Cristina Tardáguila

O roubo a museu mais badalado do mundo

24 / fevereiro / 2016

The empty frame from which thieves cut Rembrandt's The Storm on the Sea of Galilee remains on display at the Isabella Stewart Gardner Museum in Boston. The painting was one of 13 works stolen from the museum in 1990

O roubo do Isabella Stewart Gardner Museum, em Boston. (fonte)

Se você curte museus e obras de arte, se é admirador de Rembrandt, certamente já ouviu falar do roubo ao Isabella Steward Gardner Museum, em Boston, nos Estados Unidos. O que talvez você não saiba é que a lista de semelhanças entre esse caso e o do Museu da Chácara do Céu, no Rio de Janeiro, é gigantesca.

Na noite de 18 de março de 1990, na véspera do feriado de Saint Patrick’s, um dos mais populares de Boston, uma dupla de ladrões chegou ao Isabella Stewart Gardner Museum e, fazendo-se passar por policiais, convenceu os vigias a abrir as portas da instituição. Os homens alegaram que tinham recebido um telefonema informando que criminosos em fuga haviam entrado ali em busca de refúgio. Ao cruzarem os portões do museu, os assaltantes renderam os seguranças, selaram seus lábios com fitas adesivas e os algemaram aos canos do porão, um local sem qualquer contato com o mundo exterior. Naquele dia, o museu perdeu treze obras de relevância mundial. Entre elas, três Rembrandts, um dos 36 Vermeers existentes em todo o planeta e um belíssimo Manet. Desde 1990, o crime é investigado por FBI, Scotland Yard e um batalhão de detetives particulares.

O roubo da Chácara do Céu também aconteceu na véspera de um feriado, na sexta-feira antes do Carnaval. Os vigias do museu carioca também foram facilmente rendidos e encurralados num ambiente fechado. Na Chácara do Céu, ficaram numa salinha de telefone sem janelas. As duas coleções atacadas foram montadas por mecenas que decidiram deixar seus acervos para usufruto público. Tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos, os bandidos deixaram para trás peças que eram tão ou mais valiosas do que as roubadas. E, por fim, em ambos os crimes a investigação continua aberta, sem nenhuma pista.

Agora as diferenças… Enquanto o museu dos Estados Unidos oferece uma recompensa de US$ 5 milhões por informações que levem à recuperação das obras de arte, a entidade brasileira — junto com o Ministério da Cultura — anunciou em 2006 uma recompensa de R$ 10 mil. Enquanto nos Estados Unidos o assunto é relembrado pela imprensa a cada aniversário, no Brasil foi totalmente esquecido. Por fim, enquanto nos Estados Unidos o roubo do Isabella Steward Gardner Museum já rendeu pelo menos cinco livros, no Brasil só há um: A arte do descaso.

Leia mais Cristina Tardáguila

O roubo de arte e o crime organizado

O roubo de arte e o crime organizado

Precisamos falar sobre roubo de arte

Precisamos falar sobre roubo de arte

A PF deve focar só em corrupção?

A PF deve focar só em corrupção?

A lista dos descasos, em ordem aleatória

A lista dos descasos, em ordem aleatória

Comentários

2 Respostas para “O roubo a museu mais badalado do mundo

  1. “Agora as diferenças… Enquanto o museu dos Estados Unidos oferece uma recompensa de US$ 5 milhões por informações que levem à recuperação das obras de arte, a entidade brasileira — junto com o Ministério da Cultura — anunciou em 2006 uma recompensa de R$ 10 mil. Enquanto nos Estados Unidos o assunto é relembrado pela imprensa a cada aniversário, no Brasil foi totalmente esquecido. Por fim, enquanto nos Estados Unidos o roubo do Isabella Steward Gardner Museum já rendeu pelo menos cinco livros, no Brasil só há um: A arte do descaso.” ah se mata né? affe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *