Clóvis Bulcão

Os Guinle: um circuito turístico

25 / janeiro / 2016

Paredes de vidro e interior do Banco Boavista, projeto de Oscar Niemeyer (Foto por Kurt Hutton/Getty Images)

Paredes de vidro e interior do Banco Boavista, projeto de Oscar Niemeyer
(Foto por Kurt Hutton/Getty Images)

No início do século XX, a cidade de Newport, Rhode Island, região praiana na Costa Leste dos Estados Unidos, era a queridinha dos milionários americanos para construir suas casas de verão. Ainda hoje, Newport é conhecida por suas mansões e quem a visita em geral contrata uma excursão para conhecer as principais: Marble House e The Breakers, que pertenceram à família Vanderbilt, The Elms, uma cópia do palácio d’ Asnieres, na França, entre outras.

A partir de 2017, aqui no Rio de Janeiro, será possível organizar algo parecido, apenas com antigas propriedades da família Guinle. O tour, de um dia, ainda agregaria pontos turísticos importantes da cidade: praia de Copacabana, Aterro do Flamengo e baía de Guanabara.

A primeira visita seria à mansão dos Guinle da rua São Clemente, em Botafogo, propriedade em estilo eclético francês, típico da belle époque carioca. Nessa casa moraram os patriarcas Eduardo Palassim Guinle e Guilhermina, e, depois, sua filha Celina.

Na sequência, a excursão seguiria até o Parque Guinle, em Laranjeiras, onde fica o palácio Laranjeiras. Construído para servir de moradia por Eduardo Guinle, o primogênito do casal, foi inspirado no Cassino de Monte Carlo, em Mônaco. Além da beleza de sua arquitetura, abriga uma riquíssima coleção de obras de artes.

Antes do almoço no Copacabana Palace Hotel, obra de Octávio Guinle que simboliza internacionalmente todo o glamour da família, o tour visitaria as instalações da sede do Fluminense Futebol Clube, legado arquitetônico de outro irmão, Arnaldo Guinle, que presidiu o clube.

Após o almoço, o passeio tomaria o rumo da Marina da Glória, no Aterro do Flamengo. Embarcado em uma escuna, o turista veria de perto, além da bela paisagem da baía, a ilha de Brocoió, onde existe uma mansão em estilo normando construída por Octávio Guinle.

Na volta, os turistas passariam por dois prédios no Centro da cidade. O primeiro é o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que, no passado, sediou a Companhia Docas de Santos, principal empreendimento dos Guinle. Localizado na avenida Rio Branco, o imóvel, concebido pelos Guinle especialmente para abrilhantar a reforma urbana promovida pelo prefeito Pereira Passos (1902-1904) na cidade, é outro legado da família.

A segunda visita seria à agência do Bradesco, na Candelária. O prédio abrigou a sede do Banco Boavista, idealizado e inaugurado pelo segundo filho do casal, Guilherme Guinle, e foi projetado, em 1946, pelo jovem arquiteto Oscar Niemeyer. Tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac), é uma das joias da moderna arquitetura brasileira.

A criação desse tour só seria possível após 2016, pois tanto o palácio Laranjeiras como a mansão da rua São Clemente estão sendo reformados. O passeio teria grande potencial para agradar tanto a cariocas quanto turistas, pois aliaria história, arquitetura, cultura, natureza, futebol e sofisticação.

Leia mais Clóvis Bulcão

Uma família à esquerda

Uma família à esquerda

José Serra e os Guinle

José Serra e os Guinle

Arnaldo Guinle e as arenas do futebol brasileiro

Arnaldo Guinle e as arenas do futebol brasileiro

Zózimo e a história do Rio

Zózimo e a história do Rio

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *