Maurício Gomyde

Meu best of 2015

22 / dezembro / 2015

Meu best of 2015

Todo escritor deve ler muito. É um chavão, mas daqueles que abrem enormes portas. Tento seguir a dica à risca, mas nem sempre consigo. Este ano, por exemplo, decepcionei: li 27 livros. Uma vergonha para um escritor, admito. Se fosse um campeonato, eu teria caído para a segundona. Ainda mais porque, outro dia, conversando com uma leitora, num dos lançamentos do meu livro, ela contou que já tinha lido 110. Cento e dez vezes trezentas páginas, em média. Isso dá página a dar com pau! E estávamos ainda em novembro!

“Ei, garota, o que a senhora faz da vida? Só lê? Que sorte, a sua!” Mas tenho boas desculpas para minha baixa efetividade. Até maio, eu estava envolvido com o Surpreendente! Desde novembro, estou envolvido com o novo livro. Nesse meio-tempo, eu… Bom, nesse meio-tempo tive que ensaiar minha banda, trabalhar, dar conta da mulher, das crianças, da louça, trocar lâmpadas, responder a e-mails, passear com o cachorro, pendurar roupas, dormir (porque ninguém é de ferro)… É melhor parar por aqui. Vinte e sete está passando de bom!

Enfim, após o parágrafo da mea-culpa, trago os melhores entre os que li em 2015. Se não foi grande a quantidade, ao menos posso dizer que tive bons momentos. E isto é o mais importante: quanto me diverti, me emocionei e, no fim das contas, aprendi. Não farei resenhas. Há muitas delas em blogs ótimos, com críticas profundas e embasadas. É apenas meu best of — dicas para quem, ao contrário de mim, vai tirar merecidas férias e terá tempo de ler tudo o que quiser; a singela contribuição para aqueles que, em 2016, não pretendem ter uma performance tão vexatória quanto a minha. Vamos lá:

1. Caixa de pássarosJosh Malerman: tinha ouvido falar muito bem do livro e estava na minha lista de compras. Quando conheci pessoalmente o Josh, durante a Bienal do Rio, fiquei com mais vontade. O cara é um doce de pessoa, e não dá para entender como, por trás daquele jeito bonachão, existe uma mente tão diabólica. Um thriller original e de arrepiar.

2. Ele está de voltaTimur Vermes: achei a capa perfeita e a premissa instigante. O livro se revelou engraçado e inteligente. Se eu fosse alemão, certamente daria mais risadas. Imaginar o próprio Hitler transportado no tempo, para os dias atuais, foi uma grande sacada. Não consegui deixar de pensar no Inri Cristo…

3. Como eu era antes de vocêJojo Moyes: o primeiro que li, logo após entregar meu livro para a editora. Aliás, ganhei o livro da própria Intrínseca, cheio de boas recomendações. Uma história que eu gostaria de ter escrito.

4. Surpreendente! – por motivos óbvios, o livro que mais me marcou em 2015 e que está me levando a lugares que nunca imaginei.

5. Segundo — Eu me chamo AntônioPedro Gabriel: o Pedro é um poeta raro, criativo, sucinto e profundo, tudo ao mesmo tempo. O trabalho editorial do livro é muito bom. Eventualmente abro numa página qualquer e fico admirando a simplicidade dos poemas. Como sempre digo: o difícil é ser simples.

6. Toda luz que não podemos ver Anthony Doerr: quando a gente acha que o tema da Segunda Guerra já deu, que esgotou e não tem mais como sair algo novo, surge essa belíssima história, muito bem contada e emocionante. Há muito tempo um livro não mexia tanto comigo. Obra-prima.

Leia mais Maurício Gomyde

Prêmio acumulado (ou Nada é maior que o amor)

Prêmio acumulado (ou Nada é maior que o amor)

Amigos

Amigos

As oito melhores cenas de despedida do cinema

As oito melhores cenas de despedida do cinema

O amor segundo Buenos Aires, segundo Maurício

O amor segundo Buenos Aires, segundo Maurício

Comentários

9 Respostas para “Meu best of 2015

  1. Dicas anotadíssimas. Desses eu li o Surpreendente, claro, e também o Como eu era antes de você. Estou louca para ler o Toda luz que não podemos ver.

  2. Gostei das dicas. Nesse ano li não mais que 20 livros, mas estou descobrindo cada vwz mais o prazer da leitura.

  3. Meu best of tem Surpreendente, Extraordinário e Caixa de Pássaros. Intrinseca, por favor, continue perfeita!

  4. Oi Maurício, eu até baixei minha meta do ano passado, pois a correria também me deixou com pouco tempo para ler, mas em 2015 consegui ler 34 livros, o que para mim é uma vitória! Do seu top eu li Caixa de Pássaros, Todas Luz Que Não podemos Ver e estou lendo Surpreendente, todos ótimos!!! Os outros dois já foram para a lista. Bjs

  5. Olá Maurício… Amei seu top. Tb li menos do que gostaria esse ano, são tantas as tarefas que ler(q é tão prazeroso e enriquecedor) acaba ficando pra depois!!! Entre os seus escolhidos, li Como eu era antes de vc e Toda luz que não podemos ver, acrescentaria a minha lista de melhores A garota que vc deixou pra trás e Um mais um. E Caixa de pássaros é o primeiro de uma lista gigante que pretendo comprar, em 2016. Pq esse ano a conta ta zerada. Grande abraço

  6. O Surpreendente foi o melhor livro que li em 2015. Li mais livros do que você, Maurício. haushaushas Foram mais de 50 e por isso eu ficaria na primeira divisão. Estou ansiosa já para seu próximo livro e vi lá no face que você já está escrevendo. Que ele seja tão maravilhoso quanto o Surpreendente.

  7. Destes, eu só não li ainda “Toda a luz que não podemos ver”, que já esta na lista de espera e “Caixa de Pássaros” que acabou de entrar pra listinha! Li 22 livros nesse ano, também um número bem baixo, mas em 2016 vou melhorar esses números! “Como eu era antes de você” me deu a maior ressaca literária de 2015! “Surpreendente” encheu o meu coração de amor, esperança, alegria e tristeza também! Mas foi o livro que me levou a maior de todas as reflexões do ano! “Ele esta de volta”, não tinha pensado no Inri Cristo, mas agora que tu disseseste… Kkkk… Maurício, tua lista é a melhor, assim como tudo que tu escreves! Sou uma grande admiradora do teu trabalho! Que 2016 venha com muita alegrias e muito mais sucesso pra ti! És merecedor! Beijão!

  8. Maurício, também li bem menos do que esperava pra esse ano… Trabalho, faculdade, blog e casa – também fica bem difícil hahahah li poucos livros, mas bons. E quero muito ler “Toda luz que não podemos ver”.

  9. “O difícil é ser simples”… taí um bom tema pr’uma conversa no blog, hm? 🙂 <3 [ainda não li Jojo; dica anotadíssima!]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *