Monica de Bolle

Hidra de três cabeças? Dilma, Lula, e Trump

23 / novembro / 2016

47d74a46ceb981ddad5341f502836c20

A Hidra de Lerna da políitca americana: Donald Trump. (Fonte)

Diz-se que a Hidra de Lerna é uma serpente com múltiplas cabeças e que, se, porventura, uma delas for cortada, nascem outras duas em seu lugar. A Hidra de Lerna, assim como outros seres exóticos, habita o universo de O livro dos seres imaginários, de Jorge Luis Borges, um de meus escritores prediletos.

Por que, porém, falo da Hidra? Afinal, pediram-me que escrevesse uma coluna sobre a borboleta-azul. Explico.

Tenho pensado muito na eleição de Donald Trump aqui nos Estados Unidos. Tenho refletido sobre o que o presidente eleito revelou até agora sobre sua personalidade, suas preferências e seus planos econômicos. Cheguei à conclusão de que ele é como a Hidra de Lerna: uma criatura que tem a cabeça de Collor, a cabeça de Lula e a cabeça de Dilma.

 

A cabeça de Collor

Trump nasceu rico, como Collor. Durante sua campanha, prometeu “drenar o pântano de Washington”, livrando-se das grandes corporações e dos lobistas que influenciam políticos por interesse próprio. Espécie de caçador de marajás à americana. Trump não quer morar na Casa Branca, a residência oficial, embora tenha de fazê-lo ao menos durante parte da semana. Nos fins de semana, talvez possa retornar à sua casa da dinda: a Trump Tower, em Manhattan.

A cabeça de Lula

Ao longo de toda a campanha, Trump prometeu lutar pela classe trabalhadora americana, os supostos destituídos pela globalização. Como todo líder populista, valeu-se da retórica nós contra eles. Portanto, teve de identificar quem eram “eles”. Os “eles” de Trump dividiam-se basicamente em dois grupos, não mutuamente excludentes: as elites corruptas, ou a zelite, e a mídia mentirosa, ou a mídia golpista. O presidente eleito também salientou, em diversas ocasiões, que “ama aqueles que têm pouca educação”. Carismático e de fala simples, incendiou paixões e multidões, como o “filho do Brasil”.

A cabeça de Dilma

Finalmente, depois desse preâmbulo, chego à borboleta-azul. No livro, destaco algumas políticas adotadas por Dilma que beneficiaram mais os ricos do que o povo: a bolsa empresário do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), as desonerações para recuperar a irrecuperável indústria nacional, os planos mirabolantes de investimento em infraestrutura — como o Plano Brasil Maior e o Plano de Investimento em Logística —, as medidas protecionistas que garantiriam o ressurgimento da indústria ao reservar o mercado local para as empresas nacionais.

Trump promete resgatar a indústria e aumentar a disponibilidade de empregos. Almeja fazê-lo por meio do protecionismo, dos investimentos em infraestrutura, dos cortes de impostos para as empresas, sobretudo para as maiores. Trump, na economia, tem, inequivocamente, a cabeça de Dilma, cérebro da Nova Matriz. Há inclusive planos para “reformular o Federal Reserve” (FED, o Banco Central americano). Talvez o tornando mais politizado, como fez Dilma? A ver.

 

Hidra de Lerna, borboleta-azul, laranja mecânica: essa história não deve acabar bem.

>> Leia um trecho de Como matar a borboleta-azul: Uma crônica da era Dilma

Tags , , , , .

Leia mais Monica de Bolle

Distribuição de renda

Distribuição de renda

Coluna Monica de Bolle

Coluna Monica de Bolle

Morcegos ressuscitam borboletas?

Morcegos ressuscitam borboletas?

As entranhas do populismo econômico

As entranhas do populismo econômico

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *