Míriam Leitão

A educação é vital para transformar o Brasil em um país mais justo

17 / agosto / 2016

educação_2

A educação é tema central para o Brasil se tornar um país melhor. Todas as demais questões que analiso em meu livro História do futuro: o horizonte do Brasil no século XXI dependem, de alguma forma, do avanço da educação para se realizarem.

É interessante destacar que um assunto dessa importância só ganhou atenção especial a partir dos anos 1990, na democracia. A lacuna deixada pelos governos militares ainda nos assombra. Nem mesmo durante o “milagre econômico” houve avanços significativas nos índices educacionais, pelo contrário.

Os números do IBGE traduzem o que tem sido a jornada brasileira pela educação: em 1970, em plena ditadura, 32,78% das crianças de 7 a 14 anos estavam fora da escola. Em 1980, eram 32,87%, um aumento absoluto de 1,1 milhão de meninos sem aulas na década em que o Brasil mais cresceu. Em 1991, a proporção dos que não estavam estudando caiu para 22%. Nos difíceis anos 1990, com suas crises econômicas, o governo conseguiu a maior inclusão. O número de crianças sem aula despencou de 6,2 milhões para 1,5 milhão. Em proporção, a queda foi de 22% para 5,5%, em 2000. Na década seguinte, até 2010, a taxa dos sem escola caiu para 3,1%.

Infografico_HistFuturo3

O aumento no número de matriculados nas escolas é uma vitória, mas é grande demais o que ainda precisa ser feito. Este é o momento de trabalhar mais fortemente para transpor obstáculos históricos e preparar o futuro. Uma vantagem é a percepção dos brasileiros sobre a educação.

Uma pesquisa feita pelo Instituto Data Popular, em 2013, mostrou que as famílias estavam dispostas a gastar com educação e viam nisso um forte significado: 71% concordaram com a frase “a minha prioridade é a educação dos meus filhos”; e 95% concordaram com a frase “é o meio mais seguro para alcançar um bom futuro”.

A dedicação das famílias na formação dos filhos começa a mudar também nossos números sobre o tempo de vida escolar. Segundo o IBGE, os brasileiros com 65 anos ou mais têm 4,2 anos de estudo, em média; os que estão entre 25 e 64 anos têm 8,3 anos de estudo, em média.

No entanto, estamos falhando na melhora da qualidade. Ainda temos que aprimorar o ensino das duas disciplinas básicas, português e matemática, diminuir a evasão do ensino médio e, cada vez mais, usar novidades tecnológicas para tornar o estudo mais interessante.

Em geral quando falo sobre os dilemas nacionais em palestras, há sempre uma concordância de que a educação é um tema central. Todos sabemos que é assim. Se o país está em recessão, poderemos recuperar pontos no PIB nos próximos anos, mas se perdermos o cérebro de uma geração perderemos o futuro. No meu livro tentei passar esse senso de urgência que sei, caros leitores, que compartilhamos.

>> Leia um trecho de História do futuro

Tags , , , .

Leia mais Míriam Leitão

O ano em que o futuro pareceu mais distante

O ano em que o futuro pareceu mais distante

Como será a população brasileira no futuro? Já há respostas

Como será a população brasileira no futuro? Já há respostas

Entenda como a JBS recebeu quantias extravagantes de dinheiro público

Entenda como a JBS recebeu quantias extravagantes de dinheiro público

O Brasil é um dos países mais desiguais do mundo. Terá que ser sempre assim?

O Brasil é um dos países mais desiguais do mundo. Terá que ser sempre assim?

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *