Maurício Gomyde

O amor segundo Buenos Aires, segundo Maurício

11 / maio / 2016

foto_o amor segundo buenos aires

O desejo de ler O amor segundo Buenos Aires, de Fernando Scheller, foi despertado em mim justamente por a história se passar na capital argentina — uma parte pela paixão por seus detalhes, arquitetura, música, dança, livrarias e cafés, e outra pela curiosidade de sentir a textura impressa pelo autor para descrevê-la. Explico a segunda parte: meu novo livro tem um pouco da ação na mesma cidade. Coincidência feliz, pois cheguei até a sentir o “cheiro do lugar”, tal a riqueza da escrita do Fernando, naquele jeito fluido de contar histórias que todo mundo gosta.

Fui brindado por uma trama realmente cativante e que não me fez desgrudar até finalizá-la. São short cuts de uma série de personagens que vivenciam histórias de amor — amor de amante, de amigo, de família, pela música, pela dança, pela comida; amor correspondido, perdido, encontrado e reencontrado — em última instância, por viver e por Buenos Aires. Todas essas histórias tangenciam a vida de Hugo, o personagem principal de um enredo que tem tantos protagonistas bons que todos poderiam tranquilamente ser principais.

Terminei com um sorriso singelo, uma vontade absurda de comprar uma passagem a Buenos Aires. Assim fiz. Irei em breve revê-la, já que preciso pesquisar um pouco mais sobre o que estou escrevendo. Aproveitarei para passar em alguns locais descritos por Fernando. Quem sabe assistir a uma ópera no Colón, conhecer o Lumio Café y Delicias, a Confeitaria Ideal, a Livraria Caligari e tantos locais instigantes. Precisarei voltar mais vezes, certamente.

Destaque para a cena final, digna de filme. Tenho sempre a nítida impressão de que um livro é bom quando merece virar filme. E O amor segundo Buenos Aires daria um filmão.

Um livro para quem conhece Buenos Aires, para quem não conhece, mas tem vontade, para quem sonha viver uma boa história de amor nas esquinas de uma cidade super-romântica. Ou até para quem, como eu, esteja escrevendo um livro que tenha a cidade como cenário. Parafraseando Eduardo, um dos personagens: o livro é uma declaração de amor no meio da rua. É o que todo mundo, bem lá no fundo, sempre espera.

Leia mais Maurício Gomyde

Conectados anônimos

Conectados anônimos

On the road books — para pegar a estrada sem sair de casa

On the road books — para pegar a estrada sem sair de casa

As oito melhores cenas de despedida do cinema

As oito melhores cenas de despedida do cinema

O menino e o catador de latinhas

O menino e o catador de latinhas

Comentários

7 Respostas para “O amor segundo Buenos Aires, segundo Maurício

  1. Uma declaração de amor no meio da rua??? Ah… Preciso ler! Maurício, estou ansiosa pelo teu livro novo!

  2. Livros que dão filmes também são meus favoritos. Tinha visto o livro na livraria e não conhecia. Agora me deu muita vontade de conhecer. Obrigado pela dica.

  3. É mesmo., deu vontade de ler não só o livro do Scheller como o do próprio Maurício.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *