Clóvis Bulcão

O Solar dos Abacaxis

19 / agosto / 2016

Solar

O Solar dos Abacaxis (Fonte)

Leio no jornal que a velha casa rosa, ornada com 14 abacaxis verdes de ferro fundido, na rua Cosme Velho, perto da entrada do túnel Rebouças, na Zona Sul do Rio de Janeiro, será, enfim, recuperada. Conhecido como Solar dos Abacaxis, o imóvel data de 1843 e foi projetado por Jacinto Rabelo, discípulo do famoso Grandjean de Montigny (1776-1850). A propriedade pertence aos 13 herdeiros do casal Marcos Carneiro de Mendonça e Ana Amélia Queiroz. Apesar de ser tombada pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac), está em péssimo estado de conservação, além de não ter água nem gás.

Torço para que prospere o projeto – liderado pelo arquiteto Adriano Carneiro de Mendonça, o professor Bruno Balthazar e os curadores Bernardo Mosqueira e Ulisses Carrilho – de transformá-la em espaço cultural. Afinal, este sempre foi o sonho de seus antigos proprietários. Ana Amélia era poetisa e foi fundadora da Casa do Estudante do Brasil e da Associação Brasileira de Estudantes. Marcos Carneiro, além de goleiro da Seleção e do Fluminense, dizia-se “heurista” (aquele que sabe encontrar solução para os problemas) e foi um grande colecionador de documentos e livros sobre a história do Brasil. Portanto, faz todo sentido erguer ali um centro de cultura.

Meu livro Os Guinle nasceu nessa casa, ao longo da convivência que tive a sorte de ter com Marcos Mendonça. Não faço parte da família, mas sou herdeiro intelectual do Solar dos Abacaxis. Sempre que estou na rua Cosme Velho e passo à sua frente, sinto dó. Independentemente da minha ligação com o casarão, acho importante que a cidade se mobilize não só para recuperar o Solar dos Abacaxis, mas também o vizinho Largo do Boticário, duas joias da arquitetura carioca.

Leia mais Clóvis Bulcão

Rio, esporte e turismo

Rio, esporte e turismo

A Gávea

A Gávea

Arnaldo Guinle e as arenas do futebol brasileiro

Arnaldo Guinle e as arenas do futebol brasileiro

Zózimo e a história do Rio

Zózimo e a história do Rio

Comentários

3 Respostas para “O Solar dos Abacaxis

  1. Concordo com o escritor Clóvis Bulcão. Essa damília precisa ser eternizada no que soube fazer de melhor. Transmitir cultura.

  2. Concordo com o texto.
    Essa casa é linda e histórica . É está completamente abandonada. Os abacaxis das sacadas sumiram…roubo ou foram retirados para restauração ?
    A situação do Largo do Boticário também faz doer o coração . Abandono completo. É a pracinha em frente ao Solar dos Abacaxis é outro espaço maravilhoso que está cheio de lixo e mato. Só tristeza .

  3. Eu moro no IAPI da Penha e sempre que posso vou ver o Solar dos Abacaxis, tocar seus muros, sonhar e sentir nostalgia, amo o Solar dos Abacaxis, gosto demais de abacaxi, de comer, escrever e falar; o Solar dos abacaxis faz parte mim!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *