Bastidores

CSI na Rússia: o caso real do tigre siberiano e a dieta que envolvia humanos

3 / agosto / 2016

Por Luana Freitas*

Siberian-tiger

O tempo está congelante, as suas botas fazem barulho ao afundar na neve. Mas você já está se aproximando da cabana do amigo com o qual combinou de sair para pescar no gelo. Apesar de estar tudo quieto na densa floresta que circunda a clareira onde fica a cabana, você percebe que há algo estranho no ar. É então que se depara com os sinais que vão se somando: sangue na neve, rastros de tigre, pedaços de roupa aqui e ali, uma pata de cachorro despontando da neve. É nesse momento que compreende que seu amigo está morto, e o que sobrou do corpo dele ficou escondido em algum lugar. Quando um rugido de tigre corta o ar, você, que não leva nenhuma arma consigo, corre para a cabana. São necessárias três tentativas para reunir coragem e conseguir sair dali para buscar ajuda.

Isso aconteceu de verdade, em 1997, numa região inóspita perto da fronteira da Rússia com a China, e o caso é contado em detalhes no livro O tigre, de John Vaillant. O mais impressionante, no entanto, não é a morte em si, é a mentalidade da fera. A análise da cena do incidente revela que o ataque foi “friamente planejado”: o tigre poderia ter simplesmente matado Markov — sua primeira vítima — enquanto este caminhava pela taiga, mas preferiu deixá-lo de lado e esperar por ele na cabana, aproveitando o tempo para destruir todo e qualquer objeto com o cheiro de Markov. E não parou por aí. Após praticamente devorar todo o corpo de Markov, o animal continuou seguindo seu cheiro pela taiga e adotou uma dieta baseada exclusivamente na carne humana.

Ou seja, esqueça os programas de vida selvagem da TV a cabo, este livro é um thriller, em que os investigadores precisam deter o serial killer enquanto tentam desvendar os motivos que o levaram a adotar um comportamento tão peculiar. Com uma estrutura que lembra muito um episódio de CSI, o autor vai apresentando todos os envolvidos no crime, tecendo suposições a partir de seus depoimentos e das provas coletadas. É a partir dessas falas que o leitor compreende que a questão não é tão simples quanto apenas caçar um tigre que devora humanos.

A começar pela equipe que vai atrás do animal: ela é formada por guardas-florestais do Inspection Tiger, cuja missão é… proteger os tigres. Ao longo das páginas se torna palpável a dificuldade deles em lidar com a decisão de ter de sacrificar o tigre — fora a consciência de que a espécie está ameaçada de extinção, há o fato de seus integrantes venerarem a figura do tigre em virtude dos ensinamentos do povo nativo da região e da própria ligação que tais guardas desenvolvem com a floresta. Matar um tigre vai contra tudo por que lutam e abre a possibilidade de eles e suas famílias serem amaldiçoados para todo o sempre.

shutterstock_132501143

Entretanto, constatam que não há como recuperar o animal obcecado em matar humanos, ainda mais por ele estar rumando para um vilarejo. Aliás, a população da região é outro problema para o Inspection Tiger. Pouquíssimos colaboram com as investigações, já que a maioria está ligada de alguma forma com a caça ilegal — muitos já foram multados e/ou presos pelos guardas-florestais. Mas não pense que essas pessoas são más. Como é mostrado no livro, estamos falando de um típico vilarejo do pós-perestroika russo: criado artificialmente no meio do nada para atender a indústria do regime soviético, quando ele sucumbe e leva junto a única fonte de progresso, os moradores se veem abandonados à própria sorte. Não há padre para enterrar seus mortos, o parco fornecimento de energia é feito por um velho gerador a diesel que precisa ser vigiado constantemente, as taxas de suicídio e alcoolismo são consideráveis, há estradas que não levam a lugar algum… Não há emprego, cédulas de dinheiro simplesmente não circulam, tudo é feito na base do escambo. A situação é tão precária que os caçadores usam armas improvisadas com pólvora velha. Mesmo sabendo que há um tigre à solta, as pessoas se embrenham na floresta para catar pinhas para comer ou tentar o milagre de conseguir carne.

Há um trecho em que o líder do Inspection Tiger afirma ter pena dessas pessoas, pois sabe da fome que passam, das privações que vivenciam, do desespero a que se entregam. Também há muitos momentos de profundo respeito pelo tigre, em que se chega a torcer por ele (ok, admito que torci por ele o tempo todo).

A verdade é que nessa história não há bandidos nem mocinhos. Todos saem perdendo. Como história real que é, seus conflitos não são facilmente solucionáveis e refletem o enorme desequilíbrio da relação do homem com a natureza.

*Luana Freitas é editora assistente de ficção e não ficção estrangeiras. Adora programas de sobrevivência na selva e vida selvagem.

Leia mais Bastidores

A vida que passamos juntos

A vida que passamos juntos

Notas sobre o mercado editorial e a extinção em massa

Notas sobre o mercado editorial e a extinção em massa

Taylor Swift e a prova de que nenhuma mulher está à salvo do silenciamento

Taylor Swift e a prova de que nenhuma mulher está à salvo do silenciamento

Você vai devorar esse livro (e esse livro vai devorar você)

Você vai devorar esse livro (e esse livro vai devorar você)

Comentários

Uma resposta para “CSI na Rússia: o caso real do tigre siberiano e a dieta que envolvia humanos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *