Entrevistas

Cozinhar é o que nos torna humanos

19 / fevereiro / 2016

michael-pollan

Do costume de uma tribo australiana de cozinhar lagartos direto no fogo ao tradicional churrasco de porco inteiro no Sul dos Estados Unidos, Michael Pollan busca em Cozinhar a essência de nossa identidade como seres humanos. Baseada no livro homônimo, a série documental Cooked estreia mundialmente hoje na Netflix.

Dividida em quatro episódios focados nos elementos primordiais — fogo, água, terra e ar —, a produção introduz alguns dos princípios defendidos pelo celebrado jornalista, autor de obras de referência como O dilema do onívoro e Em defesa da comida. Para ele, retornar à cozinha é hoje um ato político um protesto contra uma economia de consumo altamente especializada e alienante e uma das atividades mais recompensadoras e prazerosas que podemos exercer.

cozinhar211x319Pollan reforça que a ascensão do fast-food e o declínio da comida caseira causam impactos que vão além dos males à nossa saúde. Porque cozinhar é o que nos torna humanos, tanto cultural como biologicamente: ao passar a ingerir alimentos cozidos, o Homo erectus mudou o destino da nossa espécie. Enquanto primatas dispõem de sistemas digestivos enormes e passam até metade do tempo acordados mastigando alimentos crus, especialistas defendem que a nova dieta (com maior densidade energética e de mais fácil digestão) fez com que nossos cérebros aumentassem de tamanho e nossos intestinos encolhessem — além de nos propiciar muitas horas livres para atividades mais interessantes do que mastigar.

“Cozinhar é uma atividade primordial, profundamente enraizada em nossa mente”, defende o autor em entrevista ao blog da Intrínseca, e essa prática faz parte hoje de um intrigante paradoxo. Passamos cada vez menos tempo preparando nossa comida e mais tempo assistindo a programas de culinária na televisão o tempo médio gasto com o preparo das refeições nos Estados Unidos é de 27 minutos por dia, muito menos do que o necessário para assistir a um único episódio da franquia MasterChef.

Na entrevista a seguir, Michael Pollan reflete sobre nosso fascínio por programas de culinária na TV, o processo de adaptação de seu livro e como, ao deixarmos de cozinhar, perdemos a conexão com o mundo e com o que faz de nós humanos.

 

Como o ato de cozinhar pode ser um convite para repensar nosso papel em uma economia de consumo altamente especializada, dependente e alienante?
Michael Pollan: Numa época em que o mercado quer que você apenas consuma passivamente a comida preparada pela indústria, cozinhar é um ato político porque torna-se uma espécie de protesto, uma afirmação da sua identidade como produtor e não mero consumidor. Quando cozinhamos, defendemos nossas cozinhas e nossos jantares em família dos esforços da indústria em comercializá-los.

Como foi o processo de adaptação do livro para uma série de TV?
MP: É sempre fascinante observar o processo de adaptação de um livro, já que o que funciona em um meio nem sempre funciona em outro. Enquanto o livro enfatiza informações de caráter histórico, científico e antropológico, a série destaca personagens, locais e histórias. Também queríamos realçar na série o fato de que cozinhar faz parte de uma história universal, global. Assim, cada episódio dedica tempo considerável a outros países: Austrália, Índia, Marrocos e Peru. Cozinhar diz respeito a nossa humanidade, e, embora cozinhemos de maneiras diferentes em lugares diferentes, certos elementos nunca mudam — incluindo o uso do fogo, da água, do ar e da terra (com os micróbios) para transformar a matéria natural em cultura.

Quais são as novidades que os leitores encontrarão na série em relação ao livro?
MP: Para quem leu o livro, a série oferece uma perspectiva mais global e apresenta algumas práticas culinárias surpreendentes, como mulheres que mastigam raízes ricas em amido para produzir cerveja com a própria saliva, uma tribo de caçadores que cozinha lagartos diretamente sobre o fogo e famílias marroquinas que fazem pão todos os dias assando a massa em um forno comunitário.

Em Cozinhar você ressalta o Paradoxo do Cozinhar: passamos cada vez menos tempo preparando nossas refeições e mais tempo assistindo a programas de culinária na TV. Como você explicaria nosso fascínio em ver outras pessoas cozinhando fora de nossas casas, na TV?
MP: Acredito que somos atraídos por imagens e histórias envolvendo culinária, quer na TV ou em outros lugares, porque cozinhar é uma atividade primordial, profundamente enraizada em nossa mente. Quando assistimos a outra pessoa cozinhando, antecipamos o prazer de comer e trazemos à memória nossos familiares preparando alimentos para nós. Cozinhar é a essência de nossa identidade como seres humanos, então não é de se admirar que sejamos sempre atraídos para as chamas de um fogão, não importa onde ele esteja — mesmo na TV!

Leia um trecho de Cozinhar: uma história nacional da transformação

Tags , , , .

Leia mais Entrevistas

Por trás das #câmeras

Por trás das #câmeras

Uma mudança sem volta

Uma mudança sem volta

Envie sua pergunta para Isabela Freitas, autora da série Não se apega, não

Envie sua pergunta para Isabela Freitas, autora da série Não se apega, não

Me encontre

Me encontre

Comentários

4 Respostas para “Cozinhar é o que nos torna humanos

  1. Realmente cozinhar, é fantástico, muito melhor q assistir alguém cozinhando…👀

  2. Cozinhar com amor é o q nos torná tbm mais humanos

  3. Cozinhar revigora a alma e as raízes humanas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *