quase matou Bob Marley

Literatura, reggae e o tiro que quase matou Bob Marley

Fotografia de um romance

Fotografia de um romance

Um lugar bem longe daqui não é tão longe como parece

Um lugar bem longe daqui não é tão longe como parece

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *